Onde os fracos têm vez | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
>>> Meu Destino é Pecar de Suzana Flag (Nelson Rodrigues) pela Ediouro
>>> Guerra Dentro do Beco de Jorge de Lima pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Avalovara de Osman Lins pela Melhoramentos (1975)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/4/2008
Onde os fracos têm vez
Luiz Rebinski Junior

+ de 2600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ao refletir sobre o fazer literário em O escritor e seus fantasmas, o argentino Ernesto Sabato diz que "a literatura não é um passatempo nem uma evasão, mas uma maneira ― talvez a mais completa e profunda ― de examinar a condição humana". Seja em maior ou menor grau, todo escritor está sempre questionando os valores que aparentemente dão sentido à vida e tentando entender o absurdo da existência.

Na seleta lista de escritores que dedicaram a vida a entender a complexidade humana, com certeza Samuel Beckett (1906-1989) é um nome de destaque. Conhecido por sua obra teatral, principalmente pelo clássico Esperando Godot, Beckett acaba de ganhar uma nova e caprichada edição de seu romance Molloy (Editora Globo, 2008, 264 págs). O livro faz parte da chamada "trilogia do pós-guerra", que inclui ainda Malone Morre e O Inominável, e traz o mesmo pessimismo sombrio de seus escritos dramáticos.

Publicado em 1951 ― um ano antes de Esperando Godot, peça que ofuscaria sua produção romanesca ―, Molloy vai fundo na idéia de que a linguagem é incapaz de dar conta da realidade. Tal conceito permeará toda a obra de Beckett e se tornará uma espécie de marca de sua literatura, seja no romance ou no teatro. A essa anti-linguagem, cheia de cortes abruptos, parágrafos intermináveis e elipses, Beckett adiciona personagens desgraçados, sem destino e que vagam em torno de suas próprias elucubrações e sonhos.

A incerteza crônica que arrebata os personagens sustentará a negação de uma linguagem real e minimamente linear, o que fica logo evidente no primeiro parágrafo do livro, quando Molloy, o narrador-personagem, encontra-se na cama de sua mãe, mas não sabe exatamente como e quando chegou ali ― o mote inicial remete de imediato ao outro título da trilogia, Malone Morre, também publicado em 1951, em que o personagem principal, um velho decrépito da mesma linhagem de Molloy, agoniza em uma cama entre pensamentos oníricos e devaneios.

"Estou no quarto de minha mãe. Sou eu que moro lá agora. Não sei como cheguei lá. Numa ambulância talvez, num veículo qualquer certamente. Me ajudaram. Sozinho não teria chegado. Esse homem que vem toda semana, é talvez graças a ele que estou aqui. Ele diz que não."

Esse é o ponto de partida para que, em uma narrativa desconexa e cheia de idas e vindas, Molloy tente entender a sua própria condição. No romance não há definição de tempo/espaço: Molloy está enfermo no quarto de sua mãe, em seguida vaga com sua bicicleta, é preso, desacata uma assistente social que tenta lhe amparar e manca sem destino com suas inseparáveis muletas.

Os cortes narrativos são abruptos e inesperados, mas atuam, sempre, como parte da anti-linguagem empreendida por Beckett. As pequenas histórias que entrecortam a narrativa desaparecem com a mesma facilidade que começam a serem contadas. Dono de uma prosa incomum, cheia de ruídos, Beckett aparentemente é um escritor hermético e sombrio, o que em grande parte é verdadeiro. Mas é também um autor atraente, que convida o leitor a fazer parte dos delírios de seus personagens, mais ou menos como Cortázar faz em seus contos.

Ler Beckett é, antes de tudo, fazer escolhas: pode-se desistir da narrativa dura e tortuosa aos primeiros percalços ou abraçá-la, entrando de cabeça no espiral de acontecimentos que os monólogos "beckettianos" sugerem. A quem decidir encarar o texto há uma recompensa intelectual imensurável que, assim como na narrativa de Beckett, a linguagem pura e simples não dá conta de explicar.

Assim como em Esperando Godot, em que dois homens esperam (sem saber o porquê) pelo personagem do título da peça, em Molloy o caráter enigmático do texto também atrai. E a segunda parte do livro aguça ainda mais a dúvida do leitor. Narrado agora por um homem chamado Moran, que tem a incumbência de achar e vigiar Molloy, o livro adquire um tom bem mais ameno do ponto de vista da linearidade dos fatos. Mas é algo que não perdura. Logo a narrativa ganha contornos inusitados e o aparentemente sóbrio Moran perde-se na tentativa de encontrar (ainda que não saiba como) Molloy.

Em um dos trechos da segunda seção, ao descrever um visitante que chega a seu acampamento, Moran diz: "Vou ser obrigado a descrevê-lo sucintamente, embora isso seja contra os meus princípios". Aí não é Moran quem fala, mas sim um Beckett satírico que desdenha as formas de linguagem tradicionais.

As duas partes do livro, aparentemente sem muita conexão lógica, deram margem para que surgissem várias hipóteses sobre a relação entre Molloy e Moran. No entanto, no ótimo prefácio que acompanha a edição, a tradutora Ana Helena Souza, citando Wolfgang Iser, adverte que "querer que citações mais ou menos claras de Homero e Dante, Descartes e seu discípulo belga Geulincx, entre outros, possam indicar um caminho único ou privilegiado para a leitura do livro, é incorrer em erro equivalente ao de querer ver em Moran e Molloy o mesmo personagem".

Assim como Kafka, um judeu nascido na República Tcheca que escrevia em alemão, Beckett foi um homem sem lugar no mundo. Irlandês, escreveu seus primeiros trabalhos em inglês para depois adotar o francês como língua preferencial. Como a literatura de Franz Kafka, os escritos de Beckett estão impregnados por esse sentimento de estranheza. Escritor inserido no contexto do pós-guerra, Beckett fala sobre um mundo destroçado, em que não há mais ilusões e onde a arte talvez seja o único caminho a trilhar em meio ao caos e a escuridão. Daí Beckett ser uma fonte inesgotável de personagens solitários, imersos em crises que arrebatam a alma e o corpo. Beckett não é importante por ser um escritor que "escreve bem" ― pelo menos não no sentido mais raso que a expressão pode sugerir. O que atrai em Beckett é a incomunicabilidade de seus diálogos, a angústia de seus personagens e o niilismo crônico que, por mais contraditório que pareça, sugere um fio de esperança ao leitor. Molloy revela um pouco de tudo o que Beckett escreveu, um escritor polifônico que trafegou pelo romance, teatro, ensaio, poesia e até pela improvável televisão.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 3/4/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pandemia de Albert Camus de Wellington Machado
02. Elis vive de Fabio Gomes
03. Um livro canibal de Carla Ceres
04. Senhora Victor de Guilherme Pontes Coelho
05. Realeza de Daniel Bushatsky


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/4/2008
12h14min
Magnífica a sua descrição. Parabéns! Quando observamos a frase dita por Ernesto Sabato ("a literatura não é um passatempo nem uma evasão, mas uma maneira - talvez a mais completa e profunda - de examinar a condição humana"), ele está totalmente certo; e cabe lembrar que a contribuição da mulher, e também das minorias, para a literatura já pode ser observada. Escrever sobre uma coisa é mais fácil do que aplicá-la, e a aplicação de um princípio literário é particularmente difícil quando o corpo da literatura está constante e rapidamente engrandecendo.
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MORTE É CONTAGIOSA
CHARLIE HIGSON
RECORD
(2007)
R$ 25,28



MATEMATICA PROJETO MULTIPLO VOLUME 2 BOX COMPLETO
LUIZ ROBERTO DANTE
ATICA
(2014)
R$ 99,90



A GUERRA CONJUGAL
DALTON TREVISAN
RECORD
(1979)
R$ 10,00



DANÇANDO NA LUZ
SHIRLEY MACLAINE
RECORD
R$ 6,00



NO BALANCÊ DO ABECÊ
ELIAS JOS
PAULUS
(1996)
R$ 7,00



APRENDIZES COM AUSTISMO: APRENDIZAGEM POR EIXOS DE INTERESSE ...
SILVIA ESTER ORR
VOZES
(2016)
R$ 49,95



A VERDADE POR TRÁS DO GOOGLE
ALEJANDRO SUÁREZ SÁNCHEZ OCAÑA
PLANETA
(2013)
R$ 26,00



INTERVENTION
ROBIN COOK
BERKLEY NOVEL
R$ 49,16



AMAR PODE DAR CERTO - 48ª EDIÇÃO
ROBERTO T. SHINYASHIKI /ELIANA BITTENCOURT DUMET
GENTE
(1988)
R$ 6,00



MANUAL GLOBO DO AUTOMÓVEL : FUNILARIA E PINTURA
GLOBO
GLOBO
(1988)
R$ 7,90





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês