Pela estrada afora | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Melhores Blogs
>>> Dilbert
>>> Entrevista com Paulo Polzonoff Jr.
>>> Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável
Mais Recentes
>>> Tudo valeu a pena de Zibia Gasparetto pela Vida e consciencia (2003)
>>> Concurso de Credores de Sylvio Martins Teixeira pela Jacintho (1936)
>>> Manual de Direito Processual Civil Vol.4 (Processo de Execução Processo Cautelar Parte Geral) de José Frederico Marques pela Saraiva (1976)
>>> Manual de Direito Processual Civil Vol.3 ( Processo de Conhecimento) 2ª Parte de José Frederico Marques pela Saraiva (1976)
>>> Codigo do processo Civil e Commercial do Estado de São Paulo (Annotações) de João Evangelista Rodrigues pela Revista dos Tribunais (1930)
>>> Traité Des Preuves En Droit Civil Et En Drit Criminel de Édouard Bonnier pela Librairie Plon (1888)
>>> Embargos de Nulidade e Infringentes do Julgado de E.D. Moniz de Aragão pela Saraiva (1965)
>>> Introdução ao estudo do processo Civil de Eduardo J. Couture pela José Bushatsky (1951)
>>> Estudo sobre o processo civil Brasileiro de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1947)
>>> Processão de Execução de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1946)
>>> Eficácia e Autoridade da Sentença e ouros escritos sobre a coisa Julgada. de Enrico Tullio Liebman pela Forense (1984)
>>> Princípios Gerais do Direito Processual de Anésio de Lara Campos Junior pela José Bushatsky (1964)
>>> Doutrina das Acções de José Homem Corrêa Telles pela H. Garnier (1902)
>>> Como Requer em Juízo ( Formulário Cível) de Yara Muller Leite pela Freitas Bastos (1967)
>>> Decisões de Decio Cesario Alvim pela Officinas do Centro da Boa Imprensa (1930)
>>> O Procedimento Sumaríssimo de Domingos Sávio Brandão Lima pela José Bushatsky (1977)
>>> Aspectos Fundamentais das Medidas Liminares de R. Reis Friede pela Forense (1993)
>>> Curso de Direito Processual Civil Volume 3 de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Curso de direito Processual Civil Volume 1 de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Estudo sobre o processo civil Brasileiro de Enrico Tullio Liebman pela José Bushatsky (1976)
>>> Processão de Execução de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1980)
>>> Consultor Civil Acerca de Todas as Acções Seguidas no Fôro Civil de Carlos Antonio Cordeiro e Oscar de Macedo Soares pela H. Garnier (1910)
>>> O Brasil na vidão do artista. O país e sua cultura de Frederico Morais pela Prêmio (2003)
>>> Um certo ponto de vista. Pietro Maria Bardi 100 anos de Emanoel Araújo. Curadoria pela Burti (2000)
>>> A riqueza de um vale. A richly endowed valley de Ricardo Martins pela Kongo (2011)
>>> Tomie Ohake de Ana Paula Cavalcanti Simioni pela Folha de S.Paulo (2013)
>>> Bez Batti. Esculturas de Instituto Moreira Salles pela Ims (2006)
>>> Responsabilidade Civil - Doutrina e Jurisprudência de Yussef Said Cahali (Coordenador) pela Saraiva/ SP. (1984)
>>> O Problema da Língua Brasileira de Homero Senna (Entrev. c/ Prof. Souza da Silveira) pela Dep. Imprensa Nacional/ RJ. (1953)
>>> A Trégua de Mario Benedetti pela Alfaguara (2007)
>>> Divalndo Franco Responde Vol 1 de Divaldo Franco pela Intelitera (2010)
>>> Sonhos de J. J. Benitez pela Record (1995)
>>> Hora de Poesia de Ivan Luís Corrêa da Silva pela Modelo (2008)
>>> (In) Quietude Narrativas de Mim de Walkiria Helena pela Catalão em Prosa e Verso (2010)
>>> O Diário das Bruxas Parte I de F. A. F. Melo pela Catalão em Prosa e Verso (2008)
>>> Resgatando o Capital Humano de Roberto Boclin pela Folha Dirigida (2015)
>>> Personas Sexuais de Camille Paglia pela Companhia das Letras (1994)
>>> Uma Vida com Karol de Cardeal Stanislaw Dziwisz pela Objetiva (2007)
>>> Quem Me Roubou de Mim? de Pe. Fábio de Melo pela Canção Nova (2008)
>>> Saúde de Miramez João Nunes Maia pela Fonte Viva (2016)
>>> Ataque do Comando P. Q. Descobrindo os Clássicos de Moacyr Scliar pela Ática (2004)
>>> Divalndo Franco Responde Vol 2 de Divaldo Franco pela Intelitera (2013)
>>> The Colour Of Memory de Geoff Dyer pela Canongate (2012)
>>> Dark Places de Gillian Flynn pela Phoenix (2009)
>>> O Livro que Ninguém Leu de Owen Gingerich pela Record (2008)
>>> Coisas que Todo Professor de Português Precisa Saber a Teoria na Prática de Luciano Amaral Oliveira pela Parábola (2010)
>>> Políticas da Norma e Conflitos Linguísticos de Xoán Carlos Lagares Marcos Bagno pela Parábola (2011)
>>> Robinson Crusoe de Daniel Defoe pela Barnes & Noble Classics (2003)
>>> Sense And Sensibility de Jane Austen pela Barnes & Noble Classics (2004)
>>> Muito Antes de 1500 de Epiága R. T. pela Madras (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 14/11/2007
Pela estrada afora
Guga Schultze

+ de 9000 Acessos
+ 6 Comentário(s)


Chapeuzinho Vermelho

Chapeuzinho Vermelho levou, mais ou menos, vinte anos para comparecer ao encontro marcado com o Lobo. Nos primeiros dez anos ela caminhou pelos jardins que se estendiam ao redor da casa de sua mãe e, aos poucos, se afastou deles, tomando um rumo qualquer, caminhando sob o sol, seguindo sua própria sombra, os dias como passos ritmados em sua seqüência invariável, planícies e vales desconhecidos.

Por que não? Poderia ser "trotando pelo cerrado", ou "perdida no sertão, debaixo de um sol lascado", só para agradar aos mais nacionalistas. Mas fica melhor assim, uma coisa mais para The Waste Land, de T. S. Eliot:

"(...) And I will show you something different from either/ Your shadow at morning striding behind you/ Or your shadow at evening rising to meet you;/ I will show you fear in a handful of dust".

E caminhando sempre, por uma natureza cada vez mais agreste, foi que, talvez, lá pelos vinte anos de idade ― sendo isso uma suposição baseada em estatísticas apenas intuídas ―, ela avistou os limites da grande floresta escura.

Sem olhar para trás, Chapeuzinho continuou seu caminho, na trilha que levava diretamente para dentro dessa mesma floresta. Por ali ela seguiu, indo de encontro ao seu destino, sem poder resistir ao chamado silencioso que, desde sempre, ecoava em seu próprio coração. (A história de Chapeuzinho Vermelho é uma história de sentimentos e emoções. Como diria Roberto Carlos, "grandes emoções, bicho". Portanto, o tom está correto. É melhor ir se acostumando.)

Há um mapa traçado no coração dessa moça. Um mapa que Chapeuzinho consultou várias vezes durante sua viagem. Um mapa antigo, difícil, muitas vezes confuso em sua emaranhada cartografia de símbolos que não se decifram. Um mapa que é uma eterna charada e onde Chapeuzinho consegue, às vezes, visualizar os dois caminhos: um, o que ela segue e deverá seguir sempre, deixando a casa materna até chegar ao final da jornada, através do tempo, para bater nas portas da casa da Vovó.

O outro caminho é uma trilha sinuosa, imprevisível, no meio de tantas outras que também cruzam sua estrada. Mas esse caminho específico atravessa o seu em apenas um ponto e uma única vez. Nessa encruzilhada erma, num momento casual e incerto, Chapeuzinho espera encontrar o Lobo.

Não é que ela queira isso ou que deseje conscientemente tal coisa. Mas sente que, de alguma forma, se preparou para esse encontro durante todo o percurso. Ela tem medo desse momento em que a presença do Lobo definirá coisas até então indefinidas: seu sexo, a real natureza de seu sexo, suas esperanças e suas expectativas. Descobrirá a si mesma enquanto luta com seu atávico oponente, aquele que vai consumir seu coração. Ela teme esse encontro e, no entanto, está, sempre esteve, preparada para ele.

Mas nem sempre isso acontece. Nem sempre Chapeuzinho vislumbra a floresta, ou entra na floresta. Durante o caminho ela provavelmente teve contato com outros bichos ("grandes emoções, bicho") e pode ter se enganado. Seu caminho pode ter sido desviado. Pode pensar que o encontro marcado já aconteceu, mas descobre, mais tarde, que aquilo que a confundiu era apenas um cachorro ladino, um touro triste, um porco gordo. Ela então já se encontra na casa da Vovó e já sabe que a Vovó é ela mesma ― o final de sua jornada ― e percebe que seu coração ainda está intacto e inútil, que não foi devorado, como deveria ter sido, porque ela foi desviada em sua rota original e, na verdade, nunca encontrou, ou nunca foi encontrada pelo Lobo. Isso também acontece, na maioria das vezes. O encontro com o Lobo não é tão comum.

Isso equivale a dizer que o amor de uma vida inteira não é algo que aconteça com a mesma freqüência com que é celebrado nas artes ou na literatura. É mais uma fábula, como é também na história de Chapeuzinho Vermelho, uma fábula dentro de outra. Mas acontece, às vezes.

É uma fábula que sobrevive ainda, nadando contra a corrente de uma época declaradamente hedonista e cética como a nossa. O componente nuclear dessa fábula, a mensagem, digamos, oculta dessa história é que não se escolhe o amor, todos são escolhidos por ele. Alguém pode acreditar, inclusive, que escolheu não amar ninguém durante toda sua vida e, efetivamente, terminar seus dias dessa forma. Mas a viajante solitária, segundo a fábula, é apenas aquela cujo caminho não cruzou o caminho do Lobo. Ou talvez tenha cruzado, mas o Lobo já não estava lá, já tinha passado. Ou, na impossibilidade de prever o imprevisível, a viajante prossegue e o Lobo ainda não veio. De forma que a mensagem não soa bem, nessa época que pretende o planejamento até das coisas imponderáveis. E o fato de Chapeuzinho Vermelho ser feminino e o Lobo masculino, é apenas ilustrativo, uma generalização talvez necessária.

Já disseram que o amor é um jogo de sombras. Li isso em algum lugar e gosto da imagem, mas não entendo muito bem o que significa. As sombras se unem com facilidade, talvez seja por aí. Nos versos de T. S. Eliot, citados acima, há um jogo de sombras, uma alusão à passagem do tempo, sombras que se estendem pela manhã, sombras que se encolhem no fim do dia. E o último verso: "eu te mostrarei o medo num punhado de poeira". Aquele negócio das cinzas para as cinzas, do pó ao pó, etc. Porque no final da história aparece o Caçador, que mata o Lobo, ou o que for que esteja em seu lugar, e liberta a Vovó. E esta se encontra com Chapeuzinho, ela mesma, mais uma vez.

Ou pela última vez, para ser mais exato. Porque o Caçador é uma figura disfarçada nessa história. Tem outros nomes. Em inglês, por exemplo, é mais conhecido como The Grim Reaper. Ou seja, o ceifador inflexível, uma tradução possível. Dizemos apenas "a morte", em português. Libertar a Vovó é uma forma alegórica de dizer o que o ceifador faz, ao encerrar toda e qualquer história.

Enquanto isso, outra menina, com sua capa vermelha como um chamariz, está, agora, se aventurando, abandonando os jardins da casa materna e seguindo a trilha do tempo, que se estende à sua frente como um enigma, porque essa fábula é uma incógnita, mas sempre se repete. E essa é a verdadeira história de Chapeuzinho Vermelho.

Para ir além






Guga Schultze
Belo Horizonte, 14/11/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. Assum Preto, Me Responde? de Duanne Ribeiro
03. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
04. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
05. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Tropikaos - 19/12/2007
04. Barba e bigode - 4/7/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/11/2007
03h09min
Belíssimo texto, Guga. Você tem o dom de bem interpretar livros e revelar sobre eles coisas que a maioria dos leitores não conseguiu perceber. Abraço!
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
14/11/2007
09h19min
Guga, seu texto sempre é surpreendente e inimaginável. Tá cheio de Chapeuzinhos Vermelhos andando por este mundo a procura de um lobo-bobo-mau para lhes fazer carinhos. Que a vovó espere a sua hora, ora!
[Leia outros Comentários de Henrique Godoy]
16/11/2007
17h09min
Guga, que análise sensível e profunda dessa história. Nunca tinha imaginado que a vovó é a própria Chapeuzinho, ou vice-versa. Houve muitas versões e análises dessa história, freudiana, junguiana e tantas outras... mas fico com a sua. Muito linda, muito poética, muito real. Realmente, o Rafael tem razão: você nos surpreende sempre com as suas descobertas; uma análise singular. Beijo.
[Leia outros Comentários de Adriana]
17/11/2007
14h51min
Guga, pequei pela ignorância. Agora estou lendo seus textos. E gosto muito. Abraços Eliana
[Leia outros Comentários de eliana mara]
19/11/2007
07h38min
Ótima esta sua revisão desta fábula medieval, que era como naqueles tempos se vendia a moral dominante e assim propagavam medos que demandavam tutelas. Ainda o mesmo dispositivo usado nestes nossos tempos... Entretanto, achei um tanto carregado na questão do gênero, parecia realmente uma análise freudiana com tudo que isto possa suscitar. Diante do inexorável todos estão frágeis, nus e o que se propaga como potência masculina carece de um contraponto e talvez não tenha sido descoberto um outro adjetivo e só por vício seja descrito como feminino. Quanto ao restante, estamos como sempre buscando uma justificativa para nós mesmos, devotamos um fervor para o equilíbrio cartesiano e materializamos nossas angústias numa expressão diante de uma figura divina. Somos todos Chapeuzinhos e lobos também, agora a floresta esta dentro de nós. Êta literatura infantil arretada...
[Leia outros Comentários de Carlos E. Oliveira]
2/12/2007
15h44min
Que prazer ir lendo "pela estrada a fora", sem saber que tipo de lobo será encontrado nessa versão da história. Chapeuzinho Vermelho encontrou ou foi encontrada pelo lobo? Boa pergunta. O amor acontece, segundo a fábula, de acordo com as crenças, mas acontece de amarmos qualquer pessoa? Será que não se escolhe o amor, como dizem? Não se escolhe a pessoa amada, ou não se escolhe o cultivo do sentimento amor? Não é preciso fazer nada para amar, essa situação não requer nada de nós, não nos exige absolutamente nada além de estarmos no local e no momento marcado pelo destino para o possível encontro? E uma vez perdida a possibilidade, não haverá outra? Ah, sim, haverá, a floresta está cheia de lobos, famintos, querendo comer a Chapeuzinho... Além de que o mesmo lobo pode ser encontrado na ida pra casa da vovó ou na volta pra casa da mãe, a floresta é a mesma, não há outro caminho, o que não percebemos em um momento podemos perceber em outro, se um caçador não matar antes o nosso lobo!...
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MUSCLE INFORM Nº 56
VÁRIOS AUTORES
MUSCLE INFORM
R$ 5,00



ROBIN HOOD - COLECAO REENCONTRO LITERATURA
JOEL RUFINO DOS SANTOS
SCIPIONE
(2013)
R$ 39,00



ALIENAÇÃO E CAPITALISMO
LAYMERT G. DOS SANTOS
BRASILIENSE (SP)
(1982)
R$ 30,28



VINGT MILLE LIEUES SOUS LES MERS - TEXTES EN FRANÇAIS FACILE
JULES VERNE
HACHETTE (PARIS)
(1971)
R$ 14,28



TERMELETRICIDADE - GERAÇÃO DIRETA
HENRIQUE ALENCAR UND CICERO SOUTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



PROCESSO CIVIL - RECURSOS
GILSON DELGADO MIRANDA E PATRICIA MIRANDA PIZZOL
ATLAS
(2001)
R$ 10,00



DISCURSO SOBRE O MÉTODO
RENÉ DESCARTES
HEMUS
(1978)
R$ 6,00



MENINOS EM GUERRA
JERRY PIASECKI
ATICA
(2011)
R$ 16,00



COLEÇÃO OBJETIVO TRIGONOMETRIA E GEOMETRIA PLANA LIVRO 24
JORGE KRIKORIAN / MAURO GRESPAN
CERED
R$ 8,00



PERCEPÇÕES DE SUSTENTABILIDADE EM INDÚSTRIAS DE CALÇADOS GRANDE PORTE
ALESSANDRO CARLONI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês