O começo do fim da hegemonia 'de esquerda' | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Bowie, David
>>> A guerra das legendas e o risco da intolerância
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> internet jornalismo revolução
>>> Façam suas apostas
>>> Estômago, com João Miguel
Mais Recentes
>>> Visual Basic For Windows 3. 0 Guia Autori de Ross Nelson pela Makron (1994)
>>> A Obra Secreta da Lembrança de Rui Luis Rodrigues pela Fonte Editorial (2013)
>>> Lie With Me de Stephanie Tyler pela Dell (2010)
>>> Rede de Sonhos de Felipe Pan pela Novo Século
>>> Atitudes Inteligentes, Resultados Surpreendentes de Noélio Duarte pela Atitude (2011)
>>> Canteiros de Saturno de Ana Maria Machado pela Nova Fronteira (1998)
>>> Depois de Você de Jojo Moyes; Beatriz Horta pela Intrinseca (2016)
>>> Armageddon; the Cosmic Battle of the Ages de Til Lahaye; Jerry B. Jenkins pela Thorndike (2003)
>>> A Mediunidade sem Lágrimas de Eliseu Rigonatti pela Pensamento
>>> The Power of Five: Evil Star de Anthony Horowitz pela Walker Books (2013)
>>> Do Ideal ao Real - um Caminho de Vida de Pedro Schimid pela Graphium
>>> Performace. Ensaio de Tania Alice pela Confraria do Vento (2010)
>>> Curso de Direito Comercial - Vol. II de Darcy Arruda Miranda Jr. pela Revista dos Tribunais (1982)
>>> As Aventuras de Tartufo do Majestoso Mississippi de Phyllis Shalant pela Bertrand Brasil (2008)
>>> A Natureza Cura de George Teasdale pela Vida Plena (1979)
>>> Office 2016 para Aprendizagem Comercial de Najet M. K. Iskandar Issa; Richard Martelli pela Senac Sp (2016)
>>> Historia e Memória de Vigário Geral de Ecio Salles; Maria Paula Nascimento Araujo pela Aeroplano (2008)
>>> E Agora, Tarsila? - Dilemas da Reforma Trabalhista de Homero Batista Mateus da Silva pela Rt (2017)
>>> Moderna Plus Química 3 - Química na Abordagem do Cotidiano Parte III de Tito Canto pela Moderna (2009)
>>> O Tesouro do Templo de Eliette Abécassis pela Ediouro (2003)
>>> A Solidariedade de Papa Francisco; Marcelo Figueroa pela Benvira (2013)
>>> O Florescer do Amor de Valerie King pela Nova Cultural (2006)
>>> A Palavra é Amor de Machado de Assis e Outros pela Scipione (1988)
>>> A Natureza e as Embalagens - a Mata Atlântica - Col. Juca Brasileiro de Patricia Engel Secco pela Ministério da Cultura
>>> Outra Vida de Rodrigo Lacerda pela Alfaguara Brasil (2009)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/11/2014
O começo do fim da hegemonia 'de esquerda'
Julio Daio Borges

+ de 3900 Acessos

Desde o século XX que a Europa tem uma referência para o mal, é o nazismo. E o fascismo. Por causa das guerras. Por causa da destruição. Por causa do genocídio.

Talvez por serem ditaduras de esquerda, Stálin, na "Eurásia", e Mao, na Ásia, perdem para Hitler e Mussolini na comparação. Embora tenham matado mais gente. E governado por mais tempo, causando diferentes estragos.

No Brasil da metade do século XX pra cá, a ditadura militar é o mal. E a direita. Por isso qualquer pessoa que se identifique, minimamente, com a direita é logo chamada de "fascista".

Nesse contexto, desde 1964, ser "de esquerda" ficou, automaticamente, associado a ser "do bem". A querer o bem do Brasil. O bem do povo, o bem de todos...

A direita ficou identificada com a ditadura, com a censura, com a perseguição, com a tortura. Já a esquerda ficou associada à democracia, à liberdade, tanto de imprensa quanto de expressão, à "intelligentsia" e ao "progressismo".

Como partido do governo militar, a Arena ficou consequentemente associada à direita, e o partido de *oposição* ao governo militar ficou associado à esquerda - era o MDB, ou Movimento *Democrático* Brasileiro.

Tancredo, Montoro, Quércia, FHC, Covas, Lula e Pedro Simon foram alguns dos principais líderes do movimento Diretas Já - que, justamente, reivindicava eleições diretas para presidente, no Brasil, quando o regime militar estava nos seus estertores. PMDB, PSDB e PT são imediatamente associados a eles. Todos partidos, originalmente, de esquerda.

Na eleição indireta para presidente, de 1985, o candidato do governo militar era Paulo Maluf, para sempre associado à direita, e o candidato do PMDB, apoiado pela Frente Liberal (futuro PFL, hoje DEM), era Tancredo Neves, apoiado por Ulysses Guimarães, ambos considerados heróis da "redemocratização".

O último candidato assumidamente de direita que tivemos foi Fernando Collor de Mello (1989). Eternamente associado ao impeachment. Itamar Franco, seu sucessor, não teve outra opção a não ser convocar a esquerda para governar. O PT não aceitou, mas Fernando Henrique aceitou: foi ministro da Fazenda e se consagrou com o Plano Real (1994).

De lá pra cá, todos os presidentes foram, oficialmente, de esquerda, alguns mais, outros menos. FHC em 1994 e 1998, Lula em 2002 e 2006 e Dilma em 2010 e, agora, em 2014.

Como a esquerda não é santa, mas, sim, humana, começaram a surgir contradições. Uma delas é que o partido que se colocava como bastião da "ética" na política, o PT, protagonizou o maior escândalo de corrupção desde Collor e PC, o mensalão (2005).

Como conciliar uma esquerda que sempre foi santificada, pelos intelectuais e pelos artistas, com os ataques que o PT fez à democracia, "comprando" apoio político no Congresso Nacional, e com o julgamento, a condenação e a prisão dos outrora "heróis da resistência" à ditadura, José Dirceu (ex-ministro-chefe da Casa Civil) e José Genoíno (ex-presidente do partido)?

Fernando Henrique Cardoso, como se sabe, segurou o PSDB para que não se instalasse um processo de impeachment, contra Lula, em 2005. FHC achava que se instalaria uma crise institucional no Brasil (mais um presidente "impedido", em pouco mais de uma década). E Fernando Henrique ainda acreditava romanticamente na esquerda brasileira. E no PT.

Aconteceu que o Partido dos Trabalhadores, supostamente, replicou o mesmo esquema do mensalão, transladando-o para a Petrobras a partir de 2006, daí o "petrolão". Além do desvio de recursos para o caixa do partido (os tais 3%), o objetivo continuava sendo o mesmo do mensalão: comprar apoio político no Congresso Nacional, para viabilizar os projetos de interesse do PT.

Entre esses "projetos", claro, a "hegemonia" - explicitamente revelada no documento intitulado "Resolução Política", que o PT soltou oficialmente agora, após a reeleição de Dilma. Não uma simples hegemonia de esquerda, mas uma hegemonia do Partido dos Trabalhadores.

E uma hegemonia que não é apenas política. Para enfraquecer de vez o Congresso, o PT quer aprovar os "conselhos populares", que seriam, na prática, dominados por "coletivos" e "movimentos sociais". Para silenciar os críticos, o PT quer calar a imprensa, através da "democratização da mídia", atacando nominalmente os "oligopólios", mas, no fim, interferindo em "conteúdos". E para derrotar de vez os opositores, a revisitada "luta de classes", a nova "divisão do País", o "ódio", a "intolerância" e a "nostalgia"... de quê, mesmo?

Afinal, o que é essa "hegemonia" senão uma ditadura? Se o PT quer ser o partido hegemônico, quer ser, então, o partido único? Se o PT quer controlar o Congresso, o Supremo, a Polícia Federal e o Banco Central, fora o IBGE e o Ipea, quer controlar as leis, a Justiça, a polícia, a economia e os dados oficiais? Se o PT quer "regular" a mídia - se a presidente, inclusive, disse que a imprensa só deve "informar" -, e se o PT quer avançar sobre as "redes sociais", como na Venezuela, então, o que é isso? A que se parece essa "hegemonia"?

O Brasil começou a descobrir que de santa essa esquerda não tem nada...

Existe um projeto ditatorial claro, no horizonte. Totalitário, para usar o termo técnico. Só que, desta vez, é de esquerda. Uma ditadura de esquerda, para falar com todas as letras.

E agora? Esquerda não era sinônimo de democracia, de liberdade, de "tolerância"? Que esquerda é essa que fala em "hegemonia", "controle", em, literalmente, "nós contra eles" (como no discurso do ex-presidente Lula, durante a campanha de Dilma, atacando William Bonner e Miriam Leitão)?

Será que não precisamos rever os nossos conceitos de "esquerda" e "direita"? Será que a esquerda é sempre "o bem", e quem se opõe à esquerda - no caso, a este governo - é sempre "o mal"?

Ficamos presos na armadilha de, ao criticar o governo, sermos automaticamente identificados como "fascistas", a favor da "intervenção militar" e/ou "nostálgicos da ditadura"?

Uma ditadura de esquerda bate à porta e temos de aceitar calados para não sermos demonizados como "de direita"?

Será que não chegou a hora de concluir que pode existir um outro tipo de direita que não seja a *extrema* direita?


Julio Daio Borges
São Paulo, 10/11/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Errando por Nomadland de Elisa Andrade Buzzo
02. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva
03. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
04. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
05. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2014
01. Como detectar MAVs (e bloquear) - 22/10/2014
02. 40 - 29/1/2014
03. Sobre o caso Idelber Avelar - 8/12/2014
04. Meu Primeiro Livro - 18/6/2014
05. Mamãe - 19/1/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Novos Segredos da Borboleta
Toni Tucci
Record
(1980)



Vento, Areia e Amoras Bravas
Agustina Bessa-Luís
Petrópolis
(2009)



Os Fundamentos da Física- Física 1- Moderna Plux- 11ª
Ramalho; Toledo; Nicolau
Moderna
(2015)



Due Mesi Dopo
Agatha Christie
Oscar Mondadori



Clínicas Pediátricas da América do Norte Infecções Raras
William T. Speck
Interamericana
(1979)



Ser Protagonista Produçao de Texto Caderno de Competencias do Enem
Sm Didaticos
Sm Didáticos
(2015)



Memorial de Aires - Série Bom Livro
Machado de Assis
Ática
(1985)



Qualidade e Produtividade nos Transportes Plt 408
Amir Mattar Valente e Outros
Cengage



Herculanum 2ªed(1999) 6º ao 15 Milheiro.
Wera Krijanowskaia e J. W. Rochester
Lake
(1999)



Direito Administrativo
Maria Sylvia Zanella Di Pietro
Atlas
(2005)





busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês