Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Nariz Detetive de Stella Carr/ Ilustrações: Avelino Guedes pela Scipione (2019)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/11/2001
Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta
Rafael Azevedo

+ de 3700 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Daniela Mountian

Noite quente, igreja cheia. O Mosteiro de São Bento resplandece, numa beleza que não julgava que ele possuísse, tanto em seu exterior quase gótico quanto em seu interior sub-bizantino. De um púlpito improvisado, Amaral Vieira, um dos maiores compositores nacionais contemporâneos e coordenador artístico do festival, dá as boas-vindas a seu público, e irrompe num longo discurso de agradecimentos. O sr. John Rose, organista do Trinity College, de Connecticut aproxima-se, em determinado ponto, para receber uma placa comemorativa; suas feições não negam sua origem. Rapidamente ele se dirige ao órgão, ato que é narrado passo a passo por Amaral Vieira; que logo anuncia o que está por vir, a primeira audição no Brasil do Prelude and Trumpetings de Myron Roberts, compositor americano vivo. Luto contra o tédio e sono; o sublime som do órgão Walcker do Mosteiro parece feio, maltratado pelos agudos exageradamente compridos e as explosões graves da partitura de Mr Roberts... não conhecia a composição, mas a impressão que tínhamos é que o sr. Rose estava errando na execução; mas acho mais provável que a intenção original da composição fosse soar daquele jeito. Aplausos burocráticos no final. É interessante notar, nesse ponto, uma peculiaridade do público brasileiro; aliam a reverência quase religiosa aos compositores "de renome", consagrados, com o desprezo mais hediondo por qualquer coisa que possa ser descrita como moderna. Assim, enquanto temos durante a execução de um Bach, Beethoven, Brahms ou Mozart, ou mesmo Prokofiev, Rachmaninov e Stravinsky (incompreensíveis pra grande maioria das pessoas) um silêncio reverencial, ou no máximo um frisson hipócrita antes do início da peça, quando nos deparamos com qualquer coisa no programa que o público julgue indigno de sua atenção, é-se obrigado a aguentar pessoas conversando por baixo do som do órgão (eles adoram em especial as horas em que o som do órgão toma conta do ambiente, "explodindo", efeito que compositores mais recentes parecem adorar — chegam a gritar nessas partes, como uma senhora que conversava com seus filhos), uma miríade de sacos plásticos sendo mexidos e remexidos (que tipo de pessoa leva sacos plásticos num concerto, e ainda mais num concerto de órgão?!), molhos de chaves sendo retirados e colocados nos bolsos, além do inevitável celular que ecoa pela igreja, apesar dos incansáveis avisos de Amaral Vieira em seu discurso inicial.
Mais Bach me faz esquecer de tudo isso. Começa seu Prelúdio e Fuga em lá menor (BWV 543), mais uma jóia das muitas que ele compôs para o que Mozart chamava de "o rei dos instrumentos". Realmente, o som que dele sai talvez seja o mais próximo de celestial - independendo da qualidade do executor — e sua execução é sem dúvida a que exige mais de um músico. Ver alguém tocar Bach no órgão é uma experiência em si, é admirável a destreza que a pessoa tem que ter para realizar frases intrincadas e complexas de baixo com os dois pés enquanto mantém uma melodia e seu contraponto com as mãos. O sr. Rose não estava, talvez, numa de suas melhores noites — os agudos estavam muito baixos, e a velocidade ora lenta demais, ora exageradamente rápida, com que ele tocava parecia-me inadequada. Mas ainda assim Bach é Bach, e foi sem dúvida nenhuma o ponto alto do concerto. Até os indivíduos que estavam atrás de mim, que pelo comportamento, idade e vestimentas estavam mais para um show de rock que um festival de órgão no Mosteiro de São Bento, pareciam em êxtase antes do início de sua execução: "agora sim começa a música!", "nossa!", "uau!", ao ouvirem uma das muitas partes virtuosas do concerto. Senti-me vendo um show dum Yngwie Malmsteen, ou Steve Vai, tamanha a comoção que uma frase tocada com velocidade causava neles. Alguém deveria dizer-lhes que música não é isso. Não é competição de velocidade, não é demonstração de virtuosismo. Qualquer guitarristinha do G.I.T. consegue tocar um lick muito mais rápido do que o sr. Rose executava aquelas escalas da obra de Bach. Mas Bach não é isso, vai muito além disso; louvar isso nas obras de Bach é cometer o mesmo erro de julgamento que os contemporâneos de Bach cometeram, ao admirarem-no mais como virtuose que como compositor. O que Bach deixou como legado não é a velocidade de seu fraseado, mas sim o que nele está contido; a elaboração e complexidade de suas melodias, a riqueza de suas harmonias, a capacidade arquitetônica de sua obra. Bach construiu ali mesmo, no vão da nave do Mosteiro, uma catedral sonora, mais bela e mais sublime que tudo que vi e ouvi naquela noite. Ele fez tudo ter sentido; em suma, senti a presença de Deus. E isso não é pouco para um agnóstico.
De volta ao mundo mundano, os aplausos despertam-me para a consciência de minha existência terrena. Nada mais adequado então que o belga César Franck, típico representante do Romantismo do fim do século XIX; melodias tristes, belas e arrastadas, como uma daquelas belas burguesas de chapéu, empertigadas, metidas num espartilho apertado sob um vestido cheio de rendas e detalhes, caminhando longamente por um trottoir com seu poodle a tira-colo. Acho bonito, mas sempre fico com um gostinho de que já datou, como quando ouço sua sonata para violino e piano, que muitos julgam ter inspirado a sonata de Vinteuil, no Em Busca do Tempo Perdido. Na sequência, algo que há muito esperava ouvir ao vivo: a Toccata opus 208, de Amaral Vieira, composta em 1986 e que há vários anos me acompanha, no CD e no coração. É uma obra importantíssima, dotada de uma beleza que não julgava mais possível nos compositores de nossos tempos, além de um formato um tanto tradicional, conservador, se é que posso assim dizer. Há nela no entanto um inegável frescor, uma brisa ali de algo novo contida pela moldura antiquada de sua estrutura. Os melhores compositores, os melhores artistas são assim, conseguem se superar diante das dificuldades oferecidas pela disciplina e pela austeridade do formato a que ele é obrigado a se submeter. É por isso que até hoje não aceito muito bem coisas como o verso livre ou "instalações".
Mas o sr. Rose desta vez desapontou; sua execução da Toccata deixou muito, mas muito a desejar. Começou lento demais, afundando o andamento inicial, que é alegre e "pra cima", upbeat, passando uma sensação de exaltação, de regozijo; em vez disso, reinava o desânimo. No adagio do meio, aconteceu o contrário; o sr. Rose atropelou com fúria a melodia linda que começava, passando por ela como um caminhão desgovernado. Esta melodia, que sempre me leva às lágrimas na versão que tenho em CD, mal pôde ser ouvida por quem estava lá; logo já havia terminado, dando lugar ao último andamento, mais acelerado, onde finalmente Mr Rose conseguiu acertar. Mas já era tarde demais. Perdi a empolgação com as obras que se seguiram, pois, por não as conhecer, não saberia dizer se o organista estava executando-as a contento. De todo jeito, não gostei do que ouvi. Eram mais trechos de obras de compositores europeus do fim do século XIX-início do XX; de Josef Gabriel Rheinberger, de Liechtenstein (grande homenageado nesta edição do Festival, todos os músicos executarão alguma obra dele) a Fuga de sua Sonata n.3 op.88, e do francês Louis Vierne o Adagio e o Final da Sinfonia n.3 opus 28. Vale como menção honrosa este Final da última obra, que sobressaiu-se sobremaneira do resto.
No final, apesar dos pesares, a impressão que saí foi muito boa; é sempre bom poder ouvir compositores que mantenham nossa esperança na sobrevivência da música erudita, como Amaral Vieira, e melhor ainda poder ouvir Bach. Haverão ainda seis concertos, todas as terças-feiras. Os organistas, todos americanos, já que a edição deste ano foi batizada pelo nome auto-explicativo de "Festival Norte-Americano". Nestes tristes tempos em que padres gravam discos, realizam serviços acompanhados pelo som de um violão e rezam missas não mais no latim da Vulgata e sim num português dos mais vulgares, é reconfortante saber que ainda se pode entrar numa igreja e entrar em comunhão com Deus, mesmo que seja pelo órgão celestial de um músico talentoso e pelas notas etéreas e eternas de Bach, em vez da ladainha lenta e desconjuntada de um desses padrecos de passeata.


Rafael Azevedo
São Paulo, 2/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Viagens e viajantes de Carla Ceres
02. O incompreensível mercado dos e-books de Vicente Escudero
03. O futuro do ritual do cinema de Marta Barcellos
04. Cartas@de.papel de Ana Elisa Ribeiro
05. De Cuba, com carinho de Alexandre Inagaki


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. A Má Semente - 19/2/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/11/2001
09h45min
Li o Alcorão. Nada no texto revelado por Maomé justifica ataques terroristas. Maomé reverencia Jesus como profeta que conclamou seus discípulos a seguirem Alá. Os judeus, por sua vez, crêem no Antigo Testamento. Para as três crenças tudo foi criado por um ser misericordioso que jamais ordenou: "Matai-vos uns aos outros". Estariam muçulmanos, judeus e cristãos usando o nome de Deus em vão? Na verdade, detentores de poder ou aspirantes atribuem a Deus causas exclusivamente humanas. Essa é a lógica do fanatismo religioso que prospera em terreno fértil das misérias econômica e cultural.
[Leia outros Comentários de Anselmo de Souza]
1/11/2001
10h29min
Concordo plenamente com tudo o que você disse, Anselmo. Mas estou tentando entender até agora o que o seu comentário tem a ver com o meu texto...
[Leia outros Comentários de Rafael Azevedo]
1/11/2001
10h39min
Caro Rafael, Imagine se, em vez de despejar bombas sobre o Afeganistão, os helicópteros de Bush fizessem ecoar músicas de Bach. Até Bin Laden se emocionaria. Ao mesmo tempo, seu texto, ilustrado com símbolos da paz cairiam suavemente, espalhados por supersônicos. Quem sabe os Taleban não se coverteriam a novas formas de lutar contra a opressão.
[Leia outros Comentários de Anselmo de Souza]
1/11/2001
10h52min
Caro Anselmo, pessoas como bin Laden e os Taliban são completamente imunes à música de Bach, assim como a maior parte da população mundial. Simplesmente lhes entra por um ouvido e sai pelo outro.
[Leia outros Comentários de Rafael Azevedo]
3/11/2001
5. ;-)
08h46min
Para deixar os maniqueistas ainda mais confusos, concordo plenamente com o Rafael e com o Taleban juntos: Bach é para poucos, simplesmente entra por um ouvido e sai por outro.
[Leia outros Comentários de Yara Mitsuishi]
5/11/2001
16h13min
Rafael,teu texto está ótimo. Ouvir Bach é maravilhoso!
[Leia outros Comentários de Maria Alice Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TRATADO LATINO AMERICANO DE SOCIOLOGIA DEL TRABAJO
ENRIQUE DE LA GARZA TOLEDO
EL COLEGIO DE MÉXICO , FACULTAD LATINOAMERICANA DE CIENCIAS SOCIALES ,UNIVERSIDAD AUTÓNOMA M.
(2000)
R$ 100,00



MULHERES DE AÇO E DE FLORES
FÁBIO DE MELO
GENTE
(2008)
R$ 10,00



SENDO NIKKI
MEG CABOT
GALERA RECORD - GRUPO RECORD
(2011)
R$ 39,82



CONNAISSANCE DU VIEUX PARIS
JACQUES HILLAIRET
PRINCESSE
(1956)
R$ 54,00



PALAVRAS SÃO PÁSSAROS
ANGELA LEITE DE SOUZA
SALESIANA
(2006)
R$ 12,00



BAROAK A ESTRELA
CRIS MOTTA
NOVOS TALENTOS
(2011)
R$ 14,00



QUEM SÃO ELES?
NAIARA BACK DE MORAES UND SILVANA MOTA-RIBEIRO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



USOS DA HISTÓRIA:A DIPLOMACIA CONTEMPORÂNEA DOS ESTADOS BÁLTICOS
JOSÉ ESTANISLAU DO AMARAL
FUND ALEX GUSMÃO
(2011)
R$ 15,50



O CASTELO DOS SONHOS
VERA LÚCIA MARINZECK / ANTÔNIO CARLOS
PETIT
(2007)
R$ 10,00



O MENINO QUE SONHAVA DE OLHOS ABERTOS
GALENO AMORIM
OF
(2009)
R$ 5,00





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês