A Dama Dourada, de Anne-Marie O'Connor | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Someone On Your Side
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
Mais Recentes
>>> O filósofo e sua história de Michael B. Wringley (org.) pela Fapesp (2003)
>>> Cadernos de Tradução de Núcleo de Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999)
>>> Afro Ásia 41 de Centro de Estudos Afro Orientais pela Universiadade Federal da Bahia (2011)
>>> A democracia ameaçada: o MST, o teológico político e a liberdade de Denis Lerrer Rosenfield pela Top books (2006)
>>> Onde existe amor, Deus aí está de Tolstói pela Versus (2001)
>>> Unidos pelo casamento de Rinaldo Seixas pela Mundo Cristão (2014)
>>> Sempre, às vezes, nunca de Fábio Arruda pela Arx (2003)
>>> Educação Geográfica em movimento de Larissa Corrêa Firmino (org.) pela Fapesc (2010)
>>> Sobre moeda, método e Keynes de Victoria Chick pela Unicamp (2010)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 12 de Ufsc pela Cidade Futura (2008)
>>> O Bom Ladrão de Hannah Tinti pela Rocco (2011)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 03 de Ufsc pela Cidade Futura (2003)
>>> Um Grapiúna Em Frankfurt de Cyro de Mattos pela Dobra (2019)
>>> Biblioteca Universitária da Ufsc: Memória Oral e Documental de Ieda Maria de Souza / Joseane Chagas e Outros pela Ufsc (2002)
>>> Grávida Com Estilo: um Manual Como Se Vestir - de Christiana Francini pela Alegro (2004)
>>> Arte Contemporânea Em Santa Catarina de João Evangelista de Andrade Fo - Organizador pela Museu de Arte de Santa Catarin (2001)
>>> O Peru Indutivista Temas de Filosofia de Marconi Oliveira da Silva pela Ufpe (2014)
>>> Terceiro Setor: um Estudo Comparado Entre Brasil e Eua de Simone de Castro Tavares Coelho pela Senac (2002)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Dores Ocultas de Juliana Bueno pela Outras Linhas (2012)
>>> Silêncios de Paz e Guerra de Conrrado Balduccini pela Autor (2013)
>>> A Prática da Conversão Pastoral de Heije Faber e Ebel Van Der Schoot pela Sinodal (1973)
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
COLUNAS

Segunda-feira, 22/12/2014
A Dama Dourada, de Anne-Marie O'Connor
Ricardo de Mattos

+ de 3000 Acessos


Gustav Klimt

"Venham todos assistir o estúpido Iermolai Lopakhine levantar seu machado no meio do jardim e botar no chão todas essas cerejeiras"! (Anton Tchekhov).

Viktor Frankl utiliza o termo "vivência" com o significado muito específico de experiência íntima. Não qualquer experiência cotidiana que se perca no turbilhão da existência, mas aquela que move profundas cordas na alma e torna o momento, para continuar usando suas palavras, irrepetível.

Frankl entendeu que os seres humanos são atraídos pelo Sentido e impulsionados pelos valores. E esses valores podem ser divididos em três classes - valores de criação, vivenciais e de atitude - recomendando que o indivíduo transite entre eles no decorrer de sua finitude material. Valores vivenciais seriam aqueles que levariam ao sentido não por meio do fazer, ou da iniciativa, mas por meio do receber, do captar o Sentido naquilo que nos oferecem a Natureza e a Arte. O fundador da Logoterapia sugeriu que si perguntássemos sobre o sentido da existência a alguém sinceramente extasiado por uma bela sinfonia, ou diante de uma impactante paisagem natural, dificilmente teríamos uma evasiva ou uma resposta negativa.

O laboratório de comprovação empírica das teses franklianas foi o campo de concentração. Um dos capítulos de sua obra mais divulgada - Em busca de sentido - um psicólogo no campo de concentração fala sobre a vida de prisioneiros habituados a uma vida intelectual e culturalmente ativa. Primeiro temos que lembrar que, para Frankl, o passado é o guardião por excelência de tudo o que alguém viveu ou vivenciou. Aquilo que a pessoa construiu, realizou e amou encontra-se de tal forma preservado pelo passado que se torna impossível tirar dela. Decorre daí que a memória intelectual e cultural - numa palavra, espiritual - era o refúgio de muitos dos prisioneiros dos campos, detentores de tesouros que as traças não podiam roer nem os ladrões levar. De Frankl, inclusive, que nos momentos mais difíceis recolhia-se em diálogos imaginários com sua amada esposa Tilly ou proferia palestras imaginárias sobre temas médicos e ensaios de sua Psicologia do Sentido.

Talvez a informação de que nas metrópoles da morte havia arremedos de música e de teatro não seja a mais difundida. Por precários que fossem, serviam de vetor para despertar lembranças da plateia, mergulhá-la no passado recente e devolvê-la fortalecida para o presente. Como Fritz Altmann, que se recordava de levantar antes do amanhecer para garantir os ingressos para a ópera La Bohème, encenada num teatro de Viena. O exemplo de Fritz não foi extraído de algum livro de Frankl, mas do ótimo trabalho da jornalista norte-americana Anne-Marie O'Connor, intitulado A dama dourada - Retrato de Adele Bloch-Bauer. Na esteira de livros como A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal, e Lady Almina e a verdadeira Downton Abbey, da Condessa de Carnavon, o tema do livro é a descrição de uma época na qual surgiu determinada obra, seguida da narrativa dos acontecimentos sequenciais, nos quais estiveram envolvidos não apenas a obra eleita mas as pessoas com ela relacionadas. Enquanto o livro de Waal revela sua nostalgia e admiração pelos antepassados e o de Carnavon denuncia sua empolgação, o livro de O'Connor segue um roteiro que poderíamos assim resumir: deslumbramento, atrocidade e denúncia.

O deslumbramento está presente na primeira parte e longo trecho da segunda. A sociedade vienense do século XIX e do começo do século XX estava dividida em dois círculos. O primeiro, o da nobreza tradicional ligada à monarquia dos Habsburgos. O segundo, da alta burguesia de origem judaica, titulada ou não. Si inicialmente este círculo pôde ter sido chamado de "segunda sociedade" de modo depreciativo, tornou-se o fragmento social onde se reuniu e desenvolveu o melhor da inteligência da época. São presentes nomes como Sigmund Freud, Gustav Mahler, Oskar Kokoschka, Arthur Schnitzler, Walter Gropius, Karl Kraus, Arnold Schoenberg e a família Strauss. Predomina a figura do pintor Gustav Klimt, criador de obras inspiradas tanto no impressionismo quanto nos ícones ortodoxos, diversas das quais poderiam garantir-lhe, isoladamente, o reconhecimento posterior. Entre estas, o retrato de Adele Bloch-Bauer, membro de destaque do segundo círculo, casada com o empresário Ferdinand Bloch-Bauer e supostamente envolvida com Klimt. O comportamento do pintor permitiu que se conjecturasse de seu envolvimento sexual com quase todas suas modelos, mas não é com isto que O'Connor preocupou-se. Ao contrário: há tanto material que imaginamos a dificuldade de edição.


Adele Bloch-Bauer
A "Dama Dourada"

Lemos recentemente uma biografia do pintor holandês Vincent Van Gogh e prestamos atenção no empenho e dedicação que caracterizaram sua transtornada vida muito mais que a excentricidade de seu comportamento. Este empenho e esta dedicação de um pintor, que para o leitor ainda situavam-se num plano abstrato e eram extraídos da correspondência entre os irmãos Van Gogh, adquiriu materialidade quando Klimt entrou em cena. Caso O'Connor esteja correta, após a segunda guerra mundial um general norte-americano pretendia levar para os Estados Unidos cerca de 175.000 (!) desenhos de Klimt. Nosso pasmo talvez advenha da pouca atenção dada a este tipo de contabilidade, mas que um número assim impressiona, disto não se tenha dúvida.

Intercalando-se com a fase do deslumbramento e dominando a segunda parte do livro, há a descrição das atrocidades. O'Connor narra o ocorrido com a maioria das pessoas apresentadas anteriormente. Klimt e Adele não testemunharam os horrores da segunda guerra, visto terem desencarnado, respectivamente, nos anos de 1918 e 1925. O texto não se diferencia dos diversos relatos sobre as provações sofridas pelo povo judeu. Surpreende-nos a fértil imaginação para o mal, pois se os relatos são inúmeros, sempre há novidades no que se refere a torturas e causas de sofrimento. No primeiro terço do livro, um cabo da primeira guerra e pintor incompetente chamado Adolf Hitler assemelha-se ao horror num conto de Lovecraft, muita vez mais sugerido que presente. Na segunda parte, tal como Cthulhu, ele emerge do sepulcro e consolida o ódio por meio de seus sacerdotes. Nesta ocasião é que o quadro de Klimt deixa de ser nomeado Retrato de Adele Bloch-Bauer e passa a ser mencionado como A dama dourada. Era mais uma das inúmeras táticas de privar os judeus de sua vida, de seus bens e, si possível, de sua memória, de sua própria identidade.

Como é próprio do totalitarismo, toda atividade, por mais torpe que seja, é amparada numa justificativa que satisfaz a rasa racionalidade da maioria e confirma a suspeita de seus autores de que não serão questionados. Poderia alegar-se o que se quisesse a respeito da frustração artística do "Führer": para todos os efeitos ele estava promovendo a higienização do Reich ao eliminar não apenas os autores da decadência do povo germânico como também sua bagagem artística "degenerada". Nem Bambi, obra literária destinada ao público infantil, escrita por Felix Salten escapou. Que esperar quando pessoas sentem-se ameaçadas pelo Bambi? Parte do espólio artístico foi realmente queimada para satisfazer o grupo da racionalidade rasa. Porém, que dizer das obras que foram parar diretamente nas galerias de Hitler e das de seus subordinados, ou que foram vendidas para financiar seu projeto sanguinolento? Sendo "degenerada", por que selecionou algumas para si? Eram "degeneradas", mas boas o suficiente para sustentar os planos de domínio.

A terceira parte do livro, enfim, revela que final de guerra não significa, necessariamente, final das provações. Um dia pessoas tiveram suas casas invadidas e viram levadas obras diversas, muitas delas reunidas com gosto de colecionador. Ou viram retratos de seus entes queridos avaliados em moeda corrente e encaixotados. Anos depois, os sobreviventes precisaram provar que realmente eram proprietários daquelas casas das quais foram expulsos, ou que de fato eram donos de tal ou qual objeto. Distantes no tempo e no espaço, pode parecer frívolo alguém mencionar o roubo do violoncelo Stradivarius do cunhado de Adele Bloch-Bauer. Os relatos do livro, entretanto, mostram que o dono daquele instrumento não apenas adquiriu-o sabendo do que se tratava, como também, nas festividades domésticas, sabia dar-lhe vida. Portanto, o violoncelo que era um objeto portador de um significado espiritual para seu dono, passou a ser apenas uma cifra na mão de agentes do Reich, caso um deles não fosse um apreciador de música com algum conhecimento a mais. Não à toa escolhemos para epígrafe desta coluna um trecho da peça O jardim das cerejeiras, de Anton Tchekhov.

Caro leitor: pensa nos seus objetos mais queridos, sejam de significativo valor econômico, sejam de valor sentimental. Você tem prova da propriedade de todos eles? Há como provar que foi para você que Cauby Peixoto autografou aquele guardanapo de papel? Fossem tomados hoje, haveria como reivindicá-los mediante prova segura? Seus netos saberão apreciar aquela paisagem antiga na parede da sala, embasada mais em lendas familiares que em documentos concretos? Ou verão nela apenas a fonte de dinheiro emergencial? Este ponto específico, quando nem os descendentes dos espoliados dão a mesma valoração ao patrimônio recuperado, vendo nele uma fonte inesperada de renda, também é mencionado por O'Connor. Segundo a autora, em alguns casos a resistência da Áustria em devolver obras de arte foi vencida, porém a consequência foi a venda das obras pelos herdeiros tão logo nelas colocassem as mãos. "Sendo deles as obras, poderiam fazer delas o que quisessem", pode alegar aquele representante do raciocínio raso que se levantou vestindo uma camiseta branca com uma estrela vermelha. Quão degenerados estaremos quando nosso orgulho não recair na compreensão alcançada de uma obra do espírito humano, e sim na quantia desembolsada para adquiri-la. Caso tudo possa ser resumido em dinheiro, o que sobrará para o espírito?


Nesse sentido

"O nome dele era Herbert. Acho que ele não sarou, e se tiver sarado terá acabado onde acabaram muitos outros na Metrópole da Morte. Uma das nossas distrações, embora principalmente dele, era me explicar, ou me transmitir, alguma coisa das riquezas culturais que ele havia acumulado, como se estivesse me deixando aquela herança. A primeira coisa que ganhei dele foi um livro, o único livro que ele possuía, e que eu leria. Começava com a descrição de uma velha e de um moço que a golpeia com um machado, que assassina e é atormentado: Crime e castigo, de Dostoievski. Foi isso que ele levou para Auschwitz, e essa foi a primeira grande obra literária que li desde que fui apartado da biblioteca dos meus pais na Tchecoslováquia, aos nove anos. Não parou em Dostoievski. Fomos para Shakespeare e Beethoven e Mozart e tudo da cultura europeia que ele conseguiu despejar em mim. E eu absorvi um bocado" (Paisagens da Metrópole da Morte, de Otto Dov Kulka, página 44).


Ricardo de Mattos
Taubaté, 22/12/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes
02. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
03. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
04. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
05. O que vai ser das minhas fotos? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2014
01. Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev - 17/3/2014
02. Lares & Lugares - 18/8/2014
03. As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen - 10/2/2014
04. Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior - 6/1/2014
05. Do outro lado, por Mary del Priore - 27/10/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GÊMEOS DA PESADA
MICHAEL KELLER
COMPANHIA NACIONAL
(2015)
R$ 10,00



HISTÓRIA MODERNA 1
ANDRÉ CORVISIER
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 39,90
+ frete grátis



UM PREÇO PELA VIDA AVENTURA AMAZÔNICA
ASSIS BRASIL
SALAMANDRA
(1990)
R$ 4,00



A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO GUIMARÃES
SARAIVA
(2008)
R$ 13,00



A ELOQUÊNCIA DOS SÍMBOLOS
EDGAR WIND
EDUSP
(1998)
R$ 45,00



O CÍRCULO DOS MAGOS
PHILIP PULLMAN / E. NESBIT / CHARLES DICKENS
BERTRAND BRASIL
(2011)
R$ 11,00



CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
ED. SARAIVA
(1979)
R$ 5,00



A TÉCNICA DO DIREITO VOL 1 - TEORIA GERAL DAS AÇÕES
GILBERTO CALDAS
BRASILIENSE
R$ 6,80



O PIANISTA DE HITLER
PETER CONRADI
JOSÉ OLYMPIO
(2017)
R$ 20,00



OS GRANDES SANTOS
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1971)
R$ 7,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês