Geração Coca Zero | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
Últimos Posts
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Banana Republic
>>> Em terra de cego, quem tem olho é Pelé
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Stan Lee - o reinventor dos super-heróis
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
Mais Recentes
>>> Exel 2010 - Avançado de Richard Martelli e Maria Silvia Mendonça Barros pela Senac São Paulo (2013)
>>> Brasil--pais do presente--socialismo cristao brasileiro. de Augusto ariston e jesus chediak. pela Pi (2001)
>>> Shopping centers de Mario cerveira filho pela Saraiva (1999)
>>> Divina comédia (Com Ilustrações de Sandro Boticelli) de Dante Alighieri pela Ateliê/Unicamp (2011)
>>> Dinâmica da Contra-revolução na Europa: 1870-1956 de Arno J. Mayer pela Paz e Terra (1977)
>>> Dialectic For Beginners de Carlos Cirne Lima pela Edipucrs (1997)
>>> Democracia, agência e estado: Teoria com intenção comparativa de Guillermo Alberto O. Donnell pela Paz e Terra (2010)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoievski pela 34 (2005)
>>> Conservadorismos, Fascismos e Fundamentalismos: Análises Conjunturais de Ronaldo Almeida e Rodrigo Toniol (Orgs.) pela Unicamp (2018)
>>> Condomínio do Diabo de Alba Zaluar pela Ufrj (1996)
>>> Combate nas Trevas de Jacob Gorender pela Ática (1998)
>>> Coisas da Cosa Nostra: A Máfia Siciliana Vista Por Seu Pior Inimigo de Giovanni Falcone; Marcelle Padovani pela Rocco (2012)
>>> Cidade Aberta de Teju Cole pela Cia. das Letras (2012)
>>> Carta Aberta Aos Gurus Da Economia Que Nos Julgam Imbecis de Bernard Maris pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Abismo de Kurt Falkenburger pela Clube do Livro (1980)
>>> Anchieta: A restauração de um Santuário de Org. Carol de Abreu pela Ministério da Cultura - IPHAN (1998)
>>> Cimarron de Edna Ferber pela Abril Cultural (1983)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Círculo do Livro (1986)
>>> Le Grand Meaulnes de Alin-Fournier pela Livre de Poche (1983)
>>> Harry Potter e o Cálice de Fogo de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J. K. Rowling pela Rocco (1999)
>>> O Amor Não Term Hora de Cynthia Freeman pela Record (1986)
>>> De Olho em Zumbi dos Palmares - Histórias, símbolos e memória social de Flávio dos Santos Gomes pela Claro Enigma (2011)
>>> Nei Lopes - Retratos do Brasil Negro de Oswaldo Faustino pela Selo Negro (2019)
>>> Cisne de Leonardo de Kren Essex pela Suma (2006)
>>> Diga Espelho Meu de Stanley Ellin pela Record (1972)
>>> Pecar e perdoar: Deus e o Homem na História de Leandro Karnal pela Harper Collins (2014)
>>> Dinastia de Robert S. Elegant pela Círculo do Livro (1977)
>>> The Wicca Handbook de Eileen Holland pela Samuel Weiser (2000)
>>> O Guerrilherio de Baker Street de B. Sweet-Escott pela Bloch (1965)
>>> A Filha do Milionário de Dorothy Eden pela Nova Cultural (1987)
>>> The Wicca Bible - The definitive guide to Magic and The Craft de Ann-Marie Gallagher pela Sterling Publishing - New York (2005)
>>> "Batman: Vigilantes de Gotham - N° 28: Viver e Morrer em Gotham City... de Vários pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 41: Gotham City: Contagem Regressiva para o Fim...! de Dennis Oneil: Argumento pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 26: Mulher Gato Ano Dois de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 23: Batman - Procedimento Padrão de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> As Grandes Correntes da Mística Judaica de Gershom Scholem pela Perspectiva (1972)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 19: Justiça Cega! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 16: Azrael - Anjo Em Guerra! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N°13: Batman Contra o Anjo Vingador de São Dumas! de Dennis Oneil: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham (N. 10): Retorno de Alfred: A Conspiração Inglesa de Alan Grant: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Os Quatro Elementos e os Caminhos da Energia de Karen Hamaker-Zondag pela Nova Fronteira (1989)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 3 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 2 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Gênios da Pintura Nº 12: Van Eyck/ A Maior Coleção de Arte do Mundo de Pietro Maria Bardi: Supervisão pela Abril (1967)
>>> Hellraiser - The Dark Watch n° 1 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2014)
>>> Magia Das Flores - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Bosque Encantado - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Devorados de Cirilo S. Lemos, Erick Santos Cardoso, Marcio R. Gotland pela Draco (2017)
>>> Marvel Heroes: Hulk #4 (Os Heróis Mais Poderosos da Marvel) de Vários pela Salvat (2015)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/6/2008
Geração Coca Zero
Marcelo Spalding

+ de 7000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Você já assistiu ou ouviu o comercial das línguas e do zoião? Aquele da Coca-Cola, quer dizer, da Coca Zero? Pois é, não sou especialista em marketing, mas confesso que não consigo entender como uma empresa faz propaganda de um produto novo opondo ele a um produto antigo, tradicional, carro-chefe de uma história centenária. Ações de marketing que ano passado traziam a marca Coca-Cola, como o Estúdio Coca-Cola, agora carregam a marca Coca Zero, tornando-se Estúdio Coca Zero, sem contar os preciosos segundos de rádio e televisão utilizados pela companhia para divulgar o lançamento de rótulo preto em oposição à tradicional Coca "normal".

Não vou entrar no mérito se a Coca Zero é ou não igual à sua avó, particularmente acho a Zero uma Coca sem gás, mas melhor que a insossa Light. A questão é por que a empresa insiste tanto na publicidade desse novo produto, chegando a esconder a divulgação da Coca "normal" atrás da baboseira Maradona X Biro-Biro e dando todo o destaque para a Zero. Não é um favor à sociedade, um auxílio à saúde pública em prol da diminuição do peso da população, certamente não. A questão principal é que, como diria Camões, "mudam-se os tempos, mudam-se as vontades", e a geração Coca-Cola já tem seus filhos, às vezes netos, e para a Coca são esses novos consumidores que interessam, gente que se divide entre o computador, as academias e suas gradeadas residências, gente que pede maçã e salada no McDonald's e no supermercado acomoda no carrinho cevas e energéticos (aliás, também não entendo como uma empresa só vendendo aquela porcaria do Red Bull consegue ganhar tanto, mas tanto dinheiro que chega a ter uma equipe de F1 com seu nome...).

Mas voltemos à música, pois foi um outdoor anunciando outra edição do Estúdio Coca (agora) Zero aqui em Porto Alegre que me provocou essa reflexão. Aliás, desde que o Jota Quest apareceu fazendo propaganda da Fanta que não me sai da cabeça aquele verso dos Engenheiros do Hawaii: "a juventude é uma banda numa propaganda de refrigerante". Bem, agora não é uma, são muitas as bandas vendendo a Coca Zero, e não será estranho que num desses shows uma dessas bandas invoque o grande Renato Russo e cante "Geração Coca-Cola". Coca-Cola normal! E Eis a questão: será que estamos assistindo ao surgimento de uma espécie de Geração Coca Zero, mais preocupada com sua imagem, seu corpo, suas calorias?

Os versos de Renato são dos anos 80, e a juventude que faria a revolução, a ironicamente chamada Geração Coca-Cola, hoje é adulta, assiste Big Brother, imita o Juvenal Antena e talvez até assine a Veja (Deus me livre!). Mas no seu lugar deixou a geração Coca Light, dos anos noventa, e agora essa geração que aprimora e exagera os valores da outra, a Geração Coca Zero.

Se a Geração Coca-Cola foi programada para receber os enlatados do USA, a geração Coca Zero convive com os enlatados culturais norte-americanos, exibidos à exaustão nos canais por assinatura, mas com muita freqüência lê na etiqueta dos seus tênis, roupas e aparelhos eletrônicos a já famosa frase "Made in China" (um amigo meu comprou um notebook da Apple e, surpresa!, lá estava: Made in China). Se a geração Coca-Cola comia lixo comercial e industrial, a Geração Coca Zero é entupida do lixo serviçal, pois como nunca o setor de serviços esteve presente na sociedade através das teles, das financeiras, das TVs por assinatura, dos provedores de acesso à internet, dos cartões de crédito, todos eles nos entupindo de lixo em forma de spam, de anúncio, de promessas. E se a Geração Coca-Cola era feita de burgueses sem religião, a Geração Coca Zero é repleta de burgueses conectados a alguma crença, desde grupos de jovens cristãos até centros zens de ioga, passando pelas megalomaníacas igrejas pentecostais.

E então vem o refrão, e no refrão está a maior diferença entre uma geração e outra, uma época e outra:

"Somos os filhos da revolução
Somos burgueses sem religião
Somos o futuro da nação
Geração Coca-Cola"

A Geração Coca Zero não é filha nem neta da revolução, seja a revolução ditatorial de direita, hoje empurrada para baixo dos tapetes e restrita aos livros de História, seja a revolução cultural de Maio de 68, hoje relembrada apenas pela efeméride, mas ausente mesmo dos livros de História. No dicionário da Geração Coca Zero não tem a palavra burguês e, se tiver, seu sentido é simpático, como na música de Seu Jorge. E, fundamentalmente, a Geração Coca Zero não quer ser o futuro da nação, rejeita esse peso e prefere preocupar-se com seu próprio futuro: tendo uma chance, fará o futuro de outra nação, preferencialmente européia ou da América do Norte.

A escola, que talvez antes mencionasse todas as manhas de um jogo sujo para ensinar que não é assim que tem que ser, hoje se esmera em preparar cada um de seus alunos para jogar da melhor forma possível com as manhas desse jogo, que nem é mais chamado de sujo, apenas de "competitivo". Ensina a marcar cruzinhas para o vestibular, a falar inglês e espanhol com fluência, a ser mais e mais criativo.

Não cabe, nessa coluna, juízo de valor sobre o que é melhor, Coca Normal ou Coca Zero, a Geração Coca-Cola ou a Geração Coca Zero, o maio de 1968 ou esse maio que recentemente se encerrou. O segundo não existiria sem o primeiro, um é produto do outro, e pelo bem ou pelo mal, de uma forma ou de outra, a sociedade segue avançando, aparentemente com menos sonhos mas também com mais opções de escolha. Particularmente, uma coisa eu lamento com ênfase: que não haja nessa Geração um Renato Russo para sintetizá-la.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 12/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
03. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/6/2008
19h04min
Bacana o texto, Marcelo, tem idéias interessantes e curiosamente relacionadas. Agora, pior do que o ensino de "marcar cruzinhas para o vestibular", só mesmo um intensivão sobre Platão num cursinho pré-vestibular, dá pra imaginar? Porque é assim que a banda tem tocado desde a exigência do ensino de Filosofia e Sociologia nas escolas brasucas. Até que a causa é legítima - super legítima -, já o rumo que a coisa toma... abs!
[Leia outros Comentários de Vanessa Barbosa]
12/6/2008
22h53min
Nossa, adorei esse texto. É o mais sábio de todos que já li, principalmente a última frase: "uma coisa eu lamento com ênfase: que não haja nessa Geração um Renato Russo para sintetizá-la". Adorei, adorei mesmo. Esse tbm é o meu ponto de vista.
[Leia outros Comentários de Adriano]
23/8/2008
20h57min
belo artigo, Marcelo querido: tá tudo muito bem, tá tudo muito chato, regulado, diet, light, zero: que falta faz nosso Renato Russo, que, se não estivesse entre os anjos, revolveria terras de indgnação... ;-))
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
9/10/2008
12h27min
Nossa!!! O que posso dizer sobre este texto? Maravilhoso, simplesmente. A forma como você abordou o texto foi incrivelmente única. Adorei, Marcelo! Descobri este site há pouco tempo e agora não largo mais. E ainda divulgo pra todos meus amigos, pois textos como esses DEVEM ser lidos pela própria geração Coca Zero, à qual pertenço. Quem sabe algumas reflexões e mudanças tornem-se evidentes? Sinto que a minha geração precisa de um pouco mais de gás, assim como a Coca Zero. Muito bom mesmo, Marcelo!
[Leia outros Comentários de Tamires Mucedola]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PROBLEMA DO MAL NO ANTIGAMENTO TESTAMENTO
LUIZ SAYÃO
HAGNOS
(2016)
R$ 30,00



WATCH YOUR DREAMS
ANN REE COLTON
ARC PUBLISHING COMPANY
(1992)
R$ 30,00



ANTI-SEMITISMO, INTEGRALISMO, NEO-NAZISMO
WERNER NEHAB (COM DEDICATÓRIA DO AUTOR)
FREITAS BASTOS
(1988)
R$ 30,28



A SETE LEIS ESPIRITUAIS DO SUCESSO
DEEPAK CHOPRA
BEST SELLER
(2018)
R$ 15,00



JANGO (6641)
SILVIO TENDLER
L&PM
(1984)
R$ 12,00



MINHA VIDA DE GOLEIRO - COL. MEMÓRIA E HISTÓRIA
LUIZ SCHWARCZ; MARIA EUGENIA
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2008)
R$ 10,00



PSIUU...
GERDA BRENTANI
ATICA
(1998)
R$ 4,17



O DEMÔNIO E A SRTA. PRYM
PAULO COELHO
OBJETIVA
(2000)
R$ 10,00



O CIRCO DO AMANHÃ
LILIA MORITZ SCHWARCZ
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2014)
R$ 32,90



POBRE MENINA RICA
BARBARA HUTTON E C. DAVID HEYMANN
FRANCISCO ALVES
(1988)
R$ 15,17





busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês