Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/11/2001
Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta
Rafael Azevedo

+ de 3900 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Daniela Mountian

Noite quente, igreja cheia. O Mosteiro de São Bento resplandece, numa beleza que não julgava que ele possuísse, tanto em seu exterior quase gótico quanto em seu interior sub-bizantino. De um púlpito improvisado, Amaral Vieira, um dos maiores compositores nacionais contemporâneos e coordenador artístico do festival, dá as boas-vindas a seu público, e irrompe num longo discurso de agradecimentos. O sr. John Rose, organista do Trinity College, de Connecticut aproxima-se, em determinado ponto, para receber uma placa comemorativa; suas feições não negam sua origem. Rapidamente ele se dirige ao órgão, ato que é narrado passo a passo por Amaral Vieira; que logo anuncia o que está por vir, a primeira audição no Brasil do Prelude and Trumpetings de Myron Roberts, compositor americano vivo. Luto contra o tédio e sono; o sublime som do órgão Walcker do Mosteiro parece feio, maltratado pelos agudos exageradamente compridos e as explosões graves da partitura de Mr Roberts... não conhecia a composição, mas a impressão que tínhamos é que o sr. Rose estava errando na execução; mas acho mais provável que a intenção original da composição fosse soar daquele jeito. Aplausos burocráticos no final. É interessante notar, nesse ponto, uma peculiaridade do público brasileiro; aliam a reverência quase religiosa aos compositores "de renome", consagrados, com o desprezo mais hediondo por qualquer coisa que possa ser descrita como moderna. Assim, enquanto temos durante a execução de um Bach, Beethoven, Brahms ou Mozart, ou mesmo Prokofiev, Rachmaninov e Stravinsky (incompreensíveis pra grande maioria das pessoas) um silêncio reverencial, ou no máximo um frisson hipócrita antes do início da peça, quando nos deparamos com qualquer coisa no programa que o público julgue indigno de sua atenção, é-se obrigado a aguentar pessoas conversando por baixo do som do órgão (eles adoram em especial as horas em que o som do órgão toma conta do ambiente, "explodindo", efeito que compositores mais recentes parecem adorar — chegam a gritar nessas partes, como uma senhora que conversava com seus filhos), uma miríade de sacos plásticos sendo mexidos e remexidos (que tipo de pessoa leva sacos plásticos num concerto, e ainda mais num concerto de órgão?!), molhos de chaves sendo retirados e colocados nos bolsos, além do inevitável celular que ecoa pela igreja, apesar dos incansáveis avisos de Amaral Vieira em seu discurso inicial.
Mais Bach me faz esquecer de tudo isso. Começa seu Prelúdio e Fuga em lá menor (BWV 543), mais uma jóia das muitas que ele compôs para o que Mozart chamava de "o rei dos instrumentos". Realmente, o som que dele sai talvez seja o mais próximo de celestial - independendo da qualidade do executor — e sua execução é sem dúvida a que exige mais de um músico. Ver alguém tocar Bach no órgão é uma experiência em si, é admirável a destreza que a pessoa tem que ter para realizar frases intrincadas e complexas de baixo com os dois pés enquanto mantém uma melodia e seu contraponto com as mãos. O sr. Rose não estava, talvez, numa de suas melhores noites — os agudos estavam muito baixos, e a velocidade ora lenta demais, ora exageradamente rápida, com que ele tocava parecia-me inadequada. Mas ainda assim Bach é Bach, e foi sem dúvida nenhuma o ponto alto do concerto. Até os indivíduos que estavam atrás de mim, que pelo comportamento, idade e vestimentas estavam mais para um show de rock que um festival de órgão no Mosteiro de São Bento, pareciam em êxtase antes do início de sua execução: "agora sim começa a música!", "nossa!", "uau!", ao ouvirem uma das muitas partes virtuosas do concerto. Senti-me vendo um show dum Yngwie Malmsteen, ou Steve Vai, tamanha a comoção que uma frase tocada com velocidade causava neles. Alguém deveria dizer-lhes que música não é isso. Não é competição de velocidade, não é demonstração de virtuosismo. Qualquer guitarristinha do G.I.T. consegue tocar um lick muito mais rápido do que o sr. Rose executava aquelas escalas da obra de Bach. Mas Bach não é isso, vai muito além disso; louvar isso nas obras de Bach é cometer o mesmo erro de julgamento que os contemporâneos de Bach cometeram, ao admirarem-no mais como virtuose que como compositor. O que Bach deixou como legado não é a velocidade de seu fraseado, mas sim o que nele está contido; a elaboração e complexidade de suas melodias, a riqueza de suas harmonias, a capacidade arquitetônica de sua obra. Bach construiu ali mesmo, no vão da nave do Mosteiro, uma catedral sonora, mais bela e mais sublime que tudo que vi e ouvi naquela noite. Ele fez tudo ter sentido; em suma, senti a presença de Deus. E isso não é pouco para um agnóstico.
De volta ao mundo mundano, os aplausos despertam-me para a consciência de minha existência terrena. Nada mais adequado então que o belga César Franck, típico representante do Romantismo do fim do século XIX; melodias tristes, belas e arrastadas, como uma daquelas belas burguesas de chapéu, empertigadas, metidas num espartilho apertado sob um vestido cheio de rendas e detalhes, caminhando longamente por um trottoir com seu poodle a tira-colo. Acho bonito, mas sempre fico com um gostinho de que já datou, como quando ouço sua sonata para violino e piano, que muitos julgam ter inspirado a sonata de Vinteuil, no Em Busca do Tempo Perdido. Na sequência, algo que há muito esperava ouvir ao vivo: a Toccata opus 208, de Amaral Vieira, composta em 1986 e que há vários anos me acompanha, no CD e no coração. É uma obra importantíssima, dotada de uma beleza que não julgava mais possível nos compositores de nossos tempos, além de um formato um tanto tradicional, conservador, se é que posso assim dizer. Há nela no entanto um inegável frescor, uma brisa ali de algo novo contida pela moldura antiquada de sua estrutura. Os melhores compositores, os melhores artistas são assim, conseguem se superar diante das dificuldades oferecidas pela disciplina e pela austeridade do formato a que ele é obrigado a se submeter. É por isso que até hoje não aceito muito bem coisas como o verso livre ou "instalações".
Mas o sr. Rose desta vez desapontou; sua execução da Toccata deixou muito, mas muito a desejar. Começou lento demais, afundando o andamento inicial, que é alegre e "pra cima", upbeat, passando uma sensação de exaltação, de regozijo; em vez disso, reinava o desânimo. No adagio do meio, aconteceu o contrário; o sr. Rose atropelou com fúria a melodia linda que começava, passando por ela como um caminhão desgovernado. Esta melodia, que sempre me leva às lágrimas na versão que tenho em CD, mal pôde ser ouvida por quem estava lá; logo já havia terminado, dando lugar ao último andamento, mais acelerado, onde finalmente Mr Rose conseguiu acertar. Mas já era tarde demais. Perdi a empolgação com as obras que se seguiram, pois, por não as conhecer, não saberia dizer se o organista estava executando-as a contento. De todo jeito, não gostei do que ouvi. Eram mais trechos de obras de compositores europeus do fim do século XIX-início do XX; de Josef Gabriel Rheinberger, de Liechtenstein (grande homenageado nesta edição do Festival, todos os músicos executarão alguma obra dele) a Fuga de sua Sonata n.3 op.88, e do francês Louis Vierne o Adagio e o Final da Sinfonia n.3 opus 28. Vale como menção honrosa este Final da última obra, que sobressaiu-se sobremaneira do resto.
No final, apesar dos pesares, a impressão que saí foi muito boa; é sempre bom poder ouvir compositores que mantenham nossa esperança na sobrevivência da música erudita, como Amaral Vieira, e melhor ainda poder ouvir Bach. Haverão ainda seis concertos, todas as terças-feiras. Os organistas, todos americanos, já que a edição deste ano foi batizada pelo nome auto-explicativo de "Festival Norte-Americano". Nestes tristes tempos em que padres gravam discos, realizam serviços acompanhados pelo som de um violão e rezam missas não mais no latim da Vulgata e sim num português dos mais vulgares, é reconfortante saber que ainda se pode entrar numa igreja e entrar em comunhão com Deus, mesmo que seja pelo órgão celestial de um músico talentoso e pelas notas etéreas e eternas de Bach, em vez da ladainha lenta e desconjuntada de um desses padrecos de passeata.


Rafael Azevedo
São Paulo, 2/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
02. A maldição da internet no celular de Gian Danton
03. Arte que não parece arte de Gian Danton
04. Os dilemas de uma sociedade em Escudo de Palha de Guilherme Carvalhal
05. O holismo conformado de David Butter


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. A Má Semente - 19/2/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/11/2001
09h45min
Li o Alcorão. Nada no texto revelado por Maomé justifica ataques terroristas. Maomé reverencia Jesus como profeta que conclamou seus discípulos a seguirem Alá. Os judeus, por sua vez, crêem no Antigo Testamento. Para as três crenças tudo foi criado por um ser misericordioso que jamais ordenou: "Matai-vos uns aos outros". Estariam muçulmanos, judeus e cristãos usando o nome de Deus em vão? Na verdade, detentores de poder ou aspirantes atribuem a Deus causas exclusivamente humanas. Essa é a lógica do fanatismo religioso que prospera em terreno fértil das misérias econômica e cultural.
[Leia outros Comentários de Anselmo de Souza]
1/11/2001
10h29min
Concordo plenamente com tudo o que você disse, Anselmo. Mas estou tentando entender até agora o que o seu comentário tem a ver com o meu texto...
[Leia outros Comentários de Rafael Azevedo]
1/11/2001
10h39min
Caro Rafael, Imagine se, em vez de despejar bombas sobre o Afeganistão, os helicópteros de Bush fizessem ecoar músicas de Bach. Até Bin Laden se emocionaria. Ao mesmo tempo, seu texto, ilustrado com símbolos da paz cairiam suavemente, espalhados por supersônicos. Quem sabe os Taleban não se coverteriam a novas formas de lutar contra a opressão.
[Leia outros Comentários de Anselmo de Souza]
1/11/2001
10h52min
Caro Anselmo, pessoas como bin Laden e os Taliban são completamente imunes à música de Bach, assim como a maior parte da população mundial. Simplesmente lhes entra por um ouvido e sai pelo outro.
[Leia outros Comentários de Rafael Azevedo]
3/11/2001
5. ;-)
08h46min
Para deixar os maniqueistas ainda mais confusos, concordo plenamente com o Rafael e com o Taleban juntos: Bach é para poucos, simplesmente entra por um ouvido e sai por outro.
[Leia outros Comentários de Yara Mitsuishi]
5/11/2001
16h13min
Rafael,teu texto está ótimo. Ouvir Bach é maravilhoso!
[Leia outros Comentários de Maria Alice Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EU TOMO ANTIDEPRESSIVO GRAÇAS A DEUS
CÁTIA MORAES
BEST SELLER
(2008)
R$ 10,00



IDEIAS E IMAGENS DE MACHADO DE ASSIS
R. MAGALHAES JUNIOR
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1956)
R$ 18,00



CORRIDA DO MEMBRO
UBIRATAN MUARREK
OBJETIVA
(2007)
R$ 14,90



QUEM DISSE QUE COMER ENGORDA?
PAULA CABRAL
IDEIA E AÇÃO
(2007)
R$ 9,00



O MUNDO É PRA SER VOADO
VIVINA DE ASSIS VIANA
SCIPIONE
R$ 8,00



HELP!
PHILIP PROWSE
CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS
(2001)
R$ 6,90



JOÃO CABRAL EM PERSPECTIVA
MARIA DO CARMO CAMPOS, ORG.
DA UNIVERSIDADE UFRGS
(1995)
R$ 10,00



A MORTE DE CHE GUEVARA
JAY CANTOR
RECORD
(1983)
R$ 6,99



O PODER DA EDUCAÇÃO
THEODORO BRAMELD
ZAHAR
(1967)
R$ 7,90



O DOM SUPREMO
HENRY DRUMMOND ADAPT. PAULO COELHO
ROCCO
(1999)
R$ 10,00





busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês