Zuenir Ventura e a aventura da reportagem | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Equilibrando” oferece oficinas e apresentações gratuitas de circo
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
>>> Sexta feira, 13
>>> Que seja eterno enquanto dure
>>> The Early Years
>>> Ruy Proença: poesia em zona de confronto
>>> E a Turma da Mônica cresceu
>>> FLIP 2006 III
>>> Franz Kafka, por Louis Begley
>>> Solidariedade é ação social
>>> ¿Cómo sobrevivo?
Mais Recentes
>>> O Grande Conflito 379 de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
>>> Livro - Os Músicos de Bremen de Flavio de Souza pela Ftd (2010)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2019)
>>> Livro - A Sutil Arte de Ligar o F*da-se de Manson Mark pela Intrínseca (2017)
>>> Livro - O Texto: Leitura & Escrita de D. Coste pela Pontes (2002)
>>> O Monte Cinco 379 de Paulo Coelho pela Objetiva
>>> Inteligência Emocional- A Teoria Revolucionária Que Redefine o Que é Ser Inteligente de Daniel Goleman pela Objetiva (1995)
>>> Livro - O Menino de Calça Curta de Flavio de Souza pela Ftd (2018)
>>> Constituição da República Portuguesa Anotada - 1º Volume de J. J. Gomes Canotilho; Vital Moreira pela Coimbra (1984)
>>> Quando o passado não passa 379 de Elisa Masselli pela Vida & Consciência (2001)
>>> Livro - A Educação Física e o Esporte na Escola - Cotidiano, saberes e formação de Silvia Christina Madrid Finck pela Ibpex (2011)
>>> Livro - Caça ao tesouro de A. J. Wood pela Brinque Book (1998)
>>> Cálculo diferencial e integral 379 de Frank Ayres Jr pela Mcgraw Hill (1981)
>>> Livro - A Viagem de Virginia Woolf pela Novo Século (2008)
>>> Livro - Livro de Histórias de Georgie Adams / Outros pela Companhia das Letrinhas (1996)
>>> Livro - Tanatos no Limiar da Loucura de Andre Charak pela Geracao (1995)
>>> Greta 379 de Mônica de Castro pela Vida & Consciência (2005)
>>> Livro - Fazendo Meu Filme 2 Em Quadrinhos - Azar no Jogo, Sorte no Amor? de Paula Pimenta pela Nemo (2015)
>>> Niketche de Paulina Chiziane pela Companhia de Bolso (2021)
>>> Livro - Listas, Guapas, Limpias de Anna Pacheco pela Caballo de Troya (2019)
>>> Michaelis minidicionário Alemão Alemão Português Português Alemão 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> Política y Estado de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2009)
>>> Livro - A Cinderela das Bonecas de Ruth Rocha; Mariana Massarani pela Salamandra (2011)
>>> Michaelis minidicionário Francês Francês Português Português Francês 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental - Implantação Objetiva e Econômica de Mari Elizabete Bernardini Seiffert pela Atlas (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 30/3/2004
Zuenir Ventura e a aventura da reportagem
Fabio Silvestre Cardoso
+ de 8100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

No ano de 1989, o jornalista Zuenir Ventura foi designado pelo Jornal do Brasil para cobrir o desenlace de uma das investigações de maior repercussão nacional e internacional dos últimos anos: o assassinato do seringueiro e líder comunitário Chico Mendes, que havia morrido em dezembro de 1988, vítima de um complô de fazendeiros que faziam oposição às suas idéias. Em 1990, o jornalista voltou ao Acre para reportar aquele que seria chamado de "julgamento do século" da família (no caso, Darly Alves e Darci Alves, pai e filho) acusada de premeditar e cometer o assassinato de Chico Mendes. A reunião desses textos, além do relato da viagem feita ao local em 2003, está agora compilada no livro Chico Mendes: crime e castigo (Companhia das Letras, 241 págs.). Outro detalhe deve ser acrescentado: o livro é parte da coleção Jornalismo Literário, em que já foi publicado Hiroshima, de John Hersey, e A Sangue-Frio, de Truman Capote.

Apesar de boa parte ter sido escrita há quinze anos, as reportagens de Zuenir Ventura dão impressão de não terem envelhecido. O livro se inicia com o texto que descreve os momentos que antecedem a morte de Chico Mendes, e o parágrafo inicial lembra o início do romance Crônica de uma morte anunciada, de Gabriel Garcia Márquez, como segue: "No dia em que Chico Mendes ia morrer, dia 22 de dezembro de 1988, Ilzamar Mendes queria assistir à morte de Odette Roittman. Durante aqueles últimos oito meses, o Brasil parava às 8h30 da noite - 6h30 no Acre - para se revoltar com a megera sem escrúpulos e sem caráter que se transformara no símbolo de um país que terminava o ano com 900% de inflação, o naufrágio do Bateau Mouche e uma sensação de impunidade generalizada - um país do Vale Tudo, como sugeria o título da novela da TV Globo de que Odete era vilã."

Dessa maneira, logo no primeiro parágrafo, o leitor é trazido para dentro da história, sem recursos apelativos, como palavrões ou descrições "naturalistas", mas pela ambientação realizada pelo repórter. Nesse sentido, os exemplos e as ilustrações de Zuenir Ventura ultrapassam a narrativa jornalística cotidiana, tornando o texto passível de ser lido outras vezes. É importante frisar, aliás, que o autor conta a história utilizando os personagens centrais como condutores. Com isso, a cada perfil, o leitor tem a possibilidade de conhecer toda a história aos poucos, num ritmo envolvente e estimulante.

É assim que ele conta a história de três personagens fundamentais: Chico Mendes, o garoto Genésio e o juiz Adair Longuini. Do seringueiro, o leitor conhece a história e seus ideais, aproveitando sempre o que era contado pelos amigos e pelos desafetos - que tornar-se-iam seus assassinos. Sobre Genésio, principal testemunha do assassinato, descobre a coragem, que contrasta com o medo, ao denunciar as pessoas que ora o ameaçavam de morte. E quanto ao juiz Adair Longuini, as palavras de Zuenir Ventura não poderiam ser mais enfáticas: "Quatro dias depois de começado, o julgamento que atraíra a atenção do país e do mundo chegava ao final de maneira impecável graças a Longuini, a única unanimidade a unir acusação e defesa." Ao final deste capítulo ("Um juiz de direito"), Zuenir completa: "Depois do julgamento em Xapuri - que, talvez pela primeira vez, condenou um mandante - outra justiça precisa ser feita: um país que é capaz de juntar numa mesma história Chico Mendes, o garoto Genésio e o juiz Adair Longuini é um país que pode ter conserto."

A apuração da reportagem não fica devendo em nada ao estilo do texto. Pelo contrário. Os elementos do bom jornalismo são respeitados em todos os momentos. Isto é, o leitor não percebe, ao longo da reportagem, qualquer tipo de contaminação ideológica na obra de Zuenir Ventura. Tampouco há qualquer imprecisão nos relatos: tanto os aliados de Chico Mendes quanto os que se defendiam das acusações tiveram suas versões apresentadas nos textos. Afora isso, pelo fato de se tratar de uma reportagem de um assassinato a sangue-frio de um líder popular, existe uma tendência a crer que o texto será enviesado, privilegiando, neste caso, o perfil de um Chico Mendes imaculado. Entretanto, o livro surpreende por traçar um retrato sóbrio do seringueiro.

Exemplo disso aparece na última parte do livro, quando o repórter retorna ao Acre quinze anos depois da morte de Chico Mendes: "Com todas as pessoas que entrevistei ou com quem conversei, levantei a questão. Queria saber até que ponto permanecia viva a memória de Chico quinze anos depois de sua morte. Como nesse terreno só se pode trabalhar com impressões, a minha é que sua presença na vida e no imaginário dos acreanos não seria tão forte quanto é se ele ainda estivesse vivo. Faz bem à imagem dos heróis morrer cedo. Que o diga Che Guevara, que provavelmente acabaria como Fidel se não tivesse ido embora antes." Adiante, o autor ainda acrescenta: "Vê-lo com seus possíveis defeitos faz menos mal do que reverenciá-lo como mito. Ele não precisa ser endeusado para se descobrir que foi extraordinário líder."

Além disso, Zuenir revela as diferenças encontradas nas cidades de Rio Branco e de Xapuri depois de tantos anos. Sobre a primeira, interpreta as palavras de um cronista acreano:"Rio Branco já tem direito até a nostalgia bucólica. Há quem reclame do progresso, 'dos carrinhos de supermercado em detrimento de carregar sacolas pelo velho mercado central'. O lamento é de um cronista local: 'O acreano de hoje faz rodinha em nossos arremedos de shopping, freqüenta com prazer as pizzarias, boates e outros bunkers da moda, com a mesma desenvoltura que paulistas e cariocas trafegam por sua selva de pedra, tão contrária à nossa'". Em Xapuri, é o próprio autor que assinala as mudanças: O mais inesperado ocorreu na chegada. Antes de ir para o hotel, resolvemos dar um pulo ao centro para assistir a um anunciado comício ou festa, não sabíamos bem. Na realidade, era uma passeata. Sim, uma passeata, ou melhor, um: 'Manifesto pela paz'. Em pequena escala, parecia repetição do que eu vivera semanas antes em Copacabana". Com efeito, este último trecho do livro apresenta trechos que vão além das descrições geográficas.

No posfácio, o também jornalista Marcos Sá Correa escreve contando o "making of" da reportagem. Confirma, entre outras coisas, o que o leitor que chegar ao cabo do livro já saberá: somente um dos melhores jornalistas de nosso tempo poderia ser capaz de reportar comme il faut uma história dessa importância e com tanta profundidade, uma verdadeira aventura da reportagem.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 30/3/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. De onde vem a carne que você come? de Wellington Machado
02. Agonia de Daniel Bushatsky
03. Quinze anos conversando com os leitores de Luis Eduardo Matta
04. Recuerdos da Fliporto de Julio Daio Borges
05. A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois de Julio Daio Borges


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/4/2004
19h50min
Fábio - a qualidade do seu texto está excelente. Gosto do seue estilo. Uma curiosidade: a fazendo em que Chico Mendes nasceu, em Xapuri, era - ainda é, se não me engano - de um tio meu. Ele era lá um líder muito pouco expressivo - não conseguiu nem se eleger vereador da currutela. A importância do seu assassinato foi exgerada, por motivos discretos de jornalistas internacionais. Abração - Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Livros da Fuvest Unicamp I (veja os Titulos na Relação) Vestib
Varios
Objetivo
(2009)



Cresça e Apareça
Luiz Alberto Alves dos Santos
Semente
(1996)



Coleção Frajola e Piu-piu - a Maldição do Nilo. Looney Tunes
Sid Jacobson
Babel
(2011)



Moderna Plus Literatura Tempos, Leitores e Leituras Unico Aluno
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Primeiro Mataram Meu Pai / 1ª Ed - Condira !!!
Loung Ung
Harper Collins
(2017)



The "early Times" Book of Unsolved Mysteries
Keith Brumpton(illustrator)
Puffin Books
(1993)



Abc de Castro Alves
Jorge Amado
Martins



Mangá Blade 26
Hiroaki Samura
Conrad
(2004)



Asas Brancas
Carlos Queiroz Telles
Moderna
(1997)



A Linguagem do Bebê
Lynne Murray e Liz Andrews
Publifolha
(2004)





busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês