Quando um livro encontra seu leitor | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
46027 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exposição sobre direito das mulheres à cidade ocupa o Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica
>>> A Quatro Vozes canta o Clube da Esquina em Guararema pela Caravana Sotaques do Brasil
>>> Série para TV retrata o trabalho da Pecuária brasileira
>>> Naamat promove espetáculo musical beneficente baseado em Aladdin
>>> Concertos gratuitos levam obras de Mozart e Schumann para a população em outubro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Graham Allison no All-In Summit (2023)
>>> Os mestres Alfredão e Sergião (2023)
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jon Udells Interviews With Innovators
>>> Sim-me-drogo-sou-fútil-rica-e-escrevo-blogs
>>> Literatura de entretenimento e leitura no Brasil
>>> Querem proibir as palavras
>>> Blogo, logo existo
>>> O cinema de Weerasethakul
>>> A política brasileira perdeu a agenda
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> História (não só) de livraria
>>> Vias da dialética em Platão
Mais Recentes
>>> Noite de natal de Cassiano Nunes pela Saraiva (1954)
>>> O Foco Narrativo 531 de Ligia Chiappini Moraes Leite pela Ática (2002)
>>> Raízes do Brasil + Formação do Brasil Contemporâneo de Sérgio Buarque de Holanda; Caio Prado Jr. pela Companhia das Letras; Brasiliense (2005)
>>> Para Viver um Grande Amor - Crônicas e Poemas de Vinicius de Moraes pela Folha de são paulo (2008)
>>> Crisis económicas en España de Francisco Comin e Mauro Hernandez pela Alianza (2013)
>>> Livro Capa Dura Filosofia Tratado Sobre a Tolerância de Voltaire pela Folha de São Paulo (2015)
>>> Educação e psicanálise 531 de Rinaldo Voltolini pela Zahar (2011)
>>> Xenotransplante - Ética e Teologia de Mário Marcelo Coelho pela Loyola (2004)
>>> Histórias Que Elevam a Alma de Guilherme Victor M. Cordeiro pela Dpl (2002)
>>> Auto da Compadecida de Ariano Suassuna pela Folha de são paulo (2008)
>>> Garimpos do Mato Grosso de Hermano Ribeiro da Silva pela Saraiva (1954)
>>> Bescherelle Poche 531 de Bescherelle Poche pela Hatier (1999)
>>> Morte e Vida Severina e Outros Poemas de João Cabral de Melo Neto pela Folha de são paulo (2008)
>>> O Que é semiótica 531 de Lúcia Santaella pela Brasiliense (2007)
>>> A Vaca e o Hipogrifo de Mario Quintana pela Folha de são paulo (2008)
>>> O Desenvolvimento Econômico Brasileiro + História Econômica do Brasil de Agemiro J. Brum; Caio Prado Jr. pela Vozes; Brasiliense (1982)
>>> Livro Desenhando Joias Com Rhinoceros de Eliania Rosetti pela Leon (2011)
>>> Operações espirituais de Urbano Pereira pela Ide (1974)
>>> Memorial de Maria Moura de Rachel de Queiroz pela Folha de são paulo (2008)
>>> O Direito ao Avesso de Izá Tilde pela Massao Ohno (1989)
>>> Dom Santiago: Vida e Obra do Senhor Santiago Bovisio de Fabiana Mastrangelo pela Ece (2006)
>>> MÉDICI: A Verdadeira História de Agnaldo Del Nero Augusto pela Inconfidência (2012)
>>> Primeiras Estórias de João Guimarães Rosa pela Folha de são paulo (2008)
>>> Aparência do Rio de janeiro de Vivaldo Coaracy pela José Olympio (1965)
>>> Os Cem Melhores Poemas Brasileiros do Século de Seleção de Italo Moriconi pela Objetiva (2001)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/5/2007
Quando um livro encontra seu leitor
Verônica Mambrini
+ de 3900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Dois caminhos interessantes se opõem para quem gosta de ler ficção: um é quando a narrativa traz experiências semelhantes às do leitor, que permitem que este se aventure em águas já navegadas, num universo acolhedor e familiar, porém com o sabor de desfrutar das visões de mundo do autor. O outro caminho é aquele que leva a lugares desconhecidos, para terras de costumes estranhos, fatos, seres e situações inimagináveis no cotidiano do leitor.

O último livro de Cíntia Moscovich, Por que sou gorda, mamãe? (Record, 2006, 256 págs.), coube perfeitamente na primeira definição durante minha leitura. Foi um livro que achou sua leitora. A primeira inspiração, abandonada conforme o texto ia ganhando vida própria, foi a Carta ao Pai, de Franz Kafka. A obra do autor alemão é um tremendo desabafo autobiográfico da dolorosa relação do escritor com seu pai - a grandeza das páginas vem igualmente das qualidades literárias, do conteúdo biográfico que ilumina a obra de Kafka e do teor da análise psicológica da relação de pai e filho feita ali. Ao dar vida ao seu livro, criando uma obra antes de tudo literária, Cíntia achou caminhos próprios.

Como mote do livro, subitamente, a narradora se dá conta de que está cerca de 20 quilos mais gorda do que o normal. E, ao começar um regime, ela passa a limpo - no sentido literal da expressão, ao pôr no papel - a relação com a mãe, vinculando o desvio da balança à relação construída sobre a mágoa das duas. Judia, descendente de povos do leste europeu fugidos de guerras, do nazismo, a narradora transmite o prazer de comer que só têm filhos de povos passaram fome. Os pratos judaicos e as descrições de cheiros e sabores permeiam o livro em cada capítulo.

Na minha casa, cresci ouvindo histórias de galinheiros explodidos por bombas, forçando a família a comer frango por semanas. Ou longos períodos em que o que havia era batata - geralmente ensopados feitos com ela. Muitos pratos na casa de minha avó lituana eram feitos com carnes desprezadas pela mesa de classe média brasileira: miúdos, ossos, gordura. Bons, mas que meu paladar de criança estranhava. Anos depois entendi a memória de guerra e miséria histórica encasquetada na genética, que em oposição à fartura do Brasil, virava ceias em época de festas capazes de alimentar um batalhão, duas ou três vezes comida do que o necessário. Minha avó - como as personagens do livro de Cíntia - demonstram amor alimentando. "a cozinha é a matriz do afeto de nossa gente", diz a autora, sobre o povo judeu.

O sobrenome do meio não assino - é um favor que faço aos leitores. Mambrini é mais fácil, possivelmente um tantinho menos marcante, mas mais assimilável. O Vazgauska, tão sonoramente típico e familiar na colônia lituana, embaralha um pouco a leitura desacostumada. Falta-me ser judia, mas o interesse que eu tenho por essa cultura me leva para a outra leitura possível, a que descobre um mundo novo. A relação difícil e torta com a mãe, presente em muitas culturas, atinge o máximo de complexidade e auto-percepção na cultura judaica. Sou óbvia ao relembrar que a fundação da psicanálise, toda calcada na figura da mãe, veio pelas mãos de um judeu?

Na acidez com que Cíntia descreve essa relação de mãe e filha, cheia de conceitos psicanalíticos, há uma bela declaração de amor. Não à mãe, ofuscada por um sentir maior, mas à literatura. A literatura tem o poder de clarear o que esse relacionamento tem de obscuro e de certa forma, é uma chave mágica que permite dar cabo e significado ao regime, que passa a significar se livrar dos excessos, deixar para trás a carga que não presta para nada e que faz mal à saúde do corpo e da alma.

Não só de sentimentos difíceis se constrói o livro. Depois de passado o susto inicial que causa a relação entre vida emocional e peso, explicitada logo de cara (que pode levar o leitor a esperar um quê de Diário de Bridget Jones), fica claro que o assunto não é a busca do mix de beleza irretocável, sucesso profissional, afetivo e sexual. Já casada, a narradora não busca o príncipe encantado, o corpo perfeito, um trabalho de que goste - esse ela já tem, ainda que à revelia do desejo dos pais. E, no caminho desse ajuste com o passado, vem uma das partes mais deliciosas do livro, em que a verve de contista de Cíntia Moscovich ganha terreno.

Com a história de sua família, recheada de episódios fantásticos contados pela avó, como o índio que aprendeu iídiche ou a ocasião em que duas tias gordas fizeram rachar um carro sólido como um "tanque de guerra", a autora funda sua própria mitologia, cria sua pequena epopéia judaica. Do Gênese ao livro de Cíntia, os judeus se fixam no mundo pela memória, pelo contar histórias - processo sempre perpassado pela palavra escrita. Não faltam histórias a narrar desse povo supraterritorial: desde a história mil vezes contada de um conhecido meu, judeu, cujo pai contava com orgulho ter escapado de um campo de concentração nazista, se soma a Spielberg e seu A lista de Schindler, passando por uma cinematografia vasta, que inclui epopéias mais universalistas como Sunshine - O despertar de um século, de István Szabó, ao drama edulcorado A vida é bela, de Roberto Begnini.

No fim, pouco importa o que a mãe da narradora tenha feito ou deixado de fazer. O que vale é como isso é contado - e como a narrativa da relação mãe-filha se torna o fio condutor do épico da família. E como num épico, de certa forma a diáspora dos avós se torna a diáspora de um povo em êxodo constante - a autora em êxodo de si mesma, em encontro consigo própria.

Para ir além






Verônica Mambrini
São Paulo, 21/5/2007

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Confissões pandêmicas de Julio Daio Borges
02. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo
03. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio
04. Bonecas russas, de Eliana Cardoso de Eugenia Zerbini
05. O caso Luis Suárez de Humberto Pereira da Silva


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Vernica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
04. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/5/2007
15h50min
Muito legal, Verônica! Principalmente quando você diz que sua avó e muitas personagens demonstram afeto alimentando. Acho que isso se aplica a muitas outras mulheres e mães - inclusive esta que vos fala. E mostra, também, que, ao contrário do que muitos médicos dizem, há muito mais no peso de cada um do que uma simples relação de calorias ganhas e calorias gastas...
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
21/5/2007
16h40min
Faço minhas as palavras da Adriana Carvalho: muito legal, Verônica. Apesar de eu ser um anti-gourmet, entendo (ou acho que entendo) a relação afeto e comida. O Marcelo Spalding, me parece, resenhou esse mesmo livro, há pouco tempo, focando mais o lance tenebroso da relação mãe-filha. Aparentemente há muitos meandros nesse livro; eu me perderia, vou voltar ao meu misto-quente. Abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
28/5/2007
06h50min
O texto está muito bom e há de encontrar leitores além dos seus naturais. Só uma correçãozinha, pequena mesmo: Kafka foi educado em alemão, escreveu em alemão e tinha muito de alemão, mas era tcheco de nascimento. E, por sinal, era bom demais! Beijo.
[Leia outros Comentários de André]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Catálogo de Abordagens Terapêuticas
Ana R. Ribeiro, Fátima Andrade Souza
Casa do Psicólogo
(2005)



She
H. Rider Haggard
Stampa
(1976)



/826 Notas de Amor para Emma
Garth Callaghan
Leya
(2014)



A 25ª Hora
Virgil Gheorghiu
Intrínseca
(2014)



Fractais - uma Breve Introdução
Maria Cecilia Costa e Silva Carvalho
Maria Cecilia Costa
(1986)



Arte de Bem Saborear
Auronanda
Livraria Simões Lopes



Batman Live World Arena Tour
Stan Berkowitz; Alan Burnett
Water Lane
(2011)



O Grupo
Mary McCarthy
Civilização brasileira
(1965)



Faces da Decisão
Maria José Bretas Pereira, João Gabriel Fonseca
Ltc
(2009)



Gestão pela formação humana: Uma abordagem fenomenológica
Valderez Ferreira Fraga
Manole
(2009)





busca | avançada
46027 visitas/dia
1,7 milhão/mês