Sartre, palavras e moscas | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
71132 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 21/2/2006
Sartre, palavras e moscas
Marcelo Spalding

+ de 8800 Acessos

O último de uma época, um mestre para adultos, indispensável para o universo. Sobram epítetos para os muitos Sartres: filósofo francês, dramaturgo, ativista político, pai do existencialismo e figura fundamental para a geração revolucionária dos anos do pós-guerra (no Brasil, especialmente a geração que enfrentaria a ditadura militar dos anos 60 e 70). Mas não são muitas as oportunidades para se voltar a Sartre nos anos 2000, relê-lo, discutir sobre sua obra e suas idéias, assistir suas peças. Ainda que as inquietações do mestre se mantenham bastante atuais.

Daí a necessidade de louvar o relançamento da Editora Nova Fronteira das obras de Sartre, em edições impecáveis e de preços razoavelmente acessíveis. Elas são um convite a este retorno: retorno a um passado não muito distante, a uma Era em que os ídolos escreviam livros e os revolucionários não disputavam eleições majoritárias. Em comemoração ao centenário de seu nascimento (1905), foram publicados ano passado os romances A Náusea, de 1938, primeiro romance de Sartre, Os Caminhos da Liberdade, volumes um, dois e três, também romances, O Muro, contos de 1939, Verdade e existência, ensaios escritos em 1948, Diário de uma guerra estranha, cadernos escritos por Sartre à época da II Guerra e publicados postumamente, Freud, além da alma, biografia nascida como roteiro para um filme em 1958, além dos antológicos As Palavras e As moscas.

Em As Palavras (2005, Nova Fronteira, 176 págs.), publicado originalmente em 1964, ápice da sua melhor fase, Sartre reinventa o livro de memórias ao tratar de forma crítica, crua e lírica sua infância, até os 10 anos, quando entra para a escola. Não se trata de uma auto-biografia à Nietzsche nem de uma narrativa como a recente de Garcia Marquez, mas de uma espécie de sessão pública de psicanálise, onde Sartre busca na sua infância as explicações para o homem que se tornou. Annie Cohen-Solal, a melhor biógrafa de Sartre, vê em As Palavras a tentativa de responder à mesma questão que os estudos sobre Genet e Flaubert: "de que maneira um homem se torna alguém que escreve?". Não por acaso o livro é dividido em duas grandes partes, Ler e Escrever.

A arrancada da obra é fenomenal: Sartre narra como se ficção fosse a história de um mestre-escola alsaciano de 1850 que elege seu primogênito, Charles, para ser pastor. Este se nega a tal destino e vai para a estrada procurar uma amazona. Não a encontra, mas casa-se com Louise, já na França, onde dá aulas de alemão, e lhe fez quatro "filhos de surpresa". Aí a narração salta para outro espaço da mesma França onde um médico do interior desposou a filha de um rico proprietário, mas logo após o casório constatou-se que o sogro não possuía um vintém. Indignado, o doutor ficou anos sem dirigir palavra a mulher, mas partilhava seu leito e nasceram três "filhos do silêncio", dois meninos e uma menina. Pois logo se saberá que são os avós de Sartre um dos "filhos de surpresa" e um dos "filhos do silêncio".

Também nas primeira páginas ele relata a morte do pai, pelo qual sua mãe jamais foi apaixonada (curioso que os Sartre só contribruíram com o esperma e o nome, enquanto os Schweitzer foram responsáveis pela educação e os cuidados, mas foi o nome Sartre o imortalizado). E é a partir desse acontecimento e da natural ida da mãe para a casa dos pais pequenos-burgueses, que se forma a criança Sartre, protagonista da obra narrada a partir do próprio protagonista alguns anos mais velho.

O leitor da primeira parte é um menino prodígio, perigosamente precoce e solitário. Lê enciclopédias, lê e relê Madame Bovary, "sem irmão nem irmã e nem camaradas, converti (os livros) em meus primeiros amigos", admite o senhor ao refletir sobre o menino. O mesmo senhor descreve o menino como uma criança mimada, apaixonada por cinema, sem superego, apegadíssimo a mãe e com a pretensão de ser indispensável para o universo. Ao mesmo tempo que culpa Charles Schweitzer pela solidão e sisudez de sua infância precoce, reconhece nele um mestre que o guiou para a futura vida de escritor.

Aí começa a segunda parte, sem necessariamente uma ordem cronológica, pois o leitor e o escritor surgem concomitantes, frutos de uma infância em meio aos livros (e longe de crianças.) Nesta segunda parte a relação com o avô Schweitzer se torna mais amarga, pois este deixava transparecer que o neto escrevia mal, influenciado pelas más leituras providenciada por uma mãe preocupada. "'Ah!', declarava meu avô, 'não basta ter olhos, é preciso aprender a utilizá-los. Você sabe o que fazia Flaubert quando Maupassant era pequeno? Instalava-o diante de uma árvore e concedia-lhe duas horas para descrevê-la'", conta.

E essa angústia própria de um escritor iniciante marcou na memória do senhor Sartre de As Palavras discursos fabulosos dignos de um romance de formação e altamente indicados a pretensos escritores: "meus livros recendem a suor e a trabalho, admito que fedem para o nariz de nossos aristocratas", afirma. "Eu era eleito, marcado, mas sem talento: tudo viria da minha longa paciência e de minhas desventuras", completa.

É também nessa fase que Sartre gesta o que seriam seus libertários ensaios existencialistas: "nasci da escritura. (...) Escrevendo eu existia, escapava aos adultos: mas eu só existia para escrever, e se dizia eu, isso significa: eu que escrevo".

Quem está tomando contato com o filósofo através destas singelas palavras deve estar se perguntando como o menino superdotado, pequeno burguês e criado dentro do sistema por um avô conservador tornou-se ícone da esquerda mundial. Para Cohen-Solal, "a Segunda Guerra Mundial é um choque para o escritor que, até então, vivera em meios preservados". E não apenas a guerra como a tomada da França pelos nazistas e sua prisão em 1940. Daí o porquê, libertado do campo de prisioneiros em 1941, funda o grupo "Socialismo e Liberdade" ao lado de amigos como Simone de Beauvoir.

E é nesse momento que o autor publica O Ser e o Nada e As moscas, inaugurando sua melhor fase e consolidando-se como "um modelo, uma prática, (...) o último de uma época, (...) uma bussola ética", nAs Palavras de sua biógrafa.

Surpreendentemente publicado pela primeira vez no Brasil, em As moscas (2005, Nova Fronteira, 144 págs.) Sartre cria um palco para apresentar sua filosofia existencialista. Utilizando-se da tragédia grega como forma de denunciar a Ocupação nazista, Sartre exorta o povo a assumir as responsabilidades de seus próprios atos, abrindo mão das desculpas com as quais muitas vezes tentamos, na vida política e pessoal, esconder de nós mesmos a angústia de sermos livres. "Depois de dissolvido o grupo em 1941, Sartre passa a considerar o teatro como a única forma de resistência acessível", afirma Caio Liudvik, tradutor desta edição de As moscas e autor de uma apresentação belíssima porque profunda e elucidativa, "Orestes na barricada: As Moscas e a resistência ao nazismo".

Liudvik se atribui a tarefa de elucidar o porquê da escolha de uma tragédia, tão marcada pela fatalidade e sendo a fatalidade o contrário do que Sartre pregava em seu existencialismo humanista. "Recorrer à mitologia tornava-se, no contexto específico da Ocupação, um excelente disfarce para conteúdos políticos que não podiam ser expressos abertamente, devido às malhas da censura", lembra o tradutor, e com isso traça paralelos entre a Argos criada por Sartre e a França ocupada pelos nazistas, entre Júpiter e a igreja católica, Orestes e a Resistência, entre um povo e outro, ambos cheios de remorso, medo e condenados à inação.

Na versão de Sartre para a tragédia grega de Electra e Orestes, o herói é um herói existencialista, ciente de sua liberdade e livre de remorsos ou culpas. É "uma tragédia da liberdade em oposição a tragédia da fatalidade", segundo o próprio autor. Orestes, condenado a ser livre, como reza o preceito filosófico de O Ser e o Nada, desafia sozinho o rei Egisto, sua mãe, a rainha Clitemnestra, o deus Júpiter, as moscas que invadiram a cidade, o povo cheio de medo e remorso e até a insegurança de sua irmã, Electra. Desafia para libertar o povo.

O ponto alto da tragédia é a cena em que Júpiter admite a fraqueza dos deuses perante os homens que sabem ser livres: "tens (segredo) sim", revela Júpiter ao rei Egisto, seu comparsa, "O mesmo que eu. O doloroso segredo dos deuses e dos reis: é que os homens são livres. Eles são livres, Egisto. Tu o sabes, eles não. (...) Egisto, os deuses têm um outro segredo... Uma vez que a liberdade explodiu na alma de um homem, os deuses nada podem contra ele".

Ainda para Liudvik, a crítica de Sartre à ideologia teológico-política de Vichy, em As Moscas, lembra muito a denúncia nietzschiana do ressentimento cristão. Mas lembra ainda, ou simboliza, retrata, ilustra, o Sartre pedagogo e seus métodos de participação numa sociedade em que a hierarquia era muito evidente nos bancos escolares; o "rebelde insolente" tão próximo dos jovens de maio de 68; o Sartre militante ético que luta contra a discriminação racial de que são vítimas os negros norte-americanos; o Sartre terceiro-mundista e anti-colonialista que, em plena França, defende a Argélia em sua guerra pela independência; o Sartre avesso a cerimônias que nega um Prêmio Nobel em 1964.

Sim, isso mesmo. Sartre, verdadeiramente, é um Nobel, fora escolhido como tal logo após a publicação de As Palavras mas, como apenas Orestes e Sartre poderiam fazer, como jamais o avô Schweitzer ou o menino prodígio poderiam imaginar, Sartre nega o prêmio. Sem com isso deixar de ser o último de uma época, um mestre para adultos, indispensável para o universo.

"Um intelectual para mim é isto: alguém que é fiel a um conjunto político e social, mas que não cessa de contestá-lo"
Jean-Paul Sartre

Para ir além









Marcelo Spalding
Porto Alegre, 21/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olhos brancos de Deus de Elisa Andrade Buzzo
02. O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood de Marilia Mota Silva
03. Rememórias e túmulos multimídia de Carla Ceres
04. O desenvolvimento dos meios de comunicação de Gian Danton
05. Meu Caderno de Poemas de Ricardo de Mattos


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MENINOS DE RUA - A INFANCIA EXCLUIDA NO BRASIL
LIGIA COSTA LEITE
ATUAL
(2001)
R$ 7,90



SOCIOLOGIA HISTÓRICA DO POLÍTICO.
YVES DÉLOYE
EDUSC
(1999)
R$ 23,92



A MULHER V MODERNA À MODA ANTIGA
CRISTIANE CARDOSO
THOMAS NELSON BRASIL
(2013)
R$ 5,00



GRAMÁTICA EUROLINGUA - DEUTSCH ALS FREMDSPRACHE: EUROLINGUA DEUTSCH: LERNERHANDBUCH
EUROLINGUA DEUSTSCH
CORNELSEN
(2001)
R$ 28,00



A BÍBLIA
J M ROVIRA BELLOSO
MARTINS FONTES
(1993)
R$ 14,02



PUT SOME FAROFA
GREGÓRIO DUVIVIER
COMPANHIA DAS LETRAS
(2014)
R$ 9,80



OS IRMÃOS CORSOS
ALEXANDRE DUMAS
ABRIL
(1979)
R$ 6,90



VIVA BEM !
MAX. HANIBAL
RIPRESS
(2003)
R$ 7,90



REVISTA PAULISTA DE MEDICINA VOL. 41, N. 5 NOVEMBRO DE 1952
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDI
(1952)
R$ 16,75



O PESCADOR E O PEIXINHO
ALAIN VAN CRUGTEN E GAETAN EVRARD
SCIPIONE
(1993)
R$ 5,00





busca | avançada
71132 visitas/dia
2,6 milhões/mês