Legião fala a língua dos outros | Ram Rajagopal | Digestivo Cultural

busca | avançada
62861 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Saudosismo
>>> Lei de Deus?
>>> Remorsos, devaneios, cor do tempo
>>> O enigma de Lindonéia
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Eleições na quinta série
>>> O que aconteceu com a Folha de S. Paulo?
>>> O regresso, a última viagem de Rimbaud
>>> Eleições 2014: intrigas, infâmias, alucinações
>>> Toda poesia de Paulo Leminski
Mais Recentes
>>> Confidências de um Inconfidente de Marilusa Moreira Vasconcello pela Edicel (1983)
>>> Anotações de um taxista ocasional de Edison Pietrobelli pela Global (1999)
>>> O Mundo Negro. Relações Raciais E A Constituiçao de Amilcar Araujo Pereira pela Pallas (2022)
>>> O que faz Sammy Correr? de Budd Schulberg pela Record
>>> Ensino Renovado de Biografias - 3º Vol. L - P de Vários Autores pela Formar
>>> Ensino De História E Cultura Afro-Brasileira de Amilcar Araujo Pereira pela Pallas (2022)
>>> Caminhos de Odu de Agenor Miranda Rocha pela Pallas (2022)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Circulo do Livro (1985)
>>> Igbadu: a Cabaça da Existência: Mitos Nagôs de Adilson de Oxalá pela Pallas (2000)
>>> Igbadu: a Cabaça da Existência: Mitos Nagôs de Adilson de Oxalá pela Pallas (2000)
>>> O livro de Judas de Assis Brasil pela Clube do Livro (1970)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Circulo do Livro
>>> A Coluna Prestes - Análises e depoimentos de Nelson Werneck Sodré pela Circulo do Livro (1983)
>>> Breve Sexta - Feira de Isaac Bashevis Singer pela Clube do Livro
>>> Para Viver a Grande Mensagem de Richard Simonetti pela Feb (1987)
>>> HQ V de Vingança de Alan Moore e David Lloyd pela Panini Comics (2007)
>>> HQ Pecador Originais 001 - Os Segredos do Universo Marvel! de Marvel comics pela Panini Comics (2015)
>>> HQ Authority Vol. 1 de Warren Ellis; Hitch; Neary pela Panini Comics (2015)
>>> HQ Superman Condenado V.1 Apocalypse: O Retorno de DC Comics pela Panini Comics (2015)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 7 Dollar Bill & Moloch de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2013)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 6 Ozymandias de Len Wein - Jae Lee pela Panini Comics (2013)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 4 DR. Manhattan de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2013)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 1 Coruja de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2013)
>>> HQ - Crise Infinita Batalha pelo Multiverso vol.1 de Dan Abnett pela Panini Comics (2015)
>>> HQ - Crise Infinita Batalha pelo Multiverso vol.2 de Dan Abnett pela Panini Comics (2016)
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Segunda-feira, 31/7/2006
Legião fala a língua dos outros
Ram Rajagopal

+ de 3900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Pois é, são oxalá, não-sei-quantos-anos do fim da Legião, que encerrou suas atividades com a morte do seu mentor e sua principal voz, Renato Russo. O que a banda representa para mim, pessoalmente, nada tem a ver com seu valor artístico intrínseco. Se é que tal valor existe na arte, mas isto é assunto para um outro texto. Mas me perguntei por que a banda conquistou tantos jovens e adultos e continou a ter sua marca até hoje no rock brasileiro?

Uma resposta cínica que já ouvi de um colega: porque nosso rock sempre foi mal das pernas e só há poucos anos começou a ter uma diversidade maior, apesar da qualidade ainda duvidosa. Realmente, se colocarmos como parâmetro de comparação o rock/folk original, não há no rock nacional nada que chegue perto de Beatles, em termos de composição, ou de Paul Simon em termos de melodia e letras, ou de Bob Dylan em termos de maturidade lírica. Mas é uma comparação injusta, afinal o rock é música anglo-saxônica, do working class anglo-americano. O rock no Brasil é essencialmente música da classe média. Afinal, tem que ter dindim para se comprar um disco importado dos Stones ou dos Beatles, como era bem lá no inicio. E mais dindim ainda para entender inglês.

Mas o que tudo isso tem a ver com o sucesso da Legião Urbana? Bom, eu vou propor aqui uma observação casuística, e, se vocês quiserem, pesquem a isca. A banda, e especialmente Renato Russo, traduziu esta língua dos outros, o rock, para o português. Não foi o primeiro a fazer isso. Mas foi o primeiro a destilar a música de acordo com as expectativas da classe média. Especialmente de uma classe média jovem, da década de 80, desiludida com as perspectivas do país, e de certa forma entediada com a vida. A grande qualidade do Russo é traduzir assepticamente emoções e idéias, sem ameaçar nada ou ninguém. Nenhum leitor espera que gangues de motoqueiros saiam por ai quebrando bairros após ouvir Renato Russo. No máximo, um suicídio aqui e ali, mais por tédio da vida do que por revolta com a sociedade.

Há um mérito enorme nisso, sim. Um bom artista não é só aquele que expõe sua visão desvairada do mundo. Até porque, como sua visão pode ser completamente única, pode se tornar totalmente desinteressante para os outros, sem capturar a imaginação e a emoção daqueles que tomam contato com ela. Renato Russo, e sua banda, souberam traduzir e simplificar o rock para a classe média brasileira. O cantor ou Dado Villa-Lobos - não lembro agora - em uma observação astuta, disse uma vez: "todas as nossas músicas são praticamente os mesmos três acordes". Quer algo mais simples e destilado do que isso? As letras também são, em geral, poeticamente simples, representam emoções que estão presentes em qualquer cidadão brasileiro de classe média. Agora vai lá cantar "Eduardo e Mônica" para o Paul McCartney, em sua juventude de Liverpool, e provavelmente teremos uma reação de: sim, e daí?

A banda como um todo evoluiu um pouco em suas melodias e letras ao longo da carreira. No entanto, algo que eu pessoalmente não admiro muito na Legião foi que, apesar de todo o sucesso construído, eles não souberam explorar o próximo passo, que seria simplesmente a pergunta: será que o rock que estou traduzindo é tudo? Onde mais eu posso ir? Aonde posso experimentar? Minhas canções prediletas - e que entraram para a história - estão em discos seminais que representam descontinuidades com o passado. Não acredita? Ouçam Wish You Were Here, o manjado Sgt. Pepper's (ou melhor, Revolver), Exile on Main Street, Nevermind, Siamese Dream, Disraeli Gears... Para o Legião, a discontinuidade que não se manifestou completamente foi ter descoberto sua voz independente, sua voz de "tradutor". Este é o Renato, um pouco mais "explorador", que se encontra em Equilíbrio Distante. Para uma "voz atormentada do punk", nada mal seguir uma carreira em ópera...!

Alguns dos grandes momentos de Renato Russo como letrista (grande dentro do que é grande no rock brasileiro) aconteceram quando ele expressou a voz de outros, como na linda música "Monte Castelo", um apanhado de Paulo - o apóstolo! - e Camões:

"Ainda que eu falasse a língua dos homens/ E falasse a língua do anjos, sem amor eu nada seria./ É só o amor, é só o amor./ Que conhece o que é verdade./ O amor é bom, não quer o mal./ Não sente inveja ou se envaidece./ O amor é o fogo que arde sem se ver./ É ferida que dói e não se sente./ É um contentamento descontente./ É dor que desatina sem doer./ É um não querer mais que bem querer./ É solitário andar por entre a gente./ É um não contentar-se de contente./ É cuidar que se ganha em se perder./ É um estar-se preso por vontade. É servir a quem vence, o vencedor;/ É um ter com quem nos mata a lealdade./ Tão contrário a si é o mesmo amor./ Estou acordado e todos dormem, todos dormem, todos dormem./ Agora vejo em parte. Mas então veremos face a face."

Renato falou a língua dos brasileiros de classe média, e ao menos esteve acordado e antenado para as mensagens que são universais a este grupo. Em "Monte Castelo", no entanto, ele deixa bem claro, "sem amor eu nada seria". Amores de Renato? Os fãs, suas músicas, seus casos, e sua vida de popstar rebelde, que nos cai bem pois não nos ameaça já que ele foi, e sempre será, um dos nossos? Não tome minha isca, meu chute calibrado, como visão cínica... O que o Legião representa para você é seu, individual, intransferível.

Quanto à minha opinião pessoal e intransferível, vou ficar com ela só para mim. Mas lhes conto que, do letrista Renato, algumas de minhas estrofes mais queridas são as seguintes - fora "Monte Castelo" (sim, podem me bater, soam bem maniqueístas...):

"E há ferrugem nos sorrisos/.../ Meu amor, disciplina é liberdade/ Compaixão é fortaleza./ Ter bondade é ter coragem/ Ela disse: Lá em casa tem um poço mas a água é muito limpa."

Ou:

"E é só você que tem a cura para o meu vício/ De insistir nessa saudade que eu sinto/ De tudo que eu ainda não vi."

De qualquer maneira, a Legião não é nada que precise ser levada tão mais a sério que... o Roupa Nova? E sua excepcional rendição de "Whisky A Go Go"...

(E uma amiga apontou e eu concordo: prestem atenção em "Índios" e reparem como Russo espertamente usa o gradativo aumento de tom na música para gerar tensão. Fico imaginando se uma idéia semelhante não tornaria mais interessante alguns dos BRoques entediantes que andam saindo nas rádios ultimamente...)


Ram Rajagopal
Rio de Janeiro, 31/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Duas distopias à brasileira de Carla Ceres
02. Mulheres fantásticas e futuristas de Carla Ceres
03. Pesquisando (e lendo) o jornalismo de Duanne Ribeiro
04. Um alucinante encontro com Lula de Elisa Andrade Buzzo
05. Querido site de compras coletivas de Carla Ceres


Mais Ram Rajagopal
Mais Acessadas de Ram Rajagopal em 2006
01. Sobre responsabilidade pessoal - 1/5/2006
02. Como o Google funciona - 14/3/2006
03. Como começar uma carreira em qualquer coisa - 24/4/2006
04. Reflexão para eleitores - 4/9/2006
05. Música é coração, computadores, não? - 28/2/2006


Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2006
15h34min
Nossa, fabuloso! Adorei a edição desse texto que diz tanto sobre esse rock de classe média tão perfeitamente compreendido pelo Renato, pela Legião e tão bem colocado por você, Rajagopal. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Jaque]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quels Pères? Quels Fils?
Evelyne Sullerot
Fayard
(1992)



O Caçador de Pipas
Khaled Hosseini
Nova Fronteira
(2005)



Minorias Nacionais da China
Coleção Grande Muralha
Beijin
(1984)



Das Raízes
Luiz Fernando Valladares
Do Autor
(1990)



O Coração do Homem: Seu Gênio para o Bem e para o Mal
Erich From
Zahar



A Chave
Machado de Assis
Globus
(2009)



Seja Feliz sem Querer Controlar Tudo
Joe Caruso
Alegro
(2003)



40 Dias para Mudar o Mundo
David Jeremiah
Thomas Nelson Brasil



Desenho Técnico 1 801 Métodos
José Luiz de Oliveira e Outros
Tetra



O penitente
Isaac Bashevis Singer
L&Pm
(1998)





busca | avançada
62861 visitas/dia
1,9 milhão/mês