O mau legado de Paulo Francis | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/1/2008
O mau legado de Paulo Francis
Paulo Polzonoff Jr

+ de 8100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Eu gostava de Paulo Francis. Com um pouco de exagero, poderia até dizer que o idolatrava. Mas, hoje, passados mais de dez anos da morte dele, não posso deixar de mencionar um dos seus legados mais funestos. Não, não me refiro aos imitadores do estilo combativo de Francis ― até porque, sinceramente, acho boboca este negócio de classificar todo mundo que pretende escrever com um mínimo de combatividade como imitador de Paulo Francis. Me refiro, isto sim, a todo um modo de encarar a cultura.

Francis era, para usar uma palavra que está em voga, um fanfarrão. Chutava horrores. Mentia mais ainda. Dizia, por exemplo, que lia uns calhamaços em duas horas. Garantia a quem quer que fosse que assistia a todas as óperas possíveis, mesmo aquelas para as quais os ingressos estavam esgotados há meses. Quase todas as semanas mencionava uma tese nova ou um show imperdível ou ainda um disco que não saía de sua vitrola. Ora, quem já tentou ler uma tese sabe o quão enfadonhas elas tendem a ser.

Se Paulo Francis não inventou ― e não inventou, ora! ― com certeza foi um dos maiores profetas de uma ansiedade cultural que é a marca do nosso tempo. As pessoas acham que tudo é imperdível, do último livro de Cormac McCarthy ao mais recente espetáculo do Grupo Corpo. Tudo que não é baixa cultura (axé, tecno-brega e que tais) seria essencial ao ser humano. Perder uma destas referências é como perder o bonde da história.

Uma balela, claro. Uma doença que infesta muita gente. Já me infestou. Outro dia mesmo estava me lembrando da ansiedade com que esperava determinada peça ou estréia de filme europeu em Curitiba: como se aquilo fosse determinante para minha apreciação da existência. E o modo como recebia os livros que as editoras me mandavam, sofrendo de antemão por saber que era impossível ler todas aquelas obras absolutamente necessárias?

O cinema era minha fonte de maior terror. Sim, aquilo que para a maior parte das pessoas representava um momento de descontração era uma tortura para mim. Eu não pagava cinema. E me sentia na obrigação de ver todos os filmes em cartaz, para poder escrever sobre eles. Logo, quando chegava o fim de semana, eu ia para o cinema cedo. Estudava os horários de modo a sair de uma sessão e entrar em outra. Um dia (o famoso fundo do poço), cheguei a ficar mais de doze horas no cinema, me alimentando basicamente de pipoca. Porque eu precisava ver os principais filmes antes dos outros.

Percebo que esta ansiedade faz parte da vida de muita gente. Gente nova, naturalmente ansiosa, movida por este redemoinho que associa a inteligência ao consumo. Principalmente no que diz respeito a livros, que é o mundo que eu acompanhava mais de perto nos últimos anos. Todos os lançamentos precisam ser comprados e lidos no momento em que as pessoas estão falando sobre eles. Se há alguma polêmica (boba, quase sempre) em torno de determinado livro, as pessoas se sentem ainda mais obrigadas a ler o livro para, ora, para participar da discussão.

O que dá para notar, contudo, é que esta abordagem à la Paulo Francis (nem todo mundo tem o talento de Francis para fingir e brincar com esta coisa toda) da cultura gera um bando de pessoas semicultas, incapazes de uma leitura mais profunda, até porque é impossível alcançar o fundo com esta pressa toda. É uma espiral de infelicidade parecida com aquela que acomete os compradores compulsivos; no caso da cultura, quanto mais você lê, ouve e assiste, mais infeliz você se sente porque percebe que há um godizilhão de coisas "essenciais" para se ler, ouvir e assistir.

Eu me lembro de ter passado por crises gigantescas neste sentido. Ao ler a famosa lista de livros recomendados por Paulo Francis, por exemplo, saí praguejando contra tudo e contra todos porque, ora, porque aos catorze anos eu não tinha lido Crime e Castigo. E também porque não existia (não existe ainda hoje) uma edição completa de Declínio e queda do Império Romano. Como eu poderia viver sem isso? Como um dia eu poderia alcançar o Nirvana sem esta base?

Hoje eu passo incólume pela prateleira dos lançamentos nas livrarias. Gostaria muito de ler As Benevolentes, mas, quer saber?, fica para a próxima encarnação. Ou para quando e se eu tiver uma hepatite ou coisa do gênero. Até que me dá uma vontadezinha de ir ao cinema ver a mais recente produção franco-indiana, mas, só de pensar na fila e no preço e na falta de educação das pessoas. Melhor esperar o DVD. Continuo gostando de balé contemporâneo e é mesmo bem legal assistir ao Grupo Corpo, mas, sinceramente, não vou ficar menos inteligente (ou mais burro ― uma questão de perspectiva) por causa disso.

(Gostaria de dizer que não há nada mais essencial do que a própria vida, mas dizer isso é correr o risco de ser comparado a um destes tios barrigudos e burros que eventualmente se tornam presidentes orgulhosos daquilo que aprenderam no cotidiano, e não nos livros).

Não há nada mais essencial do que a própria vida (!). A cultura é um belo adereço que nos engrandece. Mas só se encontra esta grandeza na apreciação cuidadosa de determinados produtos culturais. Reside na escolha certa busca (nobre) pela sabedoria. O consumo tresloucado de tudo que nos parece imperdível é, na verdade, uma terrível perda de tempo.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Polzonoff.


Paulo Polzonoff Jr
São Paulo, 24/1/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
05. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável - 15/8/2003
03. Quem sou eu? - 8/12/1977
04. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
05. Está Consumado - 14/4/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/1/2008
22h32min
Infelizmente a nossa mentalidade classe média força-nos a agir assim, como consumidores da "alta-cultura". E depois que as listas dos dez melhores se popularizaram, fica mais comum vermos pessoas loucas torrando grana com livros e mais livros que geralmente só ficam ganhando poeira em algum canto da estante da sala ou do escritório depois que a temporada primavera-verão ou outono-inverno passa. Gostei bastante do senso de humor do senhor Paulo Polzonoff, creio que deve ser complicado as pessoas te levarem a sério.
[Leia outros Comentários de Amábile]
25/1/2008
10h52min
Esse texto é uma lufada de ar fresco, ou de bom senso, na tempestade de poeira que é essa "ansiedade cultural". Apesar de ser um dos prováveis mentores dessa aflição cognitiva generalizada, o Francis, pelo menos, era um crítico feroz. Num de seus romances ele faz Paulo Hesse, quase um alter ego, ir ao "lançamento do livro da Odaléia". A opinião de Paulo Hesse sobre a ida "a Odaléia" é sintomática. Precisamos, talvez, de menos Odaléias e mais Hesses no meio dessa zona que virou o métier cultural. Ou aprender a discernir melhor entre o que é essencial e o que não é. Difícil. Mas esse texto do Polzonoff já é um bom começo.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
25/1/2008
15h52min
Nunca compartilhei desse entusiasmo todo por Paulo Francis, que para mim desperdiçou talento e inteligência para viver arrotando camarão no circo. Mas concordo com o resto todo e acrescentaria que essa ansiedade toda se deve a uma necessidade de justificar em bases puramente pragmáticas a existência desse mercado todo - que dá cada vez menos lucro. Stanley Fish disse recentemente em um artigo que se as "humanidades" [literatura, filosofia, crítica, etc] fossem mesmo capazes de nos tornar seres humanos melhores, os departamentos da área nas universidades não estariam cheios de gente mesquinha e pequena, gente aliás tão mesquinha e pequena quanto qualquer estádio de futebol ou ônibus lotado de tios, gordos ou magros.
[Leia outros Comentários de Paulo Moreira]
26/1/2008
14h45min
Ah! É verdade, não leremos todos os livros importantes do mundo, não comeremos todas as maravilhosas iguarias do mundo, não conheceremos todos os cantos do mundo. Mas temos a obrigação de separarmos o joio do trigo, pois há muita bobagem em muitos livros, há muita comida ruim e há muitos lugares que me pergunto: para quê conhecer?
[Leia outros Comentários de Regina Costa]
7/2/2008
13h44min
Há um livro muito bom a respeito dessa sua angústia, Paulo. Chama-se O paradoxo da escolha e foi escrito por Barry Schwartz. Trata, basicamente, do excesso absurdo e sempre crescente de escolhas (materiais, culturais, profissionais e até sentimentais) não como subsídio para boas decisões, mas como um fator de opressão e até de alienação. Imperdível.
[Leia outros Comentários de Marco Dourado]
8/2/2008
14h16min
Gostei muito do texto. É corajoso, sobretudo, pois há verdadeira idolatria ao mito Paulo Francis em nosso meio "cultural". Hoje mesmo escutei o Cony na CBN, comentando, a pedido do Heródoto Barbeiro, um erro de atribuição da célebre "to be or not to be" (veja só!) por um senador em discurso ontem, no Senado. Cony lembrou que era muito comum o Francis atribuir citações a autores errados. Tenho ouvido algumas controvérsias ao nome do Cony, não é essa a questão. Achei interessante que no mesmo dia tomasse conhecimento de duas visões críticas a respeito de um perfil que merece mesmo revisões, diante da aclamação acrítica que o cerca. Abraços.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
14/11/2014
01h42min
Fico me perguntando se o Francis não passou a levar esse estilo que tudo lia e via, mesmo sendo impossível ver e ler tudo, depois que lera o texto do Shaw, "Como ser um gênio" (não sei se o título em inglês é o mesmo em português).No texto, Shaw fala sobre a criação de uma "personagem" que, se engolido, pode passar todas as impressões que quiser, mesmo as mais improváveis, que será acreditado (afinal, trataria-se de um gênio). Depois que li esse texto do Shaw, passei a entender bem melhor a personagem Paulo Francis.
[Leia outros Comentários de Cassi Logos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATLAS DO CORPO HUMANO VOL. II 6232
DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 10,00



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 10,00



PARA TODOS OS GAROTOS QUE JÁ AMEI
JENNY HAN
INTRINSECA
(2015)
R$ 31,77



CLARISSA
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1997)
R$ 4,60



LANTERNA VERDE 48 - HAL JORDAN, VIDA APÓS A TROPA
EQUIPE DC
PANINI
(2016)
R$ 8,60



OS FATOS FICTICIOS POESIA
IZACYL GUIMARAES FERREIRA
LR
(1980)
R$ 6,00



1000 PERGUNTAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO
REIS FRIEDE
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2005)
R$ 17,28



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS- ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRETÍGIO
(2005)
R$ 25,90
+ frete grátis



DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO ENDÓGENO DE PEQUENOS ESTADOS INSULARES
ALBERTINO FRANCISCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



HISTÓRIA DO DEPARTAMENTO DE VOLUNTÁRIOS
HOSPITAL ALBERT EINSTEIN
NARRATIVA UM
(2004)
R$ 14,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês