Quando um livro encontra seu leitor | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Escrevendo com o inimigo
>>> FLAP! Uma bofetada na indiferença*
>>> Eles os artistas medíocres
>>> Meu beijo gay
>>> A história de Rogério Xavier e da SPX (2023)
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
Mais Recentes
>>> Administração do tempo: melhoria da qualidade do serviço de Labegalini Paulo pela Editora Ideias & Letras - EDITORA SANTUARIO (2006)
>>> Poemas completos de Alberto Caeiro de Fernando pessoa pela Editora Hedra (2006)
>>> Qi gong para a mulher: exercícios de baixo impacto para aumentar a energia, estimular a sexualidade e fortalecer o corpo de Dominique, ferraro pela Editora ground - oka (2002)
>>> Parto ativo: Guia prático para o parto natural - A história e a filosofia de uma revolução... de Balaskas Janet pela Editora ground - oka (2017)
>>> 125 brincadeiras para estimular o cérebro do seu bebê de Silberg Jackie pela Editora ground - oka (2014)
>>> Guia de massagem para quem ama cachorros de Linda, jackson pela Editora ground - oka (2017)
>>> Agnus dei - a idade do sangue de Costa, Julianna pela Editora grimorio (2012)
>>> Tecnologia e justiça multiportas - 1ª ed - 2021 de Viviane Siqueira Valter Shuenquener de; Rodrigues pela Editora foco (2021)
>>> Suspensão de segurança - 5ª ed - 2022: suspensão da execução de decisão judicial contra o poder público de Marcelo Abelha Rodrigues pela Editora foco (2022)
>>> Registro civil das pessoas naturais - 4ª ed - 2022 de Mario de Carvalho Camargo Marcelo Salaroli de; Neto pela Editora foco (2022)
>>> Exame da OAB mapamentalizado - 2ª edição - 2019 de Wander Tony; Garcia pela Editora foco (2018)
>>> Direito civil - sucessões - 2ª ed - 2022 de Leonardo Estevam de Assis Zanini pela Editora foco (2022)
>>> Como passar em concursos dapolícia federal - 800 questões comentadas - 1ª ed - 2021 de Vivian Vanessa Tonolli; Calderoni pela Editora foco (2021)
>>> Análise sociológica das políticas de saúde de Patrice Pinell pela Editora fiocruz
>>> Responsabilidade civil - o que os medicos precisam minimamente saber de Souza, Henrique pela Editora espaco juridico (2017)
>>> Constituicao da republica federativa do brasil de Espaco juridico pela Editora espaco juridico (2017)
>>> 7 Aulas de L. S. Vigotski: Sobre os Fundamentos da Pedologia de Zoia prestes pela Editora e-papers (2018)
>>> Genética e DNA em quadrinhos de Schultz Mark pela Editora edgard blucher ltda. (2011)
>>> Revisao de beneficios e calculos previdenciarios de Claudini pela Editora e distr.de livros mundo juridico ltda (2015)
>>> Reforma trabalhista comentada mais quadr de Correia, sandra pela Editora e distr.de livros mundo juridico ltda (2018)
>>> Diario do Jurista: Agenda Jurídica 2024 de Editora Mundo Jurídico pela Editora e distr.de livros mundo juridico ltda (2023)
>>> Como Advogar na Previdência de Claudio Tadeu Muniz pela Editora e distr.de livros mundo juridico ltda (2023)
>>> Na linha de frente: enfrentando o desconhecido de Simone Miriam; Azevedo pela Editora dos editores (2022)
>>> Uma lha a mil milhas daqui de Jonas Ribeiro pela Editora do brasil - paradidatico (2014)
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal de Neide Mércia Maria; Duarte pela Editora do brasil - paradidatico (2011)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/5/2007
Quando um livro encontra seu leitor
Verônica Mambrini
+ de 4200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Dois caminhos interessantes se opõem para quem gosta de ler ficção: um é quando a narrativa traz experiências semelhantes às do leitor, que permitem que este se aventure em águas já navegadas, num universo acolhedor e familiar, porém com o sabor de desfrutar das visões de mundo do autor. O outro caminho é aquele que leva a lugares desconhecidos, para terras de costumes estranhos, fatos, seres e situações inimagináveis no cotidiano do leitor.

O último livro de Cíntia Moscovich, Por que sou gorda, mamãe? (Record, 2006, 256 págs.), coube perfeitamente na primeira definição durante minha leitura. Foi um livro que achou sua leitora. A primeira inspiração, abandonada conforme o texto ia ganhando vida própria, foi a Carta ao Pai, de Franz Kafka. A obra do autor alemão é um tremendo desabafo autobiográfico da dolorosa relação do escritor com seu pai - a grandeza das páginas vem igualmente das qualidades literárias, do conteúdo biográfico que ilumina a obra de Kafka e do teor da análise psicológica da relação de pai e filho feita ali. Ao dar vida ao seu livro, criando uma obra antes de tudo literária, Cíntia achou caminhos próprios.

Como mote do livro, subitamente, a narradora se dá conta de que está cerca de 20 quilos mais gorda do que o normal. E, ao começar um regime, ela passa a limpo - no sentido literal da expressão, ao pôr no papel - a relação com a mãe, vinculando o desvio da balança à relação construída sobre a mágoa das duas. Judia, descendente de povos do leste europeu fugidos de guerras, do nazismo, a narradora transmite o prazer de comer que só têm filhos de povos passaram fome. Os pratos judaicos e as descrições de cheiros e sabores permeiam o livro em cada capítulo.

Na minha casa, cresci ouvindo histórias de galinheiros explodidos por bombas, forçando a família a comer frango por semanas. Ou longos períodos em que o que havia era batata - geralmente ensopados feitos com ela. Muitos pratos na casa de minha avó lituana eram feitos com carnes desprezadas pela mesa de classe média brasileira: miúdos, ossos, gordura. Bons, mas que meu paladar de criança estranhava. Anos depois entendi a memória de guerra e miséria histórica encasquetada na genética, que em oposição à fartura do Brasil, virava ceias em época de festas capazes de alimentar um batalhão, duas ou três vezes comida do que o necessário. Minha avó - como as personagens do livro de Cíntia - demonstram amor alimentando. "a cozinha é a matriz do afeto de nossa gente", diz a autora, sobre o povo judeu.

O sobrenome do meio não assino - é um favor que faço aos leitores. Mambrini é mais fácil, possivelmente um tantinho menos marcante, mas mais assimilável. O Vazgauska, tão sonoramente típico e familiar na colônia lituana, embaralha um pouco a leitura desacostumada. Falta-me ser judia, mas o interesse que eu tenho por essa cultura me leva para a outra leitura possível, a que descobre um mundo novo. A relação difícil e torta com a mãe, presente em muitas culturas, atinge o máximo de complexidade e auto-percepção na cultura judaica. Sou óbvia ao relembrar que a fundação da psicanálise, toda calcada na figura da mãe, veio pelas mãos de um judeu?

Na acidez com que Cíntia descreve essa relação de mãe e filha, cheia de conceitos psicanalíticos, há uma bela declaração de amor. Não à mãe, ofuscada por um sentir maior, mas à literatura. A literatura tem o poder de clarear o que esse relacionamento tem de obscuro e de certa forma, é uma chave mágica que permite dar cabo e significado ao regime, que passa a significar se livrar dos excessos, deixar para trás a carga que não presta para nada e que faz mal à saúde do corpo e da alma.

Não só de sentimentos difíceis se constrói o livro. Depois de passado o susto inicial que causa a relação entre vida emocional e peso, explicitada logo de cara (que pode levar o leitor a esperar um quê de Diário de Bridget Jones), fica claro que o assunto não é a busca do mix de beleza irretocável, sucesso profissional, afetivo e sexual. Já casada, a narradora não busca o príncipe encantado, o corpo perfeito, um trabalho de que goste - esse ela já tem, ainda que à revelia do desejo dos pais. E, no caminho desse ajuste com o passado, vem uma das partes mais deliciosas do livro, em que a verve de contista de Cíntia Moscovich ganha terreno.

Com a história de sua família, recheada de episódios fantásticos contados pela avó, como o índio que aprendeu iídiche ou a ocasião em que duas tias gordas fizeram rachar um carro sólido como um "tanque de guerra", a autora funda sua própria mitologia, cria sua pequena epopéia judaica. Do Gênese ao livro de Cíntia, os judeus se fixam no mundo pela memória, pelo contar histórias - processo sempre perpassado pela palavra escrita. Não faltam histórias a narrar desse povo supraterritorial: desde a história mil vezes contada de um conhecido meu, judeu, cujo pai contava com orgulho ter escapado de um campo de concentração nazista, se soma a Spielberg e seu A lista de Schindler, passando por uma cinematografia vasta, que inclui epopéias mais universalistas como Sunshine - O despertar de um século, de István Szabó, ao drama edulcorado A vida é bela, de Roberto Begnini.

No fim, pouco importa o que a mãe da narradora tenha feito ou deixado de fazer. O que vale é como isso é contado - e como a narrativa da relação mãe-filha se torna o fio condutor do épico da família. E como num épico, de certa forma a diáspora dos avós se torna a diáspora de um povo em êxodo constante - a autora em êxodo de si mesma, em encontro consigo própria.

Para ir além






Verônica Mambrini
São Paulo, 21/5/2007

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. A geração que salvou Hollywood de Gian Danton
02. WikiLeaks, o melhor de 2010 de Vicente Escudero
03. Mulher no comando do país! E agora? de Débora Carvalho
04. Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade de Wellington Machado
05. O romance policial e picaresco de Denis Johnson de Luiz Rebinski Junior


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Vernica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
04. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/5/2007
15h50min
Muito legal, Verônica! Principalmente quando você diz que sua avó e muitas personagens demonstram afeto alimentando. Acho que isso se aplica a muitas outras mulheres e mães - inclusive esta que vos fala. E mostra, também, que, ao contrário do que muitos médicos dizem, há muito mais no peso de cada um do que uma simples relação de calorias ganhas e calorias gastas...
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
21/5/2007
16h40min
Faço minhas as palavras da Adriana Carvalho: muito legal, Verônica. Apesar de eu ser um anti-gourmet, entendo (ou acho que entendo) a relação afeto e comida. O Marcelo Spalding, me parece, resenhou esse mesmo livro, há pouco tempo, focando mais o lance tenebroso da relação mãe-filha. Aparentemente há muitos meandros nesse livro; eu me perderia, vou voltar ao meu misto-quente. Abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
28/5/2007
06h50min
O texto está muito bom e há de encontrar leitores além dos seus naturais. Só uma correçãozinha, pequena mesmo: Kafka foi educado em alemão, escreveu em alemão e tinha muito de alemão, mas era tcheco de nascimento. E, por sinal, era bom demais! Beijo.
[Leia outros Comentários de André]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Infanto Juvenis Vice-versa ao Contrário
Heloisa Prieto
Companhia das Letrinhas
(1993)



O Poder Dentro de Você
Louise L. Hay
Best Seller
(1991)



O Ato De Amor Do Povo
James Meek
Record
(2006)



O Crime Do Padre Amaro
Eça De Queiros
Moderna
(2004)



Kit 3 Revistas Grande História Universal
Leopoldo Collor Jobim
Bloch
(1973)



Livro Literatura Brasileira Acqua Toffana
Patrícia Melo
Companhia das Letras
(1994)



Merlin. As Sete Canções - Livro 2
T. A. Barron
Galera Record
(2014)



Box Coletânia Mestre Rui Barbosa
Rui Barbosa
Caixa
(2015)



Livro Psicologia Coisas Que Ninguém Conta Sobre A Chegada Do Bebê
Gabriel Orsi
Palavra & Prece
(2009)



Sinopse de Anatomia
L. J. A. Didio
Guanabara Koogan
(1970)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês