Mais um texto sobre Francis | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
>>> Sinatra e Bennett (1988)
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
Mais Recentes
>>> Chico, Eu e a Oitava Séria de Lino de Albergaria pela Saraiva (2010)
>>> O Bicho-da-seda de Robert Galbraith; Ryta Vinagre pela Rocco (2014)
>>> Surfistas Beijos e um Pé de Pato de Carolina Cequini pela Atheneu Cultural
>>> O mundo tem de ser desse jeito? de Fernando Vaz pela FTD (1996)
>>> Pretty Little Liars, V. 7 - Heartless de Sara Shepard pela Harper Usa (2010)
>>> Lucíola de José de Alencar pela Martin Claret Pocket (2012)
>>> Vigilancia Em Saude Ambiental de Solange Papini pela Atheneu (2012)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua de Richard Carlson; Joana Mosela pela Rocco (1998)
>>> Rima do Azul Infinito de José Donizete Gonçalves pela Thesaurus (2004)
>>> O Silêncio dos Amantes de Lya Luft pela Record (2008)
>>> Principios Fundamentais e Normas Brasileiras de Contabilidade de Vários pela Cfc (2002)
>>> Filhos Para Leigos de Sandra H. Gookin pela Mandarim (1996)
>>> Cha Entre Amigas de Paula Jacome pela Multifoco (2011)
>>> Quando e Preciso Voltar de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciencia (2001)
>>> Rowan, o Guardião: Rowan e os viajantes de Emily Ronda pela Fundamento (2008)
>>> Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição de Antônio Galvão Novaes pela Campus
>>> Shibumi de Trevanian pela Círculo do Livro (1981)
>>> Metodologia do ensino Voleibol de Pedro luiz bulgarelli pela Distribuidora Educacional (2017)
>>> Escaldado Em Agua Fria de John Straley pela Globo (2001)
>>> Fire Watch de Connie Willis pela Bantam Books (1998)
>>> Organizações Inovadoras do Setor Financeiro: Teoria e Casos de Sucesso de José Carlos Barbieri/josé Carlos Barbieri pela José Carlos Barbieri (2009)
>>> Surfista, Ex-drogado, Ex Traficante de Franjaques Chulam pela Francisco Alves (2009)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Bukkyo Dendo Kyokai
>>> Um Lugar no Mundo de Alberto Aggio pela Contraponto (2015)
>>> Constituição do Estado do Rio de Janeiro de Claudio Brandão de Oliveira pela Roma Victor (2003)
COLUNAS >>> Especial 10 anos sem Francis

Quinta-feira, 8/3/2007
Mais um texto sobre Francis
Eduardo Mineo

+ de 4300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A pior parte de se escrever sobre Paulo Francis é escrever algo que já não tenha sido escrito sobre Paulo Francis. E escrito de uma forma muito melhor do que eu conseguiria escrever, provavelmente. Porém, de qualquer forma, imagino que não seja um grande problema publicar mais um texto relembrando a falta de Francis como escritor, como jornalista, como referência cultural, os maltratos que recebia destes pobres bárbaros tropicais, estes representantes do pensamento rústico brasileiro que ainda encaram o chuveiro como alguma imposição do american way of life etc., um texto, enfim, relembrando a importância de Paulo Francis para todos nós.

Antes de mais nada preciso dizer - e talvez eu seja melodramático demais dizendo; controlem-se, por favor -, mas leio Francis e tenho acessos megalomaníacos de querer salvar o mundo. Tudo bem, não o mundo, mas pelo menos o Brasil, a literatura brasileira, o jornalismo brasileiro. Óbvio, cruz credo trabalhar para um jornal ou para uma editora, mas lendo Francis eu crio este vigor de querer melhorar tudo, de conhecer tudo, de ler, de ouvir e de escrever sobre tudo. Francis não foi apenas uma referência cultural, mas um instigador de cultura. Provocava e esnobava insistentemente até seu leitor se irritar às lágrimas e ir furioso até uma livraria para saber quem diabos era este tal de Scott Fitzgerald, ou Dostoievski, ou Flaubert, ou Camus, ou Tolstoi, ou Proust, ou Kant para ficar em alguns dos nomes que sublinhei em apenas um de seus livros, o Trinta anos esta noite. E o simples fato de decorá-los já significa adquirir uma cultura fantástica para o padrão brasileiro.

Digo fantástica para o padrão brasileiro porque é ridícula a nossa formação. Isto mesmo em colégios caríssimos, o que deixa claro que não se trata de um problema meramente econômico ou social. E nas universidades o quadro é exatamente o mesmo. Duvido que eu tenha muitos colegas na USP com uma média de leitura maior que a minha, de quinze livros por ano. Eu achava que era uma média razoável até ler Jorge Luis Borges dizendo que passou a vida inteira com uma média de cem livros por ano. Senti vergonha porque já é fisicamente impossível alcançá-lo. Talvez esta comparação seja individual demais para aplicá-la ao país inteiro, entretanto, em pesquisas de leitura anual per capita, o Brasil sempre teve resultados variando entre 1 e 2 enquanto alguns países europeus chegavam a 25 livros. E se o resultado brasileiro é ruim mesmo com pessoas que, como eu, foram influenciadas por Francis e engordam estes números, imagine sem Francis.

Além do mais, os livros do Francis são uma graça. Não comento suas colunas porque naquela época eu ainda me interessava apenas por coisas que soltavam raiozinhos e poderes e ainda me irrito às vezes por não ter nascido uns vinte anos antes. Do seu trabalho em jornal tenho apenas três exemplares d'O Pasquim e uma coleção de correspondências também para O Pasquim chamada Paulo Francis nu e cru que me deu uma das melhores experiências em leitura e que é encontrada a míseros quinze reais em sebos no centro de São Paulo. Toda vez que vejo um livro como este sendo vendido a um preço tão baixo fico com vontade de pagar o triplo, o quíntuplo porque ninguém tem o direito de vender este tipo de coisa a este preço. É depreciação da obra.

Mas os livros do Francis são uma graça. Ainda quero escrever um livro de memórias tão bom como o seu O afeto que se encerra. Não sei se conseguirei escrever com tanta delicadeza como Francis escreveu este livro, principalmente as primeiras páginas que anunciam suas memórias. Não são apenas páginas escritas por um cronista qualquer. Há beleza nas palavras, nas frases, no sentido; há arte ali, que se expressa para mim como um ideal de forma, algo a ser alcançado e quando eu o leio, faz com que eu me sinta bem (há alguns anos eu riria se lesse isto) espiritualmente. Se trata justamente do que James Joyce disse em Portrait of the artist as a young man:

"Beauty expressed by the artist cannot awaken in us an emotion which is kinetic or a sensation which is purely physical. It awakens, or ought to awaken, or induces, or ought to induce, an esthetic stasis, an ideal pity or an ideal terror, a stasis called forth, prolonged and at last dissolved by what I call the rhythm of beauty (...) We are right and the others are wrong. To speak of these things and to try to understand their nature and, having understood it, to try slowly and humbly and constantly to express, to press out again, from the gross earth or what it brings forth, from sound and shape and colour which are the prison gates of our soul, an image of the beauty we have come to understand - that is art."

Não dá vontade de abraçar este texto? E não o traduzo para provocar e esnobar os que ainda não lêem inglês até se irritarem às lágrimas e se convencerem a aprender esta língua para que experimentem os originais de James Joyce. Espero que funcione.

Francis não conseguiu fazer funcionar muito e ganhou vários detratores com isto. Acredito que os maiores conflitos de Francis estiveram relacionados mais à energia com a qual escrevia do que propriamente com suas opiniões. Paulo Francis era enérgico sempre e causava furor, entretanto era justamente esta a sua maior qualidade. Kenneth Clark, um grande estudioso da arte, da história e da arqueologia - e evidentemente indicação de Paulo Francis -, diz que todas as grandes civilizações foram impulsionadas pela energia e por um sentido de permanência, que é o que Paulo Francis tentou nos ensinar até seu último momento, não? Caminhar para a civilidade em vez de continuarmos a ser estes pobres bárbaros tropicais. Será que um dia conseguiremos?

Nota do Editor
Edward Bloom é autor do blog Introibo ad altare Dei.


Eduardo Mineo
São Paulo, 8/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma alucinação chamada dezembro de Luís Fernando Amâncio
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
03. De quantos modos um menino queima? de Duanne Ribeiro
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
05. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. Um plano - 2/7/2007


Mais Especial 10 anos sem Francis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/3/2007
21h27min
Se conseguiremos, não sei. Mas se ficarmos presos a teorias e posturas pseudo-direitistas ou pseudo-esquerdistas acho que não. A energia está no mundo, no planeta, nas pessoas. E para movimentá-la temos que ter homens como Paulo Francis, com o seu vigor, com a sua inteligência, veracidade/voracidade. Era autêntico. E isso é que falta no meio jornalístico/cultural. Não compactuava com muitas de suas idéias, mas o admirava pelo que era, pelo que escrevia e dizia. Então, sempre vale a pena escrever sobre uns caras como ele. Nunca é demais! Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Desenvolvimento Regional Em Santa Catarina
Claudia Siebert
Edifurb
(2001)



Estimulando Inteligência
Pier
Goya
(2014)



Histórias Românticas II
Machado de Assis
Clube do Livro
(1958)



Vidas Secas
Graciliano Ramos
Record
(2002)



O Buraco na Parede: Contos
Rubem Fonseca
Companhia das Letras
(1995)



Educação: Desafios da Práxis e Formação
Ivo Dickmann e Aline Fatima Lazarotto (orgs.)
Clube dos Autores
(2018)



Como Lidar Com Pessoas Manipuladoras
George K. Simon
Universo dos Livros
(2016)



Os Pensadores: Bacon
Nova Cultural
Nova Cultural
(1988)



Corrupção Mostra a Sua Cara
Marco Morel
Casa da Palavra



Hellraiser -- N º 1
Clive Barker
Abril jovem
(1991)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês