A Marcha da Família: hoje e em 1964 | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Talvez...
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Mais Recentes
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Fotoleitura de Paul R. Scheele pela Summus (1995)
>>> O Rosto Materno de Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (2012)
>>> História Resumida da Civilização Clássica - Grécia/Roma de Michael Grant pela Jorge Zahar (1994)
>>> Cães de Guerra de Frederick Forsyth pela Record (1974)
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/4/2014
A Marcha da Família: hoje e em 1964
Humberto Pereira da Silva

+ de 2700 Acessos

Foto de página do Facebook "Eu nasci para ser polícia"

1.
Em 19 de março de 1964, a União Cívica Feminina, um grupo de mulheres ligadas a empresários paulistas, esteve à frente da "Marcha da Família Com Deus pela Liberdade". A caminhada de protesto pelas ruas de São Paulo foi convocada como resposta ao comício do presidente João Goulart, de 13 de março no Rio de Janeiro, no qual Jango defendeu um amplo programa de reformas de base - o que mais inflava os ânimos era o movimento pela reforma agrária, reivindicação das Ligas Camponesas. Para os organizadores da marcha de 64, o governo Goulart era uma ameaça comunista; na sequência dos eventos, respaldados por manifestações como a que ocorreu nas ruas paulistas, os militares destituíram o governo de Jango em 31 de março.

Num clima marcado pela lembrança dos 50 anos do golpe de 64, no último 22 de março foi convocada pelo Facebook uma nova "Marcha da Família" por segmentos descontentes com a condução da política atual. Organizada e realizada novamente em São Paulo, a marcha atual percorreu o mesmo trajeto da de 64: da Praça da República até a Praça da Sé. Como em 1964, os manifestantes de agora pedem uma intervenção militar para retirar do poder "políticos corruptos, moralizar os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, promover valores morais e convocar novas eleições". A palavra de ordem dos que aderiram ao chamado e percorreram as ruas de São Paulo no último 22 de março foi: "Fora PT! Não queremos eleição, queremos intervenção militar".

2.
Conquanto cálculo de presentes em manifestações seja obra de ficção, a "Marcha da Família" em 64 teria reunido 500 mil pessoas, já a atual, num balanço otimista para os organizadores, quatro mil. Obra de ficção ou não, para os cálculos mais otimistas, uma desproporção enorme; tanto mais se se comparar com o crescimento populacional de São Paulo nesses cinquenta anos. A se considerar, ainda, que convocada pelo Facebook, quase sete mil pessoas haviam sido convidadas. A comparação de dados apontaria para um fiasco na manifestação recente; mesmo com o poder das redes sociais, uma manifestação esvaziada, um punhado de gente se expondo de maneira patética, com gritos de palavras de ordem sem eco. Assim se manifestaram - também por recorrência ao Facebook - muitos que veem os anos de ditadura militar como uma nuvem em nossa história. Não obstante, é ingenuidade concluir que a mera quantidade implica em fiasco, que afetaria o moral de meia dúzia de gatos pingados que saiu às ruas para pedir a volta da ditadura, quando se tem em vista seus potenciais efeitos.

3.
"A história acontece pela primeira vez como tragédia, já a segunda como farsa"; esse enunciado bem conhecido de Karl Marx, publicado em "O 18 Brumário de Luis Bonaparte" (1852), refere-se ao golpe de Estado que Luis Bonaparte deu em 2 de dezembro de 1851, exatamente 47 anos depois da coroação de seu tio, Napoleão Bonaparte, como imperador da França. Anos antes de se tornar imperador, Napoleão havia dado um golpe de Estado em 1799. No calendário que havia sido adotado após a revolução de 1789, a data corresponde ao dia 18 do mês de brumário. Ao chamar a obra de "O 18 Brumário de Luis Bonaparte", Marx indica que o golpe dado por Luis Bonaparte, Napoleão III, era apenas uma cópia do que fora dado pelo seu tio. Ao evocar Marx aqui, e sabermos dos rumos do golpe de Napoleão III, inegável notar a ironia na "Marcha da Família" cinquenta anos depois.

4.
Muitos foram pegos de surpresa com as manifestações de junho do ano passado. Avaliar o teor dos acontecimentos no calor da hora foi uma aposta sem qualquer garantia de êxito. Hoje, no entanto, inegável ponderar que as manifestações do ano passado estão na origem de eventos como esse de 22 de março último. Inegável ponderar, igualmente, sobre as eleições marcadas para o final do ano. Sem que houvesse propriamente violência ou confrontos explícitos, as eleições de 1989 - que opôs no segundo turno Fernando Collor e Lula - foram marcadas por clima tenso, declarações paranoicas (Mario Amato, então presidente da Fiesp, disse que se Lula fosse eleito 500 mil empresários deixariam o país), manipulação de informações por meio de discursos ameaçadores, com acento na destilação de medo coletivo. Desde então, as eleições no Brasil transcorreram com tranquilidade, dentro das regras do jogo, com os candidatos à presidência, principalmente, se movendo nos limites retóricos de uma eleição. Assim, se há um sinal a ser efetivamente extraído da malfadada "Marcha da Família" é que com ela um potencial incomensurável de que as eleições deste ano se realizem sob um clima tenso, com manipulação de informações e paranoias golpistas. O malogro traz um quê de bomba de efeito retardado. De qualquer forma, o rumo dos acontecimentos dirá se tudo não passou de uma risível caminhada de alucinados.

5.
A chegada do PT ao poder em 2002, com a eleição de Lula - assim como as derrotas dos candidatos do PSDB nas eleições seguintes -, exibiu a sensação de fragilidade da oposição. Sem oposição efetiva, o PT alçou ao poder no plano institucional e nada indica que este esteja ameaçado nas eleições de final de ano. De fato, no momento não há candidato que possa fazer frente à eleição de Dilma Rousseff. O que, em condições normais, implica mais quatro anos do PT no poder.

A ineficácia da oposição, contudo, não corresponde à inexistência de insatisfação. Na maneira como esta é canalizada, entra em cena a "Marcha da Família". Em si mesma, seu poder de contágio, agora, é pequeno; desprezá-la completamente, no entanto, é engano. Mais que isso, a "Marcha da Família" é o sinal - pela primeira vez desde a redemocratização - que expressa em público a intenção de saída política para o Brasil pela via da intervenção militar. Por mais folclórico que tenha sido o evento, não se pode esconder que a insatisfação atual levou pessoas à rua para pedir a volta da ditadura.

6.
Um dado que suponho vá ter peso sem igual na eleição presidencial deste ano diz respeito ao papel das redes sociais, mais especificamente do Facebook. A facilidade com que este meio dispõe para manipular informações é desmedida. A cada momento são formados grupos e mais grupos que destilam ódio contra o petismo, com informações não comprovadas que se propagam a velocidade estonteante sobre membros do partido, ações do governo e relações com o poder Judiciário.

Assim, no julgamento deste início de ano o "PT" teria "comprado" novos integrantes que foram indicados para o Supremo Tribunal Federal, a fim de que, no escândalo do mensalão, votassem pela absolvição de formação de quadrilha dos acusados. Assim, malgrado a negação oficial da revista Forbes, circulou que Lula seria detentor de uma fortuna que o colocaria entre os mais ricos do Brasil (fortuna, por suposto, obtida ilegalmente e reconhecida pela Forbes...; vale dizer: onde reside a legitimidade?). São acusações graves por que inseridas num contexto de paranoia, que vitaminam sentimentos de ódio antipetistas fechados para o contraditório.

Fazer circular informações dessa natureza dá o tom de como, do ponto de vista institucional, será difícil lidar com a situação. O caso é que se evidência, de modo sorrateiro, mas com potencial explosivo, uma fratura social com uma intestina guerra de propaganda ideológica. Muitos insatisfeitos com o petismo e a possibilidade de mais quatro anos de Dilma no poder manifestaram que não estão dispostos a aceitar as regras do jogo democrático, e pelo que se viu na marcha fariam uso de todos os meios e armas para que isso não ocorra.

7.
A "Marcha da Família" hoje foi um retumbante fiasco; não creio haver dúvida sobre isso; mas há no ar um clima de histeria que se propaga pelas redes sociais. E não se deve desprezar que a infausta "Marcha da Família" esteja protegida dentro de um ovo; vale dizer: o ovo de uma serpente em formação. Novamente a história nos ensina a respeito: vide o fascismo e suas consequências. Ou os incautos manifestantes da "Marcha da Família" recente creem controlar o desencadear dos acontecimentos num clima de histeria e "purificar" o país? Certo, certo, a "vida na época de ditadura era melhor"; sim, sim, tão boa que golpistas de linha de frente, como Carlos Lacerda, à época governador da Guanabara, foram cassados pela ditadura. Esse dado, que não deve tocar a sensibilidade dos histéricos golpistas de hoje, serve tão somente para lembrar, com os 50 anos de 64, que a História é traiçoeira.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 2/4/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020) de Renato Alessandro dos Santos
02. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
03. Treliças bem trançadas de Ana Elisa Ribeiro
04. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
05. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MATEMÁTICA FINANCEIRA
JOSÉ DUTRA VIEIRA SOBRINHO
ATLAS
(1982)
R$ 5,50



OS 500
MATTHEW QUIRK
PARALELA
(2013)
R$ 22,00



AIRBRUSHING FOR FINE & COMMERCIAL ARTISTS
ROBERT PASACHAL
VRN
(1982)
R$ 30,00



DEUS: TESE, ANTÍTESE, SÍNTESE
PAULO RESENDE
SAGA
(1969)
R$ 25,82



INVOCAÇÃO - TRILOGIA DARKEST POWERS
KELLEY ARMSTRONG
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 10,00



CONFISSÕES DE UM COMEDOR DE ÓPIO
THOMAS DE QUINCEY
L&PM POCKET
(2002)
R$ 12,00



COMENTÁRIOS AO NOVO CÓDIGO CIVIL - VOL. XIV ART. 966 A 1195
ARNOLDO WALD
FORENSE
(2005)
R$ 200,00



SEGMENTAÇÃO OPÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O MERCADO BRASILEIRO
RAIMAR RICHERS / CECÍLIA PIMENTA LIMA
NOBEL
(1991)
R$ 13,00



UM MILHÃO N°39 BATMAN PLANETA PRISÃO!
DC COMICS
ABRIL 50 ANOS
R$ 20,00



O OUTRO DESAFIO
JULIO LOBOS
DO AUTOR
(1987)
R$ 27,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês