O retorno de Maigret | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
COLUNAS

Terça-feira, 15/2/2005
O retorno de Maigret
Luis Eduardo Matta

+ de 3000 Acessos

Considerado por André Gide, como "o maior de todos os escritores" e "o romancista mais genuíno da Literatura", Georges Joseph Christian Simenon, ou simplesmente, Georges Simenon (1903-1989) é uma referência marcante e indiscutível em toda a história da Literatura, quando o assunto é ficção policial. Autor de cerca de quatrocentos romances - setenta e cinco dos quais protagonizados pelo seu mais célebre personagem, o comissário da Polícia Judiciária francesa Jules Maigret -, Simenon, que nasceu na cidade belga de Liége e se mudou para Paris ainda muito jovem, notabilizou-se pela maneira bastante particular de contar uma história de mistério. Imergir nos seus livros é enveredar por uma viagem inebriante, sem equivalente na prosa policial em geral. Não à toa, ele conseguiu unir prestígio literário a uma expressiva popularidade junto aos leitores, que o levaram a atingir o impressionante patamar de quase um bilhão e meio de exemplares vendidos em mais de cinqüenta idiomas.

Na prosa de Simenon a solução do crime, questão central em qualquer livro de mistério que se preze, não é, isoladamente, o principal atrativo. A ambientação da história, a precisão dos diálogos, o olhar atento sobre o cotidiano, a condição humana das personagens, tudo descrito adequadamente por meio de uma linguagem simples, porém rica e vigorosa, desempenham papel igualmente importante e é o equilíbrio perfeito desses elementos com a trama policial em si que torna Simenon um autor único. Ao contrário do que muita gente imagina, é extremamente difícil produzir uma ficção policial consistente. A concepção de uma boa trama de mistério, inclusive para que a sua leitura seja simples, é complexa e requer uma dedicação exaustiva do escritor no intuito de lhe dar um encaminhamento hábil e pouco óbvio, que resulte num final coerente, verossímil e, ao mesmo tempo, realmente surpreendente. Simenon soube desenvolver essa técnica e adaptar a ela uma boa dose de reflexão e densidade, algo que vários escritores tentaram, muitas vezes com resultados desastrosos.

Tive a oportunidade de descobrir a Literatura de Simenon muito cedo; eu devia ter uns treze para catorze anos quando me caiu às mãos um exemplar de Morte na Alta Sociedade, que me lembro de ter lido em dois dias. A verdade é que o meu ingresso no mundo dos livros, ainda na adolescência, se deu quase que exclusivamente através da Literatura policial e de suspense, não só a de Simenon, mas também a de Agatha Christie, Raymond Chandler, Ross Macdonald e, um pouco mais tarde, Rex Stout e Mary Higgins Clark. Graças a esses notáveis autores, adquiri e desenvolvi o hábito da leitura, me familiarizei com a palavra escrita e acabei descobrindo que ler, mais do que tudo, é um grande prazer. A Literatura policial, igualmente, me abriu portas para outras sendas literárias e, pouco a pouco, fui me aventurando por novos gêneros e autores, tanto os de ontem quanto os de hoje. Foi um processo natural, gradual e espontâneo, que poderia ter sido traumático caso eu tivesse, de cara, me defrontado com algum cânone literário, com algum dos autores clássicos incensados pela mídia e pela intelectualidade e adotados arbitrariamente pelas escolas como uma amarga leitura obrigatória.

Recentemente, em 2004, a editora Nova Fronteira, em parceria com a L&PM Editores começou a reeditar a obra de Georges Simenon através da Coleção Simenon Pocket, cuja grande estrela, como não poderia deixar de ser, é o comissário Jules Maigret. Com um novo e impecável projeto gráfico - sóbrio e, ao mesmo tempo, leve -, os livros são publicados no formado de bolso e vem se somar à já consagrada Coleção L&PM Pocket que conta, hoje, com mais de trezentos e cinqüenta títulos, de Sófocles a Luis Fernando Veríssimo, passando por Shakespeare, Thomas Morus e o Marquês de Sade. O projeto marca o retorno triunfal de Simenon às livrarias brasileiras e é uma oportunidade de ouro para aqueles que nunca o leram, serem apresentados ao filé mignon da sua obra.

São livros como A Primeira Investigação de Maigret (Nova Fronteira/ L± 196 páginas; 2004), em que encontraremos o insólito, perspicaz e, por vezes desengonçado detetive criado por Simenon ainda com vinte e seis anos, no começo de sua carreira na polícia, às voltas com um mistério envolvendo a família Gendreau-Balthazar, uma das mais ricas de Paris. O humanismo de Simenon - uma de suas marcas - está bastante presente nesta obra; em particular, na perplexidade de Maigret diante da constatação de que a verdade sobre um crime pode não ser o mais importante no intrincado mundo da alta-sociedade - no caso, a parisiense do começo do século XX - e nas relações desta com a própria cúpula da polícia. Já, em As Férias de Maigret (Nova Fronteira/L± 210 páginas; 2004), o detetive se encontra em férias na pequena cidade litorânea de Sables-d'Olonne, fora de Paris, quando sua esposa é internada às pressas numa clínica por causa de uma provável intoxicação por ostras. Na clínica, uma jovem que havia sofrido um inexplicável acidente, morre misteriosamente depois de ficar vários dias em coma e Maigret resolve investigar por conta própria, deparando-se com uma história mórbida de amor e ciúme. Em ambos os livros, encontramos Simenon em sua melhor forma e Maigret em circunstâncias incomuns, que fogem aos cenários aos quais os leitores contumazes de suas aventuras estavam habituados. Constam ainda da lista de relançamentos, obras como O Cão Amarelo, O Caso Saint-Fiacre e o já mencionado Morte na Alta Sociedade. Um detalhe interessante fica por conta das capas dos livros, que exibem fotografias em preto-e-branco assinadas por renomados fotógrafos da agência Magnum Photos, como Herbert List, Cornell Capa e Elliott Erwitt.

Nunca é demais salientar que Georges Simenon destacou-se num gênero literário historicamente considerado "menor" pelos círculos letrados, mesmo sem ter escrito o "grande romance" que muitos esperavam dele (algo, diga-se de passagem, perfeitamente dispensável, dada a magnitude de sua vasta obra). Eu não me arriscaria a afirmar que Simenon é o maior autor policial de todos os tempos, mesmo porque nem eu tenho certeza disso. Mas, sem a menor dúvida, ele figura entre os grandes e a leitura dos seus livros é fundamental para todos aqueles que apreciam uma boa história de mistério, com um humaníssimo pano de fundo.

Para ir além









Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 15/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
02. Uma livrada na cara de Guilherme Carvalhal
03. Origens: minha mãe de Jardel Dias Cavalcanti
04. A rede contra as raposas analógicas de Carla Ceres
05. A cidade do improvável de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor em S. Petersburgo
Heinz G. Konsalik
Klick
(1998)



Balanço da Bossa e Outras Bossas - 5ª Edição - 4ª Reimpressão
Augusto de Campos
Perspectiva
(2015)



Pollyanna
Eleanor H. Porter
Companhia Nacional



Clareando
Maria Rosa Teixeira
Ie
(2003)



Cinqüenta Tons de Liberdade
E. L. James
Intrínseca
(2012)



Caricatura dos Tempos
Belmonte
Melhoramentos/circulo do Livro
(1982)



Psicologia Econômica - Estudo do Comportamento Econômico
Vera Rita de Mello Ferreira
Campus
(2008)



A Filosofia da Arte Moderna
Herbert Read
Ulisseia



Prevenção a Uso de Drogas - uma Visão Espírita
Paulo Pio
Letras e Textos
(2012)



Mónica y Su Pandilla 5 La Sirena
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2010)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês