Treze Teses sobre Cinema | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 7/3/2012
Treze Teses sobre Cinema
Humberto Pereira da Silva

+ de 4600 Acessos

I -
Cinema é imagem em movimento. Confluem para a realização de um filme o enredo, as interpretações, a banda sonora, a iluminação, o cenário etc. Com isso, dispositivos que lhe dão suporte (como a tinta para o pintor, o mármore para o escultor, o instrumento musical para o compositor...); esses dispositivos são necessários para que um filme seja concebido, pois sem eles - ou parte deles - seria impensado. Mas na apreciação, se a importância do suporte se sobrepuser a do movimento giratório dos fotogramas e a consequente projeção por algum meio, o filme ressente-se do que lhe confere autonomia enquanto obra de arte. Um bom enredo pode se servir a um romance, um conto, uma peça, um balé, uma ópera; boas interpretações são esperadas no teatro, nos circos, na fala oratória; a utilização de filtros de cores e o ajuste de luz guardam algo das experiências de um pintor; o cinema, por sua vez, pode prescindir dessas exigências e produzir uma obra de arte: nada impede que um filme seja concebido apenas com atores amadores ou figurantes, com iluminação natural ou à luz de velas. O enquadramento, posição da câmera, seu movimento, o corte, a montagem, o "olho câmara", determinará como a imagem chegará ao espectador e lhe causará certo sentimento diante dela. Se da arte se espera reação do espectador diante de um objeto único, e isso propicia o que se pode chamar de experiência estética ante o belo ou o sublime, no cinema essa ocorre quando esses elementos são combinados naquilo que recebe o nome de linguagem cinematográfica.

II -
Olha-se um objeto, fecham-se os olhos e o olhar passa a outro objeto. Nisso algo similar ao corte cinematográfico: como os olhos que se retém num fragmento do visível - o foco visual -, a câmara abre-se, fecha-se, e volta a se abrir para a luz e, com isso, revela fragmentos da realidade, numa sucessão temporal não explicitamente demarcada. As imagens, separadas por cortes e ajustadas pela montagem, retém certo instante delimitado; o movimento dos fotogramas exibe um recorte da realidade. O sentido entre as imagens separadas por cortes é obra da imaginação, como se requer de uma obra como um romance, uma poesia, uma cantata, uma pintura etc.

III -
O cineasta é o artífice que recorta certo instante; suas intenções, sua concepção do sentido de uma obra de arte, sua maneira de expressar o mundo e a vida se revelam num enquadramento, num travelling, num faux-raccord. Tanto mais o cineasta puder se expressar com liberdade, tanto mais se revelará a beleza e o sublime em um filme. Isso porque ele, apenas ele, responderá pela unidade e singularidade que o filme, como obra de arte, expressar e, com isso, se inserir no conjunto de suas inquietações. Um filme, isoladamente, em que apenas incidentalmente se pense em quem responde pela direção, pode trazer coisas interessantes, como coisas interessantes podem ser encontradas nos espetáculos de variedades. Se, contudo, o cineasta tiver suas escolhas condicionadas por injunções externas, como as que envolvem uma agradabilidade prévia do público, seu filme pode ser visto no mesmo leque em que são apresentados os espetáculos de variedades para deleite momentâneo: nada além de mais produto para consumo no mercado das ilusões efêmeras.

IV -
No primeiro cinema instituiu-se o hábito de ver um filme como narrativa de episódio; institui-se igualmente uma ritualização própria para se ver uma história contada por meio de imagens: na sala de projeção, a percepção de que a trama seja exibida num fluxo temporal que não perturbe a compreensão e, ao mesmo tempo, cative a atenção. Como conseqüência da ritualização instituída nos primeiros filmes narrativos, o valor estético de um filme quase que identificado a uma história contada como nos folhetins do século XIX. Resulta dessa identificação entre cinema e folhetim a desatenção a uma sequência, a detalhes da paisagem, a um enquadramento fechado em parte do corpo de um personagem, ao cenário de fundo, aos figurinos, à banda sonora. Ver um filme, contudo, possibilita experiências estéticas distintas se o espectador soltar a imaginação para perceber algo mais que aquilo que encontraria num folhetim.

V -
Um livro é um livro; um filme é um filme. A descrição de um acontecimento, feita por um romancista, se presta à imaginação do leitor. Ele, na sua leitura solitária, compõe uma imagem mental do movimento dos personagens, a ambiência em que se encontram, a partir das experiências que teve. O valor estético da descrição se conforma às regras fornecidas pelas teorias literárias. O cineasta pode ser movido a filmar a descrição de uma cena fornecida por um romance; dela pode se apropriar dos motivos e conceber uma obra cinematográfica. Mas o que o escritor descreve com palavras será exibido no filme por meio de imagens que resultam de escolha pessoal do cineasta. No filme, o espectador está diante de imagens; não lhe cabe, portanto, ao contrário da literatura, formar mentalmente uma imagem. O valor estético das imagens se conforma às regras fornecidas pela linguagem cinematográfica. Comparar um filme a um romance de que se serve para adaptação é como misturar regras para medida de temperatura a regras para medida de comprimento: os instrumentos de medição não são os mesmos; com isso, entre filme e romance, uma situação cujas regras não possibilitam comparação. Um livro jamais é melhor que um filme, pois é um livro; tampouco o contrário, pois um filme é um filme.

VI -
Cinema é uma forma de expressão artística que se ressente da evolução tecnológica. De modo que sua produção se articula inequivocamente às tecnologias disponíveis e que permitem a projeção imagens. A história do cinema não se separa da dos dispositivos que tornam determinadas imagens possíveis. A impressão de realidade em uma cena hoje é diversa da de anos atrás e tornar-se-á obsoleta nos anos futuros. Nesse sentido, junto à ideia de explorar recursos tecnológicos disponíveis para conceber efeitos especiais, cabe examinar o momento em que cada recurso é utilizado junto aos sentimentos provocados no espectador. Os mesmos efeitos especiais no futuro serão percebidos de forma diferente, pois a experiência educa a perceber os objetos de maneira diferente. Uma cena filmada com recursos do momento provoca no espectador sentimentos que não teria anos atrás; da maneira similar, os sentimentos que terá anos adiante não são os mesmos de hoje. Com isso, o que se tem é que a história do uso de dispositivos tecnológicos para conceber efeitos especiais no cinema caminha paralelamente à história dos sentimentos provocados no espectador.

VII -
Na realização de um filme um condicionante do qual não se pode escapar: a grande movimentação de capital. O filme mais barato possível envolve recursos para a ambiência, escolha de locações, sedução de uma equipe para trabalhar nas filmagens por um período de tempo, distribuição etc. Em qualquer filme, portanto, interesses econômicos para que se possa ponderar sobre sua viabilidade no mercado: não é possível pensar o cinema fora dos preceitos da indústria cultural. Um escritor pode se recolher à solidão e escrever; um pintor ou um compositor igualmente, mas um cineasta, não! A realização de um filme depende de um jogo de convencimento sobre suas possibilidades. Do contrário, alguém perderá o que investir. Nisso, uma ritualização que exige discutir o cinema no âmbito do entretenimento e da sociedade de consumo. As concessões à liberdade criativa que o cineasta fizer dará a medida que separará a obra de arte do produto que ocupará meras horas de lazer do espectador. Talvez não seja possível sem controvérsia traçar a linha divisória entre arte e mercado; de qualquer modo, esse o desafio a ser assumido para quem se propuser a fazer e pensar o cinema como arte.

VIII -
Em conseqüência da trama na qual se apóia, implícita ou implicitamente todo filme (ficcional ou documental) está comprometido com valores sociais, morais, políticos, econômicos etc. Assistir a um filme sem se ater à mensagem que carrega é pressupor que símbolos de qualquer natureza sejam neutros, que slogans denotem somente o que exibem: para cada objeto, um símbolo fixo. Um exercício para quem se dispuser diante da tela durante a projeção de um filme consiste em procurar o sentido, o conteúdo ideológico que as imagens expressam: o cineasta, liminar ou subliminarmente, é um ideólogo, milita por uma causa; por isso, para não pactuar despercebidamente ideias que lhe são avessas, ou, de outro modo, não se expor como objeto manipulável, o espectador deve ter em mira o acordo ou desacordo com as mensagens que o filme expressa. Nesse exercício, portanto, o risco de se desavir com a mensagem. Com isso, muitos se afastam de filmes que elogiam determinada doutrina ou carregam slogans de que discordam. Mas um filme enquanto obra de arte se presta à contemplação desinteressada: a beleza e o sublime - senão para o próprio cineasta -, não se condicionam pelo acordo ou desacordo com uma ideologia expressa: se é ingênuo supor neutralidade das imagens, igualmente ingênuo é atribuir ou retirar valor estético em função de suas mensagens.

IX -
De qualquer filme - mesmo de um único fotograma - pode-se extrair elementos para ilustrar um tema de aula. O professor só não pode esquecer que a imagem apenas e tão somente é um elemento ilustrativo inserido conforme exigências e contexto próprios de uma aula. Ou seja, a imagem é como uma frase de efeito retórico que visa à adesão, à persuasão; portanto, esconde o que não contribui para os efeitos visados. Os vários elementos que se movem na projeção de um filme - verossimilhança, motivações ideológicas, alegorias históricas etc. - podem se chocar com o propósito da ilustração. Se o professor perder de vista seu caráter ilustrativo, que poderia ser feito por outros meios (recortes de jornal, pantomimas, anedotas etc.), as imagens se confundiriam com o rigor científico do tema. Um filme é um artefato que pode ser apreciado ou não como obra de arte; por isso, se oferece à imaginação. Suas imagens, portanto, não estão isentas de equívocos e absurdos; logo não se pode conceber um filme como um tratado de economia, de sociologia ou de psicologia: numa aula, ele pode ser um meio, mas jamais um fim em si mesmo.

X -
Como na literatura, o cinema ganha forma como obra de ficção; por conseguinte, uma cópia ilusória da realidade. Resulta com isso o equívoco de se pretender que um filme espelhe o passado com coerência, sem os chamados "erros históricos". Num filme, toda objetividade da narrativa histórica deve ser posta em suspenso: o cineasta, ao conceber uma obra de ficção, não tem compromisso com a "verdade histórica" dos historiadores. Nesse sentido, todo "filme histórico" é uma construção subjetiva do cineasta; ele pode, mas não precisa, se apoiar em fontes documentais. A se observar que muitas vezes isso seria impossível: quisesse conceber uma casa egípcia, não teria fontes. No entanto, seria absurdo projetar um filme sobre os egípcios no espaço vazio: uma casa egípcia no cinema não é senão uma construção ficcional. Num "filme histórico" se vê o resgate de resíduos iconográficos, fragmentos de memórias, crônicas, relatos de viagem, filtrados pela imaginação do cineasta: nenhum "filme histórico" ensina história, embora possa estimular sua aprendizagem aos desejosos de conhecê-la.

XI -
A imagem cinematográfica retém um fragmento da realidade. Passado certo intervalo de tempo, a imagem retida pode servir a preocupações teóricas de historiadores, etnólogos, antropólogos, culturalistas etc. Certos hábitos, costumes, arquitetura, expressões faciais, mobília, aparelhos eletrodomésticos estão retidos nos fotogramas; o que diferencia a imagem cinematográfica da imagem fotográfica é o dispositivo técnico que coloca os fotogramas em movimento (24 quadros por segundo) e deixam a impressão de que os fotogramas captam a realidade como seria percebida no movimento contínuo, a partir do momento em que a luz se abre para a câmara. Num sentido subliminar, o instante retido, se for de um filme cujo propósito seja de uma narrativa histórica ou de ficção científica, revela menos do passado e do futuro presumível do que sobre o momento em que foi concebido. Em qualquer filme que se pense, apenas e tão somente o "espírito de época" no qual foi realizado.

XII -
No teatro a ação dos personagens desperta sentimentos de pânico, terror, identificação. Por meio da recordação de que a ação se trata de ficção e não da realidade, o espectador sofre aquilo que os gregos denominavam como catarsis. O cinema igualmente desperta paixões e, consequentemente, o efeito catártico. A diferença entre teatro e cinema não está nos efeitos provocados e sim no fato de que o sangue, numa cena em que um corpo é lacerado, pode ter um enquadramento que acentue a impressão de realidade, o que não ocorreria no teatro, com o espectador em sua posição fixa, sempre à mesma distância da cena. A linguagem cinematográfica, com os recursos técnicos de que um cineasta dispõe, possibilita um espelhamento da realidade diferente do que se encontra no teatro. Resulta com isso um paroxismo: uma imagem de laceração na tela pode ser para o espectador mais impactante que numa peça teatral. O cinema é dotado de uma visceralidade impossível no teatro. Nesse paragone, contudo, não se visa à superioridade do cinema ou do teatro, apenas notar que o efeito catártico pode ser obtido de formas artísticas distintas.

XIII -
O estudo do comportamento coletivo cabe à antropologia, à sociologia ou à psicologia. Para especialistas, essas ciências explicam diversos comportamentos culturais, sociais e psicológicos pela influência de ações modeladas por personagens no cinema. A eventual influência negativa de um filme pode, então, gerar sua interdição, a fim de que se preserve a ordem social. Nesse caso, não cabe falar em cinema e sim em condicionantes jurídicos, políticos, ideológicos, propagandísticos ou moralistas. Uma vez que se defenda ao Estado garantir a liberdade de expressão, também a ele deve-se atribuir a garantia da segurança pública. Entretanto, no ato de criação o cineasta pode se afastar do que lhe é ditado pelo Estado ou pela sociedade. Ao realizar uma obra transgressiva, o risco de que seja banida. Disse segue-se uma constatação inequívoca: queira o estatuto de arte ao filme que realiza, o cineasta se movimentará numa fronteira tênue, numa área de atritos constantes.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 7/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 'A Imaginação Liberal', de Lionel Trilling de Celso A. Uequed Pitol
02. Eleanor Catton e seus luminares de Eugenia Zerbini
03. Por falar em outras línguas de Carla Ceres
04. Sociedade dos Poetas Mortos de Rafael Rodrigues
05. O prazer da literatura em perigo de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MUNDOS ALÉM DO HORIZONTE
JOACHIM G. LEITHAUSER
CIA. NACIONAL
(1959)
R$ 11,00



BOTTLE FACTORY OUTING
BERYL BAINBRIDGE
PENGUIN UK
(1995)
R$ 10,00



BRASIL SÍNTESE DA EVOLUÇÃO SOCIAL
ALUYSIO SAMPAIO
HUCITEC
(1974)
R$ 8,49



ESCRITOS DE GREGÓRIO DE MATOS
HIGINO BARROS (SELEÇÃO E NOTAS)
L&PM
(1986)
R$ 8,91



POMPOAR - A ARTE DE AMAR
STELLA ALVES
MADRAS
(2002)
R$ 12,00



VIAGEM PELA MENTE DE UM MUÇULMANO
HASSAN HATHOUT
AMERICAN TRUST PUBLICATIONS
(1997)
R$ 12,00



EL MITO DE LA GLOBALIZACION NEOLIBERAL: DESAFIOS Y RESPUESTAS
INICIATIVA AUTOGESTIONARIA
ACC CULTURAL CRISTIANA (MADRI)
(1999)
R$ 39,28



O ARQUITETO E AS LEIS MANUAL JURIDICO PARA ARQUITETOS
JORGE KONIGSBERGER E LIZIA MANHAES DE ALMEIDA
PINI
(2003)
R$ 69,00



CURSO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL
SERGIO SHIMURA/ANSELMO PRIETO ALVAREZ
MÉTODO
(2013)
R$ 33,76



DICIONÁRIO DE PERSONALIDADES PORTUENSES DO SÉCULO 20 CAPA PRATA
GERMANO SILVA E LUÍS MIGUEL DUARTE
PORTO
(2001)
R$ 327,00





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês