Ter ou não ter | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Historia do Brasil Vol. 1 de Helio Vianna pela Melhoramentos
>>> Livro dos Sonetos: 1500 - 1900 de Sérgio Faraco pela L e Pm (2002)
>>> O Novo Acordo Ortogáfico da Linguaportuguesa de Maurício Silva pela Contexto (2011)
>>> Onze Minutos de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> Toda Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2012)
>>> Solteira - O insuperável fascínio da mulher livre de Patrizia Gucci pela Prestígio (2004)
>>> Filha é Filha de Agatha Christie pela Lpm (2011)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record
>>> Taureg de Alberto Vazquez Figueróa pela L&pm (2002)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queirós pela Atica (2006)
>>> Bases da Biologia Celular e Molecular de De Robertis & Der Robertis Jr pela Guanabara Koogan (1993)
>>> Nas Asas da Ilusão de Kely Vyanna pela Brasília (2011)
>>> Você é Mais Forte do Que o Câncer de Susan Sorensen e Laura Geist pela Thomas Nelson Brasil (2007)
>>> As Cinco Estações do Corpo de João Curvo & Walter Truche pela Rocco (2001)
>>> The Feast of All Saints de Anne Rice pela Ballantine Books (1991)
>>> Geografia dos Estados Unidos de Pierre George pela Papirus (2010)
>>> The Diamond as Big as the Ritz and Other Stories de F. Scott Fitzgerald pela Longman (1974)
>>> O Caminho dos Sonhos de Mauro Lucido da Silva pela Mauro Lucido da Silva (2010)
>>> The Amen Corner de James Baldwin pela Corgi (1970)
>>> Menino de Engenho - 83ª Edição de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Em Missão de Socorro de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Lumen Editorial (2012)
>>> Enquanto Houver Vida Viverei de Julio Emilio Braz; Rogério Borges pela Ftd (1996)
>>> Aprenda Ingles Comercial e Turístico de José Luiz Rodrigues pela On Line (2012)
>>> Plenitude de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2000)
>>> The Vampire Diaries de L. J. Smith pela Harper Teen (1991)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/8/2009
Ter ou não ter
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Você já deve ter passado pela situação. Pode ter acontecido com os discos de vinil ou as fitas cassete que ouvia no carro, dependendo de sua idade. Quem sabe com a videoteca recheada de filmes em VHS ou shows em DVD. Se não aconteceu, certamente acontecerá com as pilhas de CDs, organizados por ordem alfabética ou musical, em torres imponentes enfeitando a sua sala. Estrategicamente localizadas (inclusive as fitas escondidas no porta-luvas, para serem achadas pela pessoa certa), estas pequenas ou grandes coleções de bens culturais eram a sua cara. Serviam para a visita puxar assunto, e mostravam o quanto você era sensível, tinha um gosto sofisticado ou uma queda para o trash.

Pois esses objetos adquiridos um a um, cada qual com a sua história, que reunidos eram o espelho de sua alma, estão em extinção. De repente, viraram nada. Havia mudado a tecnologia e ponto final. Só restaram os livros. Por enquanto.

Isso porque vem aí o leitor eletrônicos de textos, que vai engolir os livros como o iPod fez com os CDs e LPs que você costumava alisar. Há controvérsias quanto à velocidade e o alcance da novidade. Afinal, ao contrário dos exemplos citados acima, o livro tem a vantagem de não enguiçar, como bem lembrou Millôr Fernandes. Mas se a tecnologia for mesmo formidável, como a das máquinas fotográficas digitais, babau. Adeus livros.

O problema é que essas "plataformas ultrapassadas de conteúdo" são, antes de tudo, objetos. E o ser humano, desde os tempos do baú da vovó, se apega a objetos, é capaz de ter uma relação importante com eles. Não estou falando aqui de consumismo, de gente que compra coisas para dizer que tem, mas de pessoas que, ao longo da vida, colecionam peças com significados que vão muito além de sua forma objetiva ou sua utilidade prática.

Conheço apenas uma ou duas pessoas que não se apegam a qualquer objeto. Mas também há os que mudam de país e não se sentem estrangeiros _ há de tudo na diversidade humana, e as exceções estão aí para confirmar as regras. O fato é que a grande maioria já sofreu para jogar no lixo aquela jaqueta jeans puída, lembra com nostalgia do primeiro automóvel, guarda souvenirs bregas de viagem, resiste a se desfazer de uma penca de coisas inúteis no armário. Resiste, até ser vencido por um argumento final: aquele objeto não serve para mais nada. Foi assim que jogamos no lixo os discos de vinil que não tinham mais vitrola, ou as fitas que não tinham videocassete para serem exibidas.

Não tente me convencer de que suas músicas e filmes apenas mudaram de lugar, pois as coleções estariam a salvo em seu hardware de estimação. É impossível ter a mesma relação com o computador que será trocado no ano que vem. O chip de seu celular jamais vai lhe despertar a mesma emoção de quando você encontrou uma caderneta antiga de telefones no fundo da gaveta, ou de quando leu os compromissos de anos atrás numa agenda desgastada de colégio. Você abriu a agenda, curioso, e caiu dela um papelzinho. Talvez um recibo de lavanderia. Melhor: um telefone rabiscado com um nome embaixo. Quem era Débora? Quem foi Sérgio? Você tenta se recordar, examinando com as mãos a textura do papel, observando o desenho da letra. Se o papel estiver perfumado...

Nada disso. Esqueça cheiros e tramas. Agora tudo é diferente. As novas gerações já devem estar se adaptando a um mundo asséptico, sem os objetos que entulhavam e davam vida às nossas estantes. Na teoria, nossa trajetória e gostos pessoais continuarão registrados, agora nos arquivos dos computadores, guardados em memórias infinitas e com possibilidades de catalogação muito melhores. Ainda por cima, poderão ser compartilhados com o mundo, como aconteceu com os diários secretos que se tornaram blogs. E você ainda queria um perfume, ora essa.

Talvez não precisemos mais de objetos. Nossas salas estão condenadas a abrigar estantes vazias, preenchidas apenas por peças de decoração impessoais, como se morássemos em um flat. Restará a opção de nos expressarmos por meio de projetos de arquitetura criativos ou um design mais arrojado. Tomara que as visitas aprendam a conversar sobre o assunto.

Estava eu assim, entre triste e conformada, quando a Amazon me salvou. Ou melhor, roubou os livros que tinha vendido aos seus compradores. Já olhava com saudades para as minhas estantes, quando descobri que os pobres compradores de livros do Kindle na verdade estavam apenas pagando por uma licença para lê-los. Em última análise, trata-se de um direito que sempre poderá ser contestado judicialmente, como aconteceu com - ironia das ironias - as obras de George Orwell 1984 e Revolução dos bichos. E eu pensando que esses leitores "tinham" seus livros. Fiquei feliz por possuir os meus de fato, e já ter desenvolvido uma estratégia para eles não sumirem das prateleiras por causa dos empréstimos para amigos esquecidos.

Foi então que percebi porque muita gente ainda prefere "ter nas mãos", literalmente, álbuns de fotos impressas, discos de vinil, mídias com filmes que não vão sumir quando o computador der pau e vídeos que podem desaparecer do YouTube amanhã. Quando um objeto representa uma parte da gente, ninguém quer correr o risco de ser assaltado pela tecnologia no meio da madrugada. No caso dos livros, a opção de tê-los realmente, e não virtualmente, é ainda mais óbvia: sua história e simplicidade nos enchem de segurança em relação ao futuro. No máximo, precisaremos de um par de óculos mais potentes e alguma vigilância em relação às traças. Nossas estantes de livros estão salvas.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 28/8/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Xampu de Guga Schultze
02. Quem ainda compra música? de Rafael Fernandes
03. Reflexões para um mundo em crise de Luis Eduardo Matta


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/9/2009
23h47min
Me delicio vendo fotos amareladas que me recuso escanear, confesso que os discos de vinil se foram (talvez pela falta de espaço), mas ainda mantenho livros - visíveis, palpáveis e sedutores - na estante e meus porta-retratos ainda suportam fotos não digitalizadas nem photoshopadas... E ainda guardam a espontaneidade do momento.
[Leia outros Comentários de Denise Loureiro Silv]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Sedutor sem Coração - Box 5 Livros
Lisa Kleypas
Arqueiro
(2018)



Psicologia da Criança
Karl G. Garrison & Outros
Ibrasa
(1971)



Turma da Mônica Jovem Nº 70- Nosso Filhote
Mauricio de Sousa
Panini
(2014)



Minha 1ª Biblioteca Larousse Enciclopédia 2
Larousse
Laurousse
(2007)



Quem Tem Medo de Vampiro?
Dalton Trevisan
Ática
(2013)



Elo
James Capelli
Escritorio de Midia



Como Ganhar Mais Dinheiro e Viver Melhor!
Fernando Veríssimo
Seles
(2003)



Independência ou Morte - A emancipação política do Brasil
Ilmar Rohloff e Luis Affonso
Atual
(1991)



O Leão e o Rato
Maria Espluga (ilustrações)
Sm
(2000)



Cheiro de Goiaba - 8ª Ed.
Gabriel Garcia Marquez
Record
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês