Fugindo do apocalipse | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
24815 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> BuZum! encena “Perigo Invisível” em Itaguaí, Mangaratiba, Angra dos Reis e Paraty (RJ)
>>> Festival de Teatro de Curitiba para Joinville
>>> TIETÊ PLAZA INAUGURA A CACAU SHOW SUPER STORE
>>> A importância da água é tema de peças e oficinas infantis gratuitas em Vinhedo (SP)
>>> BuZum! encena “Perigo Invisível” em SP e público aprende a combater vilões com higiene
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O batom na cueca do Jair
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> As fitas cassete do falecido tio Nelson
>>> Casa de bonecas, de Ibsen
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
Colunistas
Últimos Posts
>>> Barracuda com Nuno Bettencourt e Taylor Hawkins
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
Últimos Posts
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
>>> Humanidade do campo a cidade
>>> O Semáforo
>>> Esquartejar sem matar
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O inventário da dor de Lya Luft
>>> Música em 2004
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Índio quer apito
>>> A profecia de Os Demônios
>>> 9º Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Viciados em Internet?
>>> Viver é preciso; navegar, nem tanto
>>> Sou um de vocês
Mais Recentes
>>> O Mal-Estar na Civilização de Sigmund Freud pela Penguin (2011)
>>> Ative Sua Bondade de Shari Arison pela Valentina (2015)
>>> A Ciência de Ficar Rico de Wallace D. Wattles pela Best Seller (2007)
>>> O Monge e o Executivo - Uma História sobre a Essência da Liderança de James C. Hunter pela Sextante (2004)
>>> Helena de Machado de Assis pela Germape
>>> Minha Breve História de Stephen Hawking pela Intrínseca (2013)
>>> Peça e será atendido: Aprendendo a manifestar seus desejos de Esther & Jerry Hicks pela Sextante (2016)
>>> A Sutil Arte de Ligar o Foda-se de Mark Manson pela Intrínseca (2017)
>>> Linguagem Corporal de Allan & barbara Pease pela Sextante (2005)
>>> Guia Politicamente Incorreto da Politica Brasileira de Rodrigo da Silva pela Leya (2018)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil de Leandro Narloch pela Leya (2011)
>>> A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Companhia das Letras (2007)
>>> A Teoria da Relatividade de Albert Einstein pela L&PM Pocket (2017)
>>> Pachamama Missão Terra 2 Ações para Salvar o Planeta de Vários Autores pela Melhoramentos (2005)
>>> Pachamama Missão Terra 2 Ações para Salvar o Planeta de Vários Autores pela Melhoramentos (2005)
>>> Mi Telescópio y Yo de Cláudio Martins pela Formato (1992)
>>> Geoatlas Básico-mapas Políticos -maps Físicos-mapas Temáticos-imagens de Maria Elena Simielli pela Atica (2013)
>>> Mito de Sísifo de Albert Camus pela Best Bolso (2010)
>>> Issao e Guga de Matthew Lipman pela Filosofia para Crianças (1997)
>>> Como é Diferente um Coração Valente de Thiago Mazucato pela Ideias e Letras (2014)
>>> Humanitas - 158 - Filosofia Vegetal de Vários Autores pela Escala
>>> Química Geral vol 1 de Ricardo Feltre pela Moderna (2000)
>>> Jantar Secreto de Raphael Montes pela Companhia das Letras (2016)
>>> Como fazer amigos e influenciar pessoas de Dale Carnegie pela Cia nacional (1995)
>>> Tênis de Guilherme de Almeida/ Ilust. Ellen Pestili pela Global (2006)
COLUNAS >>> Especial O fim dos jornais

Quarta-feira, 6/5/2009
Fugindo do apocalipse
Celso A. Uequed Pitol
+ de 3700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Desde que comecei a ouvir falar na internet ouvi falar também no fim da mídia impressa. Era o fim dos livros, substituídos pelos e-books; era o fim da revista, substituída pelas revistas eletrônicas, então escritas em corpo de e-mail para desespero dos míopes; e, claro, era o fim dos jornais. Nem se falava em blogs, flogs, Twitters e assemelhados e o fim da imprensa ― entendida aqui no seu sentido original, isto é, de algo impresso no papel ― já era trombeteado em alto som para quem quisesse e quem não quisesse ouvir. Os argumentos sempre foram os mesmos: espaço ilimitado, economia de gastos, liberdade infinita e até vantagens do ponto de vista ecológico, uma vez que árvores seriam poupadas. Em suma, a sentença de morte não admitia apelação. O jornal estava condenado e seu desaparecimento era questão de tempo.

O tempo, então, passou. O jornal, como sabemos, não morreu. Claudica, é verdade: as tiragens caem em todo o mundo todo ― sobretudo nos EUA ― e acompanham uma tendência que vem de há muito tempo, por vários e outros motivos. Mas o fato é que ainda não acabou. E não acabou também o discurso apocalíptico, o qual, como todos os discursos apocalípticos, pode até se tornar démodé, ultrapassado e até brega, mas nunca morre. Transmuta-se, mascara-se, usa outros códigos e volta e meia vem à tona com força, ocupando espaço de destaque e assumindo a aparência de grande novidade. Antes, defendia-se apenas que o jornal em papel estaria com os dias contados. Hoje, nem mesmo os jornais eletrônicos têm seu espaço garantido, tamanha é a profusão de blogs especializados que não cobram por acesso e informam ― segundo os defensores desta opinião ― tão bem quanto os melhores articulistas dos grandes jornais e com muito mais independência. A última eleição nos EUA, quando blogueiros que trabalhavam à noite, após o expediente, tornaram-se participantes ativos de campanhas e vozes a serem escutadas por políticos e analistas experientes, parece ser mesmo um sinal bem forte de que não se trata mais de um exercício de futurologia à 1984 e sim do reconhecimento de um fato concreto e estabelecido.

Não resta dúvida de que a internet conquistou de vez um espaço dentro da grande mídia e que este espaço tende, no momento, a crescer. Também não resta dúvida de que o jornal deve se reinventar e buscar alternativas para poder sobreviver, se quiser sobreviver, em meio ao turbilhão de informações que assola este novo milênio. A pergunta que fazemos é: o jornal tem como se reinventar? Pode continuar a ocupar um espaço só seu? Terá instrumentos para resistir? Há algo de intrínseco ao jornal, algo próprio só dele, que lhe assegure a permanência?

Recordo aqui a entrevista concedida pelo americano Henry Jenkins, especialista em mídia, ao canal Globonews há alguns meses. Jenkins é um dos maiores estudiosos da difusão da informação com o advento da internet e da adaptação da humanidade a este novo quadro. Segundo ele, vivemos em uma época em que a quantidade de informação circundante é várias vezes superior à nossa capacidade de assimilar e processar novidades. Com um clique no Google acessamos referências de diferentes níveis de qualidade sobre praticamente tudo e de modo imediato. A questão é que nem sempre temos e sabemos como escolher as melhores fontes diante de tantas opções que se nos apresentam. As palavras de Jenkins não deixam margem a dúvidas: "Precisamos aprender a participar seletivamente ou seremos soterrados pelas informações". Fazendo uma comparação com uma mídia mais "antiga", é como uma pessoa que almeja tornar-se um grande sábio acumulando leituras desordenadas sobre os mais diversos assuntos. Sua cabeceira está cheia de livros sobre Física Relativística, filosofia alemã, botânica, esquemas táticos de futebol e estudos sobre o Expressionismo, escolhidos à mão livre, sem cuidado e com pressa. Aquele que escolhe bem essas leituras já não é um leitor sem orientação ― é um verdadeiro erudito, capaz de orientar os demais no mesmo processo. E aquele que "participa seletivamente" da informação na internet é o jornalista. Ou melhor: será o único jornalista digno de sobreviver a este novo mundo. Eis aí o seu provável espaço: pequeno, reduzido, mas ao mesmo tempo indispensável para que a informação circule de maneira proveitosa. Não é preciso lembrar que este é um trabalho de profissional ― e, portanto, um trabalho pago.

É claro que nem todos gostam disso. O serviço é redobrado e exige um preparo e uma dedicação que, penso eu, os egressos das faculdades de jornalismo cada vez menos têm (e aqui fala alguém que já frequentou aqueles bancos). O jornalista que quiser permanecer deverá compreender as novas exigências de sua profissão e adaptar-se a elas. E deverá compreender também que, se estas exigências forem cumpridas com êxito, desta grande ameaça que ora paira pode surgir uma nova e grandiosa era para o jornalismo e uma oportunidade única para os criativos e os talentosos. Até que outro discurso apocalíptico apareça e vire moda.


Celso A. Uequed Pitol
São Paulo, 6/5/2009

Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira - 12/2/2019
03. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
04. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
05. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005


Mais Especial O fim dos jornais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/5/2009
08h20min
Por partes: 1- A toda Ação corresponde uma Reação igual e contrária. 2- Na natureza nada se cria ou se perde, tudo se transforma. A partir desse coquetel de Newton com Lavoisier pode-se ter uma justificativa para a informação desordenada da Net, bem como para o renascimento do jornalismo. Ação - Jornais promovendo Idiotização Dirigida em todos os povos através da Informação Conveniente. Reação - Perda da Lógica nos leitores, contaminação do novo jornalista pelo processo de idiotização dirigido pelos ancestrais, proliferação da informação de forma dispersa e suspeita. Fim do Jornal. Transformação - Estudar bem as razões históricas que causaram o funeral, encontrar os inversos delas, Planejar com a Lógica Readquirida e Centralizar o Modelo Jornalístico como o Novo. A Retaguarda é quem justifica qualquer Vanguarda. Só estudando a primeira que se constrói a segunda, que, ocorrendo de forma Sensata, tem tudo pra dar certo, já que o Homem sempre dependeu de Líderes, principalmente Sensatos.
[Leia outros Comentários de Dalton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Atlas Geográfico Escolar
Varios Autores
Fename
(1957)



Pet Food Brasil Ano 14 - Edição 79 - Mar-Abr 2022
Stilo
Stilo



Leite Derramado
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2009)



Simbolos da Nova era Volume 2
S V Milton C11B3
A D Santos



Agatha Christie o Incidente da Bola de Cachorro
John Curram
Leya
(2010)



O Berço da Aprendizagem - um Estudo a Partir da Psicologia de Jung
Claudete Sargo
Ícone
(2005)



Livro - Auto da Barca do Inferno
Gil Vicente
Ftd
(1997)



Il Cile Tra Rivoluzione e Reazione
Luis Corvalan
Riuniti
(1973)



Todo Aquele Imenso Mar de Liberdade
Carlos Marchi
Record
(2015)



Bolos de Aniversário
Fiona Cairns
Publifolha
(2012)





busca | avançada
24815 visitas/dia
1,2 milhão/mês