A Marcha da Família: hoje e em 1964 | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A escola está acabando
>>> Co-opting creative revolution
>>> Gigantes de Tecnologia na Bolsa dos EUA
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Quem é o abutre
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O computador de antigamente
>>> Privacidade
>>> A nova Casa da MPB em São Paulo
>>> Carnaval só ano que vem, da Orquestra Imperial
Mais Recentes
>>> Revista hot--36--frances sarado. de Sisal pela Sisal
>>> Revista hot--22--picape corsa--opala x opala. de Sisal pela Sisal
>>> Revista carstereo tuning--70--maremoto de Crazy turkey pela Crazy turkey
>>> Carros antigos--02--40 modelos de Escala pela Escala
>>> Revista opala & cia--10--ss caravan--discreto street rod. de On line pela On line
>>> Revista transporte mundial--6--catalogo de onibus e microonibus 2005 de Motor press brasil pela Motor press brasil (2005)
>>> Office 2007 Excel 2007 Básico de Gilberto Carniatto dos Santos pela Senac (2008)
>>> Info Profissional EXCEL de Vários pela Abril (2021)
>>> Venda Mais Nº79 - 2000 GAY de Vários pela Quantum (2000)
>>> Você s/a Exame. As melhores empresas para você trabalhar (edição de 15 anos) de Vários pela Abril (2011)
>>> Nova escola Nº271/2014 (avaliação processual) de Vários pela Abril (2014)
>>> Carta Fundamental Nº44 Era uma vez de Vários pela Carta capital (2013)
>>> Brasil Almanaque Cultura Popular. (edição de aniversário) Nº144 de Vários pela Andreato (2011)
>>> Não se apega, não de Isabela Freitas pela Intrínseca (2015)
>>> Não se apega, não de Isabela Freitas pela Intrínseca (2015)
>>> Pro Teste nº31/nov/2004 - nº34/Mar/2005 - nº22/Fev/2004 de Vários pela Proteste (2004)
>>> Pro Teste Nº129/2013 (Sabões em pó e líquido) de Vários pela Proteste (2013)
>>> Em busca do tempo perdido Vol 3. Dic Porto Fr-Pt-Pt-Fr c/ CD. O Escafandro e a Borboleta de Marcel Proust / Porto / Jean-Dominique Bauby pela Globo
>>> Pro Teste nº67/2008 - nº48/2006 de Vários pela Proteste (2008)
>>> Pro Teste nº122/mar/2013 - nº49/Jul/2006 de Vários pela Proteste (2013)
>>> Pro Teste nº127 - nº123 de Vários pela Proteste (2013)
>>> Password English Dictionary For Speakers of Portuguese de Martins Fontes pela Martins Fontes (1998)
>>> Vidas Secas de Graciliano Ramos pela Record
>>> New Framework 4a de Richmond pela Richmond
>>> New Framework Student Book 2A de Rich pela Richmond
COLUNAS

Quarta-feira, 2/4/2014
A Marcha da Família: hoje e em 1964
Humberto Pereira da Silva

+ de 2900 Acessos

Foto de página do Facebook "Eu nasci para ser polícia"

1.
Em 19 de março de 1964, a União Cívica Feminina, um grupo de mulheres ligadas a empresários paulistas, esteve à frente da "Marcha da Família Com Deus pela Liberdade". A caminhada de protesto pelas ruas de São Paulo foi convocada como resposta ao comício do presidente João Goulart, de 13 de março no Rio de Janeiro, no qual Jango defendeu um amplo programa de reformas de base - o que mais inflava os ânimos era o movimento pela reforma agrária, reivindicação das Ligas Camponesas. Para os organizadores da marcha de 64, o governo Goulart era uma ameaça comunista; na sequência dos eventos, respaldados por manifestações como a que ocorreu nas ruas paulistas, os militares destituíram o governo de Jango em 31 de março.

Num clima marcado pela lembrança dos 50 anos do golpe de 64, no último 22 de março foi convocada pelo Facebook uma nova "Marcha da Família" por segmentos descontentes com a condução da política atual. Organizada e realizada novamente em São Paulo, a marcha atual percorreu o mesmo trajeto da de 64: da Praça da República até a Praça da Sé. Como em 1964, os manifestantes de agora pedem uma intervenção militar para retirar do poder "políticos corruptos, moralizar os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, promover valores morais e convocar novas eleições". A palavra de ordem dos que aderiram ao chamado e percorreram as ruas de São Paulo no último 22 de março foi: "Fora PT! Não queremos eleição, queremos intervenção militar".

2.
Conquanto cálculo de presentes em manifestações seja obra de ficção, a "Marcha da Família" em 64 teria reunido 500 mil pessoas, já a atual, num balanço otimista para os organizadores, quatro mil. Obra de ficção ou não, para os cálculos mais otimistas, uma desproporção enorme; tanto mais se se comparar com o crescimento populacional de São Paulo nesses cinquenta anos. A se considerar, ainda, que convocada pelo Facebook, quase sete mil pessoas haviam sido convidadas. A comparação de dados apontaria para um fiasco na manifestação recente; mesmo com o poder das redes sociais, uma manifestação esvaziada, um punhado de gente se expondo de maneira patética, com gritos de palavras de ordem sem eco. Assim se manifestaram - também por recorrência ao Facebook - muitos que veem os anos de ditadura militar como uma nuvem em nossa história. Não obstante, é ingenuidade concluir que a mera quantidade implica em fiasco, que afetaria o moral de meia dúzia de gatos pingados que saiu às ruas para pedir a volta da ditadura, quando se tem em vista seus potenciais efeitos.

3.
"A história acontece pela primeira vez como tragédia, já a segunda como farsa"; esse enunciado bem conhecido de Karl Marx, publicado em "O 18 Brumário de Luis Bonaparte" (1852), refere-se ao golpe de Estado que Luis Bonaparte deu em 2 de dezembro de 1851, exatamente 47 anos depois da coroação de seu tio, Napoleão Bonaparte, como imperador da França. Anos antes de se tornar imperador, Napoleão havia dado um golpe de Estado em 1799. No calendário que havia sido adotado após a revolução de 1789, a data corresponde ao dia 18 do mês de brumário. Ao chamar a obra de "O 18 Brumário de Luis Bonaparte", Marx indica que o golpe dado por Luis Bonaparte, Napoleão III, era apenas uma cópia do que fora dado pelo seu tio. Ao evocar Marx aqui, e sabermos dos rumos do golpe de Napoleão III, inegável notar a ironia na "Marcha da Família" cinquenta anos depois.

4.
Muitos foram pegos de surpresa com as manifestações de junho do ano passado. Avaliar o teor dos acontecimentos no calor da hora foi uma aposta sem qualquer garantia de êxito. Hoje, no entanto, inegável ponderar que as manifestações do ano passado estão na origem de eventos como esse de 22 de março último. Inegável ponderar, igualmente, sobre as eleições marcadas para o final do ano. Sem que houvesse propriamente violência ou confrontos explícitos, as eleições de 1989 - que opôs no segundo turno Fernando Collor e Lula - foram marcadas por clima tenso, declarações paranoicas (Mario Amato, então presidente da Fiesp, disse que se Lula fosse eleito 500 mil empresários deixariam o país), manipulação de informações por meio de discursos ameaçadores, com acento na destilação de medo coletivo. Desde então, as eleições no Brasil transcorreram com tranquilidade, dentro das regras do jogo, com os candidatos à presidência, principalmente, se movendo nos limites retóricos de uma eleição. Assim, se há um sinal a ser efetivamente extraído da malfadada "Marcha da Família" é que com ela um potencial incomensurável de que as eleições deste ano se realizem sob um clima tenso, com manipulação de informações e paranoias golpistas. O malogro traz um quê de bomba de efeito retardado. De qualquer forma, o rumo dos acontecimentos dirá se tudo não passou de uma risível caminhada de alucinados.

5.
A chegada do PT ao poder em 2002, com a eleição de Lula - assim como as derrotas dos candidatos do PSDB nas eleições seguintes -, exibiu a sensação de fragilidade da oposição. Sem oposição efetiva, o PT alçou ao poder no plano institucional e nada indica que este esteja ameaçado nas eleições de final de ano. De fato, no momento não há candidato que possa fazer frente à eleição de Dilma Rousseff. O que, em condições normais, implica mais quatro anos do PT no poder.

A ineficácia da oposição, contudo, não corresponde à inexistência de insatisfação. Na maneira como esta é canalizada, entra em cena a "Marcha da Família". Em si mesma, seu poder de contágio, agora, é pequeno; desprezá-la completamente, no entanto, é engano. Mais que isso, a "Marcha da Família" é o sinal - pela primeira vez desde a redemocratização - que expressa em público a intenção de saída política para o Brasil pela via da intervenção militar. Por mais folclórico que tenha sido o evento, não se pode esconder que a insatisfação atual levou pessoas à rua para pedir a volta da ditadura.

6.
Um dado que suponho vá ter peso sem igual na eleição presidencial deste ano diz respeito ao papel das redes sociais, mais especificamente do Facebook. A facilidade com que este meio dispõe para manipular informações é desmedida. A cada momento são formados grupos e mais grupos que destilam ódio contra o petismo, com informações não comprovadas que se propagam a velocidade estonteante sobre membros do partido, ações do governo e relações com o poder Judiciário.

Assim, no julgamento deste início de ano o "PT" teria "comprado" novos integrantes que foram indicados para o Supremo Tribunal Federal, a fim de que, no escândalo do mensalão, votassem pela absolvição de formação de quadrilha dos acusados. Assim, malgrado a negação oficial da revista Forbes, circulou que Lula seria detentor de uma fortuna que o colocaria entre os mais ricos do Brasil (fortuna, por suposto, obtida ilegalmente e reconhecida pela Forbes...; vale dizer: onde reside a legitimidade?). São acusações graves por que inseridas num contexto de paranoia, que vitaminam sentimentos de ódio antipetistas fechados para o contraditório.

Fazer circular informações dessa natureza dá o tom de como, do ponto de vista institucional, será difícil lidar com a situação. O caso é que se evidência, de modo sorrateiro, mas com potencial explosivo, uma fratura social com uma intestina guerra de propaganda ideológica. Muitos insatisfeitos com o petismo e a possibilidade de mais quatro anos de Dilma no poder manifestaram que não estão dispostos a aceitar as regras do jogo democrático, e pelo que se viu na marcha fariam uso de todos os meios e armas para que isso não ocorra.

7.
A "Marcha da Família" hoje foi um retumbante fiasco; não creio haver dúvida sobre isso; mas há no ar um clima de histeria que se propaga pelas redes sociais. E não se deve desprezar que a infausta "Marcha da Família" esteja protegida dentro de um ovo; vale dizer: o ovo de uma serpente em formação. Novamente a história nos ensina a respeito: vide o fascismo e suas consequências. Ou os incautos manifestantes da "Marcha da Família" recente creem controlar o desencadear dos acontecimentos num clima de histeria e "purificar" o país? Certo, certo, a "vida na época de ditadura era melhor"; sim, sim, tão boa que golpistas de linha de frente, como Carlos Lacerda, à época governador da Guanabara, foram cassados pela ditadura. Esse dado, que não deve tocar a sensibilidade dos histéricos golpistas de hoje, serve tão somente para lembrar, com os 50 anos de 64, que a História é traiçoeira.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 2/4/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Treliças bem trançadas de Ana Elisa Ribeiro
02. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto de Jardel Dias Cavalcanti
03. Três filmes sobre juventude no novo século de Guilherme Carvalhal
04. Dooois ou um? de Adriane Pasa
05. Guimarães Rosa e as aulas do professor Aguinaldo de Daniela Castilho


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Problemas Filosóficos de La Matematica Moderna
Bernard Haussman
Nuevos Esquemas
(1968)
R$ 35,82



Turma da Mônica Coleção Histórica Mônica Nº 38
Maurício de Souza
Panini Comics
(2013)
R$ 12,00



As Origens da Família de Jesus
João Baptista do Valle
João Baptista do Valle
(2005)
R$ 30,00



A Divina Melodia
Bhagwan Shree Rajneesh
Cultrix
(1993)
R$ 48,00



As Pupilas do Senhor Reitor - Tomo 1
Júlio Diniz
Minha
R$ 5,00



Emílio ou Da Educação
J.J.Rousseau
Martins Fontes
(2004)
R$ 65,00



Esquinas Da Vida
Dionisio Rulli Soares
Best Seller
(1990)
R$ 13,00



Projeto Delicatta IV Poesia
Varios Autores
Delicatta
(2011)
R$ 9,30



O Dinossauro Que Fazia Au-au
Pedro Bandeira; Com Suplemento
Moderna
(1994)
R$ 20,00



Praia de Manhattan
Jennifer Egan
Intrínseca
(2018)
R$ 35,00





busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês