Carta aos de Além do Jardim | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
65494 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
>>> São Paulo recebe exposição ‘À Meia Luz Na Pele’ em dois pontos da capital
>>> Santander instala painel eletrônico em prédio para levar arte ao centro de São Paulo
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Villa no segundo turno
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> Sobre os jornais e a internet
>>> Cem anos de música do cinema
>>> Inutilidades e pianos
>>> Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem
>>> Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem
>>> Fotógrafa da Amazônia é destaque na Europa
>>> Educadores do Futuro
Mais Recentes
>>> Biblioteca do Escoteiro Mirim - Completa 20 Volumes de Disney pela Círculo do Livro (1989)
>>> Enciclopédia das Ciências Filosóficas em Compêndio (1830) Volume I: A Ciência da Lógica de G. W. F. Hegel pela Edições Loyola (2005)
>>> Islamismo e humanismo latino: Diálogos e desafios de Arno Dal Ri Júnior (org.) pela Vozes (2004)
>>> Consciência e liberdade em Sartre: por uma perspectiva ética de Carlos Eduardo de Moura pela EdUFSCar (2012)
>>> Sartre: Direito e Política - Ontologia, liberdade e revolução de Silvio Almeida pela Boitempo (2016)
>>> Imigração Atual: Dilemas, Inserção Social e Escolarização - Brasil, Argentina, EUA de Leda Maria de Oliveira Rodrigues pela Escuta (2017)
>>> Os Céticos Gregos de Victor Brochard pela Odysseus (2009)
>>> Ontologia, Conhecimento e Linguagem: Um encontro de Filósofos Latino-Americanos de Plinio Smith Ulysses Pinheiro, Marco Rufino pela Mauad (2001)
>>> Discurso do Método de Descartes pela Lafonte (2017)
>>> Pensamento Alemão no Século XX - Volume 3: Grandes Protagonistas e Recepção da Obra no Brasil de Wolfgang Bader , Jorge de Almeida pela Cosac Naify (2013)
>>> Revista Matéria Prima - Práticas Artísticas no Ensino Básico e SecundárioVol. 6 (1), janeiro–abril 2018, quadrimestral de Vários pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa & Centro de Investigação e de Estudos em Belas-Ar (2018)
>>> Ser e Tempo de Martin Heidegger pela Vozes (2012)
>>> AIDS no Brasil : A agenda de construção de uma epidemia de Jane Galvão pela 34 (2000)
>>> Trópicos utópicos: Uma perspectiva brasileira da crise civilizatória de Eduardo Giannetti pela Companhia das Letras (2016)
>>> Razão e Sensibilidade de Jane Austen pela Tricaju (2021)
>>> Arsène Lupin e a Rolha de Cristal de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> O Livro da Selva de Rudyard Kipling pela Principis (2021)
>>> Tarzan de Edgar Rice Burroughs pela Principis (2021)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-exupéry pela Tricaju (2021)
>>> A Odisseia de Homero pela Principis (2021)
>>> Persuasão de Jane Austin pela Principis (2019)
>>> Verdade ao Amanhecer de Ernest Hemingway pela Bertrand Brasil (2015)
>>> Sonhos na Casa da Bruxa e Outros Contos de H. P. Lovercraft pela Principis (2020)
>>> Cinco Semanas Em um Balão de Júlio Verne pela Principis (2020)
>>> Da Terra á Lua de Júlio Verne pela Principis (2020)
COLUNAS >>> Especial Clássicos

Segunda-feira, 7/2/2005
Carta aos de Além do Jardim
Andréa Trompczynski

+ de 5000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Por que tendes tantas preocupações sem sentido? Dizeis em vossas cartas que sou só, que não faço passeios, que preciso "viver a vida"? Pedis notícias para saber se estou bem. Contarei um pouco sobre meus dias para que cessem vossas inquietações, e percebereis que, ao contrário do que pensais, tenho muitos amigos e afazeres aqui em minha villa e os dias tornam-se curtos para receber a todos, executar os trabalhos diários e cumprir a jornada de estudos.

Todas as manhãs, nas horas em que me dedico à jardinagem, antes mesmo de sair à varanda e calçar as luvas, Stephen Dedalus (1) já está esperando-me sentado no banco perto das rosas amarelas. Chega ao raiar do dia, para não faltar às aulas do Colégio Jesuita. É uma agradável companhia que há muitos anos visita-me, vi-o crescer! Conheço seu pai, o Sr. Dedalus, que deu a Stephen quando pequeno a alcunha de "Pequerrucho Fuça-Fuça", a qual emprestei e uso até hoje, irritando-o nos momentos em que ele precisa tagarelar seriamente.

Stephen foi um menino feliz até descobrir o Inferno. Amaldiçoados são os atavismos cristãos que fazem meu menino sofrer, que ele anda agora a chorar e penitenciar-se pela culpa de atos passados que, para mim, são tão inocentes quanto nossas horas a cuidar das flores. Este menino era de grande coragem, chegou mesmo a defender aos socos nosso querido Byron, que Boland, um pobre ignorante do colégio, teve a audácia de dizer ser um poeta que "não prestava". Mas agora... Stephen tem medo e já não luta por nada, apenas ora e ora em um terço que carrega no bolso das calças cinza. Ele nem imagina que percebo, mas o vejo entreabrir os lábios em mudas súplicas àquele Deus punitivo que fez um Inferno eterno para Seus filhos, ouço o cloc-cloc das pequenas esferas batendo na correntinha do rosário, mas deixo-o pensar ser vitorioso, disfarçar que está apenas protegendo-se do ar frio da manhã colocando as mãos nos bolsos.

Inculcaram os terríveis jesuítas naquela cabecinha que, ter procurado um consolo para seu amor em braços alheios e baratos, ter no corpo os chamados das paixões, era pecado digno das três penas espirituais. A Pena da Perdição, ou paena damni, segundo os mestres jesuítas de Stephen, é a certeza de estar no Inferno e nunca mais poder voltar à Deus. A Pena da Consciência é a perpétua lembrança dos fugazes prazeres passados, porém, lá, onde só há gemidos e ranger de dentes. A terceira e pior, a Pena da Intensidade. Estive às lágrimas quando ele me a descreveu. Esta, amigos, faz todas nossas conquistas humanas, todas as belas fraquezas de nosso espírito, estas que criam a música, as poesias, as pinturas, que fazem os suicidas deixarem cartas escritas com sangue para a amada, estas, serão no Inferno deste Deus, considerados malefícios, agravando as penas sofridas. Que tormentos podem criar a mente desses homens destituídos das belezas da alma imperfeita e humana! E que Paraíso insuportável será esse com anjos perfeitos tocando harpas eternamente para onde Stephen tem desejado ir. Eu amo os Deuses Gregos inundados de paixões até os cabelos muito mais do que a esse Deus intocável que desgraça um menino de dezesseis anos a franzer o cenho em rugas de preocupação e temor, enquanto espeta e sangra punitivamente os dedos nos espinhos das rosas amarelas.

Mas, continuo a fazer-vos saber de meus dias.

Há certamente algo errado com vossa visão, pois dizeis que sempre que aqui chegastes para visitar-me estou sozinha e que nada tenho a fazer. Nunca vistes meu inquilino que mora no quarto do sótão? Muito tenho a fazer, limpo o quarto de Gregor Samsa (2) todas as noites e levo-lhe o jantar. Ele pediu-me que só entrasse à noite, algumas coisas para mim nada estranhas têm acontecido e ele não deseja ser visto por ninguém. Minha discrição impede-me de revelar detalhes. Tenho por este "intruso" muito respeito. Ele é, perdoem-me não vos explicar melhor, o ser mais genuíno que já conheci. Um verdadeiro homem. Um dia, podereis encontrá-lo e ele vos mostrará na face tudo o que todos nós procuramos esconder com pós-de-arroz, talcos e missas. Não tem pago ele regularmente o aluguel, mas não importuno-me com isto. É um prazer tê-lo aqui.

Perguntais-me por amores ou flertes. É certo que ainda espero notícias daquele que saibeis ser a outra parte de meu espírito, o Coronel Aureliano Buendía (3) e, todas as tardes de quarta-feira, finjo estar espantando mosquitos no calor da varanda à espera de o entregador trazer a mim alguma carta sua, mas elas nunca chegam. Sei que há mulheres que passeiam na sua rede de campanha, na velha tradição de conceber filhos de guerreiros para fortificar o sangue da família, e sinto orgulho. Mesmo assim, as botas de Aureliano estão sempre muito lustrosas, por mérito de uma pomada de cera de abelha elaborada por mim. Tudo está pronto e em ordem e há um bule de café amargo sempre cheio, como preferem os Buendía, para o dia em que ele voltar da guerra e tomar coragem de pedir minha mão em segundas núpcias.

Enquanto isso, distraio-me em brincadeiras juvenis com um pretendente. O conheceis? Se não, ah, quanto estais a perder! Visconde de Valmont (4) é um cavalheiro, um homem sensível e gentilíssimo com as damas. Estive há um certo tempo imaginando que poderia fazer-me esquecer Aureliano. Mas, acabamos por tornar-mos apenas um pouco mais que amigos e assim está. Novamente, minha discrição não permite explicar-vos com todas as letras esta singular "amizade", confio em vosso entendimento. Recebo em minha casa as visitas de grande amiga do Visconde de Valmont, a amável Presidenta de Tourvel, que aplica-me lições incríveis de comportamento, vestuários adequados e, até mesmo jogos sociais dos enamorados. Ela é uma Deusa da Simpatia e minha grande mestra.

Nas sextas-feiras invariavelmente recebo para uma partida de loto ou uíste, a filha solteira do finado Sr. Grandet, Eugénie (5). Ela precisa escapar um pouco da multidão de pretendentes que estão ávidos por sua herança, mas, nenhum por seu amor. Conversamos e lemos poesia no salão, poesias tão belas de John Doone que, chego a escutar Gregor entreabrir a porta do quarto no sótão, o rangido, para ouvir um pouco mais daquelas palavras-bálsamo para sua solidão. Ela ajudou-me a escrever uma bela carta para Fermina Daza e Florentino Ariza (6), um casal amigo e apaixonado que partiu num cruzeiro naval e há meses não enviam nem sequer um bilhete com notícias! Que grande diferença entre esses amigos ingratos e Lemuel Gulliver (7), pois este envia-me semanalmente cartas detalhadas de suas viagens fantásticas, acompanho-o passo a passo, e sei que deixou Laputa e está agora em Balnibardi. Concluo que, apesar da ausência de notícias, Daza e Ariza estão bem, é o que diz minha intuição sobre os assuntos do amor.

Enfim, creio que minhas notícias possam tranquilizar-vos. Que apureis vosso olhar ao passardes por meus jardins e verais toda a vida que pulsa e o muito que há aqui para se fazer e aprender. Não tirais conclusões precipitadas sobre minha saúde mental, espiritual e social. Estou em boa companhia, aquietai-vos. Desculpo-me por não aceitar vosso convite aos passeios de verão. Há tanto a fazer aqui! Agora mesmo, obrigo-me a encerrar esta pois que está chegando meu professor de javanês (8), precisais conhecer, amigos, este fabuloso idioma exótico, têm sido as aulas deste respeitado professor disputadíssimas na cidade e não posso cometer o disparate de perder esta uma hora na companhia deste portento.

Adeus, fiquem com meu abraço afetuoso, eles estão a esperar-me.

Notas
(1) Retrato do Artista Quando Jovem, James Joyce.
(2) A Metamorfose, Franz Kafka.
(3) Cem Anos de Solidão, Gabriel Garcia Márquez.
(4) As Relações Perigosas, Choderlo de Laclos.
(5) Eugénie Grandet, Honoré de Balzac.
(6) O Amor nos Tempos do Cólera, Gabriel Garcia Márquez.
(7) Viagens de Gulliver, Jonathan Swift.
(8) O Homem que sabia javanês e outros contos, Lima Barreto.


Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 7/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Radiação de Fundo de Guga Schultze
02. Podcast mental de Adriana Carvalho
03. A vez dos veteranos de Jonas Lopes
04. A Legião e as cidades de Guga Schultze
05. Cuidado: Texto de Humor de Lisandro Gaertner


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Deus está morto: Severino para presidente - 14/3/2005


Mais Especial Clássicos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/2/2005
15h29min
Eh eh eh!!! Andréa, é um texto divertidíssimo este. Para quem gosta de literatura, um prato cheio. Mas queira desculpar-me pelo longo período distante. Deixe-me contar algumas estórias. Conheço bem o casal Daza e Ariza. Não se preocupe, que eles vivem muito felizes por aqui e acolá. Assim me disse um amigo meu que viajou com eles recentemente. Quanto ao Coronel Buendía, ele freqüenta meu lar. Está sempre a falar de uma certa moça do interior do Paraná que é uma de suas grandes paixões. Agora, este seu professor de javanês, ora... eu descobri que ele é um grande charlatão, desculpe-me a franqueza! Às vezes vejo Stephen por aí. Este Dedalus vive a rezar, e eu o considero meio tolo. Deveria fazer como o Gregor Samsa e se isolar em sua estranheza, ou então viajar como Gulliver. A senhorita Eugénie, eu não a conheço. Já ouvi a respeito de sua fortuna e de como ela é disputada. Quanto a mim, eu já estive às voltas com uma certa rapariga chamada Mona. Na verdade, ainda tenho estado com ela por perto, mas me desagrada sua amiga russa, que é pintora. Quando estive no nordeste, conheci uma família de retirantes, que vinha tentar a sorte no sul, e o que mais me encantou foi uma cadelinha chamada Baleia. Parecia gente a bichinha... quanto ao chefe da família, era um tipo meio acabrunhado, não gostei muito dele. Era um bicho, no fim das contas... Também travei contato com uma moça estranhíssima, que fazia estranhas digressões a respeito de baratas, do tempo e do universo. Não soube mais dos que as iniciais do seu nome, G.H. Quando saio em busca de novas aventuras, vou à casa de um cientista amigo meu e sento-me numa máquina de atravessar o tempo. Conheci os Morlocks, por exemplo. Seres assustadores... É isto que seremos? Como além de tudo, gosto de futebol, foi assistir a uma partida cujo resultado foi Corinthians 2, Palestra 1. Não gostei, absolutamente!!! Por fim, fiquei impressionado com a beleza de um certo rapaz chamado Dorian Gray. A despeito disso, me parece um ser abominável. Ouvi algum rumor sobre ele esconder um terrível segredo... Por fim, quando me canso, vou trabalhar um pouquinho, o que é meu novo brinquedo. Preciso um pouco da não-magia dos dias comuns... enfim, tudo isso tem me mantido um tanto ocupado, além de certas rusgas com placas de memória e afins, que me forçou a adquirir outra máquina como a que agora utilizo. Por isso, peço-lhe desculpas por minha ausência. Certamente, falaremos mais sobre nossos amigos em comum ou não. Beijão!!!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
17/5/2005
10h50min
Oi, achei muito interesante a materia... Comovente, chama a atencao... Parabens.
[Leia outros Comentários de Daiane]
3/2/2011
17h21min
Paródia é um processo de intertextualização, Andrea, com a finalidade de desconstruir ou reconstruir um texto. Muito importante, no modernismo brasileiro. O antropofagismo é isso, você come e joga fora. Eu, sinceramente, adoro! Você não plagiou nada, postou as fontes, no roda-pé. Eu gostei...
[Leia outros Comentários de Vicente Freitas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Mapa da Austr?lia
Eust?quio Gomes
Geração Editorial
(1998)



Where Memories Lie - a Novel
Deborah Crombie (capa Dura)
William Morrow
(2008)



Nos Bastidores da Alma
Nilza Kfouri
Do Autor
(2009)



Instrumentos de Deus: um Livro Que Toca
Moraes Moreira e Parceria; Romero Cavalcanti (ilus
José Olympio
(1986)



Marketing on the Internet - Quarta Edição
Jan Zimmerman
Maximum Press
(1999)



O Ministério do Medo 3ª Edição
Graham Greene
Record



Desenho Geométrico Métodos e Exercícios Volume 2
Rubens
Loyola
(1980)



Comment Dire?: Grammaire Simplifiee
"job", Sinjan, Berger, Spiegeleer
Cle International
(1993)



Jardim de Aninha
Vera Lucia Figueiredo
Autores Associados
(2005)



Loucuras e Canções
Luciano Bahia
Cultura Brasileira
(2002)





busca | avançada
65494 visitas/dia
2,5 milhões/mês