Legião fala a língua dos outros | Ram Rajagopal | Digestivo Cultural

busca | avançada
61604 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo I
>>> Violões do Brasil
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Água para Elefantes de Sara Gruen pela Arqueiro (2011)
>>> Introdução ao Pensar de Arcangelo R. Buzzi pela Vozes (2004)
>>> Desonrada de Mukhtar Mai; Marie Thérèse Cuny pela Best Seller (2007)
>>> Coisas do Mundo de Eric Nepomuceno pela Companhia das Letras (1994)
>>> Capitão América - O Soldado Invernal (A Coleção Oficial nº 45) de Ed Brubaker; Steve Epting pela Salvat / Panini (2014)
>>> Liderança e Motivaçao de Martius Vicente Rodriguez y Rodriguez pela Elsevier (2004)
>>> Como enfrentar os problemas da vida de Harida Chaudhuri pela Pensamento (1968)
>>> Pequenos Delítos de Anderson Petroni pela Patuá (2013)
>>> O Amor do Soldado de Jorge Amado pela Martins
>>> A águia e a Galinha de Leonardo Boff pela Vozes Nobilis (2017)
>>> How to Raise Successful People de Esther Wojcicki pela Hutchinson London (2019)
>>> Organizational Theory, Design, and Change de Gareth Jones pela Prentice Hall (2009)
>>> Tratamento Respiratório Intensivo de John M. Luce / David J. Pierson / Martha L. Tyler pela Revinter (1995)
>>> 1001 Maneiras de Premiar seus Colaboradores de Bob Nelson pela Sextante (2007)
>>> Psicomotricidade: Filogênese, Ontogênese e Retrogênese de Vitor da Fonseca pela Artes Medicas (1998)
>>> Sumulas da Agu Comentadas de Nilma de Castro Abe; Adriana Aghinoni Fantin pela Saraiva (2013)
>>> Temas Atuais de Direito Civil na Constituicao Federal de Rui Geraldo Camargo Viana pela Revista dos Tribunais (2000)
>>> O brasil por seus artistas / Brazil Through its artists de Walmir Ayala pela Abril (1601)
>>> Show Off - How to do Absolutely Everything de Sarah Hines Stephens ;bethany Mann pela Candlewick Press (2009)
>>> Auditoria: um Curso Completo e Moderno de Marcelo Cavalcanti Almeida pela Atlas (2007)
>>> A Cena Brasileira em Santo André de José Armando Pereira da Silva pela Secretaria de Cultura (2001)
>>> O Livro Secreto de Beleza das Divas de Hollywood de Kym Douglas e Cindy Pearlman pela Larousse (2011)
>>> Triple de Ken Follett pela Signet (1979)
>>> A Essência da Visualização a Arte de Viver de Não Indicado pela Martin Claret
>>> Confissões de Adolescente de Maria Mariana pela Relume Dumara
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Segunda-feira, 31/7/2006
Legião fala a língua dos outros
Ram Rajagopal

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Pois é, são oxalá, não-sei-quantos-anos do fim da Legião, que encerrou suas atividades com a morte do seu mentor e sua principal voz, Renato Russo. O que a banda representa para mim, pessoalmente, nada tem a ver com seu valor artístico intrínseco. Se é que tal valor existe na arte, mas isto é assunto para um outro texto. Mas me perguntei por que a banda conquistou tantos jovens e adultos e continou a ter sua marca até hoje no rock brasileiro?

Uma resposta cínica que já ouvi de um colega: porque nosso rock sempre foi mal das pernas e só há poucos anos começou a ter uma diversidade maior, apesar da qualidade ainda duvidosa. Realmente, se colocarmos como parâmetro de comparação o rock/folk original, não há no rock nacional nada que chegue perto de Beatles, em termos de composição, ou de Paul Simon em termos de melodia e letras, ou de Bob Dylan em termos de maturidade lírica. Mas é uma comparação injusta, afinal o rock é música anglo-saxônica, do working class anglo-americano. O rock no Brasil é essencialmente música da classe média. Afinal, tem que ter dindim para se comprar um disco importado dos Stones ou dos Beatles, como era bem lá no inicio. E mais dindim ainda para entender inglês.

Mas o que tudo isso tem a ver com o sucesso da Legião Urbana? Bom, eu vou propor aqui uma observação casuística, e, se vocês quiserem, pesquem a isca. A banda, e especialmente Renato Russo, traduziu esta língua dos outros, o rock, para o português. Não foi o primeiro a fazer isso. Mas foi o primeiro a destilar a música de acordo com as expectativas da classe média. Especialmente de uma classe média jovem, da década de 80, desiludida com as perspectivas do país, e de certa forma entediada com a vida. A grande qualidade do Russo é traduzir assepticamente emoções e idéias, sem ameaçar nada ou ninguém. Nenhum leitor espera que gangues de motoqueiros saiam por ai quebrando bairros após ouvir Renato Russo. No máximo, um suicídio aqui e ali, mais por tédio da vida do que por revolta com a sociedade.

Há um mérito enorme nisso, sim. Um bom artista não é só aquele que expõe sua visão desvairada do mundo. Até porque, como sua visão pode ser completamente única, pode se tornar totalmente desinteressante para os outros, sem capturar a imaginação e a emoção daqueles que tomam contato com ela. Renato Russo, e sua banda, souberam traduzir e simplificar o rock para a classe média brasileira. O cantor ou Dado Villa-Lobos - não lembro agora - em uma observação astuta, disse uma vez: "todas as nossas músicas são praticamente os mesmos três acordes". Quer algo mais simples e destilado do que isso? As letras também são, em geral, poeticamente simples, representam emoções que estão presentes em qualquer cidadão brasileiro de classe média. Agora vai lá cantar "Eduardo e Mônica" para o Paul McCartney, em sua juventude de Liverpool, e provavelmente teremos uma reação de: sim, e daí?

A banda como um todo evoluiu um pouco em suas melodias e letras ao longo da carreira. No entanto, algo que eu pessoalmente não admiro muito na Legião foi que, apesar de todo o sucesso construído, eles não souberam explorar o próximo passo, que seria simplesmente a pergunta: será que o rock que estou traduzindo é tudo? Onde mais eu posso ir? Aonde posso experimentar? Minhas canções prediletas - e que entraram para a história - estão em discos seminais que representam descontinuidades com o passado. Não acredita? Ouçam Wish You Were Here, o manjado Sgt. Pepper's (ou melhor, Revolver), Exile on Main Street, Nevermind, Siamese Dream, Disraeli Gears... Para o Legião, a discontinuidade que não se manifestou completamente foi ter descoberto sua voz independente, sua voz de "tradutor". Este é o Renato, um pouco mais "explorador", que se encontra em Equilíbrio Distante. Para uma "voz atormentada do punk", nada mal seguir uma carreira em ópera...!

Alguns dos grandes momentos de Renato Russo como letrista (grande dentro do que é grande no rock brasileiro) aconteceram quando ele expressou a voz de outros, como na linda música "Monte Castelo", um apanhado de Paulo - o apóstolo! - e Camões:

"Ainda que eu falasse a língua dos homens/ E falasse a língua do anjos, sem amor eu nada seria./ É só o amor, é só o amor./ Que conhece o que é verdade./ O amor é bom, não quer o mal./ Não sente inveja ou se envaidece./ O amor é o fogo que arde sem se ver./ É ferida que dói e não se sente./ É um contentamento descontente./ É dor que desatina sem doer./ É um não querer mais que bem querer./ É solitário andar por entre a gente./ É um não contentar-se de contente./ É cuidar que se ganha em se perder./ É um estar-se preso por vontade. É servir a quem vence, o vencedor;/ É um ter com quem nos mata a lealdade./ Tão contrário a si é o mesmo amor./ Estou acordado e todos dormem, todos dormem, todos dormem./ Agora vejo em parte. Mas então veremos face a face."

Renato falou a língua dos brasileiros de classe média, e ao menos esteve acordado e antenado para as mensagens que são universais a este grupo. Em "Monte Castelo", no entanto, ele deixa bem claro, "sem amor eu nada seria". Amores de Renato? Os fãs, suas músicas, seus casos, e sua vida de popstar rebelde, que nos cai bem pois não nos ameaça já que ele foi, e sempre será, um dos nossos? Não tome minha isca, meu chute calibrado, como visão cínica... O que o Legião representa para você é seu, individual, intransferível.

Quanto à minha opinião pessoal e intransferível, vou ficar com ela só para mim. Mas lhes conto que, do letrista Renato, algumas de minhas estrofes mais queridas são as seguintes - fora "Monte Castelo" (sim, podem me bater, soam bem maniqueístas...):

"E há ferrugem nos sorrisos/.../ Meu amor, disciplina é liberdade/ Compaixão é fortaleza./ Ter bondade é ter coragem/ Ela disse: Lá em casa tem um poço mas a água é muito limpa."

Ou:

"E é só você que tem a cura para o meu vício/ De insistir nessa saudade que eu sinto/ De tudo que eu ainda não vi."

De qualquer maneira, a Legião não é nada que precise ser levada tão mais a sério que... o Roupa Nova? E sua excepcional rendição de "Whisky A Go Go"...

(E uma amiga apontou e eu concordo: prestem atenção em "Índios" e reparem como Russo espertamente usa o gradativo aumento de tom na música para gerar tensão. Fico imaginando se uma idéia semelhante não tornaria mais interessante alguns dos BRoques entediantes que andam saindo nas rádios ultimamente...)


Ram Rajagopal
Rio de Janeiro, 31/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra de Renato Alessandro dos Santos
02. Silêncio e grito de Ana Elisa Ribeiro
03. A pós-esquerda identitária e grupalista de Luis Dolhnikoff
04. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
05. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ram Rajagopal
Mais Acessadas de Ram Rajagopal em 2006
01. Sobre responsabilidade pessoal - 1/5/2006
02. Como o Google funciona - 14/3/2006
03. Como começar uma carreira em qualquer coisa - 24/4/2006
04. Reflexão para eleitores - 4/9/2006
05. Música é coração, computadores, não? - 28/2/2006


Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2006
15h34min
Nossa, fabuloso! Adorei a edição desse texto que diz tanto sobre esse rock de classe média tão perfeitamente compreendido pelo Renato, pela Legião e tão bem colocado por você, Rajagopal. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Jaque]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Estudos Econômicos Vol 11 Número Especial -1981
Ipe
Ipe
(1981)



1984
George Orwell
Principis
(2021)



A Oeste Nada de Novo
Erich Maria Remarque
Europa-américa
(1954)



Goiás - Cozinha Regional Brasileira - Vol. 15
Abril Coleções
Abril Coleções
(2012)



Não Se Apega, Não
Isabela Freitas
Intrinseca
(2014)



Historia e Memoria, V. 4
Marlene Marchiori
Senac
(2014)



Cidadania e loucura: políticas de saúde mental no Brasil
Silvério Almeida Nilson do Rosário
Vozes
(1992)



Mar Morto
Jorge Amado
Livraria Martins
(1970)



O Que Esperam de Mim na Gestão Escolar Volume I
Douglas Menslin
Mm
(2012)



O Anjo, A Pérola e o Pequeno Deus
Wiston Graham
Círculo do Livro
(1979)





busca | avançada
61604 visitas/dia
1,8 milhão/mês