Obrigado, GV | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
>>> O Anticristo de Friedrich Nietzsche pela Lpm pocket (2008)
>>> E no Final a Morte de Agatha Christie pela Lpm pocket (2010)
>>> Estetica da Emergencia de Reinaldo Laddaga; Magda Lopes pela Martins Fontes (2012)
>>> Pós-produção: Como a Arte Reprograma o Mundo Contemporâneo de Nicolas Bourriaud pela Martins Fontes (2009)
>>> A saga da família Klabin-Lafer de Ronaldo Costa Couto pela Klabin (2020)
>>> Tudo Pelo Amor Dele de Sandie Jones pela Única (2019)
>>> Um Encontro de Sombras de V E Schwab pela Record (2017)
>>> O Vilarejo de Raphael Montes pela Suma das Letras (2015)
>>> Dança da Escuridão de Marcus Barcelos pela Faro (2016)
COLUNAS >>> Especial Volta às Aulas

Segunda-feira, 25/3/2002
Obrigado, GV
Eduardo Carvalho
+ de 7000 Acessos
+ 10 Comentário(s)

FGV

Eu estudo na melhor escola de Administração de Empresas da América Latina. E não tenho o menor orgulho disso. Não que eu ache que os outros não possam ter: essa é uma questão pessoal. Tenho dificuldade para me identificar com qualquer tipo de instituição. Não gosto da idéia de pregar um adesivo com iniciais na testa e assumir, além de qualidades que não tenho, defeitos que não quero ter. De problemas, bastam os meus.

Acontece que algumas idéias das empresas, seguindo uma tendência natural, contaminaram minha escola de Administração: e parece ter se tornado, ela mesma, uma empresa. Uma escola pode – e deve – ensinar como podemos fazer dinheiro fabricando um produto ou prestando um serviço competentemente: é inaceitável, porém, que a lógica do mercado vigore nos corredores da academia.

Ou seja: o preço da coxinha, dentro de uma escola, deve ser mais baixo do que em qualquer outro lugar da cidade. Seja em uma escola de Administração de Empresas ou de Ciências Sociais. Não importa: os consumidores ainda são estudantes. A cantina deve prestar um serviço eficiente, deve, indiscutivelmente, recolher lucros, mas não pode, de forma alguma, fazer o que está fazendo: abusar do seu monopólio.

As folhas avulsas, por exemplo, são estrategicamente distribuídas com três furos, para que se obrigue o aluno a comprar o fichário da escola e, depois, mais folhas com três furos. É querer sugar até a ultima moeda do bolso de quem já paga uma mensalidade relativamente alta. E que não pode estudar à noite para trabalhar durante o dia, porque as classes que foram do curso noturno de graduação estão, agora, ocupadas por outros cursos, que geram mais lucros.

Se o aluno, ainda, pelo motivo que for – descansar do ambiente escolar ou passar um semestre no exterior desvinculado da escola -, trancar sua matrícula, precisará pagar, indiscutivelmente, metade da semestralidade do curso. Não fosse um sistema de fundo de bolsas prático, mas que também precisará ser pago posteriormente, seria, aí, uma completa exploração financeira. Por enquanto, é quase. Ainda que aleguem repetidamente, com motivos mal explicados, que o curso dê prejuízo.

As classes são completamente equipadas com cadeiras confortáveis, mesas novas e boas, televisões, computadores, projetores, ar condicionado, etc. Mas a propaganda que as empresas que doaram esse material fazem, dentro da própria classe, é desnecessariamente agressiva e feia. Dizem que existe lista de espera de empresas querendo patrocinar essas salas de aula. Por que não, então, controlar a distribuição de pôsteres, o tamanho do nome da empresa, a irritante divulgação de slogans? Ficaria mais bonitinho, pelo menos. Do jeito que está, parece que a independência do conteúdo ensinado é a mesma de uma prostituta exigente: existe, mas tem um preço.

Como, também, o caráter corrompido de alguns alunos que se envolvem tão cedo com politicagens baratas. É triste e evidente que, ainda tão novos, suas preocupações sejam exclusivamente projetar uma imagem simpática e correta para encobrir interesses tão mesquinhos como o de roubar migalhas que sobram no caixa do DA. E, se isso nunca existiu, ainda assim apenas o fato de que se trocam descaradamente acusações nunca averiguadas é assustador.

Como, aliás, também é assustadora a competição selvagem entre os alunos para alcançar as melhores notas, uma ambição infantil e insalubre. Como preparação para enfrentar um mercado de trabalho cada vez mais exigente e competitivo, o clima na classe fica, às vezes, tenso, quando o comportamento civilizado – i. e.,esperar em fila para falar com o professor – é substituído pela grosseria mais baixa e porca, capaz de desprezar e esmagar qualquer aluno mais bem intencionado. A insistência em se adaptar à personalidade exigida pelo mundo corporativo chega a ser ridícula, e todo mundo exercita, independentemente do seu temperamento, sua habilidade de mediador ponderado e líder carismático copiadas de manuais de psicologia para empresas.

Pela impossibilidade prática de ensinar uma coisa que não se sabe a alguém que não está interessado, seria mais proveitoso, para a Escola e para os alunos, que as matérias de Humanidades fossem na maioria abolidas. A ignorância assumida é decididamente mais saudável do que a ilusão do conhecimento. Como respeitar os “profundos” conselhos de uma professora de Psicologia que não consegue completar um slide sem cometer um erro gramatical? Só mesmo caindo no papo dela, separando indiscriminadamente razão do sentimento e aceitando que, por trás daquele desconhecimento gramatical técnico, ela acumule uma superior sabedoria de vida. Ou como, então, acreditar no discurso filantrópico e pretensiosamente erudito de um professor incapaz de pequenos favores ou, ao menos, acertar onde nasceu Carl Gustav Jung, que ele chama, na mais petulante intimidade, de Carlos Gustavo? E um semestre de Filosofia, justificável apenas pela exigência do MEC, é cansativo e inútil: ocupa tempo e confere a alguns alunos a mesma arrogância do professor especialista em Jung: não entende nada do assunto, mas, como os outros entendem menos ainda, seu parco conhecimento se transforma em inabalável erudição.

Com todos os seus defeitos, porém, ainda resiste uma indiscutível qualidade: não há nenhum outro lugar, no Brasil, onde se aprenda com tanta eficiência o conteúdo que uma Escola de Administração se propõe a ensinar: como fazer dinheiro. É o lucro, definitivamente, o objetivo de uma empresa normal – e deveria ser, a princípio, o interesse de quem pretende trabalhar em uma empresa. Para o bem ou para o mal, o dinheiro é, hoje em dia, o que move o mundo e, goste ou não, é preciso saber lidar com ele – afinal, é uma das poucas constantes em nossa vida. Pode ser que, no meu caso, eu não tenha aprendido nem vá aprender. Não importa. A Escola, mesmo tropeçando, cumpre a sua parte. E entender como a realidade nesse ambiente funciona, para mim, já é compensador. Não me arrependo, portanto, de forma alguma, de estudar onde estudo. Ao contrário: também tenho, além de muito a reclamar, uma dívida a reconhecer.

Obrigado, GV.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 25/3/2002

Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


Mais Especial Volta às Aulas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/3/2002
14h57min
Texto muito bem escrito. Pouco posso acrescentar, além do comentário já feito - talvez o teor do texto seja de crítica, porém, vejo mais como um conselho a quem ler ele. Mesmo sendo a melhor faculdade de administração, nada do que é aprendido lá é aplicado lá - "faça o que eu digo mas não o que eu faço", e em um momento tão importante como o da escolha de carreira, isso deve ser levado em conta.
[Leia outros Comentários de Chico]
25/3/2002
08h53min
Parabéns! Seu texto é muito abrangente, aborda assuntos de interesses distintos, eu estudo em uma instituição gratuita o pessoal desta mesma está meio esmagado entre falta de verba e outras precariedades porém, amigos meus são explorados nas faculdades particulares, logo concluo que é necessário uma revisão dos interesses das empresas na educação. Pergunto o que fazer para melhorar este quadro????
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
28/3/2002
12h20min
Hahaha!! Saiu da faculdade sem aprender nada mesmo... e agora fica justificando isso metendo a boca na GV. Se liga rapaz!
[Leia outros Comentários de Ana maria]
28/3/2002
16h19min
Antes, muito obrigado, Chico e Vinícios, pelas observações e elogios. Fiquei também contente em saber, pelo Romy, que este texto foi divulgado entre alunos de Administração da UFRG como tópico para discussão. Obrigadão mesmo, a todos. Inclusive a você, Ana, que, com seu pertinente comentário, me incentivou a participar da vida real. Me desculpe, porém. Se é essa em que você vive, sinceramente, prefiro continuar desligado. Voltem sempre! Beijos e abraços, Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo]
1/4/2002
14h42min
Sensacional! É a mais lúcida descrição da escola onde estudamos.
[Leia outros Comentários de Julia]
1/4/2002
15h31min
Voce escreve bem, Eduardo. Ja havia lido seus textos aqui e me divertido com a maioria. Nao que tenha me sentido ofendido como alguns pelas suas criticas `a nossa FGV, mas acredito que voce se preocupe muito em nao se "acomodar" como o "barrigudo tatuado" do seu texto Carnaval. De qualquer forma, parabens. Mas lembre-se que para sobrevivermos nesse mundo, devemos ganhar dinheiro de alguma forma... Abraco
[Leia outros Comentários de Alexandre Bossi]
1/4/2002
23h09min
Edu, parabéns, um texto muito bem escrito, mas com algumas ressalvas. O que vc faz para mudar tudo aquilo o qual vc tanto critica. Faço GV e nem sei quem eh vc. Critica o pessoal do DA, mas talvez sejam eles os unicos que tentam, no meio de tantos alunos iguais a vc, fazer alguma coisa que possa vir a te beneficiar. Criticar é facil. Mas reconhecer dividas tb é legal!!!!
[Leia outros Comentários de Fabrice]
1/4/2002
23h30min
Olha, Fabrice. Eu faço GV e também não sei quem é você. O que não significa, de forma alguma, que você seja um completo inútil. Repare, eu não critiquei o pessoal do DA diretamente. Acho bacana que tenha gente querendo me "beneficiar". Mas, convenhamos, tem gente que passou por ali sem as melhores das intenções, e é isso que, provavelmente como você, acho nojento. Por mais que pareça, acredite, criticar não é fácil. Sente e tente escrever. Se sair ligeiramente melhor do que é publicado na Gazeta Vargas, antecipadamente, meus parabéns. E, postumamente, obrigado pela leitura e pelo elogio. Aquele abraço, Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo]
8/12/2003
16h01min
Desculpa, Eduardo, permita-me um pequeno comentário: vc escreve muito bem, mas não tem boa pontaria. O alvo não foi atingido. A artilharia foi de boa qualidade, mas muita bala foi desperdiçada. Fustigar o DA, com suas medíocres cabeças, ou ter as cabeças medíocres de alguns professores apontadas, só serviu para levantar a lebre de outras tantas cabeças-de-vento, defensores de "verdades vendidas e comprazidas" como bem o disse Paulo Francis, em seu comentário "Calar, omissão e pecado". Mas não tergiversemos. Não adianta, no “benditoso” caso, atirar, sem mirar. Procure sondar a própria diretoria, senhores, senhoras e senhorinhas responsáveis pelas relações FG/MEC/FAM---->Brasília. Eis a ponta do "aisiberque". O grosso fica um pouco mais embaixo. E talvez ali esteja o seu, ou o nosso ALVO. Um abç Assis
[Leia outros Comentários de Assis Santos]
2/9/2008
18h43min
Dando uma passeada pelo Digestivo, achei este texto, que por uma distração deixei passar no momento em que foi publicado. O título de cara me remeteu a alguns dos anos mais felizes da minha vida. E antes de mais nada, repito: Obrigada, GV! Obrigada pelas amizades construídas (que no mundo dos cifrões podem ser vistas como um networking muito eficiente), pelas boas e não tão boas aulas (que hoje assumo não ter tido maturidade para extrair o melhor delas e portanto não me sinto no direito de criticá-las), pelos infinitos trabalhos em grupo (que bem ou mal me ensinaram a importância de trabalhar em equipe), pelas discussões em classe (um dos ambientes de maior nível intelectual que já freqüentei), pela organização impecável (que por sinal me deixou mal acostumada e de certa forma postergou meu contato com a realidade brasileira...).
[Leia outros Comentários de Carolina Borges]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mens Sana: a Angústia do Homem Em Busca da Felicidade / Vol 3
Albino Aresi / Capa Dura
Mens Sana
(1984)



Livro - O Encouraçado Potemkin
Folha de São Paulo
Moderna
(2011)



Novelas - Concursos Literários do Piauí
Sergio Batista e Outros
Publique
(2005)



O Pirata eletrônico e o Samurai
Jeff Goodell
Campus
(1996)



A Lenda do Muri- Keko
Marcos Bagno
Sm
(2005)



Senhora Rezadeira
Denise Rochael
Cortez
(2004)



A Camada de Ozonio
M. Bright
Melhoramentos
(2000)



Descubra Seu Corpo
Nigel Nélson
Impala
(1996)



O Patinho Feio
Vários Autores
Ftd
(1996)



O Fio do Destino (1991)
Zibia Gasparetto
Vida e Consciencia
(1991)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês