O Velho e Bom Complexo de Inferioridade | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
Mais Recentes
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
>>> a Presidência Afortunada de Candido Mendes pela Record (1999)
>>> Brucker ( Homem que Inventou a Administração ) de Peter F. Drucker pela Campus (2006)
>>> Estudo Dirigido de Português Segundo Grau Vol 3 de J. Milton Benemann Luís A. Cadore pela Ática (1976)
>>> Rebecca de Daphne du Maurier pela Heinemann (1992)
>>> Presente Matemática Material Complementar de Luiz Márcio Imenes e Outros pela Moderna
>>> Conquistas do Homem Vol 5 Átomos para a Paz de R. Argentière pela Samambaia
COLUNAS

Quarta-feira, 4/2/2015
O Velho e Bom Complexo de Inferioridade
Marilia Mota Silva

+ de 3300 Acessos

Se você não viu ainda, procure na rede um desses youtubes com crianças tocando violão, violino, piano com a maestria de velhos virtuoses e a alegria de quem mal saiu do berço. Um fluxo de serotonina inunda nossa mente e nos faz sorrir para a tela, embasbacados e contentes. Faz bem à saúde.

Recomendo porém doses pequenas, para não correr o risco de sofrer estranhamento, quando em contato com o mundo normal, cotidiano. Foi o que me aconteceu outro dia. Fui a um recital na escola das crianças.

O professor de música - jardim-de infância e primeiro-grau - que se dá o prestigioso título de Director of the Performing Arts, promove vários recitais ao ano, a que os pais comparecem religiosamente, pois ninguém se arrisca hoje em dia a causar qualquer dano à auto-estima do infante.

Às cinco da tarde eles, mães e pais, começam a chegar esbaforidos, ainda com pasta, laptop e roupas de trabalho. Já se encontra no salão um profissional a serviço da escola, postado diante da câmera montada no tripé, mas mesmo assim cada um procura o melhor lugar para filmar seu filho, sem perder uma nota.

Dois pianos, um ao lado do outro, sugerem performances em quatro, oito mãos! Ao lado, há cadeiras e stands com pautas, como nas orquestras. Testam-se microfones, fios, cordas. As crianças, vestidas em preto e branco para a ocasião, esperam com suas flautas, violinos, violões.

A frequência dos concertos dispensa formalidades. Após os cumprimentos, a primeira criança é chamada. Silêncio, câmeras. Do mi sol, o menino toca.E repete: do, mi, sol. De novo: do, mi, sol, e mais uma vez do, mi, sol. E finalmente! Do, mi, sol. Nem ao menos um sol mi do pra variar. Levanta-se, agradece e sai sob aplausos.

O professor chama o próximo, um piazinho de uns cinco anos. Ele toca duas notas e vai embora. Aplausos. Um pai chega aflito, atrasado, carregando um violão, enfrenta a barreira de crianças sentadas no chão, com licença, com licença, entrega o violão à filha. Ela e quatro companheiras são chamadas ao palco. Esbarrando em fios, pernas de cadeiras, elas tomam seus lugares diante do tripé onde ficariam as pautas.

O professor as envolve com um sorriso orgulhoso que me inspira confiança. Otimismo, alguém disse, é doença incurável. Enfim, elas e violões se ajeitam, o professor gira o pulso, os dedos juntos como se empunhassem uma batuta, um, dois, três e ... liga o som. Põe um CD pra tocar! As meninas, nos seus nove, dez anos, com um sorriso entre nervoso e constrangido, começam a tocar junto com a música, só com a mão direita, só o blom, blom, blom, marcando a batida. Quase no ritmo!

Duas meninas tocam Frère Jacques no violino, num arranjo original: uma delas começou a peça, a segunda esperou seis compassos e entrou, perseguindo a primeira. O resultado foi atroz! Dante criaria um nicho no primeiro círculo para ofensores desse tipo.

Na plateia, rostos resignados, nenhum sorriso, nem mesmo a troca de olhares solidários, comum nessas ocasiões.

O professor, esse sim, uma nota radiante: braços erguidos, marcando o compasso, a mão dançante, a batuta invisível. Sua filosofia, os pais conhecem e aprovam: ele quer atrair para a música todas as crianças que tiverem interesse em aprender um instrumento. Não quer que um possível preconceito - lições de música seriam elitistas - afaste alguma criança. E, principalmente, não quer que nenhuma delas sinta-se diminuída, sofra arranhões em sua auto-estima. Quem pode ser contra isso? No entanto, há um equívoco evidente, o rei está nu, todos veem, exceto o professor, ao que parece.

A fé no poder da auto-estima, como solução para todos os problemas, desde a gravidez prematura até a violência, surgiu nas últimas décadas e foi ansiosamente adotada por pais, educadores, profissionais da área.

Em 1984, a California chegou a criar uma força-tarefa de auto-estima. Tudo o que pudesse ferir o ego da criança foi extirpado. No futebol não se contavam mais os gols. Ninguém perdia. Todos ganhavam troféus. Críticas foram substituídas por elogios, mesmo imerecidos.

Em uma escola em Massachussetts, na aula de educação física as crianças pulavam corda sem a corda - para evitar vexame, caso tropeçassem.

Acreditava-se que elogio, auto-estima e desempenho subiam juntos ou caíam, na mesma medida. Quinze mil trabalhos acadêmicos foram escritos, entre 1970 e 2000, confirmando essa crença. Mas, como sabemos, a realidade ignora a teoria.

O livro Nurture Shock, de Po Bronson $ Ashley Merryman, 2009, analisa vários estudos e pesquisas sobre o assunto e propõe uma "Nova Maneira de Pensar Sobre As Crianças", como diz seu subtítulo. Alguns pontos interessantes:

- Dizer a uma criança que ela é inteligente, capaz, talentosa, que pode conseguir o que quiser, contribui para que ela tenha uma visão inflada de si mesma, mas não a torna mais capaz, não se traduz em boas notas na escola, nem em realizações profissionais. Não reduz o alcoolismo, nem problemas de interação social. E não diminui a violência. Ao contrário.

- Pessoas altamente agressivas e violentas costumam ter alto conceito de si mesmas, desbancando a teoria segundo a qual as pessoas se tornam agressivas para compensar sua baixa auto-estima.

- O elogio deve ser específico e honesto. Deve-se elogiar o esforço da criança. Se a pessoa foi bem sucedida graças a seu trabalho, isso lhe dá algum controle sobre seu sucesso. É sua ação, empenho e disciplina que lhe dão confiança e auto-estima.

- Aprender a lidar com a frustração é indispensável para o desenvolvimento da criança. Condescendência e super-proteção criam pessoas vulneráveis, incapazes de lidar com a realidade.


A geração que está hoje nos vinte, trinta anos, "geração milênio" criada sob esse mantra do apoio incondicional e reforço constante da auto-estima, é mais uma evidência de que é preciso rever esses conceitos.

O aumento do número de casos de depressão entre jovens adultos e universitários tem alarmado pais e profissionais de saúde. No trabalho, esses jovens esperam aplausos e avanço imediato na carreira, quando fazem o mínimo pelo qual estão sendo pagos. Se isso falha, sentem-se inseguros e ressentidos. Pedem as contas. Muitos voltam para a casa dos pais, incapazes de trabalhar meio-expediente, socializar e cuidar das próprias roupas.

A política do elogio e da proteção da auto-estima criou uma geração dependente, frágil e que se julga com todos os direitos. Nessas circunstâncias, já há quem fale em resgatar das masmorras do passado, o "bom e velho complexo de inferioridade". Extrapolando um pouco, seria como os que, entre nós, desejam a volta dos militares.

Sem ir a extremos, o fato é que, de graça, sem pedir contrapartida, até aplauso é deletério: desconstrói o "beneficiado", exatamente o oposto do que pretenderia o doador bem-intencionado.



Marilia Mota Silva
Washington, 4/2/2015


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2015
01. Memorial de Berlim - 23/12/2015
02. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade - 4/2/2015
03. Minha Terra Tem Palmeiras - 15/7/2015
04. Pendurados no Pincel - 18/3/2015
05. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) - 25/2/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACHO QUE QUEBREI SUA EMPRESA!
KAREN PHELAN
BENVIRÁ
(2015)
R$ 24,00



JUNTOS PARA SEMPRE
WALCYR CARRASCO
ARQUEIRO
(2013)
R$ 12,99



O BOLO, BORRA DE CAFÉ E IDENTIDADE CULTURAL NA PARAÍBA
REBECA OLIVEIRA SOUSA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



SOLE E NEBBIE
CARLO PERASSO
BARULLI
(1972)
R$ 53,52



APRENDENDO E ENSINANDO ENSINANDO E APRENDENDO
IRMÃ MARIA HELENA ARNS
CNBB
(2000)
R$ 20,00



CALLING OF AN ANGEL
DR. GARY L. GLUM
SILENT WALKER
(1988)
R$ 250,00



THE COTTAGE
DANIELLE STEEL
RANDOM HOUSE
(2002)
R$ 17,50



SAKURA CARD CAPTORS Nº 14
CLAMP
JBC DO BRASIL
(1997)
R$ 7,00



A VIDA DO BEBÊ DA GRAVIDEZ AO PARTO
DR. RINALDO LAMARE
AGIR
(2008)
R$ 6,97



CONVERSA FRANCA SOBRE SOLIDÃO
JOYCE MEYER
BELLO PUBLICACOES
(2014)
R$ 9,90





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês