O mundo como ele realmente é | Cris Ambrósio | Digestivo Cultural

busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Suicídio on-line põe internet no banco dos réus
>>> O melhor presente que a Áustria nos deu
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Desfazendo alguns mitos sobre 64
>>> Uma homenagem a Maysa
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> pessoas que me acontecem
>>> A Literatura na poltrona
Mais Recentes
>>> A Invenção de Hugo Cabret de Brian Selznick - Marcos Bagno Tradutor pela Sm (2007)
>>> O Monge e o Executivo uma História Sobre a Essência da Liderança de James C. Hunter pela Sextante (2004)
>>> Não Tenho Culpa Que a Vida Seja Como Ela é de Nelson Rodrigues pela Agir (2009)
>>> A Moreninha - Coleção o Globo de Joaquim Manuel de Macedo pela Globo Klick (1997)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul (2016)
>>> Segredo - sem Julgamentos sem Limites sem Vergonha de L. Marie Adeline pela Globo (2013)
>>> Aula de Inglês de Lygia Bojunga Nunes pela Casa Lygia Bojunga (2006)
>>> As Perguntas do Pastor e as respostas do seu Lunga de João Peron pela Não informado
>>> O romance do Pavão Misterioso de José Camelo de Melo pela Não informado
>>> Trilogia- Veneno, Feitiço e Poder de Edmundo Barreiros; Sarah Pinborough pela Única (2013)
>>> Balaio de Gato e Rato e ninho de Cobras na Es pra nada de Francisco Zenio pela Não informado (2013)
>>> Geografia e mídia impressa de Angela massumi katuta pela Uel (2009)
>>> Geografia de são paulo- a metrópole do século xxi de Ana fani alessandri carlos pela Contexto (2004)
>>> A revolução industrial de José jobson de andrade arruda pela Atica (1994)
>>> Globalização e desemprego- diagnóstico e alternativas de Paul singer pela Contexto (2001)
>>> Penso e Acontece de Bob Proctor pela CDG Grupo Editorial (2014)
>>> A Escada para o triunfo de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2016)
>>> O Pajé de Cristo de Homer E. Dowdy pela Sepal (1997)
>>> A Verdadeira Religião Christã 2 Volumes de Emanuel Swedenborg pela Freitas Bastos S/A (1964)
>>> Direito Previdenciário em Tempos de Crise de Ana Paula Fernandes, Roberto de Carvalho Santos, Marco Aurélio Serau Júnior pela Ieprev (2019)
>>> História Geral da Civilização Brasileira - III o Brasil Republicano de Boris Fausto Diretor pela Difel (1981)
>>> Rumo a uma Civilização Solar de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (1982)
>>> O Simbolismo das Religiões de Mario Roso de Luna pela Siciliano (1990)
>>> Os manuscritos do mar morto de Geza Vermes pela Mercuryo (1997)
>>> Estrutura e Origem das Paisagens Tropicais e Subtropicais de João José Bigarella pela Ufsc (2003)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/3/2009
O mundo como ele realmente é
Cris Ambrósio

+ de 5700 Acessos

Nada mais perigoso do que generalizações, mas talvez seja possível dizer que a maioria esmagadora dos ratos de bibliotecas, frequentadores de sebos, leitores da McSweeney's e da Granta, enfim, dos obcecados por livros em geral, devem esse amor ao contato constante com a literatura desde quando eram crianças. Com essa relação que nada diz respeito ao clima de obrigatoriedade dos anos escolares ainda por vir, o hábito da leitura evolui e torna-se parte da pessoa.

Eventualmente, essa pessoa provavelmente irá se acostumar com enredos metafóricos, parabólicos e difíceis. E também estará perfeitamente habituada a criar as mais diversas interpretações para esses livros tão complicados, tão adultos. Quem sabe o consolo para tanta intelectualidade cansativa seja a memória de tempos inocentes nos quais se lia coisas com figuras coloridas de traços delicados, palavras fáceis e histórias simples.

É de se imaginar o choque em saber que a inocência que deveria estar presente nesses livros, ou pelo menos em alguns deles, não existia. Eu senti um exemplo disso recentemente, em razão de uma exposição montada no Morgan Library & Museum, em Nova York, sobre a confecção dos desenhos da famosa série Babar, criada por Jean e Cecile de Brunhoff. Várias matérias foram publicadas e a ficha acidentalmente caiu.

Para quem nunca ouviu falar, Babar é um elefante que sai da selva depois que a mãe é assassinada por caçadores e vai morar em Paris. Lá, conhece Senhora, uma fina mulher francesa, e aprende a cultura dos homens, como o uso do terno. Quando volta para a selva, elegante e bípede, é coroado rei e funda uma cidade, Celesteville, onde os demais animais adotam o mesmo comportamento. Além das belas publicações, a história também estava na televisão: uma animação canadense era transmitida pela TV Cultura e atualmente vai ao ar pelo canal a cabo HBO Family.

Em todos esses anos que se passaram jamais percebi as óbvias referências aos países colonizados por europeus, sobretudo na África. Era o "fardo do homem branco" ensinar sua cultura superior aos nativos subdesenvolvidos e, dessa maneira, "ajudá-los" e torná-los civilizados.

O romance Coração das Trevas do inglês Joseph Conrad é um bom instrumento para se ter uma ideia do pensamento mais comum da época ― foi publicado em 1902 ― sobre a colonização. Há controvérsias sobre as opiniões do autor sobre o tema: se ele é ou não contra o ensino de hábitos europeus aos africanos e a exploração dos recursos do continente. Independentemente desses debates que dependem mais da interpretação que se tem do livro, ler a obra é uma maneira de saber um pouco mais sobre o assunto que ainda hoje é polêmico.

Aqueles que passavam a comportar-se ao modo europeu eram chamados de "assimilados". Eram ensinados a eles a língua, a etiqueta, o modo de vestir-se e qualquer outro hábito exigido pela sociedade, exatamente da mesma maneira que acontece com Babar e companhia. A assimilação significava ascensão social, era um modo de negar a própria origem em uma terra dominada por estrangeiros. Os empregos conseguidos por estes eram melhores, assim como moradia. Embora no desenho animado e no livro tudo funcionasse muito bem, essas pessoas eram mal vistas por ambos extremos da sociedade: os africanos e os europeus. Para um dos lados, eles não passavam de traidores de uma causa nobre (o fim da colonização e expulsão dos europeus) que se submetiam ao ridículo pelo benefício próprio. Para o outro lado, não adianta o quanto se esforçassem, ainda seriam inferiores; melhores, talvez, mas ainda inferiores. Por essa razão o autor pode estar querendo estimular e elogiar "assimilação", mostrando apenas um fictício ponto positivo e omitindo todo o resto.

O processo de assimilação e o impacto dele são abordados pelo ótimo livro de contos do angolano José Luandino Vieira, chamado Luuanda, publicado em 1963. O livro não é de fácil entendimento, mesmo vindo de um país lusófono: além do estilo de Luandino ser fortemente influenciado pelo de João Guimarães Rosa, que já não é nada simples, o vocabulário popular angolano e diversas palavras de dialetos locais são recorrentes. Saber uma ou outra coisa da turbulenta História recente de Angola também ajuda um pouco na leitura.

Os três contos que compõem Luuanda retratam aspectos da sociedade angolana que certamente não se limitavam apenas a esse país. As rachaduras estão por toda parte: a colonização se mostra como um labirinto sem saída para todos os africanos. Aqueles que mantêm distância dos brancos sofrem com a miséria e a marginalização, e os que tentam uma aproximação dos colonizadores, apesar de obterem uma realidade um pouco melhor, ainda são forçados a carregar o estigma da cor da pele.

É difícil negar que embora os animais das historinhas de Babar, ainda que fiquem bem simpáticos de pé e vestidos (em razão da alta qualidade dos desenhos), não perdem o ridículo por estarem nessa situação. Tratando-se de um livro infantil, a inverossimilhança seria ignorada, no entanto Babar se mostrou menos inocente do que as demais histórias. O auge do absurdo está no conselheiro do Rei Babar, o personagem chamado Pompadour. Um elefante de peruca branca, monóculo e vestes no estilo europeu do século XVIII, remetendo à Versalhes. Ao mesmo tempo em que faz referências a um mundo que realmente existiu, o elefante enjoadinho e burocrático traz em si enorme comicidade e provoca risos toda vez que aparece. Quem sabe exatamente da mesma maneira que negros vestindo elegantes casacas e chapéus coco provocavam risos em certos europeus.

Se tudo isso não for um comentário social, é no mínimo uma inspiração inapropriadamente explícita. As crianças obviamente não sabem muito sobre um assunto árido como a colonização européia na África, ao menos por enquanto. A princípio tudo pode parecer apenas uma criação bem elaborada, consequente de uma bela imaginação, porém, não é totalmente paranóico dizer que a história, publicada a partir de 1931, pode ter sido manipulada para favorecer interesses de outras pessoas em uma situação qualquer. É tão inocente acreditar que não há referências quanto acreditar que ninguém tirou proveito delas.

E ainda, se as referências forem realmente intencionais, Brunhoff se mostra como mais um daqueles adultos que não levam a inteligência de crianças a sério e tiram proveito da sua temporária falta de informação para o divertimento próprio. Afinal, como elas ainda estão ocupadas em correr e brincar, não tiveram a preocupação em estudar História, portanto não entenderão o que está acontecendo nas entrelinhas. É praticamente como contar uma piada pornográfica para alguém de seis anos: ele pode achar graça de uma ou outra palavra, mas para por aí.

A literatura infantil é de uma importância absurda na vida das pessoas, não só para os obcecados por livros. Só pelo fato de ajudar na alfabetização ela já é extremamente importante. E por essa razão ela deve ser honesta, expor informações que uma criança é capaz de absorver (é bom lembrar que elas não são nada bobas), aumentar os conhecimentos e ajudar seu público alvo no processo de amadurecimento. Duvido muito que a inclusão de comentários sócio-políticos faça parte do papel desse tipo de literatura.

Babar continua fazendo parte da minha vida, de muitos outros e continuará cativando crianças mundo afora. Os livros da série são de uma beleza ímpar; coloridos, bem ilustrados, boas histórias. Um belo primeiro capítulo na história de uma pessoa com a literatura. E nada ― nem a mais poderosa das alienações ― pode apagar uma mancha profunda como essa.


Cris Ambrósio
São Paulo, 9/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pomba gíria de Ana Elisa Ribeiro
02. Manauara ou Manauense de Marcela Ortolan
03. Caricaturas ao vivo de Diogo Salles
04. As Meditações de Marcus Aurelius de Ricardo de Mattos


Mais Cris Ambrósio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bem-Vindo À Bolsa De Valores
Marcelo C. Piazza
Multilivros
(2004)
R$ 13,90



Teoria Econômica
A W Stonier / D C Hague
Zahar Editores
(1970)
R$ 5,00



Casos Clínicos Em Terapia Intensiva
Marcelo Moock
Manole
R$ 109,00



Practical Physiological Chemistry
Philip B. Hawk Olaf Bergeim
P Blakistons
(1931)
R$ 283,12



Como no Céu
Fabricio Carpinejar
Bertrand
(2005)
R$ 9,00



Pérola e Giba
Wendy Harmer
Fundamento
(2006)
R$ 28,80



O Homem Faz Seu Tempo
Elizabeth Sarmento Costa
Phuloblion
(1987)
R$ 7,50



Parque Gorki
Martin Cruz Smith
Record
R$ 5,00



Revista de Estudos Árabes - Ano II - No. 3 - Jan/jun 1994
Editora Centro de Estudo Arabes
Centro de Estudo Árabes
(1994)
R$ 5,00



Migração na Amazônia que a história não lhe contou
Maria dos santos da Silva
Fross
(2020)
R$ 30,00





busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês