Olimpíadas sentimentais | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS >>> Especial Olimpíadas e China

Quinta-feira, 28/8/2008
Olimpíadas sentimentais
Elisa Andrade Buzzo

+ de 5000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O desajeitado ursinho Micha aparece no Estádio Lênin lotado, começa a dançar e a fazer acrobacias engraçadas. Na verdade há toda uma trupe travestida em pelúcia marrom, que enternece a platéia e amolece os corações linhas-duras da velha União Soviética.

A abertura é a das olimpíadas de 1980. Micha é a mascote que me faz chorar quando seu rostinho se move na sincronia perfeita de placas na arquibancada. Há tempos meu controle remoto não zapeava pelos canais esportivos. Há tempos tinha controle emocional ao assistir televisão. No dia seguinte, pela manhã, dou de cara no SporTV com a mesma transmissão ― e não é que minha reação se repete? Os jogos de Beijing se aproximavam e meus sentimentos não estavam preparados para transbordar em ordem. O que acontece comigo quando vejo imagens do bombardeio na Ossétia do Sul ou de um estádio lotado em clima de Olimpíadas? Sentimentalismo barato?

Geopolítica e olimpíadas é uma combinação pacífica... Pelo menos ela parece ser em outra cerimônia de abertura ― Beijing 2008 ―, esquecendo os boicotes de Moscou 1980, por exemplo. Mas que país não quer passar esta imagem em plenos Jogos Olímpicos, momento maior de confraternização de todo o globo, quando outros corações amolecem e os músculos se retesam? Tudo será perfeito nestes jogos, como as "assistentes de cerimônia" chinesas, lindas, altas, educadas, com figurino impecável, robóticas.

O desfile das delegações olímpicas no "Ninho de Pássaro" pode parecer monótono ― os passos medidos, as grandes delegações sendo apressadas pelos chineses. Apesar das diferenças de tamanho, todos os países ficam de certa forma em pé de igualdade, mostrando sua cota de atletas, seus rostos, a quantidade de dentes e, por que não, a representação de sua história. Bonitos, bem nutridos, parecem ser os escolhidos, os fortes para se mostrar ao mundo em espetáculo, seja em trajes mais esportivos, de terno, gravata e tailleur, ou em trajes tribais, véus.

Nestes grandiosos jogos olímpicos "da era moderna", como fazem questão de justificar os comentaristas esportivos, acontecem coisas surpreendentes. Lá está desfilando a primeira mulher de um país do Golfo Pérsico, munida da bandeira de seu país. Países que não existem no mapa, existem nos jogos ― a Palestina aparece com seus gatos-pingados de mãos dadas para o alto. Irã, Iraque, com suas mínimas delegações. Lá está um mapa-múndi em miniatura, os chefes de Estado acenando satisfeitos da arquibancada, no passageiro esquecimento dos conflitos. Adiante, ainda no rol, a judoca Ketleyn Quadros é a primeira atleta brasileira a ganhar uma medalha num esporte individual, pasmem.

Provas duríssimas e decisivas aguardam os atletas, com barreiras que os levam a um fosso cheio d'água. Ou mesmo aquelas em que um único tombo é capaz de desestruturar o corpo, toda uma vida dedicada aos treinos. Pois foi cruel o que fizeram com o ginasta Diego Hypólito na capa da Folha de S. Paulo. O atleta de tantas conquistas é colocado "no chão", o olhar atônito diante do erro improvável, logo no último exercício. Que tristeza rever as imagens de Diego, cambaio mesmo após se levantar da queda, incrédulo, sem entender que locomotiva passara por cima. Olimpíadas são assim mesmo, de se emocionar. E de chorar muito também, que o diga César Cielo, que conquistou o ouro no 100m nado livre. Como se diz, ele chorou como um menino. No pódio, não adiantou nem tentar cantar o Hino Nacional Brasileiro. A câmera é impiedosa, registra todas as reações. O mundo todo saberá de sua vitória ou de seu desastre.

Em noite de competição de atletismo, a câmera ― invisível para os telespectadores, mas bem na frente dos atletas, que aparecem gigantes no telão do "Ninho de Pássaro" ― intimida ou rende um sinal tímido de positivo, uma vibração contida. Concentração para a largada! As atletas, por sua vez, ficam mais encabuladas ainda em sua graciosidade, ou pela falta dela. Uma russa de batom cor-de-rosa aponta para a câmera e envia um beijo com as mãos, depois fecha o punho direito e demonstra força.

Há outras lágrimas para os brasileiros nestes jogos olímpicos, não são poucos os dramas. Fabiana Murer, com "chances reais" de se tornar uma medalhista, não encontra a vara que precisaria para um salto mais alto. Resultado, desconcentração e fora da disputa por medalhas. O show da noite no Estádio Olímpico ficou por conta da russa Elena Isinbayeva, recordista olímpica do salto com vara. Já com a medalha de ouro garantida, ela salta para quebrar seu próprio recorde mundial. "Os fotógrafos se deliciam cada vez que ela vai falar com o técnico", diz o locutor. Na última das três tentativas, Isinbayeva, a mulher mais linda do mundo, desliza impávida pelo sarrafo. Agora ela é também a mulher que voa mais alto no mundo e diz: "o céu é o meu limite".

Já a outra musa, Fabiana Murer, numa transmissão ao vivo, fala que a "organização" é uma "desorganização" e que não volta mais à China. "Tenta se segurar", mas abre o berreiro quando fica sabendo pelo repórter que seus pais a estão assistindo naquele momento. Esperamos que os atletas superem e os brasileiros esqueçam os jogos das mágoas...

Coisa antiga isso de se emocionar em olimpíadas. Não sei também agora nem por que insisti neste assunto, se a vida é feita de um variado de secura e umidade. Ficam as lágrimas do urso Micha, na simplicidade do encerramento moscovita, pra servir de alento.



Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 28/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
02. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
03. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio
04. A que ponto chegamos, EUA! de Celso A. Uequed Pitol
05. Quando amor e terra quase se confundem de Elisa Andrade Buzzo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. No chão em que você pisa com seu salto agulha - 28/2/2008


Mais Especial Olimpíadas e China
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/9/2008
18h24min
obrigado pelo texto tão humano e valioso, elisa. entre tantas críticas e análises de aspectos menos nobres ou tristes do desorganizado e desestruturado esporte olímpico brasileiro, seu texto foi um oásis de beleza. e resgatar o inesquecível misha foi demais. e reparou na tristeza sincera do casal russo? bonito demais. abraço, zé augusto de aguiar
[Leia outros Comentários de zé augusto de aguiar]
11/9/2008
06h37min
Elisa, excelente texto e obrigado pelas imagens. Certamente os russos promoveram a mais criativa e a mais bela festa de abertura de todos os Jogos Olímpicos. Olha que eu já vivi um "bom bocado" e ainda me comovo com todas essas lembranças! Abraços do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês