Uma caixa grande demais | Marcos Visnadi | Digestivo Cultural

busca | avançada
50850 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/3/2008
Uma caixa grande demais
Marcos Visnadi

+ de 5200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em meados dos anos 1990, aos 70 anos, Odai Orimoto teve diagnosticados depressão e Mal de Alzheimer. Desde então seu filho Tatsumi, que há mais de 30 anos realiza performances no Japão e em vários outros lugares do mundo (São Paulo incluso), tem utilizado sua mãe como protagonista de suas fotografias e intervenções urbanas.

Genericamente chamado de Art Mama, o trabalho de Tatsumi Orimoto costuma causar riso ou indignação num primeiro momento. Em "Small Mama + Big Shoes", por exemplo, a pequena Sra. Orimoto tem de caminhar pelas ruas desertas de Kawasaki ou por um corredor polonês formado por fotógrafos e críticos de arte numa galeria em Tóquio utilizando enormes sapatos que a engolem até a metade das canelas. Em "In the big box", a velha é colocada dentro de uma enorme caixa de papelão no meio de sua sala de estar.

Travestida de um ridículo aparentemente nonsense, a imagem da Sra. Orimoto preenche praticamente metade da galeria do MASP, onde a Retrospectiva Tatsumi Orimoto permanece em cartaz até 6 de abril. Numa terça-feira à tarde, na semana seguinte à do carnaval, me pareceu que, embora a série Art Mama não difira essencialmente do resto da obra de Tatsumi, é diante dela que o público mais se detém, que os comentários surgem, que os dedos apontam, que as gargalhadas soam.

Tatsumi afirma que o propósito de Art Mama é o de estabelecer comunicação com sua mãe que, abatida pelo Alzheimer e ensurdecida pelos efeitos colaterais dos medicamentos que toma, se expressa cada vez menos e prefere passar seus dias deitada no tatame, vendo televisão. Com Art Mama, a intenção de Tatsumi Orimoto é tirar sua mãe da apatia e da reclusão e arrancá-la da invisibilidade social que acompanha sua doença e sua idade avançada. Art Mama, para ele, é o trabalho de valorização de uma vida.

Por que o ridículo, então? Por que expor sua mãe idosa em situações humilhantes, por que expô-la a risos ao redor do mundo?

Se as experimentações de Tatsumi melhoraram ou não a comunicação com sua mãe é coisa que interessa apenas a ele, a ela e talvez às demais pessoas que têm de lidar com o Alzheimer, seja em seus próprios corpos, seja nos de seus amigos, familiares ou pacientes. A nós, que vamos ao MASP nestes dias quentes de verão, Art Mama comunica alguma outra coisa.

A expressão emburrada da velha japonesa, imutável no decorrer das fotos, com suas bochechas caídas e gordas, suas muitas rugas e seus olhos indiferentes e algo cínicos contrapõe-se ao nosso riso algo sádico e, desprovida de inquisições, deixa aflorar espontaneamente aquilo que compõe o substrato do nosso modo de ver a velhice. Trazida para o centro da cena com um pneu de borracha enfiado na cabeça, ou nua durante o banho, a minúscula senhora nem de longe lembra a velhice saudável e sorridente que tem aparecido nos últimos anos, cada vez mais, como padrão de vida desejado por nós não só para nós mesmos, mas também, e principalmente, para os velhos e as velhas que nos cercam. Esse novo referencial de velhice tem resultado, no senso comum como no discurso médico especializado, na culpabilização das pessoas idosas pelas suas próprias dificuldades e infelicidades.

O olhar que dirigimos a Odai Orimoto é um olhar de surpresa frente a imagens que não correspondem ao nosso referencial imagético da velhice e, ao mesmo tempo, de satisfação por encontrarmos a velha esquisita e de cara fechada no lugar que lhe é devido: o do exótico e do risível.

No avesso do politicamente correto, as fotos de Tatsumi Orimoto não aparecem como uma tentativa bem-intencionada de sensibilizar o público para as agruras de uma velhice marginalizada; muito pelo contrário, Art Mama é, para nós, a evidência de uma alteridade que não pode senão permanecer como tal: alheia e estranha.

Estrangeira. A Retrospectiva Tatsumi Orimoto faz parte das comemorações pelos 100 anos da imigração japonesa no Brasil e é significativo que essas fotos venham justamente de uma cultura tida como valorizadora de seus idosos. Simultaneamente familiar e estranha, a cultura japonesa, assim como a velhice, escapa, com Tatsumi Orimoto, às nossas pretensões totalizantes.

Diz-se que Odai Orimoto é das maiores admiradoras do trabalho do filho e que gosta muito de participar das performances elaboradas por ele. Infelizmente, não pôde vir ao Brasil por recomendação médica, mas ainda assim Tatsumi abriu sua exposição com uma homenagem à velhice, servindo um jantar para 50 senhoras da comunidade nipo-brasileira. Vale ressaltar ainda que o artista já levou os experimentos de Art Mama para hospitais e centros de tratamento dedicados a pessoas com Alzheimer ou outras deficiências mentais. No Museu de Arte de São Paulo, no entanto, o trabalho de Tatsumi Orimoto provoca momentos de alegria e descontração principalmente para jovens cultos da capital paulista. No caixote refrigerado de Lina Bo Bardi, a caixa de papelão de Orimoto é uma opção lisa e divertida para uma tarde de verão.

Para ir além
O convívio social aos olhos de Tatsumi Orimoto


Marcos Visnadi
São Paulo, 3/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por uma lógica no estudo da ortografia de Marcelo Spalding
02. O escritor está nu de Pilar Fazito
03. Quem eu sou, e não o que eu fiz de Verônica Mambrini
04. O náufrago, de Thomas Bernhard de Julio Daio Borges
05. Crônica da Mostra e as 10 lições de Kiarostami de Lucas Rodrigues Pires


Mais Marcos Visnadi
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/3/2008
19h42min
Muito bom! Que o exótico/risível possa sempre abrigar relações mais complexas com o inevitavelmente alheio/estranho.
[Leia outros Comentários de bernardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CORRIDA DOS ANIMAIS CONTOS DE ANDERSEN
ANTONIO CARLOS VILELA
MELHORAMENTOS
(2004)
R$ 11,52



THE BIG E
DEE WALLACE; JARROD HEWETT
RED WHEEL/WEISER
(2011)
R$ 17,50



A CONCHINHA FALANTE
ROBSON DIAS
FEB - FED ESPÍRITA
(2000)
R$ 6,00



DÉCADAS
MARIA EMÍLIA PINTO GACHINEIRO
DAIKOKU
(2010)
R$ 15,00



O OUTRO DIÁRIO DE PHILEAS FOGG
PHILIP JOSÉ FARMER
GLOBAL
R$ 8,00



A MOSCA E A MOÇA
ANGELA LEITE DE SOUZA
SCIPIONE
(2006)
R$ 5,90



O VERMELHO E O NEGRO
STENDHAL
ABRIL
(1981)
R$ 25,00



AN INTRODUCTION TO LANGUAGE AND SOCIETY
MARTIN MONTGOMERY
ROUTLEDGE
(1995)
R$ 30,00



PROCESSOS E IMPLICAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO
L. A. COSTA PINTO E W. BAZZANELLA, ORG
ZAHAR
(1969)
R$ 5,00



AS PSICOTERAPIAS HOJE ALGUMAS ABORDAGENS
ALFREDO NAFFAN NETO
SUMMUS
(1982)
R$ 12,00





busca | avançada
50850 visitas/dia
2,6 milhões/mês