Legião fala a língua dos outros | Ram Rajagopal | Digestivo Cultural

busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Segunda-feira, 31/7/2006
Legião fala a língua dos outros
Ram Rajagopal

+ de 3600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Pois é, são oxalá, não-sei-quantos-anos do fim da Legião, que encerrou suas atividades com a morte do seu mentor e sua principal voz, Renato Russo. O que a banda representa para mim, pessoalmente, nada tem a ver com seu valor artístico intrínseco. Se é que tal valor existe na arte, mas isto é assunto para um outro texto. Mas me perguntei por que a banda conquistou tantos jovens e adultos e continou a ter sua marca até hoje no rock brasileiro?

Uma resposta cínica que já ouvi de um colega: porque nosso rock sempre foi mal das pernas e só há poucos anos começou a ter uma diversidade maior, apesar da qualidade ainda duvidosa. Realmente, se colocarmos como parâmetro de comparação o rock/folk original, não há no rock nacional nada que chegue perto de Beatles, em termos de composição, ou de Paul Simon em termos de melodia e letras, ou de Bob Dylan em termos de maturidade lírica. Mas é uma comparação injusta, afinal o rock é música anglo-saxônica, do working class anglo-americano. O rock no Brasil é essencialmente música da classe média. Afinal, tem que ter dindim para se comprar um disco importado dos Stones ou dos Beatles, como era bem lá no inicio. E mais dindim ainda para entender inglês.

Mas o que tudo isso tem a ver com o sucesso da Legião Urbana? Bom, eu vou propor aqui uma observação casuística, e, se vocês quiserem, pesquem a isca. A banda, e especialmente Renato Russo, traduziu esta língua dos outros, o rock, para o português. Não foi o primeiro a fazer isso. Mas foi o primeiro a destilar a música de acordo com as expectativas da classe média. Especialmente de uma classe média jovem, da década de 80, desiludida com as perspectivas do país, e de certa forma entediada com a vida. A grande qualidade do Russo é traduzir assepticamente emoções e idéias, sem ameaçar nada ou ninguém. Nenhum leitor espera que gangues de motoqueiros saiam por ai quebrando bairros após ouvir Renato Russo. No máximo, um suicídio aqui e ali, mais por tédio da vida do que por revolta com a sociedade.

Há um mérito enorme nisso, sim. Um bom artista não é só aquele que expõe sua visão desvairada do mundo. Até porque, como sua visão pode ser completamente única, pode se tornar totalmente desinteressante para os outros, sem capturar a imaginação e a emoção daqueles que tomam contato com ela. Renato Russo, e sua banda, souberam traduzir e simplificar o rock para a classe média brasileira. O cantor ou Dado Villa-Lobos - não lembro agora - em uma observação astuta, disse uma vez: "todas as nossas músicas são praticamente os mesmos três acordes". Quer algo mais simples e destilado do que isso? As letras também são, em geral, poeticamente simples, representam emoções que estão presentes em qualquer cidadão brasileiro de classe média. Agora vai lá cantar "Eduardo e Mônica" para o Paul McCartney, em sua juventude de Liverpool, e provavelmente teremos uma reação de: sim, e daí?

A banda como um todo evoluiu um pouco em suas melodias e letras ao longo da carreira. No entanto, algo que eu pessoalmente não admiro muito na Legião foi que, apesar de todo o sucesso construído, eles não souberam explorar o próximo passo, que seria simplesmente a pergunta: será que o rock que estou traduzindo é tudo? Onde mais eu posso ir? Aonde posso experimentar? Minhas canções prediletas - e que entraram para a história - estão em discos seminais que representam descontinuidades com o passado. Não acredita? Ouçam Wish You Were Here, o manjado Sgt. Pepper's (ou melhor, Revolver), Exile on Main Street, Nevermind, Siamese Dream, Disraeli Gears... Para o Legião, a discontinuidade que não se manifestou completamente foi ter descoberto sua voz independente, sua voz de "tradutor". Este é o Renato, um pouco mais "explorador", que se encontra em Equilíbrio Distante. Para uma "voz atormentada do punk", nada mal seguir uma carreira em ópera...!

Alguns dos grandes momentos de Renato Russo como letrista (grande dentro do que é grande no rock brasileiro) aconteceram quando ele expressou a voz de outros, como na linda música "Monte Castelo", um apanhado de Paulo - o apóstolo! - e Camões:

"Ainda que eu falasse a língua dos homens/ E falasse a língua do anjos, sem amor eu nada seria./ É só o amor, é só o amor./ Que conhece o que é verdade./ O amor é bom, não quer o mal./ Não sente inveja ou se envaidece./ O amor é o fogo que arde sem se ver./ É ferida que dói e não se sente./ É um contentamento descontente./ É dor que desatina sem doer./ É um não querer mais que bem querer./ É solitário andar por entre a gente./ É um não contentar-se de contente./ É cuidar que se ganha em se perder./ É um estar-se preso por vontade. É servir a quem vence, o vencedor;/ É um ter com quem nos mata a lealdade./ Tão contrário a si é o mesmo amor./ Estou acordado e todos dormem, todos dormem, todos dormem./ Agora vejo em parte. Mas então veremos face a face."

Renato falou a língua dos brasileiros de classe média, e ao menos esteve acordado e antenado para as mensagens que são universais a este grupo. Em "Monte Castelo", no entanto, ele deixa bem claro, "sem amor eu nada seria". Amores de Renato? Os fãs, suas músicas, seus casos, e sua vida de popstar rebelde, que nos cai bem pois não nos ameaça já que ele foi, e sempre será, um dos nossos? Não tome minha isca, meu chute calibrado, como visão cínica... O que o Legião representa para você é seu, individual, intransferível.

Quanto à minha opinião pessoal e intransferível, vou ficar com ela só para mim. Mas lhes conto que, do letrista Renato, algumas de minhas estrofes mais queridas são as seguintes - fora "Monte Castelo" (sim, podem me bater, soam bem maniqueístas...):

"E há ferrugem nos sorrisos/.../ Meu amor, disciplina é liberdade/ Compaixão é fortaleza./ Ter bondade é ter coragem/ Ela disse: Lá em casa tem um poço mas a água é muito limpa."

Ou:

"E é só você que tem a cura para o meu vício/ De insistir nessa saudade que eu sinto/ De tudo que eu ainda não vi."

De qualquer maneira, a Legião não é nada que precise ser levada tão mais a sério que... o Roupa Nova? E sua excepcional rendição de "Whisky A Go Go"...

(E uma amiga apontou e eu concordo: prestem atenção em "Índios" e reparem como Russo espertamente usa o gradativo aumento de tom na música para gerar tensão. Fico imaginando se uma idéia semelhante não tornaria mais interessante alguns dos BRoques entediantes que andam saindo nas rádios ultimamente...)


Ram Rajagopal
Berkeley, 31/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Magia além do Photoshop de Isabel Furini
02. Tempo vida poesia 2/5 de Elisa Andrade Buzzo
03. Palácio dos sabores 4/5 de Elisa Andrade Buzzo
04. O prazer da literatura em perigo de Jardel Dias Cavalcanti
05. Guia Jetlag de Viagem: Molvânia de Ricardo de Mattos


Mais Ram Rajagopal
Mais Acessadas de Ram Rajagopal em 2006
01. Sobre responsabilidade pessoal - 1/5/2006
02. Como o Google funciona - 14/3/2006
03. Como começar uma carreira em qualquer coisa - 24/4/2006
04. Música é coração, computadores, não? - 28/2/2006
05. Reflexão para eleitores - 4/9/2006


Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2006
15h34min
Nossa, fabuloso! Adorei a edição desse texto que diz tanto sobre esse rock de classe média tão perfeitamente compreendido pelo Renato, pela Legião e tão bem colocado por você, Rajagopal. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Jaque]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CARREIRAS ADMINISTRATIVAS VOLUME 1
ALFACON
ALFACON
(2019)
R$ 69,00
+ frete grátis



ORTHO S HOME IMPROVEMENT ENCYCLOPEDIA
ORTHO BOOKS
ORTHO BOOKS
(1994)
R$ 25,00



ARENA CORINTHIANS A NOSSA CASA
TADEO SANCHEZ OLLER
VERSAL
(2014)
R$ 25,00



ESCALAS BRANDI DE AVALIAÇÃO DA VOZ FALADA
EDMÉE BRANDI
ATHENEU
(1996)
R$ 26,82



CONTOS DO VALE DO JACARECICA - 9688
ILZA DO ESPÍRITO SANTO PORTO
DO AUTOR
(1979)
R$ 8,00



O CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NOS CONCURSOS PUBLICOS
ZELIO MAIA DA ROCHA - VICENTE PAULO
VESTCON
(2003)
R$ 5,00



MISTÉRIOS DO MAR A VIDA SOB AS ÁGUAS
RECREIO
ABRIL
R$ 5,00



BAHIA LIFE
CLAUDEMIR
SIQUINI
R$ 29,90



O PRÍNCIPE E ESCRITOS POLÍTICOS
NICOLAU MAQUIAVEL
FOLHA DE S. PAULO
(2010)
R$ 35,90



O CÓDIGO DA SUPERAÇÃO: UMA FASCINANTE JORNADA ALÉM DA CONQUISTA
JOSÉ LUIZ TEJON
GENTE
(2016)
R$ 16,90





busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês