Mais um texto sobre Francis | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS >>> Especial 10 anos sem Francis

Quinta-feira, 8/3/2007
Mais um texto sobre Francis
Eduardo Mineo

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A pior parte de se escrever sobre Paulo Francis é escrever algo que já não tenha sido escrito sobre Paulo Francis. E escrito de uma forma muito melhor do que eu conseguiria escrever, provavelmente. Porém, de qualquer forma, imagino que não seja um grande problema publicar mais um texto relembrando a falta de Francis como escritor, como jornalista, como referência cultural, os maltratos que recebia destes pobres bárbaros tropicais, estes representantes do pensamento rústico brasileiro que ainda encaram o chuveiro como alguma imposição do american way of life etc., um texto, enfim, relembrando a importância de Paulo Francis para todos nós.

Antes de mais nada preciso dizer - e talvez eu seja melodramático demais dizendo; controlem-se, por favor -, mas leio Francis e tenho acessos megalomaníacos de querer salvar o mundo. Tudo bem, não o mundo, mas pelo menos o Brasil, a literatura brasileira, o jornalismo brasileiro. Óbvio, cruz credo trabalhar para um jornal ou para uma editora, mas lendo Francis eu crio este vigor de querer melhorar tudo, de conhecer tudo, de ler, de ouvir e de escrever sobre tudo. Francis não foi apenas uma referência cultural, mas um instigador de cultura. Provocava e esnobava insistentemente até seu leitor se irritar às lágrimas e ir furioso até uma livraria para saber quem diabos era este tal de Scott Fitzgerald, ou Dostoievski, ou Flaubert, ou Camus, ou Tolstoi, ou Proust, ou Kant para ficar em alguns dos nomes que sublinhei em apenas um de seus livros, o Trinta anos esta noite. E o simples fato de decorá-los já significa adquirir uma cultura fantástica para o padrão brasileiro.

Digo fantástica para o padrão brasileiro porque é ridícula a nossa formação. Isto mesmo em colégios caríssimos, o que deixa claro que não se trata de um problema meramente econômico ou social. E nas universidades o quadro é exatamente o mesmo. Duvido que eu tenha muitos colegas na USP com uma média de leitura maior que a minha, de quinze livros por ano. Eu achava que era uma média razoável até ler Jorge Luis Borges dizendo que passou a vida inteira com uma média de cem livros por ano. Senti vergonha porque já é fisicamente impossível alcançá-lo. Talvez esta comparação seja individual demais para aplicá-la ao país inteiro, entretanto, em pesquisas de leitura anual per capita, o Brasil sempre teve resultados variando entre 1 e 2 enquanto alguns países europeus chegavam a 25 livros. E se o resultado brasileiro é ruim mesmo com pessoas que, como eu, foram influenciadas por Francis e engordam estes números, imagine sem Francis.

Além do mais, os livros do Francis são uma graça. Não comento suas colunas porque naquela época eu ainda me interessava apenas por coisas que soltavam raiozinhos e poderes e ainda me irrito às vezes por não ter nascido uns vinte anos antes. Do seu trabalho em jornal tenho apenas três exemplares d'O Pasquim e uma coleção de correspondências também para O Pasquim chamada Paulo Francis nu e cru que me deu uma das melhores experiências em leitura e que é encontrada a míseros quinze reais em sebos no centro de São Paulo. Toda vez que vejo um livro como este sendo vendido a um preço tão baixo fico com vontade de pagar o triplo, o quíntuplo porque ninguém tem o direito de vender este tipo de coisa a este preço. É depreciação da obra.

Mas os livros do Francis são uma graça. Ainda quero escrever um livro de memórias tão bom como o seu O afeto que se encerra. Não sei se conseguirei escrever com tanta delicadeza como Francis escreveu este livro, principalmente as primeiras páginas que anunciam suas memórias. Não são apenas páginas escritas por um cronista qualquer. Há beleza nas palavras, nas frases, no sentido; há arte ali, que se expressa para mim como um ideal de forma, algo a ser alcançado e quando eu o leio, faz com que eu me sinta bem (há alguns anos eu riria se lesse isto) espiritualmente. Se trata justamente do que James Joyce disse em Portrait of the artist as a young man:

"Beauty expressed by the artist cannot awaken in us an emotion which is kinetic or a sensation which is purely physical. It awakens, or ought to awaken, or induces, or ought to induce, an esthetic stasis, an ideal pity or an ideal terror, a stasis called forth, prolonged and at last dissolved by what I call the rhythm of beauty (...) We are right and the others are wrong. To speak of these things and to try to understand their nature and, having understood it, to try slowly and humbly and constantly to express, to press out again, from the gross earth or what it brings forth, from sound and shape and colour which are the prison gates of our soul, an image of the beauty we have come to understand - that is art."

Não dá vontade de abraçar este texto? E não o traduzo para provocar e esnobar os que ainda não lêem inglês até se irritarem às lágrimas e se convencerem a aprender esta língua para que experimentem os originais de James Joyce. Espero que funcione.

Francis não conseguiu fazer funcionar muito e ganhou vários detratores com isto. Acredito que os maiores conflitos de Francis estiveram relacionados mais à energia com a qual escrevia do que propriamente com suas opiniões. Paulo Francis era enérgico sempre e causava furor, entretanto era justamente esta a sua maior qualidade. Kenneth Clark, um grande estudioso da arte, da história e da arqueologia - e evidentemente indicação de Paulo Francis -, diz que todas as grandes civilizações foram impulsionadas pela energia e por um sentido de permanência, que é o que Paulo Francis tentou nos ensinar até seu último momento, não? Caminhar para a civilidade em vez de continuarmos a ser estes pobres bárbaros tropicais. Será que um dia conseguiremos?

Nota do Editor
Edward Bloom é autor do blog Introibo ad altare Dei.


Eduardo Mineo
São Paulo, 8/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A falta de paciência com o cinema de Marcelo Miranda
02. O Príncipe Maquiavel de Alessandro Silva


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. Um plano - 2/7/2007


Mais Especial 10 anos sem Francis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/3/2007
21h27min
Se conseguiremos, não sei. Mas se ficarmos presos a teorias e posturas pseudo-direitistas ou pseudo-esquerdistas acho que não. A energia está no mundo, no planeta, nas pessoas. E para movimentá-la temos que ter homens como Paulo Francis, com o seu vigor, com a sua inteligência, veracidade/voracidade. Era autêntico. E isso é que falta no meio jornalístico/cultural. Não compactuava com muitas de suas idéias, mas o admirava pelo que era, pelo que escrevia e dizia. Então, sempre vale a pena escrever sobre uns caras como ele. Nunca é demais! Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês