Quando a poesia me surpreende com seus chás | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
>>> Misturando música, filosofia e psicanálise, Poisé lança seu primeiro single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
>>> Mojo 159 February 2007 de Joy Division pela Mojo (2007)
>>> Mojo 170 January 2008 de Amy Whinehouse pela Mojo (2008)
>>> Mojo 229 December 2012 de Led Zeppelin pela Mojo (2012)
>>> Retrato do Artista Quando Velho de Joseph Heller pela Cosac & Naify (2002)
>>> No Tempo das Catástrofes de Isabelle Stengers; Eloisa Araújo pela Cosac & Naify (2015)
>>> Manual de esquemas de Klöckner- Moeller pela Do autor (1971)
>>> Inesgotáveis Enigmas do Passado de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Evidências dos Ovnis - As Ciências Proibidas de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Características de Deus que chamam a nossa atenção. de Silas Malafaia pela Central Gospel (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/6/2004
Quando a poesia me surpreende com seus chás
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A despeito dos prolixos de plantão e dos enfezadinhos 24 horas, de vez em quando tenho a prova de que a poesia sustenta, por séculos e ainda, seu poder encantatório.

Confesso uma enorme preguiça de recontar aquela velha história de que as tradições orais "transmitiam" histórias em verso, de preferência imensas narrativas, porque essa forma (audível) era mais fácil de memorizar e de retransmitir e de encantar, no sentido mais mágico do termo. Não se tratava apenas de deixar uma platéia atônita com o ritmo e a sonoridade da "canção", mas também de deixá-la sem ação ou catártica, quase o que hoje seria terapêutica.

Se pensarmos bem, essa modalidade de "poesia" falada, completamente oralizada, não podia, ainda, ser chamada de "verso", simplesmente porque ainda não era escrita e não tinha formato que se pudesse enxergar. Então que fique claro que o ritmo e o som (inclua-se aí a rima) serviam como fórmulas, que eram passadas de geração a geração, sem perder a forma.

E mesmo com o advento da escrita, e da escrita alfabética, a poesia continuou plena. Registrada pelas mãos dos "taquígrafos" e escribas, deixava-se ver e era guardada como documento, às vezes testemunha do nascimento e da metamorfose de alguma língua, como acontece com os cancioneiros europeus, que armazenam tesouros como as cantigas de amigo e de amor, a Cantiga da Ribeirinha, primeiro documento em língua portuguesa (ao menos para alguns filólogos, mas há controvérsias), datado de 1189 e que muito me deixa admirada de sua sonoridade.

Essa poesia toda, que depois ganhou formas e cálculos, e os perdeu, e tiranizou a liberdade e depois tornou-se quase forma pura, para então transformar-se em poética de verso livre... Essa poesia continua, mesmo num mundo grafocêntrico e celulósico, mundo do equipamento eletrônico e do texto digital, dos gêneros emergentes e do usuário letrado... essa poesia continua dona de seu cetro, ex-rainha e ainda majestade.

É assim que ela adentra uma sala de aula na boca duns poetas mineiros e à medida que eles vão declamando, passam a recitar, e então emanam e os alunos, adultos atarefados e afobados, param de surtar, param de ser hipertensos, param de se atropelar e escutam a poesia. Reagem com o corpo estático e os olhos vítreos; observam estupefatos e nem sei se compreendem o que escutam. Na voz do poeta, um Drummond (que por aqui é um clássico), uma Cecília, um mineiro desconhecido e um Fernando Pessoa. Cada aluno compõe sua gama de emoções e alguns chegam a lacrimejar. Ao final da récita, querem, ansiosos, saber de quem era tal ou qual poema, que coisa linda, onde posso encontrar, talvez eu compre, tem livro? E o poeta emenda poemas uns nos outros, como uma "teresa" de fugir da velocidade deste mundo pseudocivilizado. Os alunos deixam as pastas no chão, ao pé das cadeiras, ficam lânguidos como moças nas sacadas e sorvem os poemas até o texto acabar. Aplaudem simultâneos, como se alguém houvesse ordenado, mas não é isso. Trata-se do encanto, do entusiasmo da poesia.

Ao final do evento, colhem-se os depoimentos espontâneos, como se estivéssemos num alcóolicos anônimos de poetas: "eu me identifico tanto com este texto!"; "eu sempre me emociono quando escuto que 'vai, Carlos, ser gauche na vida'".

Então a poesia sai da sala, os poetas vão ser gente atravessando a avenida e os alunos portam suas pastas pretas cheias de burocracia e vão para casa conferir os horários dos despertadores para amanhã. Mas a poesia continua investida de seus poderes de sereia. E só quem a resiste é o homem teimoso e sintático de plantão, na esquina, fora de hora.

a forte impressão de que a vida vai dar voltas alucinadas
e de que vamos começar uma era nova parece cada dia mais evidente. enquanto isso, são 23 contratos por fazer, o aluguel por pagar, as contas da C&A, o telefone fixo, o celular pós-pago, a mudança, o chá, as notas de quase 200 alunos, as rescisões de contrato, os cheques pré-datados, a troca de óleo do carro, a gasolina aumentada de novo, as baterias dos relógios de pulso, a chegada dos armários e do móvel, os textos pros minicursos assim como os projetos para o ano que vem. É angustiante fazer planos para o ano que vem quando mal se chegou à metade do ano que corre. A sensação de congelamento forçado ajuda a adoecer a cabeça. O corpo pede sono pesado, mas qualquer pardal que pousa no fio me acorda. Como se inaugura uma vida nova? Alguém sabe algum ritual que dê sorte?

e getúlio vai, getúlio vem
a casa está quase montada, ainda sem gás, sem água, mas já tem luz. eu ainda não dei à luz, mas também estou quase. mais uns dias e a criança assoma. os pais estão fazendo festinhas. mamãe e papai se casaram. jorge rocha tornou-se belo-horizontino (com hífen!) na sexta-feira, quando chegou de mala, cuia e livros na rodoviária, com atraso de meia hora. e nem cheguei a ficar nervosa. achei apenas que a lei de murphy é a mais eficiente do universo. o apartamento não suporta os quadros na parede, mas vamos dar um jeito nisso com uns pregos de aço. aproveitamos todos os espaços e o quarto do bebê já tem cheirinho de fraldas... limpas. a mala que vai pro hospital começa a tomar corpo. jorge rocha começa a se acostumar ao ar rarefeito e empoeirado da cidade, assim como compra jornal na banca do bairro. não reclama de nada, apenas começa a habitar a capital mineira. eu começo a habitar o bairro ao lado. habito esta nova vida. "você já sente que mora comigo?" "não". mas isso é questão de meia dúzia de noites no oitavo andar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 30/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
03. Cinema de Conflito e Entretenimento de Guilherme Carvalhal
04. Proposta Decente? de Marilia Mota Silva
05. Memória externalizada de Wellington Machado


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/7/2004
09h28min
Sim, Ana, a poesia nunca perderá sua majestade... a poesia é a expressão externa de tudo que nos revolve a alma. Conhece algum ser humano que consiga ouvir Drummond sem perder o fôlego? rs... seu texto é sempre um deleite para o meu dia... engraçado que já estou na espera do seu baby, da arrumação dos livros na estante, da adaptação diária de todos nós. beijos duplos... pra vc e pro bebê!
[Leia outros Comentários de Fabiana Carvalho]
30/6/2005
12h36min
Talvez os sons se encaixem melhor com cada pessoa, sejam adaptáveis ao sentimento de cada um, do que somente palavras... Tem uma energia diferente. Na Índia, onde a tradição oral de ensinar continua até hoje, muitas poesias são lembradas de três ou quatro maneiras diferentes no mínimo. Com sílabas trocadas, lidas de trás para frente (as palavras), e quebrando a metrica em lugares diferentes... Tudo feito para preservar os sons, e as palavras. Imagine só que a declamação do maior poema épico indiano dura um ano inteirinho, e todos nas vilas e cidades se dirigem religiosamente a tardinha para ouvir o poema.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACT MATH FOR DUMMIES
MARK ZEGARELLI
FOR DUMMIES
(2011)
R$ 17,50



PERSPEKTIVLEHRE
ERHARD GULL
ND
R$ 58,36



GÊMEOS NÃO SE AMAM
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1976)
R$ 5,00



A REPÚBLICA BRASILEIRA 1964- 1984
EVALDO VIEIRA
MODERNA
R$ 5,00



SERESTA MINEIRA
LAR DE PAULA
LAR DE PAULA
R$ 40,00



É PROIBIDO CHORAR
J. M. SIMMEL
NOVA FRONTEIRA
R$ 5,00



REUNIAO DE PAIS: SOFRIMENTO OU PRAZER? - 2ª ED.
BEATE G. ALTHUON / CORINNA H. ESSLE / ISA S. STOEB
CASA DO PSICÓLOGO
R$ 11,00



VALA CLANDESTINA DE PERUS
VARIOS AUTORES
INSTITUTO MACUCO
(2012)
R$ 5,12



AÇÕES INSTITUCIONAIS DE AVALIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCAC
RICARDO AZAMBUJA SILVEIRA
DO AUTOR
R$ 5,00



O CARNÊ DOURADO
DORIS LESSING (A MAIOR ESCRITORA VIVA DE LÍNGUA INGLESA)
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 25,00
+ frete grátis





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês