O Leão e o Unicórnio | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
63997 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 18/4/2007
O Leão e o Unicórnio
Guga Schultze

+ de 6100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Carroll e Marx em Londres
Ilustra por Guga Schultze

Voltei de Londres, a Londres das décadas finais do século XIX e trouxe, dessa viagem imaginária, uma foto na minha câmera digital.

Procurei flagrar dois homens no momento em que cruzavam a mesma rua. Iam, como na vida, em direções e em calçadas opostas. Não sabiam da presença um do outro e não há registro histórico, que eu saiba, de que houvessem se conhecido. É historicamente possível que tenham cruzado seus caminhos em alguma tarde, nas ruas da Londres vitoriana, mas é também improvável que isso tenha acontecido.

No entanto eu fui lá checar e trouxe a foto, sabendo que o valor do meu testemunho é menor que zero. Meu interesse se deve ao fato de que os dois são adversários em potencial e esse antagonismo passa despercebido, inclusive por eles mesmos. São como dois generais que não se conhecem, mas cujos exércitos, se colocados lado a lado, entrarão em conflito imediato.

Um deles tem o porte mais arrogante e caminha com certa impaciência. Usa roupas sóbrias, comuns em cavalheiros do seu tempo, mas há ali um certo desprendimento próximo ao desleixo. Grossas sobrancelhas, espessa cabeleira e uma farta barba grisalha contribuem para a imagem de um homem passando a meia idade, sério, circunspecto, mas reconhecidamente pletórico em seu temperamento dificilmente controlado.

O outro é, sob qualquer aspecto, um homem mais jovem e carregará essa juventude constante como um leve fardo durante toda a sua vida. Suas roupas também não revelam nenhuma intenção de elegância nem chamam a atenção de nenhuma outra forma. Se há alguma coisa digna de nota em seus trajes, essa coisa é uma discrição metódica, talvez conscientemente planejada. Seu passo é discreto, quase tímido e sua presença é anódina no fluxo contínuo dos demais pedestres. O rosto é infantil, assemelha-se ao de uma criança crescida, um tanto melancólico.

Nos dois homens pode-se deduzir o mergulho para dentro, ainda que em mares diversos. O primeiro está dentro de uma tempestade interior. Como um Netuno furioso comanda ondas gigantescas, planeja o futuro social dos povos enquanto caminha, mas não vê nada à sua volta; seus olhos parecem fixos em outros horizontes. O segundo está em lugares estranhos de suas próprias profundezas; ouve alguma música submarina, hipnótica; caminha e descobre ao seu redor as pequenas engrenagens quebradas, cotidianas, de uma lógica absurda e com elas constrói um mecanismo particular.

O primeiro é um alemão expatriado, seu nome é Karl Marx. O segundo é extremamente inglês, viajante mínimo em sua ilha natal, portador de um humor desconcertante e secreto, construtor de um aparelho semântico de precisão, de uma lógica estranhamente implacável; seu nome é Charles Lutwidge Dodgson, mais conhecido como Lewis Carroll.

Evidentemente Marx caminha do lado esquerdo da rua e Carroll à direita. Mas, devido ao ângulo de visão muito flexível que nossa época proporciona e ainda sabendo-se que no trânsito urbano inglês a esquerda funciona como direita e vice-versa, não temos meios de saber hoje - numa situação não marxista mas tipicamente carrolliana - quem está em qual lado.

O antagonismo entre Lewis Carroll e Karl Marx poderá parecer fictício, para não dizer inexistente. O filósofo alemão não estaria, na perspectiva de seus seguidores, na mesma categoria intelectual de um simples escritor de "literatura infantil". Mas é necessário lembrar o perigo, sempre presente, que as brincadeiras de Carroll representam ao ordenamento lógico da linguagem e, por extensão, à visão do universo real que se obtém manejando-se essa linguagem, qualquer linguagem. A dialética hegeliana, desenvolvida por Marx e potencializada por seu inegável gênio, confunde-se freqüentemente com a própria verdade a ser atingida ou a ser demonstrada. O poder convincente de Marx origina-se, em grande parte, numa lógica aparentemente irrefutável, cujas proposições - tese, antítese e síntese - são elementos ou estruturas dinâmicas também aparentemente verídicas em si mesmas. Carroll não prova nada, a não ser uma coisa: que a própria lógica, articulada com a precisão ortodoxa que seja, pode ser usada para provar qualquer coisa.

Quem já leu Marx, gostando ou não do que leu, notará a sobriedade na execução literária, a seriedade quase excessiva do ato de escrever. Essa característica, comum em obras do gênero, contrasta vivamente com a despretensiosa irresponsabilidade literária de Carroll. Marx, ateísta, causa impacto em mentalidades cristãs (que inclusive não se reconhecem como tal). Já a inquietação produzida pela leitura das duas "Alices" de Carroll está longe de ser cristã, ainda que Dodgson tenha sido um ministro da igreja, e não tem paralelo como fonte inesgotável de análise. Críticos diversos notaram a "perturbadora crueldade" permeando as páginas de uma obra que se insere aparentemente na categoria de "literatura infantil", ou a "modernidade" que atravessa modismos e resiste ao tempo como leitura para adultos dos dias de hoje.

Marx é o revolucionário até a instituição da ordem que advoga e, a partir daí, é o conservador dessa mesma ordem. Engendrava uma grande revolução social, idealista, mas ele mesmo assumia a moral vitoriana vigente. Dodgson, politicamente conservador, era matemático mais ou menos ilustre, fotógrafo (principalmente de crianças, mas usou uma fórmula carrolliana para se explicar: "adoro crianças, exceto meninos") e chegou a ser diácono da Igreja Anglicana. Tímido e gago foi ofuscado históricamente por seu alter ego, Lewis Carroll, o escritor, que está longe de ser conservador, tímido ou mesmo gago (se isso fosse possível). Pode-se mesmo especular que Dodgson foi criatura de Carroll e não o contrário.

Individualista, vitalmente envolvido em atividades levemente marginais ou secretas, como sua obsessão com o significado das palavras, com lógica formal e com meninas, é o portador de uma revolução contínua do pensamento aplicado à linguagem, cujas últimas conseqüências podem ser letais a qualquer ordem.

A revolução, em Carroll, é sutil e semânticamente faz eco com modernas teorias matemáticas do caos ou da física quântica. Menos historicamente e mais histriônicamente, Carroll jogou uma casca de banana no piso, já escorregadio, por onde passariam os pensadores ofertando suas argumentações em bandejas.

Nota - "O Leão e o Unicórnio" é o título de um dos capítulos do livro Alice através do espelho, de Lewis Carroll. A foto que eu tirei, acima, contradiz minha afirmação de que os dois caminhavam em sentidos opostos. Explico: Lewis Carroll, às vezes, caminhava de costas.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 18/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O suicídio na literatura de Cassionei Niches Petry
02. Sobre o Hino Nacional Brasileiro de Ricardo de Mattos
03. Sobre responsabilidade pessoal de Ram Rajagopal
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins de Ricardo de Mattos


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Barba e bigode - 4/7/2007
04. Tropikaos - 19/12/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/4/2007
16h05min
Guga, somente uma mente criativa como a sua para pensar e ainda fotografar um (des)encontro entre estas duas figuras históricas. Já que você tem o dom de revelar os segredos da alma das gentes, me responda: "Por que um corvo se parece com uma escrivaninha?". Até hoje eu não sei, acho que mesmo o Lewis Carroll morreu sem saber. Não pare nunca de escrever. Seus textos são sempre surpreendentes e inimagináveis.
[Leia outros Comentários de Henrique Godoy]
20/4/2007
22h29min
Duas naturezas únicas distintas com propostas inquietantes para seu tempo e o que seguisse. Quando Marx nos mostra o homem que resulta do seu modo de produção, e o quanto a sociedade se desconstrói a partir do seu sistema de produção, resta-nos a angústia determinada pelos caminhos que trilhamos. Ainda agora não sei da utopia socialista mais que seus textos acadêmicos. Se Marx busca a superação na sociedade, Lewis se aprofunda na alma humana; as suas histórias de criança grande, ricas de símbolos e cifras, nos parecem contemporâneas vez que não superamos nossas vocações naturais e tudo que de forma lúdica e precisa, como nos fora apresentado por Lewis. O texto celebra o improvavél encontro e realinha o que desponta de mais característico nesses dois personagens. Vantagem para Lewis que prepondera sobre Dodgson, numa obra densa que atravessa a tecitura moral até supera-la, enquanto a grandiloquência de Marx em teoria, sucumbe numa historiografia implacável.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
22/4/2007
17h16min
Diante do provável antagonismo entre Carrol e Marx não me convenço exatamente de que seja assim. Acho que são duas figuras célebres, intelectuais, que de alguma maneira, queriam virar o mundo de cabeça pra baixo. Tenho cá pra mim que o que Marx queria não foi entendido pelos que usaram a sua teoria nos mais diferentes âmbitos, seja na política, nos governos de esquerda, seja pelos que o odiavam, tão mais ou igual ao Capital. Já Carrol nos trouxe um mundo antípoda, fantasioso e real ao mesmo tempo. E há os que o odiavam e odeiam e há os que o exaltam e há os que o não entendem. Talvez seja esse o meu caso. Alice seria eu? Você? E qual a maravilha do seu país? Coelhos loucos, cartas mágicas de baralho, a busca de seu ego, rainhas assassinas??? E o mundo de Marx, seria possível? Caminhando à direita ou à esquerda do espelho do tempo ou da ideologia? Será que alguém realmente o entendeu?? Será que se os dois caminhassem no mesmo passeio, se se olhassem, não se reconheceriam? Bj. Dri
[Leia outros Comentários de adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PALAIS ET RÉSIDENCES DÉTÉ DE LA RÉGION DE TUNIS
JACQUES REVAULT
ÉDITIONS DU CENTRE NATIONAL D
(1974)
R$ 300,00



PERRY RHODAN - CICLO BARDIOC 1 EPISÓDIOS 800 801
WILLIAM VOLTZ
SSPG
(2006)
R$ 20,00



SOCIOLOGIA DE MAX WEBER
JULIEN FREUND
FORENSE
(1970)
R$ 10,00



PINÓQUIO
NAO TEM
SCIPIONE
(2013)
R$ 9,90



CANÇAO PARA DEBORA
LUCI GUIMARAES WATANABE
FTD
R$ 8,00



OS BEIJA-FLORES DO BRASIL
ROLF GRANTSAU
EXPRESSÃO E CULTURA
(1988)
R$ 190,00



ROMA LEGADO DE UM IMPÉRIO 2 VOLUMES
TIM CORNELL E JOHN MATTHEWS
DEL PRADO
(1996)
R$ 30,00



O QUE É COMUNIDADE ECLESIAL DE BASE
FREI BETTO
BRASILENSE
(1981)
R$ 6,90



VEJA 45 ANOS OS 45 PRIMEIROS ANOS DE VEJA
VARIOS AUTORES
VEJA
(2013)
R$ 9,00



PERCEBENDO O SER
SAULO CÉSAR DA SILVA
LCTE
(2009)
R$ 55,00





busca | avançada
63997 visitas/dia
1,8 milhão/mês