Olimpíadas sentimentais | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A luz da alma - Haifa Israel
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música clássica ensurdece a democracia caótica
>>> Dê-me liberdade e dê-me morte
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> A aventura é sua - Labirinto de jogos
>>> The Mysteries of Isis - Her Worship and Magick
>>> Araquém Alcântara - Fotografias
>>> O Observador in Natura
>>> Cómo Mirar un Cuadro
>>> Dicas Para um Primeiro Encontro com Final Feliz
>>> A Essência da Maturidade
>>> Biomusica
>>> Liberte-se do Passado
>>> Benjamim
>>> Diário
>>> La Hechicería - Técnica de los maleficios
>>> Maiden, Mother, Crone - The Myth & Reality of the Triple Goddess
>>> Técnicas de Alta Magia - Manual de Autoiniciación - Em Espanhol
>>> Curso de Filosofia Grega + Do século VI a.C. ao século III d.C.
>>> Manual do candidato às eleições & Carta do bom administrador público + Pensamentos políticos selecionados
>>> Platão
>>> Guia Prático da Wicca - A Magia do bem explicada passo a passo
>>> História & Religião VIII Encontro Regional de História RJ
>>> Magia Cigana - Encantamentos, Ervas Mágicas e Adivinhação
>>> Para conhecer o pensamento de Hegel
>>> Ética para executivos
>>> Coffee break produtivo
>>> O Secular Livro da Bruxa
>>> Direito Médico
>>> Audiovisual Español estructural
>>> Tomás de Aquino
>>> Minha limpeza corporal - Le grand Ménage
>>> Max Weber e a política alemã
>>> Isaiah Berlin
>>> La Magia en Acción
>>> Introdução à epistemologia
>>> As causas da grandeza do romanos e da sua decadência
>>> Hannah Arendt
>>> Paixão por vencer. A bíblia do sucesso
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
COLUNAS >>> Especial Olimpíadas e China

Quinta-feira, 28/8/2008
Olimpíadas sentimentais
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O desajeitado ursinho Micha aparece no Estádio Lênin lotado, começa a dançar e a fazer acrobacias engraçadas. Na verdade há toda uma trupe travestida em pelúcia marrom, que enternece a platéia e amolece os corações linhas-duras da velha União Soviética.

A abertura é a das olimpíadas de 1980. Micha é a mascote que me faz chorar quando seu rostinho se move na sincronia perfeita de placas na arquibancada. Há tempos meu controle remoto não zapeava pelos canais esportivos. Há tempos tinha controle emocional ao assistir televisão. No dia seguinte, pela manhã, dou de cara no SporTV com a mesma transmissão ― e não é que minha reação se repete? Os jogos de Beijing se aproximavam e meus sentimentos não estavam preparados para transbordar em ordem. O que acontece comigo quando vejo imagens do bombardeio na Ossétia do Sul ou de um estádio lotado em clima de Olimpíadas? Sentimentalismo barato?

Geopolítica e olimpíadas é uma combinação pacífica... Pelo menos ela parece ser em outra cerimônia de abertura ― Beijing 2008 ―, esquecendo os boicotes de Moscou 1980, por exemplo. Mas que país não quer passar esta imagem em plenos Jogos Olímpicos, momento maior de confraternização de todo o globo, quando outros corações amolecem e os músculos se retesam? Tudo será perfeito nestes jogos, como as "assistentes de cerimônia" chinesas, lindas, altas, educadas, com figurino impecável, robóticas.

O desfile das delegações olímpicas no "Ninho de Pássaro" pode parecer monótono ― os passos medidos, as grandes delegações sendo apressadas pelos chineses. Apesar das diferenças de tamanho, todos os países ficam de certa forma em pé de igualdade, mostrando sua cota de atletas, seus rostos, a quantidade de dentes e, por que não, a representação de sua história. Bonitos, bem nutridos, parecem ser os escolhidos, os fortes para se mostrar ao mundo em espetáculo, seja em trajes mais esportivos, de terno, gravata e tailleur, ou em trajes tribais, véus.

Nestes grandiosos jogos olímpicos "da era moderna", como fazem questão de justificar os comentaristas esportivos, acontecem coisas surpreendentes. Lá está desfilando a primeira mulher de um país do Golfo Pérsico, munida da bandeira de seu país. Países que não existem no mapa, existem nos jogos ― a Palestina aparece com seus gatos-pingados de mãos dadas para o alto. Irã, Iraque, com suas mínimas delegações. Lá está um mapa-múndi em miniatura, os chefes de Estado acenando satisfeitos da arquibancada, no passageiro esquecimento dos conflitos. Adiante, ainda no rol, a judoca Ketleyn Quadros é a primeira atleta brasileira a ganhar uma medalha num esporte individual, pasmem.

Provas duríssimas e decisivas aguardam os atletas, com barreiras que os levam a um fosso cheio d'água. Ou mesmo aquelas em que um único tombo é capaz de desestruturar o corpo, toda uma vida dedicada aos treinos. Pois foi cruel o que fizeram com o ginasta Diego Hypólito na capa da Folha de S. Paulo. O atleta de tantas conquistas é colocado "no chão", o olhar atônito diante do erro improvável, logo no último exercício. Que tristeza rever as imagens de Diego, cambaio mesmo após se levantar da queda, incrédulo, sem entender que locomotiva passara por cima. Olimpíadas são assim mesmo, de se emocionar. E de chorar muito também, que o diga César Cielo, que conquistou o ouro no 100m nado livre. Como se diz, ele chorou como um menino. No pódio, não adiantou nem tentar cantar o Hino Nacional Brasileiro. A câmera é impiedosa, registra todas as reações. O mundo todo saberá de sua vitória ou de seu desastre.

Em noite de competição de atletismo, a câmera ― invisível para os telespectadores, mas bem na frente dos atletas, que aparecem gigantes no telão do "Ninho de Pássaro" ― intimida ou rende um sinal tímido de positivo, uma vibração contida. Concentração para a largada! As atletas, por sua vez, ficam mais encabuladas ainda em sua graciosidade, ou pela falta dela. Uma russa de batom cor-de-rosa aponta para a câmera e envia um beijo com as mãos, depois fecha o punho direito e demonstra força.

Há outras lágrimas para os brasileiros nestes jogos olímpicos, não são poucos os dramas. Fabiana Murer, com "chances reais" de se tornar uma medalhista, não encontra a vara que precisaria para um salto mais alto. Resultado, desconcentração e fora da disputa por medalhas. O show da noite no Estádio Olímpico ficou por conta da russa Elena Isinbayeva, recordista olímpica do salto com vara. Já com a medalha de ouro garantida, ela salta para quebrar seu próprio recorde mundial. "Os fotógrafos se deliciam cada vez que ela vai falar com o técnico", diz o locutor. Na última das três tentativas, Isinbayeva, a mulher mais linda do mundo, desliza impávida pelo sarrafo. Agora ela é também a mulher que voa mais alto no mundo e diz: "o céu é o meu limite".

Já a outra musa, Fabiana Murer, numa transmissão ao vivo, fala que a "organização" é uma "desorganização" e que não volta mais à China. "Tenta se segurar", mas abre o berreiro quando fica sabendo pelo repórter que seus pais a estão assistindo naquele momento. Esperamos que os atletas superem e os brasileiros esqueçam os jogos das mágoas...

Coisa antiga isso de se emocionar em olimpíadas. Não sei também agora nem por que insisti neste assunto, se a vida é feita de um variado de secura e umidade. Ficam as lágrimas do urso Micha, na simplicidade do encerramento moscovita, pra servir de alento.



Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 28/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira de Wellington Machado
02. Chris Hedges não acredita nos ateus de Daniel Lopes
03. Setenta anos do Rio a Chicago de Arcano9
04. Anéis na Telona de Juliano Maesano


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. Olimpíadas sentimentais - 28/8/2008


Mais Especial Olimpíadas e China
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/9/2008
18h24min
obrigado pelo texto tão humano e valioso, elisa. entre tantas críticas e análises de aspectos menos nobres ou tristes do desorganizado e desestruturado esporte olímpico brasileiro, seu texto foi um oásis de beleza. e resgatar o inesquecível misha foi demais. e reparou na tristeza sincera do casal russo? bonito demais. abraço, zé augusto de aguiar
[Leia outros Comentários de zé augusto de aguiar]
11/9/2008
06h37min
Elisa, excelente texto e obrigado pelas imagens. Certamente os russos promoveram a mais criativa e a mais bela festa de abertura de todos os Jogos Olímpicos. Olha que eu já vivi um "bom bocado" e ainda me comovo com todas essas lembranças! Abraços do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MINERVINO FRANCISCO SILVA (LITERATURA DE CORDEL)
MINERVINO FRANCISCO SILVA
HEDRA
(1999)
R$ 14,00



UM POMBO E UM MENINO
MEIR SHALEV
BERTRAND BRASIL
(2010)
R$ 10,00



BEIJING - CHINA
JD BY BOOK
JD BY BOOK
(2002)
R$ 20,92



ANJOS E DEMÔNIOS - CAPA DO FILME
DAN BROWN
SEXTANTE
(2004)
R$ 13,55



A MENINA QUE BRINCAVA COM FOGO
STIEG LARSSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 6,00



VIAGEM PELAS PROVINCIAS DO RIO DE JANEIRO E MINAS GERAIS
AUGUSTE DE SAINT HILARE
ITATIAIA
(2018)
R$ 30,00



PAES SEM SEGREDO
SARA LEWIS
MARCO ZERO
(2010)
R$ 30,00



CARTAS DE ANIVERSÁRIO - EDIÇÃO BILÍNGUE
TED HUGHES
RECORD
(1999)
R$ 15,00
+ frete grátis



LAÇOS ETERNOS
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2003)
R$ 19,90



COURS SUPÉRIEUR DORTHOGRAPHE
E. BLED / O. BLED
CLASSIQUES HACHETTE
(1954)
R$ 28,84





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês