Meu galinho Josué | Sergio Faria | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/12/2001
Meu galinho Josué
Sergio Faria

+ de 5200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Assunto de hoje na piscina do prédio: Casa dos Artistas. Que não-sei-quem deve ficar. Que fulana deve sair. Que não deviam ter feito sei-lá-o-quê. Que o Silvio poderia algo. Que o senador anda orgulhoso do filho. Que magina se pode mostrar aquilo. Que ontem foi lindo. Que a fulaninha é fingida. Putaqueopariu, o preço que se paga por uma nesga de sol e 2 metros quadrados de água anda alto demais. Tinha 3 anos que eu não botava os pés ali. Não volto nunca mais.

* * *

Calor. Parece que veio para ficar. Odeio. Só tem 4 coisas boas no verão. As pernas e os pés das mulheres, que voltam às ruas depois de se esconder do frio. O resto é sofrimento: calor, suor, irritação, mau humor, câncer de pele, excesso de luz, trânsito complicado, carro quente, despesa maior na lavanderia, preguiça, cansaço, lençóis molhados, sono interrompido, praia lotada, reflexo do sol no vidro traseiro do carro da frente, cupim voador entrando pela janela, horário de verão. Não leio o Catarro Verde, mas desconfio que uma pesquisa nos arquivos indicará altos índices de felicidade catarrenta nos meses frios.

Se as pernas e os pés das mulheres, agora peladinhos por toda parte, compensam todo o sofrimento do calor? Ora, claro que sim. Mulher compensa até CD do Leonardo, cara. E eu não consigo, ao menos neste momento, imaginar coisa pior do que um CD do Leonardo. Poderiam liberar a venda indiscriminada de espingardas de 2 canos, concedendo licença de caça às duplas sertanojas. Permanente.

* * *

TV ligada. O Enrugadinho Groisman está apresentando neste momento o Wando, a Daniela Mercury e a Roberta Close cantando perto de uma mesa de frutas. Roberta Close, em pé, está sempre de pernas abertas, graças à memória genética do pinto e do saco. Não há nada na TV que não se possa tornar ainda mais barato, vagabundo e vulgar. Nisso, o Enrugadinho Groisman jamais falhará. Os Marinho podem dormir tranqüilos.

* * *

No mesmo supermercado que tinha Teta de Nêga, encontrei uma funcionária que respondia perguntas com "seria". Eu tava procurando sopa Campbel's pra uma figura que me encomendara:

-­ Por favor, tem sopa em lata?
-­ Como?
-­ Sopa em lata, da marca Campbel's...
-­ Ah, seria na seção de sopas...
-­ Onde é?
-­ Seria perto dos caldos...
-­ Onde é?
-­ Seria onde tem tablete Maggi, Knorr...
-­ E onde é?!
-­ Venha comigo...
[Me levou até uma gôndola distante]
-­ Seria aqui...
-­ Então não tem, né, moça? Num tô vendo...
-­ Escuta, você falou que seria sopa em LATA?...
-­ Sim, da marca Campbel's...
-­ Olha, moço, eu nunca ouvi falar disso na minha vida... Magina, sopa em lata...
[E me olhou com pena, enquanto se afastava]

* * *

Ontem descolei uma verba, cheguei na Speranza, um casal tinha acabado de ocupar a minha mesa. Não se trata de mesa cativa, mas é a que mais gosto, portanto trata-se da minha mesa. Não gostei. É dessa mesa que eu curto ficar olhando as redondas entrando magras e saindo gordas, fumegantes, do forno a lenha, com seus 5cm de altura no corniccione [aquilo que chamam de borda]. Ali também costumo parar os garçons que partem com as pizzas, pedindo para vê-las de perto antes de irem para o salão. Adoro admirá-las ainda quentes, nervosas, perfumadas, a massa grossa, quase grosseira, como convém às receitas de Nápoles introduzidas no Brasil pelos Tarallo -­ a família criadora da Speranza. Foram eles que assaram a primeira pizza Margherita por aqui. E aquele casal ali, sentado na minha mesa. Como eu poderia sentar em outra, caralho? Chamei um garçom conhecido:

-­ Vai lá e convence o cara a mudar de mesa...
-­ Mas ele acabou de sentar...
-­ Melhor assim, não custa nada sair...
-­ Esse cara eu conheço, ele é invocado...
-­ Invocado eu também sou, você sabe...
-­ Mas...
-­ Vai lá e diz que eu sou aleijado, que preciso daquela mesa pra me encostar na parede, daí eu chego mancando...
-­ Tem outra mesa do lado, dá pra ver o forno...
-­ Mas eu gosto da minha, nunca troquei ela por outra...
-­ Quem sabe na varanda? Tá ventilado...
-­ De jeito nenhum. Vai lá. Fala pra ele que aquela mesa dá azar, que ele sai... Diz que ali morreu uma velhinha engasgada com pizza, a mulher dele vai querer sair...
-­ Mas eu não posso...

Não teve jeito. Acabei aceitando a mesa ao lado, de onde fiquei lançando olhares raivosos pro cara e olhando acintosamente as pernas da mulher dele. Desgraçado, ladrão involuntário de mesa. Quando veio o naco de tórtano que pedi em caráter de urgência urgentíssima, com um chope de bom colarinho e sem jacaré, sosseguei. O tórtano da Speranza é primoroso. Vê-lo ainda na forma, recém-saído do forno a lenha, é um privilégio. Trata-se de um pão redondo recheado de lingüiça, com uns 60cm de diâmetro por uns 25cm de altura, pesando quase 6 kg. Gorducho, interface amigável, bonachão, um buraco no centro, aparência externa de panetone. Soberbo. Você pede um naco [está bem, uma fatia], ele vem generoso, muitos pedaços grandes de lingüiça desmanchados a mão e incrustados na massa feita com banha de porco na receita secreta. Massa de napolitanos, rústica, sem concessões à delicadeza de aparência. Entretanto, sublime na mistura de sabores, perfumes e texturas que se libertam na boca. Ontem fantasiei encomendar um tórtano inteiro para usar como travesseiro no inverno. Acordaria no meio da noite, daria uma mordida e voltaria a dormir feliz. Preciso examinar minhas vidas passadas. Em alguma época devo ter sido gordo. Vocação é o que não me falta.

* * *

Meu galinho Josué
Hoje senti saudade do meu galo Josué. Sou muito ligado à vida urbana mas já tive minhas veleidades galináceas, por assim dizer. Não, nada a ver com galinhar. É que já criei pato, galinha, codorna, garnizé, marreco e outros bichos. Tudo num quintal grande, chão de terra e grama. Um dia, no meio de uma grande ninhada de pintinhos, nasceu um que mal conseguia ficar de pé. Parece a história do patinho feio. O bichinho praticamente se arrastava, porque uma das pernas funcionava muito precariamente. Foi crescendo junto aos irmãos e irmãs, e nada da perninha sarar. Tomei as providências que pude, mas tratava-se de um aleijadinho incurável. O momento que me dava mais pena [ooops] dele era à noite, quando todos dormiam num poleiro que fiz usando cabos de vassoura. Como não conseguia subir no puleiro, o coitado tinha que dormir embaixo, no chão. E os outros passavam a noite cagando em cima dele. Precisava da companhia dos demais para dormir, eu acho, e habituou-se à humilhação por causa disso. De manhã, antes de sair, eu limpava as penas do cagadinho. No quintal havia um galo só, claro, chamado Gilberto -­ o rei do terreiro, que comia todas as galinhas. Meu regulamento era mandar os machos todos pra panela, mantendo vivas as fêmeas. Assim o quintalzão me garantia rangar frango saudável e ovo de quintal, daqueles que têm a casca azulada e a gema vermelhinha, vermelhinha. Nada de ração com hormônio e antibiótico. Todos e todas se viravam ciscando e aproveitando os restos da cozinha. E o dia da panela foi chegando praquela ninhada do aleijadinho. Franguinhos quase no tamanho e peso ideais pra dançar. E franguinhas quase no tamanho e altura ideais para serem enrabadas pelo galo Gilberto. Ia ser também o fim do sofrimento do franguinho cagado, eu me resignava. Na manhã do abate, não sei por que, mudei o combinado com a empregada e adiei. Fui trabalhar. De repente, no meio da tarde, ela me liga. Pasma. O franguinho aleijado tinha começado a andar! Peguei o carro e voei pra casa. Quase não acreditei quando vi o bicho normalzinho ali, andando de um lado para o outro, ciscando na companhia dos irmãos. Naquele instante decidi que jamais o mataria. Batizei-o de Josué, por razões políticas que não cabe explicar aqui. E, pela primeira vez, aquele terreiro passou a ter dois galos. O Josué cresceu e a porrada comia solta entre ele e o Gilberto. Até que aprenderam a dividir os territórios e as galinhas, cada bando pro seu lado, o pau quebrando só uma vez ou outra. Meu galo Josué ficou grandão, vistoso, um galo bacana, compensou a infância humilhante com um jeitão imponente, garboso, bom de espora, a crista altiva, o canto alto e afinado. Dava pra perceber que o antigo rival já o respeitava. E de longe, sem encarar. Um dia dei o Gilberto de presente para a empregada, homenageando o Josué com a posse total do terreiro e das galinhas. Ele soube reinar absoluto, com dignidade e paixão, tornando-se o pai competente de várias ninhadas. Hoje está enterrado ao pé de uma mangueira que plantei e que cresceu com ele. A alguns metros de distância, ao pé de um abacateiro, está a Ula, uma das minhas vira-latas desse tempo. Alguma coisa matou os dois no mesmo dia. Nunca vou saber o que foi. Chorei muito, como estou chorando agora, de tanta saudade que me deu do meu galinho Josué. Desculpe não terminar, mas não consigo mais escrever.

Para ir além
¢AtaRrO vE®De


Sergio Faria
São Paulo, 5/12/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
02. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo
03. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
04. Palavra de Honra de Daniel Bushatsky
05. Amar a vida! de Daniel Bushatsky


Mais Sergio Faria
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/12/2001
12h05min
Sergio, Donde é que vc veio, nesta manhã de sol, que, eu, te contrariando, adoro??? Que texto divertido, leve, e, ao mesmo tempo, cheio de significados...De onde quer que tenha vindo, benvindo seja! A propósito, a história do seu galinho, me trouxe uma doce lembrança. Eu morava no interior e tinha (no fundo ainda tenho, mas a minha logística paulistana atual não permite) a mania de levar pra casa tudo que era bicho que achava abandonado na rua. Tinha cachorro, papagaio, tartaruga, etc.. Um dia encontrei uma gatinha com algum problema, nas patas trazeiras, que a impedia de andar normalmente. Ela se arrastava. Morri de pena e, correndo risco de ser expulsa (minha mãe já andava de saco cheio do meu "zoológico delinquente"), a levei pra casa. Suportei a bronca da mãe, tratei a gatinha a leite e mel, por assim dizer, e ela foi melhorando, melhorando, até que um dia, quando estava realmente forte e curada, ela simplesmente pulou o muro e sumiu! Nunca mais a vi. Gatos são assim, pertencem a ninguém e, por isso mesmo, eu realmente os adoro. A fuga da Mininha me chateou naquela época. Mas hoje, lembro, com ternura e saudades, do tempo em que ela acompanhava minha solidão adolescente. E fico feliz constatando que a docura sobreviveu mesmo à sua ingratidão. Abraços, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
6/12/2001
15h38min
Sérgio, você não gosta de verão? Como?! O verão é ótimo, a gente não tem que ficar enterrada em toneladas de roupas e agasalhos, não fica com a ponta do nariz gelada, não acorda de noite com frio no pescoço... tudo fica mais alegre, descontraído! Até as frutas ficam mais doces e coloridas! Inverno só dá mesmo para dormir. De preferência, bem acompanhada... E só. Os demais textos estão uma delícia de ler, adoro "causos".
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O INCRÍVEL TESTAMENTO DE DOM AGAPITO
HÉLDER MOURA
CHIADO
(2012)
R$ 27,00



L´HOMME DE LONDRES
GEORGES SIMENON
PRESSES DE LA CITÉ
(2004)
R$ 40,00
+ frete grátis



MAYA
JOSTEIN GAARDER
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 12,00



PRODUÇÃO DE TEXTOS E USOS DA LINGUAGEM - CURSO DE REDAÇÃO
SAMIRA YOUSSEFF CAMPEDELLI E JESUS BARBOSA SOUZA
SARAIVA
(1999)
R$ 6,95



GÊMEOS NÃO SE AMAM
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1976)
R$ 4,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE JUNHO DE 1964
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1964)
R$ 7,00



A CRIANÇA ALUCINADA
RENÉ JEAN CLOT
PAZ E TERRA
(1989)
R$ 21,82



A ARANHA, A DOR DE CABEÇA E OUTRAS MALES QUE ASSOLAM O MUNDO
FERNANDA LOPES DE ALMEIDA
ÁTICA
(2005)
R$ 8,70



BALAS DE ESTALO E CRITICA
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
R$ 5,00



THE GREEN CITY INDEX: A SUMMARY OF THE GREEN CITY INDEX RESEARCH SERIE
SIEMENS AIG
SIEMENS
(2012)
R$ 25,82





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês