Quando a poesia me surpreende com seus chás | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/6/2004
Quando a poesia me surpreende com seus chás
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A despeito dos prolixos de plantão e dos enfezadinhos 24 horas, de vez em quando tenho a prova de que a poesia sustenta, por séculos e ainda, seu poder encantatório.

Confesso uma enorme preguiça de recontar aquela velha história de que as tradições orais "transmitiam" histórias em verso, de preferência imensas narrativas, porque essa forma (audível) era mais fácil de memorizar e de retransmitir e de encantar, no sentido mais mágico do termo. Não se tratava apenas de deixar uma platéia atônita com o ritmo e a sonoridade da "canção", mas também de deixá-la sem ação ou catártica, quase o que hoje seria terapêutica.

Se pensarmos bem, essa modalidade de "poesia" falada, completamente oralizada, não podia, ainda, ser chamada de "verso", simplesmente porque ainda não era escrita e não tinha formato que se pudesse enxergar. Então que fique claro que o ritmo e o som (inclua-se aí a rima) serviam como fórmulas, que eram passadas de geração a geração, sem perder a forma.

E mesmo com o advento da escrita, e da escrita alfabética, a poesia continuou plena. Registrada pelas mãos dos "taquígrafos" e escribas, deixava-se ver e era guardada como documento, às vezes testemunha do nascimento e da metamorfose de alguma língua, como acontece com os cancioneiros europeus, que armazenam tesouros como as cantigas de amigo e de amor, a Cantiga da Ribeirinha, primeiro documento em língua portuguesa (ao menos para alguns filólogos, mas há controvérsias), datado de 1189 e que muito me deixa admirada de sua sonoridade.

Essa poesia toda, que depois ganhou formas e cálculos, e os perdeu, e tiranizou a liberdade e depois tornou-se quase forma pura, para então transformar-se em poética de verso livre... Essa poesia continua, mesmo num mundo grafocêntrico e celulósico, mundo do equipamento eletrônico e do texto digital, dos gêneros emergentes e do usuário letrado... essa poesia continua dona de seu cetro, ex-rainha e ainda majestade.

É assim que ela adentra uma sala de aula na boca duns poetas mineiros e à medida que eles vão declamando, passam a recitar, e então emanam e os alunos, adultos atarefados e afobados, param de surtar, param de ser hipertensos, param de se atropelar e escutam a poesia. Reagem com o corpo estático e os olhos vítreos; observam estupefatos e nem sei se compreendem o que escutam. Na voz do poeta, um Drummond (que por aqui é um clássico), uma Cecília, um mineiro desconhecido e um Fernando Pessoa. Cada aluno compõe sua gama de emoções e alguns chegam a lacrimejar. Ao final da récita, querem, ansiosos, saber de quem era tal ou qual poema, que coisa linda, onde posso encontrar, talvez eu compre, tem livro? E o poeta emenda poemas uns nos outros, como uma "teresa" de fugir da velocidade deste mundo pseudocivilizado. Os alunos deixam as pastas no chão, ao pé das cadeiras, ficam lânguidos como moças nas sacadas e sorvem os poemas até o texto acabar. Aplaudem simultâneos, como se alguém houvesse ordenado, mas não é isso. Trata-se do encanto, do entusiasmo da poesia.

Ao final do evento, colhem-se os depoimentos espontâneos, como se estivéssemos num alcóolicos anônimos de poetas: "eu me identifico tanto com este texto!"; "eu sempre me emociono quando escuto que 'vai, Carlos, ser gauche na vida'".

Então a poesia sai da sala, os poetas vão ser gente atravessando a avenida e os alunos portam suas pastas pretas cheias de burocracia e vão para casa conferir os horários dos despertadores para amanhã. Mas a poesia continua investida de seus poderes de sereia. E só quem a resiste é o homem teimoso e sintático de plantão, na esquina, fora de hora.

a forte impressão de que a vida vai dar voltas alucinadas
e de que vamos começar uma era nova parece cada dia mais evidente. enquanto isso, são 23 contratos por fazer, o aluguel por pagar, as contas da C&A, o telefone fixo, o celular pós-pago, a mudança, o chá, as notas de quase 200 alunos, as rescisões de contrato, os cheques pré-datados, a troca de óleo do carro, a gasolina aumentada de novo, as baterias dos relógios de pulso, a chegada dos armários e do móvel, os textos pros minicursos assim como os projetos para o ano que vem. É angustiante fazer planos para o ano que vem quando mal se chegou à metade do ano que corre. A sensação de congelamento forçado ajuda a adoecer a cabeça. O corpo pede sono pesado, mas qualquer pardal que pousa no fio me acorda. Como se inaugura uma vida nova? Alguém sabe algum ritual que dê sorte?

e getúlio vai, getúlio vem
a casa está quase montada, ainda sem gás, sem água, mas já tem luz. eu ainda não dei à luz, mas também estou quase. mais uns dias e a criança assoma. os pais estão fazendo festinhas. mamãe e papai se casaram. jorge rocha tornou-se belo-horizontino (com hífen!) na sexta-feira, quando chegou de mala, cuia e livros na rodoviária, com atraso de meia hora. e nem cheguei a ficar nervosa. achei apenas que a lei de murphy é a mais eficiente do universo. o apartamento não suporta os quadros na parede, mas vamos dar um jeito nisso com uns pregos de aço. aproveitamos todos os espaços e o quarto do bebê já tem cheirinho de fraldas... limpas. a mala que vai pro hospital começa a tomar corpo. jorge rocha começa a se acostumar ao ar rarefeito e empoeirado da cidade, assim como compra jornal na banca do bairro. não reclama de nada, apenas começa a habitar a capital mineira. eu começo a habitar o bairro ao lado. habito esta nova vida. "você já sente que mora comigo?" "não". mas isso é questão de meia dúzia de noites no oitavo andar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 30/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 3 dicas para a escrita criativa de Marcelo Spalding
02. A quem interessa uma sociedade alienada? de Marcelo Spalding
03. O dinossauro de Augusto Monterroso de Marcelo Spalding
04. É preciso aprender a ser mulher de Adriana Baggio
05. Cultura, Manipulação, Pobreza de Maurício Dias


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/7/2004
09h28min
Sim, Ana, a poesia nunca perderá sua majestade... a poesia é a expressão externa de tudo que nos revolve a alma. Conhece algum ser humano que consiga ouvir Drummond sem perder o fôlego? rs... seu texto é sempre um deleite para o meu dia... engraçado que já estou na espera do seu baby, da arrumação dos livros na estante, da adaptação diária de todos nós. beijos duplos... pra vc e pro bebê!
[Leia outros Comentários de Fabiana Carvalho]
30/6/2005
12h36min
Talvez os sons se encaixem melhor com cada pessoa, sejam adaptáveis ao sentimento de cada um, do que somente palavras... Tem uma energia diferente. Na Índia, onde a tradição oral de ensinar continua até hoje, muitas poesias são lembradas de três ou quatro maneiras diferentes no mínimo. Com sílabas trocadas, lidas de trás para frente (as palavras), e quebrando a metrica em lugares diferentes... Tudo feito para preservar os sons, e as palavras. Imagine só que a declamação do maior poema épico indiano dura um ano inteirinho, e todos nas vilas e cidades se dirigem religiosamente a tardinha para ouvir o poema.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FORTUNA DE GASPAR (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
CONDESSA DE SÉGUR
DO BRASIL
R$ 10,00



CYRANO DE BERGERAC
EDMOND ROSTAND
OBJETIVO
R$ 6,00



DE OLHO NA MORTE E ANTES
FERNANDO FORTES
ATELIÊ EDITORIAL
(2012)
R$ 22,00



OXFORD ADVANCED LEARNERS DICTIONARY
A. S. HORBNY
OXFORD
(2000)
R$ 30,00



ALICE PARA SEMPRE
ELTON LICKS
BESOUROBOX
R$ 26,00



FISIOLOGIA CELULAR
DAVID LANDOWNE
MCGRAW HILL ARTMED
(2006)
R$ 67,00



NEW ENGLISH 900 BOOK 1
COLLIER MACMILLAN INTERNACIONAL
ENGLISH LANGUAGE SERVICES
(1978)
R$ 15,00



IL NUOVO DOMANI
MAEVE BINCHY
SPERLING & KUPFER
(1998)
R$ 50,00
+ frete grátis



SÓ O AMOR É REAL
BRIAN L. WEISS
ALAMANDRA
(1996)
R$ 4,00



CRIME E CASTIGO
FIÓDOR DOSTOIÉVSKI
NOVA CULTURAL
(2002)
R$ 28,00





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês