Quando a poesia me surpreende com seus chás | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
Mais Recentes
>>> Amor Ao Pé Da Letra de Melissa Pimentel pela Paralela (2015)
>>> Plantas de Cobertura do Solo Caracteristicas e Manejo Em Pequenas . de Claudino Monegal pela Autor (1991)
>>> Os Honorários Advocatícios na Justiça do Trabalho - de Carlos Roberto Ramos pela : Conceito (2013)
>>> 1985 - o Autor de Laranha Mecânica Contesta o 1984 de Orwell e Mostra de Anthony Burgess pela Lpm (1980)
>>> Ciencias Criminais - Articulacoes Criticas Em Torno dos 20 Anos da Con de Ana C. B. de Pinho pela Lumenjuris (2009)
>>> Manual de Anestesia Em Pequenos Animais - de Paddleford pela Roca (2001)
>>> Las Investigaciones de Alvirah y Willy de Mary Higgins Clark pela Plaza & Janes (1998)
>>> Manual de Direito Constitucional - Volume Único de Marcelo Novelino pela Metodo (2014)
>>> Surfing and Health: Expert, Medial and Advice de Joel Steinman pela Meyer (2019)
>>> Competition in Global Industries de Michael E. Porter pela : Harvard Business School (1986)
>>> 22/11/63 - Novela de Stephen King pela Plaza Janés (2012)
>>> Guia Autorizado Adobe Photoshop 7. 0 - Com Cd - Livro de Treinamento de O mesmo pela Makron Books (2003)
>>> Instrumentos Musicales Precortesianos de Samuel Marti pela Inah (1968)
>>> Lo Mejor de La Siesta Inolvidable de Jorge Halperín pela Aguilar (2005)
>>> Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - Lucas de Graig A. Evans pela Vida (1996)
>>> Etiquette For Outlaws de Rob Cohen pela Harper Entertainment (2001)
>>> Caixa de Pássaros de Josh Malerman pela Intrinseca (2015)
>>> Retratos e Fotogramas: Isabelle Huppert de Sesc SP pela Sesc (2009)
>>> As minas de Salomão de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Sim Não de Jussara Braga pela do Brasil (1987)
>>> Alves & C.a de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1928)
>>> Fogo no Céu! de Mary França - Eliardo França pela Ática (1991)
>>> Contos de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1934)
>>> An Amazing Story de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1996)
>>> O crime do Padre Amaro de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> Codorna - Criação - Instalação - Manejo de Irineu Fabichak pela Nobel (1987)
>>> Guerras Secretas -Super-Heróis Marvel de Alex Irvine pela Novo Século (2016)
>>> Cartas de Inglaterra de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Cem Anos de Iberê de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2014)
>>> Dia de Aninha de Ciça Alves Pinto pela Global (1996)
>>> Lasar Segall Un Expresionista Brasileño de Ivo Mesquita, Jorge Schwartz e outros pela Takano (2002)
>>> The White Mountains de John Christopher pela Longman (1974)
>>> Laje de Santos, Laje dos Sonhos de Guilherme Kodja Tebecherani, Ana Paula Pinto e outros pela Globo (2009)
>>> Ulster Story de Michael Villeneuve pela Longman (1977)
>>> Marco Giannotti de Nelson Brissac Peixoto pela Cosac Naify (2007)
>>> Morri para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Esio Trot de Roald Dahl pela Puffin Books (2001)
>>> Laura Belém de Laura Belém e outros pela Cosac Naify (2013)
>>> Brave New World de Aldous Huxley pela Longman (1978)
>>> Favela, um Bairro de Cristiane Rose Duarte e Outros (org.) pela Pro (1996)
>>> 1/3 da Vida de Wanderley Oliveira e Ermance Dufaux pela Dufaux (2016)
>>> Quê ?! de Tião Carneiro pela Autor
>>> Conheça a Verdade de Bruce Milne pela Abu (1987)
>>> Para uma Nova Era, Poesia & Prosa de Remisson Aniceto pela Patuá (2019)
>>> Mentes perigosas de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2008)
>>> Meu menino vadio de Luiz Fernando Vianna pela Intrínsica (2017)
>>> Correndo com tesouras de Augusten Burroughs pela Ediouro (2002)
>>> Supernova - A Estrela dos Mortos de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Supernova - O Encantador de Flechas de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Segregação e Gentrificação: Os conjuntos habitacionais em Natal de Sara Raquel Fernandes Queiroz de Medeiros pela Edufrn (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/6/2004
Quando a poesia me surpreende com seus chás
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A despeito dos prolixos de plantão e dos enfezadinhos 24 horas, de vez em quando tenho a prova de que a poesia sustenta, por séculos e ainda, seu poder encantatório.

Confesso uma enorme preguiça de recontar aquela velha história de que as tradições orais "transmitiam" histórias em verso, de preferência imensas narrativas, porque essa forma (audível) era mais fácil de memorizar e de retransmitir e de encantar, no sentido mais mágico do termo. Não se tratava apenas de deixar uma platéia atônita com o ritmo e a sonoridade da "canção", mas também de deixá-la sem ação ou catártica, quase o que hoje seria terapêutica.

Se pensarmos bem, essa modalidade de "poesia" falada, completamente oralizada, não podia, ainda, ser chamada de "verso", simplesmente porque ainda não era escrita e não tinha formato que se pudesse enxergar. Então que fique claro que o ritmo e o som (inclua-se aí a rima) serviam como fórmulas, que eram passadas de geração a geração, sem perder a forma.

E mesmo com o advento da escrita, e da escrita alfabética, a poesia continuou plena. Registrada pelas mãos dos "taquígrafos" e escribas, deixava-se ver e era guardada como documento, às vezes testemunha do nascimento e da metamorfose de alguma língua, como acontece com os cancioneiros europeus, que armazenam tesouros como as cantigas de amigo e de amor, a Cantiga da Ribeirinha, primeiro documento em língua portuguesa (ao menos para alguns filólogos, mas há controvérsias), datado de 1189 e que muito me deixa admirada de sua sonoridade.

Essa poesia toda, que depois ganhou formas e cálculos, e os perdeu, e tiranizou a liberdade e depois tornou-se quase forma pura, para então transformar-se em poética de verso livre... Essa poesia continua, mesmo num mundo grafocêntrico e celulósico, mundo do equipamento eletrônico e do texto digital, dos gêneros emergentes e do usuário letrado... essa poesia continua dona de seu cetro, ex-rainha e ainda majestade.

É assim que ela adentra uma sala de aula na boca duns poetas mineiros e à medida que eles vão declamando, passam a recitar, e então emanam e os alunos, adultos atarefados e afobados, param de surtar, param de ser hipertensos, param de se atropelar e escutam a poesia. Reagem com o corpo estático e os olhos vítreos; observam estupefatos e nem sei se compreendem o que escutam. Na voz do poeta, um Drummond (que por aqui é um clássico), uma Cecília, um mineiro desconhecido e um Fernando Pessoa. Cada aluno compõe sua gama de emoções e alguns chegam a lacrimejar. Ao final da récita, querem, ansiosos, saber de quem era tal ou qual poema, que coisa linda, onde posso encontrar, talvez eu compre, tem livro? E o poeta emenda poemas uns nos outros, como uma "teresa" de fugir da velocidade deste mundo pseudocivilizado. Os alunos deixam as pastas no chão, ao pé das cadeiras, ficam lânguidos como moças nas sacadas e sorvem os poemas até o texto acabar. Aplaudem simultâneos, como se alguém houvesse ordenado, mas não é isso. Trata-se do encanto, do entusiasmo da poesia.

Ao final do evento, colhem-se os depoimentos espontâneos, como se estivéssemos num alcóolicos anônimos de poetas: "eu me identifico tanto com este texto!"; "eu sempre me emociono quando escuto que 'vai, Carlos, ser gauche na vida'".

Então a poesia sai da sala, os poetas vão ser gente atravessando a avenida e os alunos portam suas pastas pretas cheias de burocracia e vão para casa conferir os horários dos despertadores para amanhã. Mas a poesia continua investida de seus poderes de sereia. E só quem a resiste é o homem teimoso e sintático de plantão, na esquina, fora de hora.

a forte impressão de que a vida vai dar voltas alucinadas
e de que vamos começar uma era nova parece cada dia mais evidente. enquanto isso, são 23 contratos por fazer, o aluguel por pagar, as contas da C&A, o telefone fixo, o celular pós-pago, a mudança, o chá, as notas de quase 200 alunos, as rescisões de contrato, os cheques pré-datados, a troca de óleo do carro, a gasolina aumentada de novo, as baterias dos relógios de pulso, a chegada dos armários e do móvel, os textos pros minicursos assim como os projetos para o ano que vem. É angustiante fazer planos para o ano que vem quando mal se chegou à metade do ano que corre. A sensação de congelamento forçado ajuda a adoecer a cabeça. O corpo pede sono pesado, mas qualquer pardal que pousa no fio me acorda. Como se inaugura uma vida nova? Alguém sabe algum ritual que dê sorte?

e getúlio vai, getúlio vem
a casa está quase montada, ainda sem gás, sem água, mas já tem luz. eu ainda não dei à luz, mas também estou quase. mais uns dias e a criança assoma. os pais estão fazendo festinhas. mamãe e papai se casaram. jorge rocha tornou-se belo-horizontino (com hífen!) na sexta-feira, quando chegou de mala, cuia e livros na rodoviária, com atraso de meia hora. e nem cheguei a ficar nervosa. achei apenas que a lei de murphy é a mais eficiente do universo. o apartamento não suporta os quadros na parede, mas vamos dar um jeito nisso com uns pregos de aço. aproveitamos todos os espaços e o quarto do bebê já tem cheirinho de fraldas... limpas. a mala que vai pro hospital começa a tomar corpo. jorge rocha começa a se acostumar ao ar rarefeito e empoeirado da cidade, assim como compra jornal na banca do bairro. não reclama de nada, apenas começa a habitar a capital mineira. eu começo a habitar o bairro ao lado. habito esta nova vida. "você já sente que mora comigo?" "não". mas isso é questão de meia dúzia de noites no oitavo andar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 30/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. Raio-X do imperialismo de Celso A. Uequed Pitol
03. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol
04. Pecados, demônios e tentações em Chaves de Ademir Luiz
05. Sobre o Hino Nacional Brasileiro de Ricardo de Mattos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/7/2004
09h28min
Sim, Ana, a poesia nunca perderá sua majestade... a poesia é a expressão externa de tudo que nos revolve a alma. Conhece algum ser humano que consiga ouvir Drummond sem perder o fôlego? rs... seu texto é sempre um deleite para o meu dia... engraçado que já estou na espera do seu baby, da arrumação dos livros na estante, da adaptação diária de todos nós. beijos duplos... pra vc e pro bebê!
[Leia outros Comentários de Fabiana Carvalho]
30/6/2005
12h36min
Talvez os sons se encaixem melhor com cada pessoa, sejam adaptáveis ao sentimento de cada um, do que somente palavras... Tem uma energia diferente. Na Índia, onde a tradição oral de ensinar continua até hoje, muitas poesias são lembradas de três ou quatro maneiras diferentes no mínimo. Com sílabas trocadas, lidas de trás para frente (as palavras), e quebrando a metrica em lugares diferentes... Tudo feito para preservar os sons, e as palavras. Imagine só que a declamação do maior poema épico indiano dura um ano inteirinho, e todos nas vilas e cidades se dirigem religiosamente a tardinha para ouvir o poema.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REENGENHARIA NA PRÁTICA
DANIEL P. PETROZZO & JOHN C. STEPPER
MAKRON BOOKS / ITP
(1996)
R$ 10,00



CURSO DE MERCADO FINANCEIRO
LOPES ALEXSANDRO BROEDEL
ATLAS
(2005)
R$ 67,00



PASSAGEM PARA A AMÉRICA - AUTOGRAFADO
MARÍLIA FREIDENSON E GABY BECKER ORG.
IMPRENSA OFICIAL
(2003)
R$ 70,00



UM AMOR PERFEITO
SUSAN FOX
UNICA
(2014)
R$ 10,00



EINFLUSSE AUF BETON UND STAHLBETON
KURT WALZ
VERLAG VON WILHELM ERNEST
(1950)
R$ 65,00



COMO ORGANIZAR A NOSSA RÚSSIA - ALEXANDRE SOLJENITSIN (LITERATURA RUSSA)
ALEXANDRE SOLJENITSIN
NOVA FRONTEIRA
(1991)
R$ 15,00



VIVER
ADELAIDE STEVAUX
SEARA NOVA
R$ 8,00



ESCOLHA DE MESTRE
LAWRENCE BLOCK ORGANIZAÇÃO
NOVA FRONTEIRA
(2004)
R$ 15,00



ALEXANDRE HERCHCOVITCH COLEÇÃO MODA BRASILEIRA
CHARLES COSAC
COSAC NAIFY
(2007)
R$ 64,00



FACA NA GARGANTA
HERMES LEAL
GERAÇÃO
(2006)
R$ 10,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês