A vida do livreiro A.J. Fikry, de Gabrielle Zevin | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> 24 e 25/04: últimas apresentações do projeto 48h_48min acontecem neste fim de semana
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Machado e a AR-15
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
>>> Festival de interatividades
>>> O melhor de Steve Jobs
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Leituras, leitores e livros – Parte I
>>> Abertura de Guillaume Tell
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Vianinha corpo-a-corpo
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
Mais Recentes
>>> Um Amor Alem Do Tempo de Leila R. Iannone pela Moderna (1990)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1999)
>>> Olhinhos de gato de Cecília Meireles pela Modernao (1983)
>>> As Maiores Historias do Superman de Jerry Siegel e Joe Shuster. Capa: Alex Ross pela Panini Comics (2008)
>>> DC Especial vol.3 - Lanterna Verde de Ben Raab, Charlie Adlard, Tatjana Wood pela Panini Comics (2004)
>>> Superman versus Exterminador do Futuro de Alan Grant (roteiro), Steve Pugh (desenhos, arte-final e capa), Mike Perkins (arte-final) e David Stewart (cores) pela Abril (2000)
>>> X-Men - Filhos do Átomo de Joe Casey, Steve Rude, Esad Ribic pela Abril (2001)
>>> Anjos e Demônios: a primeira aventura de Robert Langdon de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Fortaleza Digital de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Simbad - Uma Historia Das Mil E Uma Noites de Ludmila Zeman pela Projeto (2010)
>>> Geografia Geral e do Brasil. Espaço Geográfico e Globalização de João Carlos Moreira; Eustáquio de Sene pela Scipione (2021)
>>> Você Com Você de Marcos Leão - Calunga pela Casa dos Espíritos (2011)
>>> Conselhos para o Ceo - Como Lidar Com a Mídia de J. Holstein pela Campus (2008)
>>> Matemática. Ciência e Aplicações Ensino Medio - Volume 2 de Gelson Iezzi, Osvaldo Dolce, David Degenszajn, Roberto Périgo, Nilze de Almeida pela Atual (2010)
>>> Cem Dias Entre Céu e Mar de Amir Klink pela José Olympio (1986)
>>> Santos Dumont - Sim, Sou Eu, Alberto de Marleine Cohen pela Globo (2006)
>>> Trópico de Câncer de Henry Miller pela Biblioteca Folha (2003)
>>> A Magia das Estrelas de Chiang Sing pela Renovar (1985)
>>> Manual de Cinesiologia Estrutural de R.T Floyd pela Manole (2011)
>>> Sonho Grande de Cristiane Correa pela Primeira Pessoa (2013)
>>> O ABC da Fisioterapia Respiratória de George Jerre Vieira Sarmento pela Manole (2009)
>>> A Filha de Galileu - um Relato Biográfico de Ciência, Fé e Amor de Dava Sobel pela Companhia das Letras (2000)
>>> Religião Para Ateus de Alain de Botton pela Intrinseca (2011)
>>> Política Urbana no Brasil de Michael L. Conniff pela Relume Dumará (2006)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/9/2014
A vida do livreiro A.J. Fikry, de Gabrielle Zevin
Ricardo de Mattos

+ de 4100 Acessos

"Nenhum homem é uma ilha; cada livro é um mundo" (A. J. Fikry)

Para minha Lily

O prédio da Avenida Paulista que sedia o Digestivo Cultural na cidade de São Paulo foi abalado, durante alguns dias, pela tensa e levemente acre polêmica a respeito de escritores imberbes, pré-adolescentes e adolescentes. Ao cafofo que organizamos no subsolo entre caixas de livros e obras de arte - a sala a nós disponibilizada no quinto andar pelo diretor J. D. Borges deixamo-la reservada para a visita de S.M.R. Elisabeth II - chegavam-nos as atualizações diárias junto com chá e sequilhos. Ficamos a par, portanto, sobre quem levantou a voz e sobre quem deixou de tomar o elevador com quem. Curiosamente, foi nesta esta época que soubemos do lançamento do livro A vida do livreiro A. J. Fikry, da escritora norte-americana Gabrielle Zevin (1977). A coincidência, atribuímo-la ao fato da segunda orelha do livro informar que a autora começou sua carreira com outro livro aos catorze anos. Como diz a famigerada marquesa d'As ligações perigosas, não se aplaude o tenor por limpar a garganta. Todavia, para quem gosta, podemos comparar A vida do livreiro... a mousse de chocolate. Já saboreamos antes, as receitas variam pouco, mas nem sequer em estado vegetativo rejeitaríamos a sobremesa.

Por que apreciamos a biografia deste livreiro fictício? Fazendo coro ao delegado Lambiase, "eu gosto de conversar sobre livros com pessoas que gostam de conversar sobre livros. Gosto de papel. Gosto da textura e gosto de sentir um livro no bolso. Gosto do cheiro de livro novo também". Lembramo-nos da tira da família Brasil, criada por Luis Fernando Veríssimo. Após a defesa do computador ou do videogame pelo filho no primeiro quadro, o pai conclui no segundo: "cheiro de livro é melhor". Fetichismo à parte, é mesmo. Não adquirimos um exemplar sem conferir - explicitamente ou não - o perfume que varia conforme o papel, a tinta e a cola.

A vida do livreiro... é um epítome, um quadro, uma síntese do conforto. A narrativa desenvolve-se em sua maior parte na Island Books a única livraria da ilha Alice, à qual se chega de balsa após algumas horas de estrada no continente. Livraria em estilo vitoriano na qual o jovem e neurastênico proprietário A. J. Fikry, si concede à literatura comercial o suficiente para manter o negócio aberto, privilegia a nata literária. O estabelecimento é o pólo atrativo do delegado local - convertido em leitor -, da parentela do livreiro e de uma representante editorial. Foi o local escolhido para acolher a órfã Maya, criada nos primeiros dias pelo livreiro com auxílio do Google. Necessário ressaltar que o único animal de estimação mencionado é o gato da representante editorial. Já foi provado que gatos ficam em segundo lugar como companheiros ideais de leitura, sendo a primeira colocação exclusiva dos cães - inclusive porque podem carregar o livro para nós.


Gabrielle Zevin

O leitor logo perceberá como a história desenvolver-se-á. Como será finalizada, Zevin consegue fugir do previsível. Ilha estável, estabelecimento com os altos e baixos, livros e pessoas amigas, problemas que surgem numa sequência que permite dedicação e rápida solução. É a vida com andamento equilibrado, em que prós e contras são vividos de forma equânime, sem algo imperar de tal forma que feche a visão para o resto. Usufrui-se sem sustos do que é natural.

Há pontos de identificação entre a livraria do romance e a livraria real gerenciada pela companheira de nossos dias. A razão de sustento das livrarias é inversa a dos supermercados. Nestes, aufere-se maior ganho com gêneros alimentícios básicos, não com geleia e chiclete. Já as livrarias sobrevivem da venda de geleia e chiclete. Que cada um responda por sua dentição. De qualquer forma, assim como a livraria de Fikry acaba sendo a central de notícias da ilha - goste-o ou não - a livraria real tem sua função noticiosa cultivada há décadas. Desencarna alguém? "Avisa na livraria". Alguma palestra ou evento? "Gruda o cartaz no vidro (da porta) da livraria". Precisa entregar alguma coisa, mas o horário é incompatível? "Deixa na livraria que eu pego depois". Há visitantes diários, fixos, que adentram o estabelecimento apenas para colher novidades e tentar tomar café. Chamamo-los "turma da manhã" e "turma da tarde". É a única casa que conhecemos onde o cliente de confiança tem direito à "caderneta", à inscrição de seu débito num caderno para posterior acerto. A diferença marcante é a ausência de clubes temáticos de leitura, modalidade de reunião espiritual que parece não fazer parte da nossa realidade.

A epígrafe do livro tem origem híbrida. "Nenhum homem é uma ilha; cada livro é um mundo". A primeira parte é trecho de reflexão de John Donne, clérigo e poeta inglês. "Nenhum homem é uma ilha, completo em si próprio; cada ser humano é parte de um continente, parte de um todo", é o pensamento completo. É também o título de um livro do monge católico e escritor Thomas Merton. Já o complemento não conseguimos atribuir a ninguém senão à própria Zevin. Verificando os resultados do buscador, impressionante como o mesmo texto repete-se pela infinidade de sítios e de "blogs".

Os capítulos são todos antecedidos pela impressão do livreiro sobre um conto ou novela. Os autores mencionados são mais ou menos conhecidos do público daqui. Scott Fitzgerald, Flannery O'Connor, Mark Twain, etc. Ao final é que sabemos o que elas significam e temos mais uma vez confirmada a afirmação de Albert Camus: "... as últimas páginas de um livro já estão nas primeiras". A despeito disso, as referências pululam aqui ou ali, explícitas ou implícitas. Quando alguém afirma que a arma aludida no primeiro capítulo deve disparar no terceiro, remete-nos a Checkov, que depois é lembrado por meio da referência ao Tio Vânia. O livro de Zevin tem o mérito de, por meio dele, podermos mostrar aos jovens leitores como a leitura pode ser entrosada em nossa existência e lembrar-nos de que não estamos sós em nossas reflexões e sentimentos. "Lemos para saber que não estamos sós", mais que uma citação não identificada como de C. S. Lewis, pode ser tido como lema de todo um estilo de vivência. Inclui a defesa do livro de papel, mas não se limita a isto. A despeito, para não esquecer a presença marcante do humor, o livreiro Fikry descobriu uma utilidade para o e-reader ganho da mãe: possibilitar a leitura em área hospitalar de isolamento.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 29/9/2014


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2014
01. Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev - 17/3/2014
02. Lares & Lugares - 18/8/2014
03. As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen - 10/2/2014
04. Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior - 6/1/2014
05. Por que o mundo existe?, de Jim Holt - 28/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ensaio de Geometria Social
Hervé Le Bras
Inst Piaget
(2001)



Aprenda a Jogar Xadrez Corretamente
A Carneiro
Ouro



La Fontaine de Feu: Enseignement et Initiation Avec Elie G. Humbe
Anne Fraisse
Albin Michel
(1994)



Manual Pratico do I Ching - sem Baralho
Minami Keizi
Traço
(1989)



Empresas Feitas para Servir
Dan J. Sanders
Sextante
(2011)



Livro da família A importância da família na formação do leitor
Cecilyani Alves
FTD
(2015)



Comédias da Vida Privada
Luis Fernando Verissimo
L&pm
(1996)



Lembro, Logo Existo
Oscar Bacelar
Auracom
(2009)



Populismo Eletrônico: Ratinho e a Crise da Tv Brasileira
Isabel Guimaraes
Book Link
(2002)



Sexo e Amor para os Jovens
Flávio Gikovate
Editores Mg Associados
(1980)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês