O mundo como ele realmente é | Cris Ambrósio | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/3/2009
O mundo como ele realmente é
Cris Ambrósio

+ de 5200 Acessos

Nada mais perigoso do que generalizações, mas talvez seja possível dizer que a maioria esmagadora dos ratos de bibliotecas, frequentadores de sebos, leitores da McSweeney's e da Granta, enfim, dos obcecados por livros em geral, devem esse amor ao contato constante com a literatura desde quando eram crianças. Com essa relação que nada diz respeito ao clima de obrigatoriedade dos anos escolares ainda por vir, o hábito da leitura evolui e torna-se parte da pessoa.

Eventualmente, essa pessoa provavelmente irá se acostumar com enredos metafóricos, parabólicos e difíceis. E também estará perfeitamente habituada a criar as mais diversas interpretações para esses livros tão complicados, tão adultos. Quem sabe o consolo para tanta intelectualidade cansativa seja a memória de tempos inocentes nos quais se lia coisas com figuras coloridas de traços delicados, palavras fáceis e histórias simples.

É de se imaginar o choque em saber que a inocência que deveria estar presente nesses livros, ou pelo menos em alguns deles, não existia. Eu senti um exemplo disso recentemente, em razão de uma exposição montada no Morgan Library & Museum, em Nova York, sobre a confecção dos desenhos da famosa série Babar, criada por Jean e Cecile de Brunhoff. Várias matérias foram publicadas e a ficha acidentalmente caiu.

Para quem nunca ouviu falar, Babar é um elefante que sai da selva depois que a mãe é assassinada por caçadores e vai morar em Paris. Lá, conhece Senhora, uma fina mulher francesa, e aprende a cultura dos homens, como o uso do terno. Quando volta para a selva, elegante e bípede, é coroado rei e funda uma cidade, Celesteville, onde os demais animais adotam o mesmo comportamento. Além das belas publicações, a história também estava na televisão: uma animação canadense era transmitida pela TV Cultura e atualmente vai ao ar pelo canal a cabo HBO Family.

Em todos esses anos que se passaram jamais percebi as óbvias referências aos países colonizados por europeus, sobretudo na África. Era o "fardo do homem branco" ensinar sua cultura superior aos nativos subdesenvolvidos e, dessa maneira, "ajudá-los" e torná-los civilizados.

O romance Coração das Trevas do inglês Joseph Conrad é um bom instrumento para se ter uma ideia do pensamento mais comum da época ― foi publicado em 1902 ― sobre a colonização. Há controvérsias sobre as opiniões do autor sobre o tema: se ele é ou não contra o ensino de hábitos europeus aos africanos e a exploração dos recursos do continente. Independentemente desses debates que dependem mais da interpretação que se tem do livro, ler a obra é uma maneira de saber um pouco mais sobre o assunto que ainda hoje é polêmico.

Aqueles que passavam a comportar-se ao modo europeu eram chamados de "assimilados". Eram ensinados a eles a língua, a etiqueta, o modo de vestir-se e qualquer outro hábito exigido pela sociedade, exatamente da mesma maneira que acontece com Babar e companhia. A assimilação significava ascensão social, era um modo de negar a própria origem em uma terra dominada por estrangeiros. Os empregos conseguidos por estes eram melhores, assim como moradia. Embora no desenho animado e no livro tudo funcionasse muito bem, essas pessoas eram mal vistas por ambos extremos da sociedade: os africanos e os europeus. Para um dos lados, eles não passavam de traidores de uma causa nobre (o fim da colonização e expulsão dos europeus) que se submetiam ao ridículo pelo benefício próprio. Para o outro lado, não adianta o quanto se esforçassem, ainda seriam inferiores; melhores, talvez, mas ainda inferiores. Por essa razão o autor pode estar querendo estimular e elogiar "assimilação", mostrando apenas um fictício ponto positivo e omitindo todo o resto.

O processo de assimilação e o impacto dele são abordados pelo ótimo livro de contos do angolano José Luandino Vieira, chamado Luuanda, publicado em 1963. O livro não é de fácil entendimento, mesmo vindo de um país lusófono: além do estilo de Luandino ser fortemente influenciado pelo de João Guimarães Rosa, que já não é nada simples, o vocabulário popular angolano e diversas palavras de dialetos locais são recorrentes. Saber uma ou outra coisa da turbulenta História recente de Angola também ajuda um pouco na leitura.

Os três contos que compõem Luuanda retratam aspectos da sociedade angolana que certamente não se limitavam apenas a esse país. As rachaduras estão por toda parte: a colonização se mostra como um labirinto sem saída para todos os africanos. Aqueles que mantêm distância dos brancos sofrem com a miséria e a marginalização, e os que tentam uma aproximação dos colonizadores, apesar de obterem uma realidade um pouco melhor, ainda são forçados a carregar o estigma da cor da pele.

É difícil negar que embora os animais das historinhas de Babar, ainda que fiquem bem simpáticos de pé e vestidos (em razão da alta qualidade dos desenhos), não perdem o ridículo por estarem nessa situação. Tratando-se de um livro infantil, a inverossimilhança seria ignorada, no entanto Babar se mostrou menos inocente do que as demais histórias. O auge do absurdo está no conselheiro do Rei Babar, o personagem chamado Pompadour. Um elefante de peruca branca, monóculo e vestes no estilo europeu do século XVIII, remetendo à Versalhes. Ao mesmo tempo em que faz referências a um mundo que realmente existiu, o elefante enjoadinho e burocrático traz em si enorme comicidade e provoca risos toda vez que aparece. Quem sabe exatamente da mesma maneira que negros vestindo elegantes casacas e chapéus coco provocavam risos em certos europeus.

Se tudo isso não for um comentário social, é no mínimo uma inspiração inapropriadamente explícita. As crianças obviamente não sabem muito sobre um assunto árido como a colonização européia na África, ao menos por enquanto. A princípio tudo pode parecer apenas uma criação bem elaborada, consequente de uma bela imaginação, porém, não é totalmente paranóico dizer que a história, publicada a partir de 1931, pode ter sido manipulada para favorecer interesses de outras pessoas em uma situação qualquer. É tão inocente acreditar que não há referências quanto acreditar que ninguém tirou proveito delas.

E ainda, se as referências forem realmente intencionais, Brunhoff se mostra como mais um daqueles adultos que não levam a inteligência de crianças a sério e tiram proveito da sua temporária falta de informação para o divertimento próprio. Afinal, como elas ainda estão ocupadas em correr e brincar, não tiveram a preocupação em estudar História, portanto não entenderão o que está acontecendo nas entrelinhas. É praticamente como contar uma piada pornográfica para alguém de seis anos: ele pode achar graça de uma ou outra palavra, mas para por aí.

A literatura infantil é de uma importância absurda na vida das pessoas, não só para os obcecados por livros. Só pelo fato de ajudar na alfabetização ela já é extremamente importante. E por essa razão ela deve ser honesta, expor informações que uma criança é capaz de absorver (é bom lembrar que elas não são nada bobas), aumentar os conhecimentos e ajudar seu público alvo no processo de amadurecimento. Duvido muito que a inclusão de comentários sócio-políticos faça parte do papel desse tipo de literatura.

Babar continua fazendo parte da minha vida, de muitos outros e continuará cativando crianças mundo afora. Os livros da série são de uma beleza ímpar; coloridos, bem ilustrados, boas histórias. Um belo primeiro capítulo na história de uma pessoa com a literatura. E nada ― nem a mais poderosa das alienações ― pode apagar uma mancha profunda como essa.


Cris Ambrósio
São Paulo, 9/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
02. Momento ideal & conciliação de Ana Elisa Ribeiro
03. Thomas Bernhard com espírito curitibano de Franco Caldas Fuchs
04. Palavras impressas de Pilar Fazito
05. Entre os novos autores, uma artista de Rafael Lima


Mais Cris Ambrósio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATLAS DO CORPO HUMANO VOL. II 6232
DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 10,00



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 10,00



PARA TODOS OS GAROTOS QUE JÁ AMEI
JENNY HAN
INTRINSECA
(2015)
R$ 31,77



CLARISSA
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1997)
R$ 4,60



LANTERNA VERDE 48 - HAL JORDAN, VIDA APÓS A TROPA
EQUIPE DC
PANINI
(2016)
R$ 8,60



OS FATOS FICTICIOS POESIA
IZACYL GUIMARAES FERREIRA
LR
(1980)
R$ 6,00



1000 PERGUNTAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO
REIS FRIEDE
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2005)
R$ 17,28



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS- ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRETÍGIO
(2005)
R$ 25,90
+ frete grátis



DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO ENDÓGENO DE PEQUENOS ESTADOS INSULARES
ALBERTINO FRANCISCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



HISTÓRIA DO DEPARTAMENTO DE VOLUNTÁRIOS
HOSPITAL ALBERT EINSTEIN
NARRATIVA UM
(2004)
R$ 14,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês