Ter ou não ter | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
83516 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “A Pequena Keruaka”: obra infantojuvenil mostra jornada para salvar os rios e florestas do Brasil
>>> Festival de Patinação de Rio do Sul abre inscrições
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apresentação
>>> Crônica, um gênero brasileiro
>>> Os melhores votos, de uma cética
>>> O que é a memética?
>>> Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian
>>> As garotas do Carlão
>>> A novíssima arena de experimentação literária
>>> A novíssima arena de experimentação literária
>>> A novíssima arena de experimentação literária
>>> Boemia, aqui me tens de regresso
Mais Recentes
>>> Ntc's Dictionary Of American English Phrases de Richard A. Spears pela Ntc (1995)
>>> Romance da Pedra do Reino de Ariano Suassuna pela Círculo do Livro (1987)
>>> Fogo Frio: Poemas De Tras Da Geladeira de Yasmin Gomlevsky pela Cassara (2013)
>>> Novíssima Gramática Da Língua Portuguesa de Domingos Paschoal pela Companhia Nacional (2008)
>>> Riqueza das Nações - 2 Volumes de Adam Smith pela Fundação Calouste Gulbenkian (1987)
>>> A Mao Esquerda Da Escuridao de Ursula K. Le Guin pela Aleph (2019)
>>> O Corpo Dela E Outras Farras de Carmen Maria Machado pela Planeta (2018)
>>> Teoria Geral Do Processo Civil de Milton Paulo De Carvalho pela Campus (2010)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Seguinte
>>> Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa - Formato Grande de Antonio Houaiss pela Objetiva (2001)
>>> A Imagem do Som de Gilberto Gil de Gilberto Gil pela Francisco Alves (2000)
>>> Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa - Não Acompanha CD de Antonio Houaiss pela Objetiva / Houaiss (2009)
>>> Os Lohip-hopbatos Em A Guerra Da Rua Dos Siamipês de Flavio De Souza pela Companhia Das Letrinhas (2013)
>>> Arquitetura E Planejamento Na Gestão Da Saúde de Richard M. J. Bohmer pela Bookman (2012)
>>> O Eufemismo e o Disfemismo no Portugues Moderno de Heinz Kroll pela Biblioteca Breve (1984)
>>> Harpas Eternas 3 de Josefa Rasalía pela Pensamento (1998)
>>> A Cidade Das Máscaras - Volume 2 de Genevieve Cogman pela Morro Branco (2017)
>>> Encarando A Nova Realidade de Ram Charan pela Negócio (2004)
>>> Estudos Discursivos A Brasileira: Uma Introducao de Roberto Leiser Baronas pela Pontes (2015)
>>> Ordem Mundial E Agências De Rating de Ricardo K. Ywata pela Senac Sp (2012)
>>> A Riqueza Do Mundo de Lya Luft pela Record (2011)
>>> Como A Democracia Chega Ao Fim de David Runciman pela Todavia (2018)
>>> jQuery Mobile de Maurício Samy Silva pela Novatec (2013)
>>> Magnus Chase: A Espada Do Verão de Rick Riordan pela Intrinseca (2015)
>>> Homo Aequalis de Louis Dumont pela Edusc (2000)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/8/2009
Ter ou não ter
Marta Barcellos
+ de 3500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Você já deve ter passado pela situação. Pode ter acontecido com os discos de vinil ou as fitas cassete que ouvia no carro, dependendo de sua idade. Quem sabe com a videoteca recheada de filmes em VHS ou shows em DVD. Se não aconteceu, certamente acontecerá com as pilhas de CDs, organizados por ordem alfabética ou musical, em torres imponentes enfeitando a sua sala. Estrategicamente localizadas (inclusive as fitas escondidas no porta-luvas, para serem achadas pela pessoa certa), estas pequenas ou grandes coleções de bens culturais eram a sua cara. Serviam para a visita puxar assunto, e mostravam o quanto você era sensível, tinha um gosto sofisticado ou uma queda para o trash.

Pois esses objetos adquiridos um a um, cada qual com a sua história, que reunidos eram o espelho de sua alma, estão em extinção. De repente, viraram nada. Havia mudado a tecnologia e ponto final. Só restaram os livros. Por enquanto.

Isso porque vem aí o leitor eletrônicos de textos, que vai engolir os livros como o iPod fez com os CDs e LPs que você costumava alisar. Há controvérsias quanto à velocidade e o alcance da novidade. Afinal, ao contrário dos exemplos citados acima, o livro tem a vantagem de não enguiçar, como bem lembrou Millôr Fernandes. Mas se a tecnologia for mesmo formidável, como a das máquinas fotográficas digitais, babau. Adeus livros.

O problema é que essas "plataformas ultrapassadas de conteúdo" são, antes de tudo, objetos. E o ser humano, desde os tempos do baú da vovó, se apega a objetos, é capaz de ter uma relação importante com eles. Não estou falando aqui de consumismo, de gente que compra coisas para dizer que tem, mas de pessoas que, ao longo da vida, colecionam peças com significados que vão muito além de sua forma objetiva ou sua utilidade prática.

Conheço apenas uma ou duas pessoas que não se apegam a qualquer objeto. Mas também há os que mudam de país e não se sentem estrangeiros _ há de tudo na diversidade humana, e as exceções estão aí para confirmar as regras. O fato é que a grande maioria já sofreu para jogar no lixo aquela jaqueta jeans puída, lembra com nostalgia do primeiro automóvel, guarda souvenirs bregas de viagem, resiste a se desfazer de uma penca de coisas inúteis no armário. Resiste, até ser vencido por um argumento final: aquele objeto não serve para mais nada. Foi assim que jogamos no lixo os discos de vinil que não tinham mais vitrola, ou as fitas que não tinham videocassete para serem exibidas.

Não tente me convencer de que suas músicas e filmes apenas mudaram de lugar, pois as coleções estariam a salvo em seu hardware de estimação. É impossível ter a mesma relação com o computador que será trocado no ano que vem. O chip de seu celular jamais vai lhe despertar a mesma emoção de quando você encontrou uma caderneta antiga de telefones no fundo da gaveta, ou de quando leu os compromissos de anos atrás numa agenda desgastada de colégio. Você abriu a agenda, curioso, e caiu dela um papelzinho. Talvez um recibo de lavanderia. Melhor: um telefone rabiscado com um nome embaixo. Quem era Débora? Quem foi Sérgio? Você tenta se recordar, examinando com as mãos a textura do papel, observando o desenho da letra. Se o papel estiver perfumado...

Nada disso. Esqueça cheiros e tramas. Agora tudo é diferente. As novas gerações já devem estar se adaptando a um mundo asséptico, sem os objetos que entulhavam e davam vida às nossas estantes. Na teoria, nossa trajetória e gostos pessoais continuarão registrados, agora nos arquivos dos computadores, guardados em memórias infinitas e com possibilidades de catalogação muito melhores. Ainda por cima, poderão ser compartilhados com o mundo, como aconteceu com os diários secretos que se tornaram blogs. E você ainda queria um perfume, ora essa.

Talvez não precisemos mais de objetos. Nossas salas estão condenadas a abrigar estantes vazias, preenchidas apenas por peças de decoração impessoais, como se morássemos em um flat. Restará a opção de nos expressarmos por meio de projetos de arquitetura criativos ou um design mais arrojado. Tomara que as visitas aprendam a conversar sobre o assunto.

Estava eu assim, entre triste e conformada, quando a Amazon me salvou. Ou melhor, roubou os livros que tinha vendido aos seus compradores. Já olhava com saudades para as minhas estantes, quando descobri que os pobres compradores de livros do Kindle na verdade estavam apenas pagando por uma licença para lê-los. Em última análise, trata-se de um direito que sempre poderá ser contestado judicialmente, como aconteceu com - ironia das ironias - as obras de George Orwell 1984 e Revolução dos bichos. E eu pensando que esses leitores "tinham" seus livros. Fiquei feliz por possuir os meus de fato, e já ter desenvolvido uma estratégia para eles não sumirem das prateleiras por causa dos empréstimos para amigos esquecidos.

Foi então que percebi porque muita gente ainda prefere "ter nas mãos", literalmente, álbuns de fotos impressas, discos de vinil, mídias com filmes que não vão sumir quando o computador der pau e vídeos que podem desaparecer do YouTube amanhã. Quando um objeto representa uma parte da gente, ninguém quer correr o risco de ser assaltado pela tecnologia no meio da madrugada. No caso dos livros, a opção de tê-los realmente, e não virtualmente, é ainda mais óbvia: sua história e simplicidade nos enchem de segurança em relação ao futuro. No máximo, precisaremos de um par de óculos mais potentes e alguma vigilância em relação às traças. Nossas estantes de livros estão salvas.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 28/8/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque de Humberto Pereira da Silva
02. E-mail (devassado) para meu filho de Ana Elisa Ribeiro
03. A Amazônia sem pátria de Félix Maier


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009
05. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/9/2009
23h47min
Me delicio vendo fotos amareladas que me recuso escanear, confesso que os discos de vinil se foram (talvez pela falta de espaço), mas ainda mantenho livros - visíveis, palpáveis e sedutores - na estante e meus porta-retratos ainda suportam fotos não digitalizadas nem photoshopadas... E ainda guardam a espontaneidade do momento.
[Leia outros Comentários de Denise Loureiro Silv]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Vida do Bebê
Rinaldo de Lamare
Agir
(2009)



Professores para Quê? - para uma Pedagogia da Pedagogia
Georges Gusdorf
Marins Fontes
(1995)



Holly The Eco Warrior (level 2)
Martyn Hobbs
Cambridge University Press
(2007)



A Vida como ela é... só que com mais dinheiro
Adriana Aguilar
Saraiva
(2006)



Um Filho do Circo
John Irving
Record
(2000)



Até mais, e obrigado pelos peixes ! - O Mochileiro das Galáxias 4
Douglas Adams
Arqueiro
(2010)



Estações
Gabriel Chalita
Globo
(2011)



A Dieta da Idade Verdadeira
Michael F Roizen; John La Pluma
Elsevier
(2001)



Coleção Livros o Globo - o Ateneu
Raul Pompeia
O Globo
(1997)



Sete Moradas na Rota Sideral
Raul Feteira
Record
(1975)





busca | avançada
83516 visitas/dia
2,4 milhões/mês