Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte IV) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> 7 de Setembro
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> O primeiro mico para o resto de nossas vidas
>>> O feitiço do tempo
>>> Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade
>>> YouTube, lá vou eu
Mais Recentes
>>> Os Filhos Do Amor de Paulinho Santos pela O Artífice (1997)
>>> The 100: os Escolhidos de Kass Morgan pela Galera (2014)
>>> Mônica 82 - Outubro/1993 - Horacic Park de Maurício de Sousa pela Globo (1993)
>>> Mônica 133 - Dezembro/1997 - Férias de Verão de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 113 - Maio/1996 - Mônica, Não Mande... Peça! de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Mônica 176 - Abril/2001 - Eterna Criança de Maurício de Sousa pela Globo (2001)
>>> A Avaliação Psicopedagogica numa Abordagem Institucional de Carolina Provvidenti pela Qualidade (2010)
>>> Revista Uniclar - Ciências da Religião - ano 8 nº 1 de Vários Autores pela Faculdades Claretianas (2006)
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
>>> Saúde na Terceira Idade de Hermógenes pela Nova Era (1996)
>>> Estudar História - das origens do homem á era digital - 9º de Patrícia Ramos Braick e Anna Barreto pela Moderna (2018)
>>> Geografia 9º ano de Fernando dos Santos Sampaio e Marlon Clovis Medeiros pela Edições SM (2019)
>>> Logistica e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição de Novaes Antonio Galvão pela Campus (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 8 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 14/7/2015
Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte IV)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2000 Acessos



Gerald Thomas monta aproximadamente 18 peças (algumas óperas) entre os anos 2000 e 2014. Um corpo de trabalho bastante significativo, demonstrando o vigor do autor e seu desejo de construir um universo teatral transgressor. Como sempre, rompe com a linha divisória entre as áreas da música, artes plásticas, dança, performance, cinema, ópera, texto literário.

Os procedimentos criativos do teatro contemporâneo, aliás, chegam ao Brasil principalmente através de sua obra, como bem observou Silvia Fernandes, no seu livro "Memória e invenção: Gerald Thomas em cena". Seu work in progress concentra-se na ideia de uma obra de arte total (Gesamtkunstwerk) em que texto cênico, performance, música e criação de imagens trabalham como um corpo único.

Em todas essas criações de Gerald Thomas há um dado a se explorar pelos pesquisadores/críticos e historiadores do teatro, que é o que, com certeza, o coloca como um dos maiores inventores do teatro contemporâneo. Trata-se da relação direta que ele estabelece entre texto e imagem, no sentido de que ambos correspondem a uma sintaxe única. Que sintaxe seria essa?

Seu fluxo da linguagem textual dialoga com a ideia de "invenção" (Pound) que pressupõe, antes de tudo, os movimentos erráticos do pensamento (como "as subdivisões prismáticas da ideia", segundo Haroldo de Campos). Desde a hesitação, quando diálogos quebrados e (des)encontros de atores no palco propiciam uma desconexão no fluxo "normal" de sentidos até as drásticas interrupções no avanço da progressão do pensamento, onde elipses criam subentendidos ou combinações sintáticas incompletas ou distorcidas e, ainda, frases deixadas aos pedaços para desespero de qualquer cartesiano. E o que é mais radical: intercalações constantes (um elemento externo é inserido em meio a uma estrutura em desenvolvimento, deixando-a descontínua - em química, a intercalação é a inclusão de uma molécula entre duas outras moléculas induzindo a distorções estruturais).

O que podemos ver no seu teatro é que o que atribuímos à sua "gramática textual" também se aplica à sua "gramática visual": o que ele pretende é subversão da ordem sintática "normal", a quebra dos valores sintáticos esperados, a subversão das regras "normais" de pontuação e fazer um uso/abuso de reticências. O objetivo é forçar a suspensão do entendimento, impedir uma óbvia e fácil escrita/ideia que se presta ao ordenamento lógico-cronológico de princípio-meio-fim. Em suma, provocar o surgimento do inesperado, evitando os chavões do discurso ordinário, que imporia a aceitação do discurso artístico como obviedade. O que jamais foi.

Além das peças criadas no período, Gerald desenvolveu uma atividade importante dirigindo o Sesc Copacabana por um ano e meio. Apesar dos pesares (corte na verba), desenvolveu com Dominic Barter (ator inglês) leituras/debates sobre Beckett com sessões de vídeos e filmes de peças do escritor irlândes encenadas pelo mundo. Ainda tornou o espaço em residência da Companhia Ópera Seca. Nesse espaço foram encenadas as peças Ventriloquist, Nietzsche contra Wagner, Esperando Beckett, O príncipe de Copacabana, Deus Ex Machina.

Dessa época, uma tensa relação com duas personalidades midiáticas, Marília Gabriela e Reynaldo Gianecchini: ela "ávida, viciada em estar no ar (...) depois que entrou no teatro via mim, só montou porcarias que não deram em nada"; ele "famoso na Globo, e todo mundo rindo na cara dele como um cara que não sabia atuar". Além disso, seu desgosto com o Sesc Copacabana "o maior erro arquitetônico e teatral de todas as épocas. O Niemeyer não sabia o que ele estava fazendo, acho que estava tomando café mellita e fez aquele cone, e resolveu chamar de teatro."

Sob efeito do 11 de setembro, Gerald vai produzir "Circo de Rins e Fígados" e, posteriormente, "Gargólios". A destruição das torres gêmeas foi um momento traumático para o diretor. Recrutado como voluntário, participou por 21 dias trabalhando no Ground Zero recolhendo destroços, documentos e restos humanos: "eu peguei um sapato com o pé dentro. Cara! Foi fogo".

Em seguida, dirigindo o La MaMa em Nova York, teve 12 dias para montar "Achorpectoris". Gerald explica: "Archorpectoris ou United States of The Mind (Estados Unidos da Mente) é o termo psiquiátrico que se dava, ou dá, para dor no peito (...) ou seja, depressão. Eu achei o título lindo, e falava-se da mesma coisa que eu falo sempre. Por que estar no palco? Fazer o que?"

Próximo a esse período Gerald abandona o cigarro, lutando duramente contra o vício: "eu sofri muito, foram dois meses de choro. Eu chorava, não tinha fome, eu quase mordi as paredes do apartamento (...) até que um dia acordei e falei: Nossa! Estou conseguindo respirar. E já senti fome e a vida mudou integralmente depois disso." Muitos anos antes, em uma entrevista, vi Gerald pedindo ao entrevistador para acender um cigarro e citou a frase famosa de Mallarmé: "É preciso uma cortina de fumaça entre eu e o mundo". Hoje isso não o interessa mais. "A arrogância do fumante [que quer impor aos outros sua fumaça]. Hoje eu tenho repugnância total."

Em "Um Circo de Rins e Fígados", a parceria com Marco Nanini (que comemorava 40 anos de palco) foi ótima para Thomas. Diz o diretor: "O ´Circo` foi incrível porque achar um parceiro de palco como o Nanini é coisa raríssima para um autor. Ele cortava, me ajudava na edição do texto, recolocava trechos que eu havia cortado e a coisa ficou pronta em muito pouco tempo."

Após as trilogias (comentados nas partes anteriores), Gerald decide criar uma tetralogia, ao qual deu o nome de "Asfaltaram o Beijo". Então, obsessivo como sempre, o diretor monta ao mesmo tempo quatros espetáculos: "Brasas no Congelador", Asfaltaram o Beijo", "Um Bloco de Gelo em Chamas", "Terra em trânsito". Desde as sérias discussões sobre a guerra fria, o muro de Berlim, a própria participação de Thomas no elenco, até a brincadeira com o ator Serginho Groismann tentando mudar o horário do programa dele - vários mundos em ação, em cenários diferentes - os espetáculos conseguiram estrear no mesmo dia. Depois as peças foram apresentadas em dias alternados.

Em "Asfaltaram o beijo" o próprio diretor era o personagem, apresentando no fim da peça, no fundo do palco, a foto em que mostrava seu encontro com Samuel Beckett. Era comoção pura. Diz o diretor: "(...) e eu falava: ´essa mão que eu apertei, essa mão`, apontando, e era muito emotivo. No final, eu chorava muito e falava: ´Happy Birthday, Sam` e caia aos prantos. ´Você me deu a vida, você que me fez quem eu sou, você que eu agradeço`, enfim, era um texto realmente emotivo".

"Terra em Trânsito" foi levada para Nova York, em 2007, para o La MaMa, apresentada em inglês. Teve boa crítica no Village Voice.

Ainda em 2007, Thomas produz a peça "Rainha Mentira", cujo título é um jogo verbal com a peça de Shakespeare "King Lear". A peça estreou no Rio de Janeiro, depois foi para São Paulo, Buenos Aires etc. Trata-se de uma peça onde o diretor evoca sua história familiar, acabando o espetáculo com uma carta que escreveu para o enterro de sua mãe.

A peça envolve emoções poderosas das lembranças de Gerald e causou sempre comoção em todas as suas apresentações, segundo relato em "Cidadão do mundo". Diz o diretor: "Eu nunca consegui ver esse espetáculo sem um apertão na garganta. A carta gravada, no final, que eu mesmo li e rasguei ao ler, essa carta era reproduzida toda noite pelo operador de som. Foi terrível ver esse espetáculo. Ao mesmo tempo eu consegui exorcizar um monte de demônios, muito pessoal, mas, de novo, fica a pergunta: Quanto da sua vida pessoal você tem que colocar no palco e quanto deveria ser só ficção? Porque teatro não é realidade, arte vem de artifício que não é realidade, então eu suspendi o espetáculo". Um dos trechos surpreendentes, de "Rainha Mentira", que pode ser visto no youtube, é o seguinte:

"Foi duro, muito duro, ver aquelas pessoas devolvendo as fantasias, uma a uma, uma a uma, uma a uma, aquelas fantasias pelas quais lutaram o ano inteiro, sonharam, se iludiram, mais uma vez com aquele dia, aquele único dia de brilho numa vida de MERDA. E agora? a pilha vai crescendo num desencanto terrível da derrota... (...) sabendo que a vida voltaria a ser o que não deveria ter sido, em primeiro lugar".

Na próxima e última parte de nossa resenha de "Cidadão do mundo", apresentaremos as outras produções de Gerald Thomas,como também algumas reflexões do mesmo sobre seu próprio teatro, tal como comentado no livro resenhado.

Hoje é seu aniversário, Gerald! Parabéns ao mestre do teatro contemporâneo!


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 14/7/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O grande ditador de Gian Danton


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
04. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sempre um Colegial
John Le Carré
Circulo do Livro
R$ 25,90



Geração Subzero
Felipe Pena, Thalita Rebouças, André Vianco
Record
(2012)
R$ 17,00



Maya - Romance
Jostein Gaarder
Companhia das Letras
(2000)
R$ 33,00



Viva Com Mais Saúde
Jose Antonio Franchini Ramires
Phorte
(2009)
R$ 7,00



Civilização e Outros Contos
Eça de Queiroz
Ediouro
(1991)
R$ 5,00



Ler Viver e Amar Em los Angeles
Jennifer Kaufman e Karen Mack
Casa da Palavra
(2008)
R$ 6,00



O Guia do Mochileiro das Galáxias
Douglas A13:D28Adams
Sextante
(2009)
R$ 24,90



Depois da Montanha Azul
Christiane Gribel; Bebel Callage
Salamandra
(2013)
R$ 18,00



O Avesso das Coisas
Carlos Drummond de Andrade
Record
(1987)
R$ 20,00



Frei Francisco e o Movimento Franciscano
David Flood
Vozes
(1983)
R$ 60,00





busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês