Nem memórias nem autobiografia, mas Saramago | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Literatura na poltrona
>>> Eduardo Arcos en el EBE 2008
>>> Nasce um imortal: José Saramago
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Coração generoso
>>> Música Discreta
>>> Cada dia mais jovem - um retrato de minha mãe
>>> Sobre Sherlock Holmes
>>> 7 de Setembro
>>> Onde moram as crônicas
Mais Recentes
>>> Penso e Acontece de Bob Proctor pela CDG Grupo Editorial (2014)
>>> A Escada para o triunfo de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2016)
>>> O Pajé de Cristo de Homer E. Dowdy pela Sepal (1997)
>>> A Verdadeira Religião Christã 2 Volumes de Emanuel Swedenborg pela Freitas Bastos S/A (1964)
>>> Direito Previdenciário em Tempos de Crise de Ana Paula Fernandes, Roberto de Carvalho Santos, Marco Aurélio Serau Júnior pela Ieprev (2019)
>>> História Geral da Civilização Brasileira - III o Brasil Republicano de Boris Fausto Diretor pela Difel (1981)
>>> Rumo a uma Civilização Solar de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (1982)
>>> O Simbolismo das Religiões de Mario Roso de Luna pela Siciliano (1990)
>>> Os manuscritos do mar morto de Geza Vermes pela Mercuryo (1997)
>>> Estrutura e Origem das Paisagens Tropicais e Subtropicais de João José Bigarella pela Ufsc (2003)
>>> Jogos Radicais de Teresa M. G. Jardim pela Assírio & Alvim (2010)
>>> Brusque - Cidade Schneeburg de Saulo Adami/Tina Rosa pela S&t (2021)
>>> Psicología Y Alquimia (em Espanhol) de Carl G Jung pela Santiago Rueda (1957)
>>> The Beatles - a Biografia de Bob Spitz pela Larrousse (2007)
>>> Enciclopédia De Dificuldades Bíblicas de Gleason Archer pela Vida
>>> Wagner, Mitologo Y Ocultista de Mario Roso De Luna pela Glem (1958)
>>> Impactando cidades - 4 estratégias de batalha espiritual para avançar na conquista de sua cidade de Martin Scott pela Danprewan (2005)
>>> Cavalo de Troia 7 - Nahum de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
>>> Harry Potter and the Half Blood Prince de J. K. Rowling pela Bloomsbury (2005)
>>> Cidades médias- espaços em transição de Maria encarnação beltrão sposito pela Expressão popular (2007)
>>> Amor É Tudo Que Nós Dissemos Que Não Era de Charles Bukowski pela 7 Letras (2012)
>>> Juliette Society de Sasha Grey pela Leya (2013)
>>> Oeuvres Complètes de Rabelais pela Biblioteque de la Pleiade NRF (1938)
>>> A lei e ilegalidade na produção do espaço urbano de Edesio fernandes pela Del rey (2021)
>>> O espaço público na cidade comtemporânea de Angelo serpa pela Contexto (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 6/2/2007
Nem memórias nem autobiografia, mas Saramago
Marcelo Spalding

+ de 6800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

As memórias de As pequenas memórias (Companhia das Letras, 2006, 144 págs.) são realmente pequenas, efêmeras, fragmentadas. E tanto que o leitor não conseguirá penetrar nas memórias, preocupações, medos e concepções ideológicas do jovem Zezinho. Também não se pode falar de autobiografia: Saramago não vai além dos quinze anos e mesmo assim pouco se sabe a não ser indícios sobre a conturbada relação dele com o pai ou a saída do Liceu Gil Vicente. Ainda assim, vale a pena: é Saramago.

Único prêmio Nobel de Literatura em língua portuguesa, José Saramago é um dos mais festejados escritores vivos, com traduções em diversas línguas e elogios até do exigente e liberal Harold Bloom. No Brasil, cada palestra sua transforma-se em evento extremamente concorrido - também pelas suas posturas esquerdistas - e multiplicam-se estudos acadêmicos sobre ele: na plataforma Lattes, por exemplo, retornam 464 currículos de pesquisadores com a palavra Saramago e, só para comparar, 157 para Eça de Queirós e 210 para Jorge Amado.

É natural, portanto, que um livro de memórias de Saramago fosse aguardado com grande expectativa, e não se poderia esperar nada menor do que um As palavras, de Sartre - o francês também se voltara para a infância mais remota em sua autobiografia publicada em 1964, mesmo ano, aliás, em que recusa o prêmio Nobel. Mas já nas primeiras páginas o leitor de Saramago percebe que a intenção é outra, e ao longo das páginas fica ainda mais evidente que a infância de Saramago é muito diversa da de Sartre para esperar-se dele um livro como o do francês.

Através de pequenas narrativas de em média uma ou duas páginas, Saramago - que em Manual de Pintura e Caligrafia, de 1977, já havia feito uma "espécie de autobiografia oblíqua" mas precoce, levando em conta que seus romances de grande sucesso surgem a partir dos anos 80 - vai enumerando episódios e apresentando personagens fundamentais para sua infância e começo de adolescência, como os avós maternos, a mãe, a tia Maria Natália e os vizinhos Baratas. Narrando quase que em terceira pessoa, refere-se ao menino com o distanciamento crítico dos setenta anos de diferença e dessa forma consegue transformar alguns episódios em verdadeiros contos, tamanha a força que tira daquele cotidiano longínquo.

São em alguns destes momentos que as profundas mágoas do homem - talvez as mágoas que o tenham transformado em escritor -, se revelam por trás do narrador irônico e melancólico hoje mundialmente famoso, como fica claro neste trecho em que refere-se ao pai.

"Meu pai não era pessoa de deixar que o filho lhe ganhasse, e, por isso, implacável, aproveitando-se da minha pouca habilidade, ia marcando golos uns atrás dos outros. O tal Barata, como agente da Polícia de Investigação Criminal que era, deveria ter recebido treino mais que suficiente quanto aos diferentes modos de exercer uma eficaz pressão psicológica sobre os detidos ao seu cuidado, mas terá pensado naquela altura que podia aproveitar a ocasião para se exercitar um pouco mais. Com um pé tocava-me repetidamente por trás, enquanto ia dizendo: 'Estás a perder, estás a perder.' O garoto agüentou enquanto pôde o pai que o derrotava e o vizinho que o humilhava, mas, às tantas, desesperado, deu um soco (um soco, coitado dele, uma sacudidela de cachorrito) no pé do Barata, ao mesmo tempo que desabafava com as poucas palavras que em tais circunstâncias poderiam ser ditas sem ofender ninguém: 'Esteja quieto!' Ainda a frase mal tinha terminado e já o pai vencedor lhe assentava duas bofetadas na cara que o atiraram de roldão no cimento da varanda. Por ter faltado ao respeito a uma pessoa crescida, claro está. Um e outro, o pai e o vizinho, ambos agentes da polícia e honestos zeladores da ordem pública, não perceberam nunca que haviam, eles, faltado ao respeito a uma pessoa que ainda teria de crescer muito para poder, finalmente, contar a triste história. A sua e a deles."

Em outra passagem, Saramago lembra do dia em que foi pego por alguns meninos da rua, ele ainda com dois aninhos, levado para uma construção abandonada, amarrado e despido. Conta como os meninos pegaram um arame do chão e enfiaram na sua uretra até sangrar, e quando sangrou saíram correndo. "Sarei das feridas internas com muita sorte porque um arame apanhado do chão tinha tudo para ser, em princípio, o melhor caminho para um tétano", conta.

Ainda que predomine o tom melancólico, em que a criança é sempre derrotada, ludibriada ou desiludida, como em qualquer viagem à infância são relembradas manhãs no quintal da avó, as primeiras conquistas escolares, os amores juvenis, intensos ou ingênuos, a primeira vez que lê um jornal diante dos adultos estupefatos e as felizes tardes de cinema - aliás, como Sartre deixa bastante evidente em As palavras, o cinema foi a melhor e mais freqüente diversão também do menino Saramago, apenas dezessete anos mais velho que o francês, confirmando a importância da sétima arte no século XX.

A publicação anterior daquela "autobiografia oblíqua" de certo foi fundamental na opção estética destas pequenas memórias, pois o autor chega a pedir desculpas por repetir uma história já contada no Manual de Pintura e Caligrafia ao explicar que Saramago, na verdade, era o apelido de sua família, e não seu sobrenome; não fosse o engano - ou a brincadeira - do escrivão, o nosso Nobel chamar-se-ia José de Sousa (ou teria arranjado um bom pseudônimo). Mas não foi esta precoce autobiografia o único motivo de as memórias de Saramago terem saído assim, fragmentadas, difusas, quase prosaicas.

Sartre desde as primeiras páginas conta como sua relação com os livros foi precoce, lembra do rico avô e sua vasta biblioteca, das leituras e releituras de Madame Bovary quando era criança até a descoberta dos romances de cavalaria, lidos sob censura do avô e incentivo da mãe. Sartre tem aulas com uma professora particular contratada pelo avô, que achava a escola fraca demais, participa de montagens teatrais, escreve histórias e poesias. Sartre, solitário, precoce e genial, declara ter nascido da escritura, "escrevendo eu existia, escapava aos adultos: mas eu só existia para escrever, e se dizia eu, isso significa: eu que escrevo".

Saramago, não.

Filho de casal humilde, vai aos dois anos para Lisboa onde muda-se "dez vezes em dez anos". Faz estudos secundários (liceal e técnico) mas não pode continuar por dificuldades econômicas, tornando-se serralheiro mecânico e só depois desenhador, funcionário da saúde e da previdência social para finalmente aproximar-se das letras como editor, tradutor e jornalista. Sua lembrança de leitura mais remota é o folhetim Maria, a Fada dos Bosques, lido para ele por uma vizinha (a mãe também era analfabeta). Mais tarde, quando finalmente aprende a ler, o único exemplar que os vizinhos têm em casa e podem lhe emprestar - na casa de Saramago não havia dinheiro para livros ou jornais - é A Toutinegra do Moinho, livro francês que ele lê e relê.

Para evitar um coitadismo que em nada combinaria com sua prosa e sua posição atual, Saramago evita encarar de frente a parca formação intelectual de um menino pobre, evita trazer à tona todo o contexto da época (em que a ditadura salazarista dava seus primeiros passos) e a ideologia que espalhou por seus romances. Prefere sugerir, contar episódios, deixando para o leitor a tarefa de imaginar a dificuldade de um menino destes tornar-se o único Nobel em literatura da terra de Camões e Pessoa, para citar os maiores.

Uma opção que pode ter frustrado os que esperavam um grande ensaio combativo, irônico, crítico de toda uma sociedade, uma geração, um regime. Ou uma gênese de alguns dos mais importantes romances do século XX. Mas são, como dirá o próprio autor, "as memórias pequenas de quando fui pequeno, simplesmente". Pequeno de tamanho, mas também pequeno de importância. Livre do peso de ser Saramago.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 6/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 10 coisas que a Mamãe me ensinou de Julio Daio Borges
02. O Subjuntivo Subiu no Telhado de Marilia Mota Silva
03. Eu podia estar matando, podia estar roubando de Adriane Pasa
04. A rede contra as raposas analógicas de Carla Ceres
05. Reflexões de um desempregado de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
03. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
04. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
05. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/2/2007
13h29min
Li pouco o Saramago; me incomoda a crueldade dele com seus próprios personagens. A impressão que me ficou foi a de um beco sem saída em alguma ruela do inferno (porque sou incapaz de me lembrar das coisas que li e não gostei). Evidentemente o cara é um grande escritor. Minha impressão é só isso: minha impressão. Agora, o texto do Spalding esclareceu algumas coisas pra mim. Obrigado, Marcelo, já dá pra encarar o Saramago com mais compreensão. Dá um certo alívio.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Lenda da Paxiúba - Coleção Lendas Brasileiras
Terezinha Éboli
Universo dos Livros
(2012)
R$ 34,90
+ frete grátis



Visões da Rússia e do Mundo Comunista - 9632
Silveira Bueno
Saraya
(1961)
R$ 8,00



Uma vez em Paris
Diana Palmer
Best Seller
(1999)
R$ 21,00



Afrodescendientes en las Américas : Trayectorias sociales e identitarias : 150 años de la abolición de la esclavitud en Colombia
Claudia Mosquera; Mauricio Pardo; Odile Hoffman
Universidad Nacional de Colombia
(2012)
R$ 120,00



A Professora Jacira Pernilonga
Maria Heloisa Penteado
Scipione
(1990)
R$ 6,99



Os Mandarins
Simone de Beauvoir
Nova Fronteira
(2017)
R$ 43,50



Desejo - Receitas
Carla Pernambuco
Do Bispo
(2005)
R$ 85,00



Meu cliente não voltou, e agora?
Fátima Merlin
Poligrafia
(2014)
R$ 25,00



Varanda: o Cotidiano Carioca
Nisia Nobrega
Rio Fundo
(1995)
R$ 10,82



Praia de Manhattan
Jennifer Egan
Intrinseca
(2018)
R$ 35,00





busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês