A Guerra Fria não acabou | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
38549 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> A volta de Steve Jobs à Apple
>>> Muitos amores ao mesmo tempo
>>> O Brasil não é a Seleção Brasileira
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O Presidente Negro, de Monteiro Lobato
>>> Roçando a poesia de Alberto Beuttenmüller
>>> A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner
Mais Recentes
>>> As Formas e a Vida: Estética e Ética no Jovem Lukács (1910-1918) de Carlos Eduardo Jordão Machado pela Unesp (2004)
>>> As Formas e a Vida: Estética e Ética no Jovem Lukács (1910-1918) de Carlos Eduardo Jordão Machado pela Unesp (2004)
>>> Supernatural - O Guia De Caca De Bobby Singer de David Reed pela Gryphus (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 02 - O Filho de Netuno de Rick Riordan pela Intrínseca (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 01 - O Herói Perdido de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> O Diário de um Mago de Paulo Coelho pela Sextante (2012)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J.K. Rowling pela Rocco (2019)
>>> C++: Como Programar (Com CD-ROM) de H. M. Deitel pela Bookman (2001)
>>> Contos de Imaginação e Mistério de Edgar Allan Poe pela Tordesilhas (2012)
>>> Golem e o Gênio - Uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela Darkside Books (2015)
>>> O Físico - Edição Capa dura (Novo - Embalado) de Noah Gordon pela Rocco (2018)
>>> Por Que Calar Nossos Amores? - Poesia Homoerótica Latina de Raimundo Carvalho pela Autêntica (2017)
>>> O universo numa casca de noz de Stephen Hawking pela Intrínseca (2016)
>>> Supernatural - O Livro Dos Monstros, Espíritos, Demônios e Ghouls de Alex Irvine pela Gryphus (2011)
>>> O Espiritismo - a Sciencia Condemna de Dr. Jacob Huddleston Slater pela Autor
>>> Tratado de La Naturaleza Humana - V. 3 e último de David Hume pela Calpe (1923)
>>> Assassins Creed, Vol. 4 - Revelações de Oliver Bowden pela Galera Record (2013)
>>> A Revelação de Baháullah - Vols. 1 e 2 - Bagdá 1853 - 1863 de Adib Taherzadeh pela Bahai do Brasil (2002)
>>> Assassins Creed, Vol. 02 - Irmandade de Oliver Bowden pela Galera Record (2012)
>>> Em Busca da Satisfação dos Interesses da Vítima Penal de Alline Pedra Jorge pela Lumenjuris (2005)
>>> Acontece por Acaso de Pedro Luis Schlindwein pela Autores Paranaenses (2019)
>>> The Dictionary of Dreams and Their Meanings de Richard Craze pela Hermes House (2005)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 04 - O Furioso Quinta-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2010)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 03 - Quarta-feira Submersa de Garth Nix pela Fundamento (2009)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 2 - O Horrível Terça-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2009)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 01 - Sr. Segunda-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2008)
>>> Hipnose - Descubra o poder da sua mente de Pyong Lee pela Outro Planeta (2018)
>>> A Chave para Rondo de Emily Rodda pela Fundamento (2010)
>>> As Crônicas das Irmãs Bruxas, Vol. 01 - Enfeitiçadas de Jessica Spotswood pela Arqueiro (2014)
>>> Trilogia Fronteiras do Universo, Vol. 01 - A Bússola de Ouro de Philip Pullman pela Objetiva (1995)
>>> Trilogia Fronteiras do Universo, Vol. 02 - A Faca Sutil de Philip Pullman pela Objetiva (1997)
>>> Assassins Creed, Vol. 05 - Renegado de Oliver Bowden pela Galera Record (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 05 - O Sangue do Olimpo de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> Sonho Febril de George R. R. Martin pela Leya (2019)
>>> Juízo Final: Odisseia dos Deuses de Horst Schadeck pela Chiado (2018)
>>> The Mystery of the Missing Antimatter de Helen R. Quinn pela Princeton University Press (2007)
>>> São José da Terra Firme de Gilberto Gerlach e Osni Machado pela Cultura Turismo São José (2004)
>>> Geometry - the Easy Way de Lawrence S. Leff pela Barrons (1997)
>>> A Solução Anabólica para Fisiculturistas de Dr. Mauro Di Pasquale pela Phorte (2006)
>>> Fallen, Vol. 3.5 - Apaixonados, Histórias de amor de Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> The Black Atlantic de Paul Gilroy pela Verso (1993)
>>> Fallen, Vol 03 - Paixão de Lauren Kate pela Galera Record (2016)
>>> Nos Céus de Paris - O romance da Vida de Santos Dumont de Alcy Cheuiche pela LPM Pocket (2001)
>>> Perda de uma Chance e Responsabilidade Civil dos Profissionais de Lisiane Lazzari Pietroski pela Conceito (2013)
>>> Acampamento Shadow Falls, Vol. 1 - Nascida à Meia-Noite de C.C. Hunter pela Jangada (2011)
>>> Comentários à Lei 11. 419/06 e as Práticas Processuais por Meio de Alexandre Atheniense pela Juruá (2010)
>>> Fallen, Vol. 04 - Êxtase de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Administrando para Obter Resultados de Peter Drucker pela Thomson Pioneira (1998)
>>> Fallen, Vol. 01 de Lauren Kate pela Galera Record (2010)
>>> Clínica e Política: Subjetividade e Violão dos Direitos Humanos de Cristina Rauter / Eduardo Passos pela : Ifb Te Corá (2002)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/2/2002
A Guerra Fria não acabou
Daniela Sandler

+ de 5800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A maior história das Olimpíadas de Inverno de 2002, em Salt Lake City (EUA), é o “escândalo da medalha” na patinação artística de casais. E o que nós, “bananas congeladas” (apelido da equipe brasileira de bobsled), temos a ver com isso, perguntará o leitor? Muito, mesmo que você não suporte Holiday on Ice. Os desdobramentos inquietantes do caso, infelizmente pouco observados, vão muito além da “neve perfeita” de Salt Lake City.

Mas, antes de chegar aos tais desdobramentos, é preciso contar a história do início. Para quem não acompanhou, a competição foi vencida pelos russos Elena Berezhnaya e Anton Sikharulidze. Em segundo lugar ficou a dupla canadense Jamie Sale e David Pelletier. A decisão, que indignou mídia e público, foi contestada formalmente pelos canadenses, e depois de muita pressão sobre a União Internacional de Patinação (ISU), um par extra de medalhas de ouro foi dado aos canadenses. Fim da história? Não para nós.

Pode-se racionalizar o episódio de muitas maneiras. Pode-se por exemplo observar que uma das juízas da prova, a francesa Marie Reine Le Gougne, teria afirmado que sofreu pressão para votar a favor dos russos. Pode-se notar também a performance praticamente perfeita de Sale e Pelletier, contrastada ao pequeno erro cometido pelo russo. E pode-se, finalmente, explicar a pressão geral sobre a ISU (não apenas por parte dos canadenses, mas também do Comitê Olímpico Internacional, da mídia e do público) como preocupação com a reputação e seriedade do esporte.

Mas racionalizações freqüentemente servem mais como tranqüilizante, reassegurando-nos de nossas opiniões, do que como exploração séria dos fatos. Esse episódio foi racionalizado exaustivamente nos Estados Unidos e Canadá – dos órgãos de imprensa às conversas de bar, do público olímpico à audiência de tevê. Ilustra não só a parcialidade dessa postura racionalista (travestida de neutralidade), como também – e aí seu interesse geral, para além destas plagas geladas – os seus perigos. Enquanto a ilusão de compreensão e justiça mascarar interesses específicos e partidarismo (e nem sempre o mascarado conhece sua própria face), estaremos à mercê de situações opressivas fantasiadas de democracia.

Senão, vejamos. Um dos argumentos dos canadenses para a revisão da premiação pregava que o esporte fosse decidido no rinque, por méritos puramente atléticos, sem interferência política ou de qualquer outra natureza. Certamente Sale e Pelletier, assim como a audiência e os jornalistas, acreditam na transparência e neutralidade de seu pleito e do resultado obtido. A revisão da premiação, no entanto, é inédita, e a mobilização do público tem sido imensa. Se dependessem apenas de seus saltos sobre o gelo, Sale e Pelletier ainda estariam com a prata. Só conseguiram laurear sua apresentação com o ouro porque extrapolaram o rinque e aglutinaram forças sociais, políticas e econômicas muito mais amplas que a federação de patinação canadense. Em suma: foi justamente a interferência política – e de outras naturezas – que decidiu a competição.

A posição dos patinadores é mais complicada e contraditória do que aparenta (mesmo que os atletas acreditem em sua simplicidade). Nada, ou quase nada, pode ser desvestido de sua dimensão política; quase todo fato ou evento social tem significados simbólicos e ligações mais ou menos aparentes com forças alheias ao seu âmbito primário. O raciocínio de que a segunda medalha de ouro representa um retorno ao domínio desinteressado e imaculado do esporte é, em última análise, irracional.

Veia subjetiva

É fácil imaginar que o desfecho do caso foi também favorecido pelo contexto: enquanto os americanos e canadenses se indignavam, do outro lado do Atlântico os russos festejavam. A “razão” é determinada pelo ponto de vista. Se se tratasse de uma corrida, por exemplo, em que o cronômetro dá a medida objetiva da vitória, seria possível identificar a “verdade” e as “mentiras”, dando razão a um dos lados e condenando os demais como errados ou maliciosos.

A patinação artística, porém, assim como a dança sobre o gelo, o esqui “free-style”, a ginástica rítmica, e em menor grau a ginástica olímpica, é julgada de forma parcialmente subjetiva: primeiro, porque os atletas são avaliados por juízes, e não por cronômetros (muitos outros esportes estão também sujeitos à subjetividade da arbitragem, como o futebol). Segundo, porque metade da avaliação refere-se à impressão artística, ou “apresentação” (a outra metade é técnica: realização de movimentos obrigatórios, como saltos e giros; quedas, erros, etc).

Dada a veia subjetiva do esporte, é difícil atribuir justa correção a qualquer dos lados, ainda que a propaganda massiva e a unanimidade pública o neguem (unanimidade e propaganda, como a história nos ensina, não são garantia de verdade). A juíza francesa pode até ter votado sob pressão, mas nada garante que os canadenses teriam ganho o ouro logo de cara se isso não tivesse acontecido – ou seja, seu direito à medalha não é incontestável ou natural.

O próprio esporte prevê isso: em caso de empate, a medalha fica com quem tiver notas mais altas de apresentação (e não de mérito técnico). Neste caso, a apresentação dos russos, com um programa elaborado e cheio de desafios, havia superado a dos canadenses, que haviam tido notas técnicas melhores, mas apresentado uma coreografia mais simples.

A parcialidade no tratamento da polêmica foi tanta que esse aspecto, que poderia ter confirmado a vitória russa, foi ignorado e não comentado por ninguém a não ser pelo desconcertado Anton, que, quase se desculpando, observou o fato timidamente em uma entrevista. Mas aqui, como aliás minha experiência pessoal tem me ensinado, qualquer opinião enunciada com sotaque estrangeiro é colocada de imediato um patamar “abaixo” pela maioria da população.

Hostilidade

O fato é que a cama de gato estava armada contra os russos antes mesmo que eles terminassem de amarrar os seus patins. No prelúdio à competição, em que se incluem comentários, vinhetas e entrevistas com atletas, especialistas e audiência, a referência predominante era o domínio russo sobre a prova em todas as Olimpíadas dos últimos 40 anos. Desde 1962, o ouro da patinação artística de casais foi sempre para a Rússia (incluídas a União Soviética e a Comunidade de Estados Independentes).

Este não é o único exemplo em que o predomínio de uma nação em determinada modalidade provoca as demais, que misturam admiração e rivalidade, num certo espírito de desafio (os tetracampeões da Copa que o digam). É uma espécie de encarnação esportiva do “Hay gobierno, soy contra”.

Mas, ainda que a Guerra Fria tenha oficialmente acabado há uma década, na disputa entre americanos e russos não se pode falar em “gobierno” ingenuamente. O tratamento dado aos russos pelo público e pela mídia não foi muito consoante ao espírito olímpico de saudável competição – em que há, sim, rivalidades profundas, mas em que há espaço para o reconhecimento e a apreciação do talento esportivo e do bordão “que vença o melhor”.

O tal espírito olímpico ficou restrito aos cinco anéis pintados nos muros do estádio. Audiência e comentaristas embarcaram, por sua vez, na ardorosa esperança de que o domínio russo fosse quebrado, que “finalmente” alguém tirasse da Rússia a medalha de ouro na patinação artística de casais. O suspense em relação à prova não se concentrava no reconhecido talento dos russos, nem mesmo no dos canadenses – apresentados, antes de mais nada, como “os que têm a chance de derrotar os russos”, e não como, por exemplo, “os que têm méritos próprios”. Em vez de “que vença o melhor”, o bordão virou “que alguém lhes tire a medalha” (até parece aquele jogo infantil, caça-bandeira).

“Alguém”, mais exatamente, do lado de cá: alguém norte-americano. No caso, um casal canadense, que, se não é dos Estados Unidos, é, no caso, “the next best thing”: representante da mesma cepa cultural, política, econômica e – sim – ideológica. Não haveria tanta expectativa em relação à quebra do domínio russo se o casal “desafiante” fosse chinês, lituano ou mesmo francês (a ironia é intencional). A guerra fria não acabou: tornou-se um estranho resíduo fossilizado, em que a hostilidade sobrou mesmo tendo desaparecido a fonte original e concreta de conflito (a disputa política).

Dois pesos, um montão de medidas

Qual seria a disposição do público se o país dominante não fosse a Rússia, mas, por exemplo, a Suíça? Ainda que um domíno suíço aguçasse as expectativas, duvido que excitasse os mesmos sentimentos beligerantes, que podem ser resumidos no desejo geral de derrota (russa), muito mais do que vitória (canadense).

E, claro, se em vez da Rússia fossem os Estados Unidos a dominar o esporte, esta Olímpiada seria completamente focada no desejo de manutenção do domínio – em vez de “será que desta vez os russos perdem?”, o espírito seria “será que continuaremos ganhando?”. Isso pode ser visto nas reações e comentários sobre esportes em que os Estados Unidos dominam – até mesmo na patinação artística. Na categoria individual feminina, três norte-americanas são competidoras fortes, e a esperança geral é de que tomem o pódio por completo, de que não sobre para mais ninguém (o que eles chamam de “sweep”). Claro que, por aqui, ninguém vai pôr defeito em tal monopólio.

Há outros esportes em que uma nação ou região dominam. Os alemães, por exemplo, se dão excepcionalmente bem na patinação de velocidade em longa distância. Os escandinavos, fazendo jus ao nome, tradicionalmente se destacam no esqui nórdico combinado (salto à distância com esqui, e esqui cross-country). Os comentaristas mencionam esses “pendores nacionais” num tom neutro, de observação e admiração. Quando a prova começa, o espírito é de que vença o melhor – seja ele quem for.

Muito diferente do tratamento dado aos russos. Com toda essa pressão e recepção inamistosa, não admira que Anton tenha saído do ritmo em seu único e pequeno deslize na prova final (não chegou a ser um erro, como uma queda, por exemplo), deslize aliás atípico em sua carreira. Quem se lembra da final da Copa de 2000 vai entender.

Não duvido que tenha havido um acordo de bastidores – esse tipo de combinação corrupta não é novidade na patinação artística. Também não questiono o mérito técnico dos canadenses – a avaliação, teoricamente, cabe aos árbitros, treinados e preparados para julgar. O que chama a atenção, porém, é o contexto político e ideológico em que a batalha da medalha foi travada – como vimos, contexto turbulento e belicoso desde antes da competição. Esse espírito hostil magnificou o incidente e amplificou suas repercussões – em especial as repercussões “emocionais” na opinião pública (não nos esqueçamos de que a patinação artística é um dos esportes mais populares das Olimpíadas de Inverno, justamente por seu apelo “artístico”).

Cegueira seletiva

Se em vez de canadenses Jamie Sale e David Pelletier fossem búlgaros ou italianos, duvido que houvesse tanta indignação por parte da platéia, da mídia e da nação em geral. É por causa desta posição privilegiada do Canadá que as lágrimas de Sale e Pelletier e o recurso movido por sua federação tiveram tanto impacto público – e é por causa disso que tiveram inédito efeito concreto. A federação internacional de patinação, de início relutante, cedeu a todas as pressões e voltou atrás em várias de suas decisões. Contradisse inclusive as palavras de seu presidente, o italiano Octtavio Cinquantta, de que seria dificílimo, quase impossível, rever o resultado do julgamento.

O caso é que, com medalha de ouro e tudo, a América do Norte tem de engolir a excelência artística e técnica dos russos num esporte que lhes é, por assim dizer, natural. Assim como os velocistas alemães, os russos estão desde criancinhas às voltas com os patins e o gelo. A cultura germânica, amante da velocidade e da tecnologia, aperfeiçoou a corrida de patins, de luge (espécie de trenó), e as Autobahns, é claro. Já os russos, com seus pendores líricos, levaram o ballet para fora do teatro, fazendo seu Bolshoi sobre o gelo. Dúvidas? É só olhar para os treinadores de boa parte dos patinadores, não só russos, que vivem nos Estados Unidos. São russos (como no caso da dupla norte-americana que ficou em quinto lugar).

É triste que ninguém se lembre disso, assim como ninguém reconhece os justos méritos de Elena e Anton, e que a abordagem do caso tenha se resumido à juíza corrupta ou aos canadenses injustiçados. É triste e injusto, porque essa abordagem acaba jogando uma sombra sobre todo o tal “domínio de 40 anos” dos russos, como se houvesse sido conchavos, e não talento, a garanti-lo. Mais uma vez – e não há surpresa nisso – a mídia e o público norte-americanos compactuam com uma versão unilateral, parcial e superficial dos fatos, sem análise, sem auto-reflexão e sem coragem. Pior que compactuar com essa versão é acreditar em sua neutralidade, como se se estivesse falando apenas de patins. Pode ser que a guerra fria política tenha acabado – mas a sócio-cultural não. E já que a política é parceira íntima das tendências sociais, não se pode de fato falar em “paz”.


Daniela Sandler
Rochester, 20/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Banda Mais Bonita da Internet e a Memética de Noah Mera
02. Ação Afirmativa, Injustiça Insuspeita de Duanne Ribeiro
03. Os piores músicos da década de Rafael Fernandes
04. Big Brother da Palmada de Daniel Bushatsky
05. A simplicidade do humano em Pantanal de Taís Kerche


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2002
01. Virtudes e pecados (lavoura arcaica) - 9/1/2002
02. Nas garras do Iluminismo fácil - 10/4/2002
03. Iris, ou por que precisamos da tristeza - 24/4/2002
04. Crimes de guerra - 13/3/2002
05. Somos diferentes. E daí? - 30/1/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/2/2002
00h10min
Dani, pra variar os seus textos retratam muito fielmente os acontecimentos norte-americanos e o inconsciente coletivo de seu povo. É uma dádiva poder ler retratos e textos críticos embasados sobre a "América", ao invés de ter que ouvir sempre a mesma "patetada" das figuras que se intrometem a criticá-los, sem conhecimento de causa.
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]
20/2/2002
16h39min
Eu nao entendo o espanto da articulista face à parcialidade da midia e do publico norte-americano quando se trata de seus proprios atletas e compatriotas é natural que as opiniões tenham alto teor de passionalidade.Mas concordo que ha em relacao aos russos uma prevencao diferenciada o que de resto e comprensivel dadas as cicatrizes abertas por 50 anos.
[Leia outros Comentários de jorge novoa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TOYNBEE POR ELE MESMO
ARNOLD J. TOYNBEE & G.R. URBAN
UNB
(1981)
R$ 15,00



DESSINS ET AQUARELLES DE VINCENT VAN GOGH
COOPER DOUGLAS
HOLBEIN
(1955)
R$ 80,00



THE SHROUD AND THE CONTROVERSY
KENNETH E. STEVENSON & GARY R. HABERMAS
THOMAS NELSON PUBLISHER
(1990)
R$ 40,00



MINI CÓDIGO PENAL ANOTADO 2007
RICARDO ANTONIO ANDREUCCI
SARAIVA
(2007)
R$ 60,00



OS LEOES DO CALYPSO
SEAFINI/PACCALET
SICILIANO
(1991)
R$ 6,47



A SEMÂNTICA
IRÈNE TAMBA
PARÁBOLA
(2016)
R$ 15,00



TITERES Y PSICODRAMA - PUPPETS AND PSYCHODRAMA
JAIME G. ROJAS-BERMUDEZ
GENITOR
(1970)
R$ 130,00



COMO VOCÊ DEIXOU
CLÁUDIO FRANCISCO ALUOTTO ALEIXO
SOUL
(2017)
R$ 35,00



TRATADO DE SEMÂNTICA BRASILEIRA
SILVEIRA BUENO

R$ 20,00



RELAÇÕES HUMANAS NA PEQUENA EMPRESA
ELWOOD N. CHAPMAN
QUALITYMARK
(1996)
R$ 15,00





busca | avançada
38549 visitas/dia
1,3 milhão/mês