Minha Terra Tem Palmeiras | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
Mais Recentes
>>> A Guerra das Rosas (lacrado) de Leila Meacham pela Rocco (2011)
>>> Krum (lacrado) de Hanoch Levin pela Cobogó (2016)
>>> Medeias Latinas de Márcio Meirelles Gouvêa Júnior pela Autêntica (2014)
>>> Metamorfoses Privadas (lacrado) de Rui Xavier pela Nversos (2012)
>>> A Ditadura Militar e os Golpes Dentro do Golpe - 1964-1969 de Carlos Chagas pela Record (2014)
>>> Zagor Nº 50 de Bonelli pela Mythos (2005)
>>> Teen Mate 2 - Resource Book de Vários Autores pela Difusão de Educação e Cultura
>>> Flores do Alimento de Silvetre Silva pela Empresa das Artes (1998)
>>> Zagor Nº 7 de Bonelli pela Mythos (2001)
>>> Cartas a Davi (lacrado) de Fabiano Pereira pela Thesaurus (2014)
>>> Heróis de Verdade 15ª Edição de Roberto Shin pela Gente (2005)
>>> Imperatriz Leopoldina - o Anjo da Independência do Brasil de Monica Buonfiglio pela Companhia dos Anjos (2002)
>>> Hillary Clinton por Ela Mesma de Lisa Rogak pela Alta Books (2015)
>>> Memórias de Aldenham House de Antonio Callado pela Jose Olympio (2015)
>>> Estudo Dirigido de Educação Musical Nº 2 de Irvany Bedaque Ferreira Frias pela Orfeu (1972)
>>> A Dimensão Normativa da Argumentação (lacrado) de Tiago Neu Jardim pela Lumen Juris (2017)
>>> Ragnarok N° 16 de Lee Myung Jin pela Conrad
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho Silva pela Obelisco
>>> Das Mädchen Orchidee de Pearl S. Buck pela Bertelsmann Lesering (1960)
>>> Tutela Penal Ambiental de Thiago Jordace pela Lumen Juris (2016)
>>> Temas Essenciais Em Direito Ambiental (lacrado) de Beatriz Souza Costa pela Lumen Juris (2014)
>>> Manual of Accounting Ifrs 2013 Volume 1 de Vários Autores pela Bloomsbury Professional
>>> O Espírito Piagetiano (lacrado) de Olivier Houde pela Penso (2004)
>>> Saga de Beija-flor (lacrado) de Bernardo Marçolla pela Kbr (2015)
>>> Touro de Max Klim pela Nova Era (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/7/2015
Minha Terra Tem Palmeiras
Marilia Mota Silva

+ de 3900 Acessos

Orlando, a cidade na Flórida onde ficam os parques da Disney, Universal e outros, é uma cidade americana típica, isto é, concebida para uma vida sobre rodas. Ali não há ruas com calçadas, lojinhas, vitrines, praças com árvores e bancos onde se possa ver a vida. Há vias expressas, avenidas com várias pistas, ligando os subúrbios com suas casas grandes, gramados impecáveis, simetria e perfeição meio opressivas, aos blocos de comércio, shoppings centers e condomínios mais centrais. Se é que se pode falar em centro nesse vai e vem de avenidas e elevados.

O pedestre ali é um inconveniente que não se encaixa no projeto urbano. Para quem gosta de conhecer lugares caminhando é desconcertante.

Um segundo olhar, no entanto, revela onde há vida na cidade, à parte do frenesi turístico dos parques e das pistas de alta velocidade. E me arrisco a dizer que Orlando é brasileira.

Não tinha ideia da dimensão da presença brasileira em Orlando. Ali encontramos brasileiros em todas as áreas de trabalho: no turismo, naturalmente, no mercado de imóveis, venda e aluguel de casas por temporada. No comércio, uma infinidade de lojas e até supermercado, mas não é só isso: há professores, médicos, advogados, escritórios de contabilidade, bombeiros, motoristas... e confirmando o peso da nossa presença na cidade, temos finalmente um banco com funções plenas nos Estados Unidos (restrito à Flórida), o BB Américas.

Em Orlando, temos padaria! Nada de bakery com seus produtos inodoros, frios, super-processados! Padaria como as nossas. Comprei pãozinho francês na Padaria Pão Gostoso. Café, pão de queijo, pastel de forno, bolo de milho na vitrine. Conversas animadas nas mesas, em volume baixo. Passei perto para ter certeza: todos falavam em português.

A poucos metros da Pão Gostoso, outra padaria tinha Ana Maria Braga na tevê, ensinando a fazer receitas.

A jovem no caixa disse: eu me sinto em São Paulo. Nem me lembro que estou longe!

É, isso podemos dizer do brasileiro: adaptamo-nos com facilidade a qualquer cultura e fuso horário. Não há canto do mundo em que não se esbarre em um de nós. Em busca de uma vida melhor ou de uma terra sem males, como nossos antepassados, o povo guarani, nos aventuramos pelo mundo, mas não ficamos longe do Brasil. Mesmo integrados à vida do país adotado, nos reunimos em grupos, formamos comunidades, nos empenhamos para que as crianças falem português; cultivamos nossas tradições. Festa junina, por exemplo, é um ponto alto. No calor do verão no hemisfério norte, o fogo da fogueira é de papel celofane. Quentão, nem pensar! Mas tem quadrilha com casamento, padre e noiva prenhe, chapéus de palha, roupas remendadas, tranças, xadrez, babados, viola, acordeon!

Alessandra e Alan, na festa do MBV (Mães Brasileiras de Virginia)



Nos primeiros dias de minha estada em Orlando, encontrei na mesa de uma sorveteria um jornal local brasileiro: Jornal B&B, Brasileiras Brasileiros. Tamanho tablóide, 64 páginas, distribuição gratuita, um manancial de anúncios e informações, tudo em português.

Uma dessas informações me deixou sem ar por uns momentos: A Flórida recebeu 100 milhões de turistas em 2014. Só a Flórida, essa península ao sudeste do país, cheia de terrenos pantanosos e mosquitos. Cem milhões! O Brasil inteiro recebeu, no ano em que hospedou a Copa Mundial de Futebol, sete milhões. Tudo bem que a Flórida tem essa concentração de parques de diversão, mas, ainda assim, a diferença é grande demais!

Não estou sugerindo que seja culpa do governo. Não foi o governo que construiu a Disney e os outros parques que atraem grande parte desses turistas. Foi a iniciativa de empresários, com visão, capacidade de investir e correr riscos. O governo contribuiu - contribui - garantindo a infra-estrutura, rodovias, aeroportos, segurança. Agora mesmo o imenso e confortável aeroporto internacional de Orlando está sendo ampliado.

Como desatar os nós que nos impedem de ser bem sucedidos nessa área em que temos atrações únicas, recursos infinitos e que traria tantos empregos, tantos benefícios? Eu sei, a resposta nos levaria ao labirinto antigo e suas saídas elusivas. Ainda assim, a pergunta insiste.



Minha terra tem palmeiras onde canta o sabiá, as aves que aqui gorjeiam nao gorjeiam como lá...não permita Deus que eu morra, sem que eu volte para lá"...Canção do Exílio, Gonçalves Dias


Marilia Mota Silva
Washington, 15/7/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Você é rico? de Luís Fernando Amâncio
02. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
03. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
04. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
05. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2015
01. Memorial de Berlim - 23/12/2015
02. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade - 4/2/2015
03. Minha Terra Tem Palmeiras - 15/7/2015
04. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) - 25/2/2015
05. Pendurados no Pincel - 18/3/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dízimo a Arte de Prosperar
Edson Barros ( Pastor )
Do Autor
(2006)



Deus no pasto
Hermilio Borba Filho
Civilização Brasileira
(1972)



Nas Voragens do Pecado
Yvonne A. Pereira / Espirito Charles
FEB
(2009)



História e Cultura Africana e Afro-brasileira
Nei Lopes
Barsa Planeta
(2008)



Técnicas de Pintura e Desenho Desenho por Computador 1
Vários Autores
Ediciones Genesis
(1992)



O Homem plural
Mário Graciotti
Nova época
(1978)



O Velho Logan 6 Derrotado?
Marvel Panini Comics
Panini Comics
(2017)



Fale Espanhol No Táxi - Taxistas E Passageiros
Importado
Importado
(2021)



Direito Tributário e os Conceitos de Direito Privado
Aldo de Paula Junior e Outros
Noeses
(2010)



Helena e Iaiá Garcia
Machado de Assis
Cultrix





busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês