Uma caixa grande demais | Marcos Visnadi | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Local, Global de Heloisa Buarque de Almeida pela Berlendis & Vertecch (2013)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> Geometria Analítica Plana de Steinbruch Basso pela Makron Books (1991)
>>> Plano de Negócios de Egoy Walter Wildauer pela Intersaberes (2012)
>>> A Rendeira Borralheira de Socorro Acioli; Alexandre Camanho pela Positivo Livros (2009)
>>> How to Launch a Brazilian Depositary Receipts (bdrs) Program de Vários Autores pela Pwc
>>> Amanhã é outro dia de J.m. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> Tempo Bom, Tempo Ruim de Jean Wyllys pela Paralela (2014)
>>> O Fantasma de Canterville de Oscar Wide pela Scpione (2006)
>>> não vi enão gastei - O fenômeno do Prenconceito de Renato da Siva Queiroz pela Moderna (1997)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2016)
>>> Giocondo Dias - a Vida de Revolucionario de João Falçãqo pela Agir (1993)
>>> Passenger to Frankfurt de Agatha Christie pela Harpercollins Uk (2017)
>>> Por Que Sonhei Com Isso? de Evelyn Kay Massaro; Lauri Quinn Lowenberg pela Best Seller (2017)
>>> Born Montoneros - 9 Meses En las Entranãs de Montoneros de María Odonnell pela Sudamericana (2015)
>>> Mesa para Dois de Nora Roberts pela Harlequin Books Br (2007)
>>> Controle o Estresse de Augusto Cury pela Gold
>>> Schwert, Das de Daniel Easterman pela Aufbau Tb (2009)
>>> English in Formation 3rd Edition 8 Teacher Book de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metade de uma Rosa de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2007)
>>> Alarde Poético de Vários pela Não consta (2006)
>>> Perfume Derramado de Denise Seixas pela Bolabooks (2016)
>>> Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas de Osvaldo Polidoro pela Do Autor (2009)
>>> Nao Pergunte Se Ele Estudou de Renato Alves pela Humano (2011)
>>> Habermas e a Dialética de David Igram pela Edunb (1993)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/3/2008
Uma caixa grande demais
Marcos Visnadi

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em meados dos anos 1990, aos 70 anos, Odai Orimoto teve diagnosticados depressão e Mal de Alzheimer. Desde então seu filho Tatsumi, que há mais de 30 anos realiza performances no Japão e em vários outros lugares do mundo (São Paulo incluso), tem utilizado sua mãe como protagonista de suas fotografias e intervenções urbanas.

Genericamente chamado de Art Mama, o trabalho de Tatsumi Orimoto costuma causar riso ou indignação num primeiro momento. Em "Small Mama + Big Shoes", por exemplo, a pequena Sra. Orimoto tem de caminhar pelas ruas desertas de Kawasaki ou por um corredor polonês formado por fotógrafos e críticos de arte numa galeria em Tóquio utilizando enormes sapatos que a engolem até a metade das canelas. Em "In the big box", a velha é colocada dentro de uma enorme caixa de papelão no meio de sua sala de estar.

Travestida de um ridículo aparentemente nonsense, a imagem da Sra. Orimoto preenche praticamente metade da galeria do MASP, onde a Retrospectiva Tatsumi Orimoto permanece em cartaz até 6 de abril. Numa terça-feira à tarde, na semana seguinte à do carnaval, me pareceu que, embora a série Art Mama não difira essencialmente do resto da obra de Tatsumi, é diante dela que o público mais se detém, que os comentários surgem, que os dedos apontam, que as gargalhadas soam.

Tatsumi afirma que o propósito de Art Mama é o de estabelecer comunicação com sua mãe que, abatida pelo Alzheimer e ensurdecida pelos efeitos colaterais dos medicamentos que toma, se expressa cada vez menos e prefere passar seus dias deitada no tatame, vendo televisão. Com Art Mama, a intenção de Tatsumi Orimoto é tirar sua mãe da apatia e da reclusão e arrancá-la da invisibilidade social que acompanha sua doença e sua idade avançada. Art Mama, para ele, é o trabalho de valorização de uma vida.

Por que o ridículo, então? Por que expor sua mãe idosa em situações humilhantes, por que expô-la a risos ao redor do mundo?

Se as experimentações de Tatsumi melhoraram ou não a comunicação com sua mãe é coisa que interessa apenas a ele, a ela e talvez às demais pessoas que têm de lidar com o Alzheimer, seja em seus próprios corpos, seja nos de seus amigos, familiares ou pacientes. A nós, que vamos ao MASP nestes dias quentes de verão, Art Mama comunica alguma outra coisa.

A expressão emburrada da velha japonesa, imutável no decorrer das fotos, com suas bochechas caídas e gordas, suas muitas rugas e seus olhos indiferentes e algo cínicos contrapõe-se ao nosso riso algo sádico e, desprovida de inquisições, deixa aflorar espontaneamente aquilo que compõe o substrato do nosso modo de ver a velhice. Trazida para o centro da cena com um pneu de borracha enfiado na cabeça, ou nua durante o banho, a minúscula senhora nem de longe lembra a velhice saudável e sorridente que tem aparecido nos últimos anos, cada vez mais, como padrão de vida desejado por nós não só para nós mesmos, mas também, e principalmente, para os velhos e as velhas que nos cercam. Esse novo referencial de velhice tem resultado, no senso comum como no discurso médico especializado, na culpabilização das pessoas idosas pelas suas próprias dificuldades e infelicidades.

O olhar que dirigimos a Odai Orimoto é um olhar de surpresa frente a imagens que não correspondem ao nosso referencial imagético da velhice e, ao mesmo tempo, de satisfação por encontrarmos a velha esquisita e de cara fechada no lugar que lhe é devido: o do exótico e do risível.

No avesso do politicamente correto, as fotos de Tatsumi Orimoto não aparecem como uma tentativa bem-intencionada de sensibilizar o público para as agruras de uma velhice marginalizada; muito pelo contrário, Art Mama é, para nós, a evidência de uma alteridade que não pode senão permanecer como tal: alheia e estranha.

Estrangeira. A Retrospectiva Tatsumi Orimoto faz parte das comemorações pelos 100 anos da imigração japonesa no Brasil e é significativo que essas fotos venham justamente de uma cultura tida como valorizadora de seus idosos. Simultaneamente familiar e estranha, a cultura japonesa, assim como a velhice, escapa, com Tatsumi Orimoto, às nossas pretensões totalizantes.

Diz-se que Odai Orimoto é das maiores admiradoras do trabalho do filho e que gosta muito de participar das performances elaboradas por ele. Infelizmente, não pôde vir ao Brasil por recomendação médica, mas ainda assim Tatsumi abriu sua exposição com uma homenagem à velhice, servindo um jantar para 50 senhoras da comunidade nipo-brasileira. Vale ressaltar ainda que o artista já levou os experimentos de Art Mama para hospitais e centros de tratamento dedicados a pessoas com Alzheimer ou outras deficiências mentais. No Museu de Arte de São Paulo, no entanto, o trabalho de Tatsumi Orimoto provoca momentos de alegria e descontração principalmente para jovens cultos da capital paulista. No caixote refrigerado de Lina Bo Bardi, a caixa de papelão de Orimoto é uma opção lisa e divertida para uma tarde de verão.

Para ir além
O convívio social aos olhos de Tatsumi Orimoto


Marcos Visnadi
São Paulo, 3/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) de Jardel Dias Cavalcanti
02. Simplesmente tive sorte de Daniel Bushatsky


Mais Marcos Visnadi
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/3/2008
19h42min
Muito bom! Que o exótico/risível possa sempre abrigar relações mais complexas com o inevitavelmente alheio/estranho.
[Leia outros Comentários de bernardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esboços de Sermões
Luis Roberto Silvado
A. D Santos
(2012)



Outras do Analista de Bagé
Luis Fernando Veríssimo
L pm
(2022)



Boas Maneiras e Sucesso nos Negócios
Celia Ribeiro
L&pm
(1993)



O Perito
Robert Finn
Publicações Europa-américa
(2009)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 155
Pini
Pini



O Estudante
Adelaide Carraro
Global
(2001)



Comunicacao Modernizacao e Difusao de Inovacoes no Brasil
Jose Marques de Melo
Vozes
(1978)



Inteligência - Perspectivas Teóricas
Leandro S. Almeida, Aristides Ferreira
Almedina
(2009)



Wireless Java With J2me - Sams Teach Yourself - in 21 Days.
Michael Morrison
Sams



Historias da Vo Cotinha Vivencias e Virtudes
Lucia Nobrega
Rideel
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês