Quando a poesia me surpreende com seus chás | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Conversando no Bar
>>> Lula e a imprensa
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> O tempo de Paulinho da Viola
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
Mais Recentes
>>> Infográficos das Copas de Gustavo Longhi de Carvalho e Rodolfo Rodrigues pela Panda Books (2014)
>>> Encyclopedia Britannica World Atlas de G. Donald Hudson pela Unabridged (1960)
>>> Grandes Personagens da Nossa História vol. 11 de Victor Civita pela Abril Cultural (1971)
>>> Grandes Personagens da Nossa História vol. 4 de Victor Civita pela Abril Cultural (1970)
>>> Grandes Personagens da Nossa História vol. 1 de Victor Civita pela Abril Cultural (1969)
>>> Geografia Ilustrada Brasil de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> Geografia Ilustrada Brasil de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> Geografia Ilustrada Volume 11 de Abril pela Abril Cultural (1971)
>>> Geografia Ilustrada Brasil de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> The Earth and Man de Julian Huxley pela Rand Mcnally (1978)
>>> Mapas Históricos Brasileiros de Grandes Personagens de Nossa História pela Abril Cultural (1973)
>>> Geografia Ilustrada Brasil Volume 1 de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> Geografia Ilustrada Brasil Volume 1 de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> Geografia Ilustrada Volume 3 de Abril pela Abril Cultural (1972)
>>> Hammond´s World Atlas and gazetteer de Caleb D. Hammond pela C. s. Hammond & Co., Nem York (1951)
>>> Cidade Signos de um Novo Tempo a São Paulo de Ramos de Azevedo de Maria Aparecida Toschi Lomonacoq pela 5 (1975)
>>> Grandes Personagens da Nossa História - Cronologia de Jurandir dos Santos pela Jurandir dos Santos (1970)
>>> The maritime gallery at mystic seaport de Vários Autores pela Modern Marine Master (2000)
>>> Thesouro da Juventude - Vol. 14 de Vários Autores pela W. M. Jackson
>>> O Eterno Verão do Reggae de Carlos Albuquerque pela 34 (1997)
>>> Palácio da Justiça - São Paulo de José Renato Nalini pela Assessoria de Comunicação (1989)
>>> Umc - Omec - Universidade de Mogi das Cruzes de Regina Coeli Bezerra de Melo Nassri pela Lís (2002)
>>> Daee - uma Autarquia Em Desenvolvimento. de Secretaria de Obras e do Meio Ambiente pela Secretaria de Obras e do Meio Ambiente (1982)
>>> Fernando de Noronha de Giovanni Urizio pela Banco Sudameris Brasil (1995)
>>> Resgate Cultural - Estrada Real de Sebrae Minas Geraes pela Sebrae/ Mg (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/6/2004
Quando a poesia me surpreende com seus chás
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A despeito dos prolixos de plantão e dos enfezadinhos 24 horas, de vez em quando tenho a prova de que a poesia sustenta, por séculos e ainda, seu poder encantatório.

Confesso uma enorme preguiça de recontar aquela velha história de que as tradições orais "transmitiam" histórias em verso, de preferência imensas narrativas, porque essa forma (audível) era mais fácil de memorizar e de retransmitir e de encantar, no sentido mais mágico do termo. Não se tratava apenas de deixar uma platéia atônita com o ritmo e a sonoridade da "canção", mas também de deixá-la sem ação ou catártica, quase o que hoje seria terapêutica.

Se pensarmos bem, essa modalidade de "poesia" falada, completamente oralizada, não podia, ainda, ser chamada de "verso", simplesmente porque ainda não era escrita e não tinha formato que se pudesse enxergar. Então que fique claro que o ritmo e o som (inclua-se aí a rima) serviam como fórmulas, que eram passadas de geração a geração, sem perder a forma.

E mesmo com o advento da escrita, e da escrita alfabética, a poesia continuou plena. Registrada pelas mãos dos "taquígrafos" e escribas, deixava-se ver e era guardada como documento, às vezes testemunha do nascimento e da metamorfose de alguma língua, como acontece com os cancioneiros europeus, que armazenam tesouros como as cantigas de amigo e de amor, a Cantiga da Ribeirinha, primeiro documento em língua portuguesa (ao menos para alguns filólogos, mas há controvérsias), datado de 1189 e que muito me deixa admirada de sua sonoridade.

Essa poesia toda, que depois ganhou formas e cálculos, e os perdeu, e tiranizou a liberdade e depois tornou-se quase forma pura, para então transformar-se em poética de verso livre... Essa poesia continua, mesmo num mundo grafocêntrico e celulósico, mundo do equipamento eletrônico e do texto digital, dos gêneros emergentes e do usuário letrado... essa poesia continua dona de seu cetro, ex-rainha e ainda majestade.

É assim que ela adentra uma sala de aula na boca duns poetas mineiros e à medida que eles vão declamando, passam a recitar, e então emanam e os alunos, adultos atarefados e afobados, param de surtar, param de ser hipertensos, param de se atropelar e escutam a poesia. Reagem com o corpo estático e os olhos vítreos; observam estupefatos e nem sei se compreendem o que escutam. Na voz do poeta, um Drummond (que por aqui é um clássico), uma Cecília, um mineiro desconhecido e um Fernando Pessoa. Cada aluno compõe sua gama de emoções e alguns chegam a lacrimejar. Ao final da récita, querem, ansiosos, saber de quem era tal ou qual poema, que coisa linda, onde posso encontrar, talvez eu compre, tem livro? E o poeta emenda poemas uns nos outros, como uma "teresa" de fugir da velocidade deste mundo pseudocivilizado. Os alunos deixam as pastas no chão, ao pé das cadeiras, ficam lânguidos como moças nas sacadas e sorvem os poemas até o texto acabar. Aplaudem simultâneos, como se alguém houvesse ordenado, mas não é isso. Trata-se do encanto, do entusiasmo da poesia.

Ao final do evento, colhem-se os depoimentos espontâneos, como se estivéssemos num alcóolicos anônimos de poetas: "eu me identifico tanto com este texto!"; "eu sempre me emociono quando escuto que 'vai, Carlos, ser gauche na vida'".

Então a poesia sai da sala, os poetas vão ser gente atravessando a avenida e os alunos portam suas pastas pretas cheias de burocracia e vão para casa conferir os horários dos despertadores para amanhã. Mas a poesia continua investida de seus poderes de sereia. E só quem a resiste é o homem teimoso e sintático de plantão, na esquina, fora de hora.

a forte impressão de que a vida vai dar voltas alucinadas
e de que vamos começar uma era nova parece cada dia mais evidente. enquanto isso, são 23 contratos por fazer, o aluguel por pagar, as contas da C&A, o telefone fixo, o celular pós-pago, a mudança, o chá, as notas de quase 200 alunos, as rescisões de contrato, os cheques pré-datados, a troca de óleo do carro, a gasolina aumentada de novo, as baterias dos relógios de pulso, a chegada dos armários e do móvel, os textos pros minicursos assim como os projetos para o ano que vem. É angustiante fazer planos para o ano que vem quando mal se chegou à metade do ano que corre. A sensação de congelamento forçado ajuda a adoecer a cabeça. O corpo pede sono pesado, mas qualquer pardal que pousa no fio me acorda. Como se inaugura uma vida nova? Alguém sabe algum ritual que dê sorte?

e getúlio vai, getúlio vem
a casa está quase montada, ainda sem gás, sem água, mas já tem luz. eu ainda não dei à luz, mas também estou quase. mais uns dias e a criança assoma. os pais estão fazendo festinhas. mamãe e papai se casaram. jorge rocha tornou-se belo-horizontino (com hífen!) na sexta-feira, quando chegou de mala, cuia e livros na rodoviária, com atraso de meia hora. e nem cheguei a ficar nervosa. achei apenas que a lei de murphy é a mais eficiente do universo. o apartamento não suporta os quadros na parede, mas vamos dar um jeito nisso com uns pregos de aço. aproveitamos todos os espaços e o quarto do bebê já tem cheirinho de fraldas... limpas. a mala que vai pro hospital começa a tomar corpo. jorge rocha começa a se acostumar ao ar rarefeito e empoeirado da cidade, assim como compra jornal na banca do bairro. não reclama de nada, apenas começa a habitar a capital mineira. eu começo a habitar o bairro ao lado. habito esta nova vida. "você já sente que mora comigo?" "não". mas isso é questão de meia dúzia de noites no oitavo andar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 30/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
02. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
03. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
04. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
05. Um Furto de Ricardo de Mattos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004
05. Literatura como arte - 25/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/7/2004
09h28min
Sim, Ana, a poesia nunca perderá sua majestade... a poesia é a expressão externa de tudo que nos revolve a alma. Conhece algum ser humano que consiga ouvir Drummond sem perder o fôlego? rs... seu texto é sempre um deleite para o meu dia... engraçado que já estou na espera do seu baby, da arrumação dos livros na estante, da adaptação diária de todos nós. beijos duplos... pra vc e pro bebê!
[Leia outros Comentários de Fabiana Carvalho]
30/6/2005
12h36min
Talvez os sons se encaixem melhor com cada pessoa, sejam adaptáveis ao sentimento de cada um, do que somente palavras... Tem uma energia diferente. Na Índia, onde a tradição oral de ensinar continua até hoje, muitas poesias são lembradas de três ou quatro maneiras diferentes no mínimo. Com sílabas trocadas, lidas de trás para frente (as palavras), e quebrando a metrica em lugares diferentes... Tudo feito para preservar os sons, e as palavras. Imagine só que a declamação do maior poema épico indiano dura um ano inteirinho, e todos nas vilas e cidades se dirigem religiosamente a tardinha para ouvir o poema.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tramas e Mentiras. Jogos de Verossimilhança
Silvia Regina Pinto (org) Várias Dedicatórias
7 Letras
(2008)



Problemas de Processo Judicial Tributário 4º Volume
Valdir de Oliveira Rocha (coord.) 4º Vol
Dialética
(2000)



Afirmar Portugal no Mundo
Aníbal Cavaco Silva
Imprensa Nacional
(1993)



Direito Ambiental Doutrina, Casos Práticos e Jurisprudência
Belinda Pereira da Cunha
Alameda
(2011)



More Stories and Afterthoughts
William Heppell Mason
Blackwell
(1966)



La Droga, Potencia Mundial: El Negocio Con El Vicio
Hans-georg Behr
Planeta
(1981)



Principles of Drug Addiction a Research Based Guide
Nida
National Institute on Dru
(1999)



Comics Starwars - Clássicos 1
Roy Thomas e Outros
Planeta Deagostini
(2015)



Eli Picture Dictionary English
Joy Olivier Illustrated Alfredo Brasioli
Eli
(1996)



Histoire de La Colonisation Française
Xavier Yacono
Puf
(1969)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês