Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte IV) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
>>> Meus Livros
Mais Recentes
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
>>> A Igreja Católica de Hans Kung pela Objetiva (2002)
>>> O Comunismo de Richard Pipes pela Objetiva (2002)
>>> Lições para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-No-Ie (1996)
>>> Guerra sem fim – Edição especial de Joe Haldeman pela Aleph (2019)
>>> O Renascimento de Paul Johnson pela Objetiva (2001)
>>> Homeopatia a Ciência e a Cura de Ralph Twentyman pela Círculo do livro (1989)
>>> A Descoberta do Amor em Versos de Diversos pela Cen (2003)
>>> O Islã de Karen Armastrong pela Objetiva (2001)
>>> O Sumiço do Mentiroso de Lourenço Cazarré pela Atual (1998)
>>> A Turma da Tia e os Bilhetes Misteriosos de Ganymédes José pela Ftd (1991)
>>> Camões Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões pela L&PM Pocket (2008)
>>> Destruição e Equilíbrio de Sérgio de Almeida Rodrigues pela Atual (1989)
>>> Armadilha para Lobisomem de Luiz Roberto Guedes pela Cortez (2005)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
>>> Guerra no Rio de Ganymédes José pela Moderna (1992)
>>> Paraíso de Toni Morrison pela Companhia das Letras (1998)
>>> Introduction à la Psycholinguistique de Hans Hörmann pela Larousse Université (1974)
>>> A idéia de cultura de Victor Hell pela Martins Fontes (1989)
>>> Poesia Concreta de Lumna Mara Simon (Org.) pela Abril (1982)
>>> Las Armas Secretas de Julio Cortazar pela Editorial sudamericana/ Buenos Aires (1970)
>>> Maio Apagou o Inverno de Carlos Roberto Douglas pela Ateniense/ S.P (1994)
>>> Utopia Selvagem de Darcy Ribeiro pela Nova Fronteira (1982)
>>> Twittando o Amor, Contando Uma História em 140 Caracteres de Teresa Medeiros pela Novo Conceito (2014)
>>> Estrela Oculta de Robert A. Heinlein pela Francisco Alves/ RJ. (1981)
>>> O Alimento dos Deuses de H. G. Wells (herbert George - 1866-1946) pela Francisco Alves/ RJ. (1984)
>>> Focus de Arthur Miller pela Ediouro (2001)
>>> Trinta Anos Depois da Volta - o Brasil na II Guerra Mundial de Octávio Costa (ilustr): Carlos Scliar pela Expressão e Cultura (1977)
>>> Tuareg (formato Original) de Alberto Vázquez- Figueiroa pela L&pm, Porto Alegre (2000)
>>> Cenas Noturnas na Bíblia (v. 1) : Tardes e Manhãs Que Conduzem... de Christian Chen pela Tesouro Aberto/ Belo Horizonte (2001)
>>> Fall of the House of Windsor (capa Dura; Sobrecapa) de Nigel Blundell & Susan Blackhall pela Contemporay Books/ L. A. (1992)
>>> Todos os Homens do Presidente de Carl Bernstein & Bob Woodward pela Francisco Alves/ RJ. (1977)
>>> A Primeira Comunhão de Verônica de Vários: Pia Sociedade de S. Paulo pela Edições Paulinas (1959)
>>> O Grande Livramento de Valdemiro Santiago: Apóstolo pela Impd (2009)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> O Poder dos Pais Que Oram de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 14/7/2015
Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte IV)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1700 Acessos



Gerald Thomas monta aproximadamente 18 peças (algumas óperas) entre os anos 2000 e 2014. Um corpo de trabalho bastante significativo, demonstrando o vigor do autor e seu desejo de construir um universo teatral transgressor. Como sempre, rompe com a linha divisória entre as áreas da música, artes plásticas, dança, performance, cinema, ópera, texto literário.

Os procedimentos criativos do teatro contemporâneo, aliás, chegam ao Brasil principalmente através de sua obra, como bem observou Silvia Fernandes, no seu livro "Memória e invenção: Gerald Thomas em cena". Seu work in progress concentra-se na ideia de uma obra de arte total (Gesamtkunstwerk) em que texto cênico, performance, música e criação de imagens trabalham como um corpo único.

Em todas essas criações de Gerald Thomas há um dado a se explorar pelos pesquisadores/críticos e historiadores do teatro, que é o que, com certeza, o coloca como um dos maiores inventores do teatro contemporâneo. Trata-se da relação direta que ele estabelece entre texto e imagem, no sentido de que ambos correspondem a uma sintaxe única. Que sintaxe seria essa?

Seu fluxo da linguagem textual dialoga com a ideia de "invenção" (Pound) que pressupõe, antes de tudo, os movimentos erráticos do pensamento (como "as subdivisões prismáticas da ideia", segundo Haroldo de Campos). Desde a hesitação, quando diálogos quebrados e (des)encontros de atores no palco propiciam uma desconexão no fluxo "normal" de sentidos até as drásticas interrupções no avanço da progressão do pensamento, onde elipses criam subentendidos ou combinações sintáticas incompletas ou distorcidas e, ainda, frases deixadas aos pedaços para desespero de qualquer cartesiano. E o que é mais radical: intercalações constantes (um elemento externo é inserido em meio a uma estrutura em desenvolvimento, deixando-a descontínua - em química, a intercalação é a inclusão de uma molécula entre duas outras moléculas induzindo a distorções estruturais).

O que podemos ver no seu teatro é que o que atribuímos à sua "gramática textual" também se aplica à sua "gramática visual": o que ele pretende é subversão da ordem sintática "normal", a quebra dos valores sintáticos esperados, a subversão das regras "normais" de pontuação e fazer um uso/abuso de reticências. O objetivo é forçar a suspensão do entendimento, impedir uma óbvia e fácil escrita/ideia que se presta ao ordenamento lógico-cronológico de princípio-meio-fim. Em suma, provocar o surgimento do inesperado, evitando os chavões do discurso ordinário, que imporia a aceitação do discurso artístico como obviedade. O que jamais foi.

Além das peças criadas no período, Gerald desenvolveu uma atividade importante dirigindo o Sesc Copacabana por um ano e meio. Apesar dos pesares (corte na verba), desenvolveu com Dominic Barter (ator inglês) leituras/debates sobre Beckett com sessões de vídeos e filmes de peças do escritor irlândes encenadas pelo mundo. Ainda tornou o espaço em residência da Companhia Ópera Seca. Nesse espaço foram encenadas as peças Ventriloquist, Nietzsche contra Wagner, Esperando Beckett, O príncipe de Copacabana, Deus Ex Machina.

Dessa época, uma tensa relação com duas personalidades midiáticas, Marília Gabriela e Reynaldo Gianecchini: ela "ávida, viciada em estar no ar (...) depois que entrou no teatro via mim, só montou porcarias que não deram em nada"; ele "famoso na Globo, e todo mundo rindo na cara dele como um cara que não sabia atuar". Além disso, seu desgosto com o Sesc Copacabana "o maior erro arquitetônico e teatral de todas as épocas. O Niemeyer não sabia o que ele estava fazendo, acho que estava tomando café mellita e fez aquele cone, e resolveu chamar de teatro."

Sob efeito do 11 de setembro, Gerald vai produzir "Circo de Rins e Fígados" e, posteriormente, "Gargólios". A destruição das torres gêmeas foi um momento traumático para o diretor. Recrutado como voluntário, participou por 21 dias trabalhando no Ground Zero recolhendo destroços, documentos e restos humanos: "eu peguei um sapato com o pé dentro. Cara! Foi fogo".

Em seguida, dirigindo o La MaMa em Nova York, teve 12 dias para montar "Achorpectoris". Gerald explica: "Archorpectoris ou United States of The Mind (Estados Unidos da Mente) é o termo psiquiátrico que se dava, ou dá, para dor no peito (...) ou seja, depressão. Eu achei o título lindo, e falava-se da mesma coisa que eu falo sempre. Por que estar no palco? Fazer o que?"

Próximo a esse período Gerald abandona o cigarro, lutando duramente contra o vício: "eu sofri muito, foram dois meses de choro. Eu chorava, não tinha fome, eu quase mordi as paredes do apartamento (...) até que um dia acordei e falei: Nossa! Estou conseguindo respirar. E já senti fome e a vida mudou integralmente depois disso." Muitos anos antes, em uma entrevista, vi Gerald pedindo ao entrevistador para acender um cigarro e citou a frase famosa de Mallarmé: "É preciso uma cortina de fumaça entre eu e o mundo". Hoje isso não o interessa mais. "A arrogância do fumante [que quer impor aos outros sua fumaça]. Hoje eu tenho repugnância total."

Em "Um Circo de Rins e Fígados", a parceria com Marco Nanini (que comemorava 40 anos de palco) foi ótima para Thomas. Diz o diretor: "O ´Circo` foi incrível porque achar um parceiro de palco como o Nanini é coisa raríssima para um autor. Ele cortava, me ajudava na edição do texto, recolocava trechos que eu havia cortado e a coisa ficou pronta em muito pouco tempo."

Após as trilogias (comentados nas partes anteriores), Gerald decide criar uma tetralogia, ao qual deu o nome de "Asfaltaram o Beijo". Então, obsessivo como sempre, o diretor monta ao mesmo tempo quatros espetáculos: "Brasas no Congelador", Asfaltaram o Beijo", "Um Bloco de Gelo em Chamas", "Terra em trânsito". Desde as sérias discussões sobre a guerra fria, o muro de Berlim, a própria participação de Thomas no elenco, até a brincadeira com o ator Serginho Groismann tentando mudar o horário do programa dele - vários mundos em ação, em cenários diferentes - os espetáculos conseguiram estrear no mesmo dia. Depois as peças foram apresentadas em dias alternados.

Em "Asfaltaram o beijo" o próprio diretor era o personagem, apresentando no fim da peça, no fundo do palco, a foto em que mostrava seu encontro com Samuel Beckett. Era comoção pura. Diz o diretor: "(...) e eu falava: ´essa mão que eu apertei, essa mão`, apontando, e era muito emotivo. No final, eu chorava muito e falava: ´Happy Birthday, Sam` e caia aos prantos. ´Você me deu a vida, você que me fez quem eu sou, você que eu agradeço`, enfim, era um texto realmente emotivo".

"Terra em Trânsito" foi levada para Nova York, em 2007, para o La MaMa, apresentada em inglês. Teve boa crítica no Village Voice.

Ainda em 2007, Thomas produz a peça "Rainha Mentira", cujo título é um jogo verbal com a peça de Shakespeare "King Lear". A peça estreou no Rio de Janeiro, depois foi para São Paulo, Buenos Aires etc. Trata-se de uma peça onde o diretor evoca sua história familiar, acabando o espetáculo com uma carta que escreveu para o enterro de sua mãe.

A peça envolve emoções poderosas das lembranças de Gerald e causou sempre comoção em todas as suas apresentações, segundo relato em "Cidadão do mundo". Diz o diretor: "Eu nunca consegui ver esse espetáculo sem um apertão na garganta. A carta gravada, no final, que eu mesmo li e rasguei ao ler, essa carta era reproduzida toda noite pelo operador de som. Foi terrível ver esse espetáculo. Ao mesmo tempo eu consegui exorcizar um monte de demônios, muito pessoal, mas, de novo, fica a pergunta: Quanto da sua vida pessoal você tem que colocar no palco e quanto deveria ser só ficção? Porque teatro não é realidade, arte vem de artifício que não é realidade, então eu suspendi o espetáculo". Um dos trechos surpreendentes, de "Rainha Mentira", que pode ser visto no youtube, é o seguinte:

"Foi duro, muito duro, ver aquelas pessoas devolvendo as fantasias, uma a uma, uma a uma, uma a uma, aquelas fantasias pelas quais lutaram o ano inteiro, sonharam, se iludiram, mais uma vez com aquele dia, aquele único dia de brilho numa vida de MERDA. E agora? a pilha vai crescendo num desencanto terrível da derrota... (...) sabendo que a vida voltaria a ser o que não deveria ter sido, em primeiro lugar".

Na próxima e última parte de nossa resenha de "Cidadão do mundo", apresentaremos as outras produções de Gerald Thomas,como também algumas reflexões do mesmo sobre seu próprio teatro, tal como comentado no livro resenhado.

Hoje é seu aniversário, Gerald! Parabéns ao mestre do teatro contemporâneo!


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 14/7/2015


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LITERATURA BRASILEIRA EM DIÁLOGO COM OUTRAS LIT E LING
WILLIAM ROBERTO CEREJA E THEREZA COCHAR MAGALHÃES
ATUAL
(2005)
R$ 18,00



VEJA 25 ANOS REFLEXÕES PARA O FUTURO
HEBERT DE SOUZA E OUTROS
ABRIL
R$ 12,00



DIE LANDUNG IN DER NORMANDIE
DR. CHRISTIAN ZENTNER
MOEWIG
(1998)
R$ 55,00



CONTOS CLASSICOS-PATINHO FEIO, O
VÁRIOS AUTORES
CIRANDA CULTURAL
(2011)
R$ 9,90



ESTUDOS DE LÍNGUA E LITERATURA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(1978)
R$ 5,00



TRANSPORTES, SEGUROS E A DISTRIBUIÇÃO FÍSICA INTERNACIONAL DE MERCADOR
MARCOS MAIA PORTO; CLÁUDIO FERREIRA DA SILVA
ADUANEIRAS
(2000)
R$ 45,00



O SEGREDO DOS SONHOS
PEDRO MESEGUER
PAULINAS
(1965)
R$ 12,00



O MAPA DO AMOR
AHDAF SOUEIF
EDIOURO
R$ 12,80



VEDA - VISÃO CONTEMPORÂNEA DA MILENAR CULTURA VÉDICA
ISWARA SWAMI COORD. / EDITOR
BHAKTIVEDANTA
R$ 10,00



VOCÊ É INSUBSTITUÍVEL
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2002)
R$ 7,00





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês