Vida conjugal | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
Mais Recentes
>>> Poder-saber ética da escola de Sandra Mara Corazza pela Unijuí (1995)
>>> Como fazer um disco independente de Chico Mário pela Vozes (1986)
>>> Suagh'Leng'hor de Milton José de Almeida pela Cortez (1990)
>>> As Ideias de Marx de David McLellan pela Cultrix (1993)
>>> Südkurier de Antoine de Saint-Exupery pela Karl Rauch (1949)
>>> Discurso de Metafísica e Outros Textos Gottfried Wilhelm Leibniz de Gottfried Wilhelm Leibniz pela Martins Fontes (2004)
>>> Interview with the vampire de Anne Rice pela Ballantine (1997)
>>> L'horizon Des Esprits de Joseph Moreau pela Presses Universitaires De France (1960)
>>> Paixão india de Javier Moro pela Planeta (2006)
>>> Imperio dos vampiros alma e sangue de Nazarethe Fonseca pela Aleph (2010)
>>> Ciclo da Vida de Paulo Casella pela Massao Ohno (1993)
>>> O que é corpo de luz de Tashira Tachi-ren pela Pensamento (2013)
>>> Anthropologie Du Point de Vue Pragmatique de Emmanuel Kant pela Librairie Philosophique J. Vrin (1970)
>>> O medico de Lhasa de Lobsang Rampa pela Record (1959)
>>> O despertar dos magos de Louis Pauwels / Jacques Bergier pela Difusão europeia do livro (1972)
>>> A Ascensão do Romance de Ian Watt pela Companhia das Letras (2010)
>>> Mamãezinha querida de Christina Crawford pela Circulo do livro (1987)
>>> Práxis Cristã: Vol. III Opção Pela Justiça e Liberdade de R. Rincón Orduña pela Edições Paulinas (1988)
>>> Cem dias entre ceu e mar de Amyr Klink pela Circulo do livro (1991)
>>> Aperçus sur l'Initiation de René Guenon pela Editions Traditionnelles (1976)
>>> The Unfree French de Richard Vinen pela Penguin Books (2007)
>>> Eu fui Amélia Earhart de Jane Mendelsohn pela Rocco (1998)
>>> O corpo tem suas razões de Therese Bertherat pela Martins Fontes (1977)
>>> A Universidade Entre o Conhecimento e o Trabalho o Dilema das Ciências de Marcos del Roio pela Unesp Marília Publicações (2005)
>>> Apócrifos - os Proscritos da Bíblia de Maria Helena de Oliveira Tricca pela Mercuryo (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/4/2011
Vida conjugal
Guilherme Pontes Coelho
+ de 4000 Acessos

María Magdalena Cascorro desde sempre lutou contra a cafonice, a mesquinharia, a insensibilidade. Sua família, pais, irmãos e, principalmente, irmãs, María del Carmen e Maria Dorotea (esta, a pessoa mais ardilosa do mundo), representavam o que ela menos queria para si. Ela, tão sensível e tão aberta ao mundo cultural dos livros e das artes, jamais suportou o ambiente familiar primevo e continuaria, pelo resto da vida, a ter ojeriza à estreiteza de espírito dos parentes, inclusive por não respeitarem sua mudança de nome, pois nunca a chamavam de Jaqueline Cascorro, com a pronúncia afrancesada, Cascorrô, mas de María Magdalena mesmo, sem esconder, não sem uma pitada de zombaria, como uma mexicana como ela deveria se chamar.

Jaqueline, como ela mesma prefere, penou um bocado até chegar à faculdade. Mas chegou. Faculdade de Filosofia e Letras. Não que ela tenha nascido com o gene reflexivo dos filósofos nem com o talento criador dos escritores; mas, devo admitir, ela gostava daquilo. Gostava dos livros, do ambiente cultural, de conversar sobre arte. A intelectualidade tinha um efeito apotropaico sobre ela.

Ela tinha uma amiga, Mérgara Armengol, que criara uma espécie de academia, em sua própria casa, onde havia cursos e oficinas. História da arte, hermenêutica do romance, criação literária, essas coisas que sempre são objeto de cursos e oficinas. Pois Jaqueline sempre fora assídua freqüentadora da casa da amiga, onde já aconteciam reuniões sob a mesma pauta cultural, e depois aluna aplicada da tal academia, uma aluna que sempre anotava tudo direitinho e que sempre estava disposta a discutir a aula, debater os livros, apreciar as obras em estudo. Uma disposição que parecia nunca ter fim. Jaqueline era o tipo de aluna que rabiscava os cadernos de estudo, os guardava numa gaveta e nunca mais olhava para eles novamente. Um tipo de aluna capaz de fazer o mesmo curso várias vezes (os cursos na tal academia duravam em média dez meses) e com a mesma dedicação, porque não lembrava mais de nada estudado assim que o curso era concluído.

É inegável que o ar respirado em ambientes culturais fazia bem a ela e ela jamais poderia se abster desse remédio, porque, além de sua história pessoal a obrigar a querer se elevar culturalmente, seu casamento era extremamente infeliz. E seus amigos e colegas de curso sabiam disso (a família também sabia, mas a indiferença era mútua). Ela, sempre que podia, às vezes com a ajuda de um pouquinho de álcool, matraqueava alucinadamente com a primeira pessoa desavisada sobre como sua vida conjugal era infeliz, sobre como ela se decepcionou com o marido, sobre como o marido a tratava mal e a traia descaradamente com todas as mulheres do mundo (embora neste quesito ela estivesse longe da santidade). Jaqueline, tão carente, coitada, prestativa e boa aluna, não tinha fama de boa comensal.

Nicolás Lobato é o nome do marido. Eles se conheceram quando faziam faculdade. Ele estudava direito. Mas não concluiu o curso, e Jaqueline também não: casamento. As ambições dele, como algumas vezes ficou claro na história do casal, até que poderiam casar com as dela. Ela queria ser culta e articulada, instruída nas artes das conversas de salão e das reuniões regadas a champanhe, ao som de Bruckner, sob o signo de Choderlos de Laclos ou de qualquer outro escritor canônico o suficiente para ser discutido entre emergentes mexicanos da década de sessenta. Ele queria ser rico, magnânimo, chic, sofisticado, poderoso, influente. Num exercício imaginativo, como a própria Jaqueline faria numa ou duas ocasiões (só que com uma leve alteração de dramatis personae), seria possível vê-lo homem rico, um self-made man, soberano sobre sua própria riqueza, erigida no ramo do turismo, com hotéis e agências de viagem, e acompanhado por uma dama requintada, uma verdadeira patronesse, senhora das artes, de nome afrancesado.

Mas Sergio Pitol, autor de Vida conjugal (Companhia das Letras, 2009, 107 págs., tradução de Bernardo Ajzenberg), teve outras ideias para o destino do casal, ao escrever uma paródia do casamento, macabra e irônica, narrada num ritmo impecável.

Nicolás Lobato trabalhava muito. Não concluiu o curso de direito não só por causa do casamento, mas porque, conseguindo um pouco de dinheiro ali, contraindo dívidas acolá, viu seu personagem de empreendedor virar protagonista no palco high society local. Ele estava fazendo dinheiro e interpretando um papel convincente de mestre-de-cerimônias, sem fazer mistério algum à mulher dos bônus que essa vida microestelar proporcionava: mulheres.

Com toda tristeza, Jaqueline levava a vida, essa vida. Ela, que casara virgem e que compartilhava com o marido um passado miserável e uma ambição de crescer na vida.

No entanto, tudo "mudou de repente quando, ao quebrar com as mãos uma pata de carangueijo e ouvir uma garrafa de champanhe sendo aberta às suas costas, [Jaqueline] se deixou dominar por um pensamento que depois retornaria de modo intermitente, transformando-a, para sempre, numa mulher de ideias muito más".

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 27/4/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
02. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
03. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras de Marilia Mota Silva
04. Uma noite de julho de Celso A. Uequed Pitol
05. Diário da Guerra do Corpo de Vicente Escudero


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2011
01. A sordidez de Alessandro Garcia - 9/2/2011
02. Cisne Negro - 16/2/2011
03. Churchill, de Paul Johnson - 2/2/2011
04. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. - 7/9/2011
05. Derrotado - 2/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Minha Massagem Shiatsu (2007)
Regina Suplicy Vianna
Do Autor
(2007)



Direito Processual Civil - Série Roteiros
Anamaria Prates
Fortium
(2008)



Jogo de Damas
Myriam Campello
Lingua Geral
(2010)



A Internet e os Hackers Ataques e Defesas
Marcio José Accioli de Vasconcellos
Chantal



O Que a Floresta Tropical nos Ensinou
Tachi Kiuchi e Bill Shireman
Cultrix
(2009)



Drawing: Heads & Figures in Pencil (2000)
William Powell
Walter Foster
(2000)



Mulheres Alteradas 5
Maitena
Rocco
(2001)



Coleção Lições para o Sucesso Com Max Gehringer 2
Max Gehringer
Gold



Compêndio Deconomia Politica
Carlos Gide
Globo
(1960)



Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira Auto da Índia
Gil Vicente
Atica
(1998)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês