Quando um livro encontra seu leitor | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> A Vinha do Desejo de Sylvio Back pela Geração Editorial (1993)
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/5/2007
Quando um livro encontra seu leitor
Verônica Mambrini

+ de 2800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Dois caminhos interessantes se opõem para quem gosta de ler ficção: um é quando a narrativa traz experiências semelhantes às do leitor, que permitem que este se aventure em águas já navegadas, num universo acolhedor e familiar, porém com o sabor de desfrutar das visões de mundo do autor. O outro caminho é aquele que leva a lugares desconhecidos, para terras de costumes estranhos, fatos, seres e situações inimagináveis no cotidiano do leitor.

O último livro de Cíntia Moscovich, Por que sou gorda, mamãe? (Record, 2006, 256 págs.), coube perfeitamente na primeira definição durante minha leitura. Foi um livro que achou sua leitora. A primeira inspiração, abandonada conforme o texto ia ganhando vida própria, foi a Carta ao Pai, de Franz Kafka. A obra do autor alemão é um tremendo desabafo autobiográfico da dolorosa relação do escritor com seu pai - a grandeza das páginas vem igualmente das qualidades literárias, do conteúdo biográfico que ilumina a obra de Kafka e do teor da análise psicológica da relação de pai e filho feita ali. Ao dar vida ao seu livro, criando uma obra antes de tudo literária, Cíntia achou caminhos próprios.

Como mote do livro, subitamente, a narradora se dá conta de que está cerca de 20 quilos mais gorda do que o normal. E, ao começar um regime, ela passa a limpo - no sentido literal da expressão, ao pôr no papel - a relação com a mãe, vinculando o desvio da balança à relação construída sobre a mágoa das duas. Judia, descendente de povos do leste europeu fugidos de guerras, do nazismo, a narradora transmite o prazer de comer que só têm filhos de povos passaram fome. Os pratos judaicos e as descrições de cheiros e sabores permeiam o livro em cada capítulo.

Na minha casa, cresci ouvindo histórias de galinheiros explodidos por bombas, forçando a família a comer frango por semanas. Ou longos períodos em que o que havia era batata - geralmente ensopados feitos com ela. Muitos pratos na casa de minha avó lituana eram feitos com carnes desprezadas pela mesa de classe média brasileira: miúdos, ossos, gordura. Bons, mas que meu paladar de criança estranhava. Anos depois entendi a memória de guerra e miséria histórica encasquetada na genética, que em oposição à fartura do Brasil, virava ceias em época de festas capazes de alimentar um batalhão, duas ou três vezes comida do que o necessário. Minha avó - como as personagens do livro de Cíntia - demonstram amor alimentando. "a cozinha é a matriz do afeto de nossa gente", diz a autora, sobre o povo judeu.

O sobrenome do meio não assino - é um favor que faço aos leitores. Mambrini é mais fácil, possivelmente um tantinho menos marcante, mas mais assimilável. O Vazgauska, tão sonoramente típico e familiar na colônia lituana, embaralha um pouco a leitura desacostumada. Falta-me ser judia, mas o interesse que eu tenho por essa cultura me leva para a outra leitura possível, a que descobre um mundo novo. A relação difícil e torta com a mãe, presente em muitas culturas, atinge o máximo de complexidade e auto-percepção na cultura judaica. Sou óbvia ao relembrar que a fundação da psicanálise, toda calcada na figura da mãe, veio pelas mãos de um judeu?

Na acidez com que Cíntia descreve essa relação de mãe e filha, cheia de conceitos psicanalíticos, há uma bela declaração de amor. Não à mãe, ofuscada por um sentir maior, mas à literatura. A literatura tem o poder de clarear o que esse relacionamento tem de obscuro e de certa forma, é uma chave mágica que permite dar cabo e significado ao regime, que passa a significar se livrar dos excessos, deixar para trás a carga que não presta para nada e que faz mal à saúde do corpo e da alma.

Não só de sentimentos difíceis se constrói o livro. Depois de passado o susto inicial que causa a relação entre vida emocional e peso, explicitada logo de cara (que pode levar o leitor a esperar um quê de Diário de Bridget Jones), fica claro que o assunto não é a busca do mix de beleza irretocável, sucesso profissional, afetivo e sexual. Já casada, a narradora não busca o príncipe encantado, o corpo perfeito, um trabalho de que goste - esse ela já tem, ainda que à revelia do desejo dos pais. E, no caminho desse ajuste com o passado, vem uma das partes mais deliciosas do livro, em que a verve de contista de Cíntia Moscovich ganha terreno.

Com a história de sua família, recheada de episódios fantásticos contados pela avó, como o índio que aprendeu iídiche ou a ocasião em que duas tias gordas fizeram rachar um carro sólido como um "tanque de guerra", a autora funda sua própria mitologia, cria sua pequena epopéia judaica. Do Gênese ao livro de Cíntia, os judeus se fixam no mundo pela memória, pelo contar histórias - processo sempre perpassado pela palavra escrita. Não faltam histórias a narrar desse povo supraterritorial: desde a história mil vezes contada de um conhecido meu, judeu, cujo pai contava com orgulho ter escapado de um campo de concentração nazista, se soma a Spielberg e seu A lista de Schindler, passando por uma cinematografia vasta, que inclui epopéias mais universalistas como Sunshine - O despertar de um século, de István Szabó, ao drama edulcorado A vida é bela, de Roberto Begnini.

No fim, pouco importa o que a mãe da narradora tenha feito ou deixado de fazer. O que vale é como isso é contado - e como a narrativa da relação mãe-filha se torna o fio condutor do épico da família. E como num épico, de certa forma a diáspora dos avós se torna a diáspora de um povo em êxodo constante - a autora em êxodo de si mesma, em encontro consigo própria.

Para ir além






Verônica Mambrini
São Paulo, 21/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O gueto dos ricos de Marta Barcellos
02. O Hobbit - A Desolação de Smaug de Duanne Ribeiro
03. Conselho ou Informação de Daniel Bushatsky
04. O que este país tão longe ao sul tem a oferecer de Duanne Ribeiro
05. O rock não acabou de Rafael Rodrigues


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/5/2007
15h50min
Muito legal, Verônica! Principalmente quando você diz que sua avó e muitas personagens demonstram afeto alimentando. Acho que isso se aplica a muitas outras mulheres e mães - inclusive esta que vos fala. E mostra, também, que, ao contrário do que muitos médicos dizem, há muito mais no peso de cada um do que uma simples relação de calorias ganhas e calorias gastas...
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
21/5/2007
16h40min
Faço minhas as palavras da Adriana Carvalho: muito legal, Verônica. Apesar de eu ser um anti-gourmet, entendo (ou acho que entendo) a relação afeto e comida. O Marcelo Spalding, me parece, resenhou esse mesmo livro, há pouco tempo, focando mais o lance tenebroso da relação mãe-filha. Aparentemente há muitos meandros nesse livro; eu me perderia, vou voltar ao meu misto-quente. Abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
28/5/2007
06h50min
O texto está muito bom e há de encontrar leitores além dos seus naturais. Só uma correçãozinha, pequena mesmo: Kafka foi educado em alemão, escreveu em alemão e tinha muito de alemão, mas era tcheco de nascimento. E, por sinal, era bom demais! Beijo.
[Leia outros Comentários de André]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA PHILOSOPHIE DE CONFUCIUS
LIU WU-CHI
PAYOT
(1963)
R$ 26,82



WAITING FOR YOUR CAT TO BARK? PERSUADING CUSTOMERS WHEN THEY
BRYAN EISENBERG, JEFFREY EISENBERG
NELSON BUSINESS
(2006)
R$ 18,28



A VIAGEM DA SEMENTINHA
REGINA SIGUEMOTO/ MARTINEZ
PAULINAS
(2007)
R$ 15,00



PELO TELEFONE - ANTONIO FAGUNDES (TEATRO BRASILEIRO)
ANTONIO FAGUNDES
GLOBAL
(1980)
R$ 10,00



ONZE MINUTOS
PAULO COELHO
ROCCO
(2003)
R$ 12,77



TRAJETÓRIAS OPOSTAS - 1ª EDIÇÃO
PEDRO JOSIAS DE OLIVEIRA
PLURUARTS CULTURA E ARTE
(1998)
R$ 9,00



ASMA DE DIFÍCIL CONTROLE
ROBERTO STIRBULOV
GEN
(2009)
R$ 5,00



SEMPRE BONITA
ANDRÉ SARTORI
ALAÚDE
(2016)
R$ 3,00



GIANE - VIDA, ARTE E LUTA
GUILHERME FIUZA; REYNALDO GIANECCHINI
PRIMEIRA PESSOA
(2012)
R$ 10,00



PENSADORES
MARIO VITOR SANTOS
REALEJO
(2015)
R$ 54,90





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês