A Palavra Mágica | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Atmosphere
>>> O Segredo do Vovô Coelhão
>>> Separações é Amores II
>>> 10 de Abril #digestivo10anos
>>> Não presta, mas vá ver
Mais Recentes
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
>>> Trajetória do Silêncio de Maria do Céu Formiga de Oliveira pela Massao Ohno-Roswitha Kempf (1986)
>>> Zezinho, o Dono da Porquinha Preta de Jair Vitória pela Ática (1992)
>>> Aconselhamento Psicológico de Ruth Scheeffer pela Atlas (1981)
>>> Razão e Revolução de Herbert Marcuse pela Paz e Terra (1978)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Círculo do livro (1987)
>>> Somos Todos Inocentes de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (1997)
>>> Luzia-Homem de Domingos Olímpio pela Escala (1980)
>>> Vida e Obra de Anália Franco de Maria Cândida Silveira Barros pela Copidart (1982)
>>> O Sentido da Vida de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2002)
>>> A Luz que Cura - Oração Pelos Doentes de Agnes Sandford pela Loyola (1985)
>>> O Mundo Assombrado Pelos Demônios de Carl Sagan pela Companhia das Letras (1998)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/12/2013
A Palavra Mágica
Marilia Mota Silva

+ de 2800 Acessos

Existe uma palavra mágica que nos une a todos os brasileiros. Podemos divergir sobre muitos assuntos, mas somos unânimes na fé e reverência a esse ícone.

Em conversas no trabalho, ou nas filas onde costumamos gastar horas perdidas, há sempre um momento em que as pessoas extravazam sua indignação e reclamam de tudo, de todos os abusos que tornam a vida do cidadão comum, em nosso país, tão sofrida. Depois do desabafo, vem a procura dos culpados, da causa desse mal crônico que parece ter se alastrado por todas as células do nosso organismo. São os políticos, são as elites , são as leis, somos nós mesmos, é nossa história, nossa cultura? É tudo junto? E chega-se à conclusão aterradora: Não tem jeito, não temos cura. Mas é difícil aceitar isso! Nesse momento de amargura, alguém desfralda a palavra mágica, a bandeira da salvação, que brilha como o sinal luminoso de Saída, em labirinto escuro: Educação!

Educados, saberemos escolher deputados e senadores que nos representem, de fato. Saberemos eleger Presidentes, Governadores e Prefeitos idôneos e competentes. Seremos uma nação sem miséria, sem crueldade, sem diferenças sociais agudas, com pessoas capazes e de boa-vontade nos cargos para os quais os elegemos. Seremos respeitados como gente e cidadãos.

Dito isso, a conversa se esvazia. Se vamos alcançar esse patamar, como e quando, são decisões que vem "de cima". Sendo assim, nem sequer nos perguntamos, por exemplo, que educação seria essa capaz desses milagres. Que educação nos levaria a esse salto de qualidade tão sonhado? A formação de crianças com capacidade de pensar, de resolver problemas? Ou o foco estaria no desenvolvimento emocional, da empatia, da civilidade, da vida em comunidade? Ou seria uma educação pragmática, adaptada à vida em cada região, que preparasse os jovens para o mercado de trabalho? Mas, antes de tudo, seria preciso pensar na parte essencial da equação: o professor, suas condições de trabalho, salário, treinamento e valorização.

A lista dos "seria preciso" é desanimadora, a tarefa parece impossível, ainda mais num país tão grande como o nosso. E assim deixamos o assunto para um futuro incerto: Quem sabe, um dia?

A não ser que um fato novo nos permitisse cuidar do funcionamento e da qualidade das escolas, com recursos e parâmetros impensáveis até há poucos anos; que nos permitisse levar o ensino de alta qualidade não apenas aos centros urbanos, mas a todo o país, às pequenas comunidades, às vilas remotas; e não apenas às crianças, mas a qualquer pessoa que quisesse aprender sobre qualquer assunto. É possível, esse recurso existe.

Os cursos online, especialmente os MOOCs dão uma ideia do que é possível fazer pela educação com a tecnologia acessível a todos os países.

MOOC é a sigla para Massive Open Online Course. Carla Ceres já escreveu sobre eles aqui no Digestivo. Vale conferir. São cursos de alta qualidade abertos para todo mundo. Não há pré-requisito nem burocracia. É de graça e fácil de acessar. São bem planejados, com aulas em videos e material de leitura.

No curso que fiz agora, em um dos fóruns, um aluno perguntou qual a língua nativa dos participantes. As respostas começaram a surgir na tela: russo, farsi, sueco, chinês, tibetano, português, (havia um bom número de brasileiros) idiomas cujos nomes nos são familiares entre outros que me soaram exóticos porque eu ignorava sua existência: igbo, ojibway, gujarati, tamil, telugo, marathi, youruba. Éramos mais de nove mil alunos em uma sala de aula do tamanho do mundo; acima de todas as diferenças, religiões, fronteiras, de tudo o que nos impede e separa.

Não por acaso, esses cursos estão se alastrando. O cardápio oferecido cobre todas as áreas, todos os sonhos. Quem pode medir o impacto que isso terá, a médio prazo?

A educação é a chave para uma vida melhor, parece que há um consenso sobre isso. Temos visto o salto em desenvolvimento e bem-estar social que países que investiram seriamente em educação deram, em poucos anos.

Os MOOCs nos mostram como se tornou fácil, hoje, com um investimento pequeno, em capital e tempo, proporcionar uma educacao de alta qualidade, para o mundo inteiro. Nos MOOCs existentes até agora, o único problema é que é preciso saber bem o inglês. Mas nada impede que outros países façam o mesmo: desenvolvam sistemas parecidos, em seu idioma.

É provável que as universidades federais e estaduais no Brasil, assim como as particulares, já estejam nessa trilha, se reunindo para criar um site como o Coursera, que congrega dezenas de faculdades de países de língua inglesa e continua ganhando a adesão de novas universidades. Em nosso caso, seria uma boa forma de unir a comunidade de países de língua portuguesa e fortalecer a presença do idioma e do País. À medida que o Brasil abre-se para o mundo, aumenta o interesse em aprender o português, como acontece na China, atualmente.

Quanto à conexão da internet, os dados, se confiáveis, indicam que estamos em boa situação. Segundo o Ibope Media, o Brasil é o quinto país mais conectado; 92 milhões tem acesso à rede. Esses dados são de dezembro de 2012. O Plano Nacional da Banda Larga, do governo federal, prometia cem mil novos telecentros, até 2014. Já devem estar funcionando. E há iniciativas privadas como a ONG Gemas da Terra que, desde 1998, tem levado a internet às comunidades afastadas dos grandes centros.

Mas é na educação das crianças e jovens que o emprego desse recurso pode ser mais eficaz e transformador . Uma escola nos Estados Unidos começou a fazer essa experiência, e os resultados tem sido muito bons. A proposta é inverter o que se tem praticado até hoje.

Os alunos assistem às aulas em casa, no computador. No dia seguinte, na escola, eles fazem o dever de casa, trabalham em grupos, fazem projetos, assistidos pelo professor.

Os videos, o material de leitura, os testes e exercícios são preparados uma vez só, pelos professores mais qualificados do país (ou de cada Estado, para aulas de interesse local). Essas aulas servirão de base para o treinamento dos professores, já que eles deverão estar aptos a esclarecer as dúvidas dos alunos, ajudando-os com os exercícios e projetos de escola.

A tecnologia, usada dessa forma, poupa os professores do desgaste de repetir aulas, em várias classes, ano após ano. Não tira seus empregos nem afasta as crianças do convívio com os colegas.

A interação individualizada entre professor e aluno atenderia melhor os mais tímidos e os que tivessem mais dificuldades.

No artigo lincado acima, um professor comenta que fez um vídeo, postado no Youtube, sobre concordância entre sujeito e verbo, que foi visto 54 mil vezes. Ele nunca poderia ter atingido tantas pessoas em uma vida inteira dando aulas. E os alunos preferem as aulas em vídeo porque podem assisti-las mais de uma vez se for preciso.

Se esses MOOCs, sem alarde nem grandes investimentos, e sem esperar por decisões de governo, estão dando educação de graça e de alta qualidade, em todas as áreas do conhecimento, para o mundo inteiro, deve haver um jeito de nós, brasileiros, usarmos essa tecnologia para enfrentar o problema da educação em nosso país, que ainda se encontra entre as piores do mundo.



Marilia Mota Silva
Rio de Janeiro, 4/12/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
02. Pokémon Go, você foi pego de Luís Fernando Amâncio
03. Jardim da Infância de Ricardo de Mattos
04. A internet não é isso tudo de Marta Barcellos
05. O comerciante abissínio II de Guilherme Pontes Coelho


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2013
01. Amor (in)Condicional - 5/6/2013
02. Quatro autores e um sentimento do mundo - 10/4/2013
03. O Precioso Livro da Miriam - 20/2/2013
04. De olho em você - 1/5/2013
05. O Nome Dele - 7/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS
CARLOS TAVARES DE OLIVEIRA
ADUANEIRAS
(2007)
R$ 12,00



GUÍA VISUAL: CASA BATLLÓ
VÁRIOS AUTORES
DOS DE ARTE
(2011)
R$ 40,00



PADRÕES DE PROJETO EM JAVA
STEVEN JOHM METSKER
BOOKMAN
(2004)
R$ 55,00



SIMCA DO BRASIL A HISTÓRIA DESDE AS ORIGENS
PAULO CESAR SANDLER & ROGÉRIO DE SIMONE
ALAÚDE
(2005)
R$ 75,00



AVALIAÇÃO EDUCACIONAL EM TRÊS ATOS
LÉA DEPRESBITERIS
SENAC
(1999)
R$ 10,00



GEOMETRIA: CURSO MODERNO (VOLUME 1)
BENEDITO CASTRUCCI
LIVRARIA NOBEL
(1976)
R$ 10,00



ARDENTE!
MARY LYNN BAXTER
HARLEQUIN BOOKS
(2005)
R$ 4,00



A CRIANÇA E A MÁQUINA
ALISON ARMSTRONG, CHARLES CASEMENT
ARTMED
(2001)
R$ 58,00



OS CEM MELHORES CONTOS BRASILEIROS DO SÉCULO
ITALO MORICONI; DIVERSOS AUTORES
OBJETIVA
(2001)
R$ 59,98



THE CROCODILES KNOBBLY SKIN
ANDREA FLORENS-CLAIRE NORDEN
ART PUBLISHERS
(2000)
R$ 24,49





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês