Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Se a vida começasse agora
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
Mais Recentes
>>> Ilustrado de Miguel Syjuco pela Companhia das Letras (2011)
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/11/2001
Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta
Rafael Azevedo

+ de 4000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Daniela Mountian

Noite quente, igreja cheia. O Mosteiro de São Bento resplandece, numa beleza que não julgava que ele possuísse, tanto em seu exterior quase gótico quanto em seu interior sub-bizantino. De um púlpito improvisado, Amaral Vieira, um dos maiores compositores nacionais contemporâneos e coordenador artístico do festival, dá as boas-vindas a seu público, e irrompe num longo discurso de agradecimentos. O sr. John Rose, organista do Trinity College, de Connecticut aproxima-se, em determinado ponto, para receber uma placa comemorativa; suas feições não negam sua origem. Rapidamente ele se dirige ao órgão, ato que é narrado passo a passo por Amaral Vieira; que logo anuncia o que está por vir, a primeira audição no Brasil do Prelude and Trumpetings de Myron Roberts, compositor americano vivo. Luto contra o tédio e sono; o sublime som do órgão Walcker do Mosteiro parece feio, maltratado pelos agudos exageradamente compridos e as explosões graves da partitura de Mr Roberts... não conhecia a composição, mas a impressão que tínhamos é que o sr. Rose estava errando na execução; mas acho mais provável que a intenção original da composição fosse soar daquele jeito. Aplausos burocráticos no final. É interessante notar, nesse ponto, uma peculiaridade do público brasileiro; aliam a reverência quase religiosa aos compositores "de renome", consagrados, com o desprezo mais hediondo por qualquer coisa que possa ser descrita como moderna. Assim, enquanto temos durante a execução de um Bach, Beethoven, Brahms ou Mozart, ou mesmo Prokofiev, Rachmaninov e Stravinsky (incompreensíveis pra grande maioria das pessoas) um silêncio reverencial, ou no máximo um frisson hipócrita antes do início da peça, quando nos deparamos com qualquer coisa no programa que o público julgue indigno de sua atenção, é-se obrigado a aguentar pessoas conversando por baixo do som do órgão (eles adoram em especial as horas em que o som do órgão toma conta do ambiente, "explodindo", efeito que compositores mais recentes parecem adorar — chegam a gritar nessas partes, como uma senhora que conversava com seus filhos), uma miríade de sacos plásticos sendo mexidos e remexidos (que tipo de pessoa leva sacos plásticos num concerto, e ainda mais num concerto de órgão?!), molhos de chaves sendo retirados e colocados nos bolsos, além do inevitável celular que ecoa pela igreja, apesar dos incansáveis avisos de Amaral Vieira em seu discurso inicial.
Mais Bach me faz esquecer de tudo isso. Começa seu Prelúdio e Fuga em lá menor (BWV 543), mais uma jóia das muitas que ele compôs para o que Mozart chamava de "o rei dos instrumentos". Realmente, o som que dele sai talvez seja o mais próximo de celestial - independendo da qualidade do executor — e sua execução é sem dúvida a que exige mais de um músico. Ver alguém tocar Bach no órgão é uma experiência em si, é admirável a destreza que a pessoa tem que ter para realizar frases intrincadas e complexas de baixo com os dois pés enquanto mantém uma melodia e seu contraponto com as mãos. O sr. Rose não estava, talvez, numa de suas melhores noites — os agudos estavam muito baixos, e a velocidade ora lenta demais, ora exageradamente rápida, com que ele tocava parecia-me inadequada. Mas ainda assim Bach é Bach, e foi sem dúvida nenhuma o ponto alto do concerto. Até os indivíduos que estavam atrás de mim, que pelo comportamento, idade e vestimentas estavam mais para um show de rock que um festival de órgão no Mosteiro de São Bento, pareciam em êxtase antes do início de sua execução: "agora sim começa a música!", "nossa!", "uau!", ao ouvirem uma das muitas partes virtuosas do concerto. Senti-me vendo um show dum Yngwie Malmsteen, ou Steve Vai, tamanha a comoção que uma frase tocada com velocidade causava neles. Alguém deveria dizer-lhes que música não é isso. Não é competição de velocidade, não é demonstração de virtuosismo. Qualquer guitarristinha do G.I.T. consegue tocar um lick muito mais rápido do que o sr. Rose executava aquelas escalas da obra de Bach. Mas Bach não é isso, vai muito além disso; louvar isso nas obras de Bach é cometer o mesmo erro de julgamento que os contemporâneos de Bach cometeram, ao admirarem-no mais como virtuose que como compositor. O que Bach deixou como legado não é a velocidade de seu fraseado, mas sim o que nele está contido; a elaboração e complexidade de suas melodias, a riqueza de suas harmonias, a capacidade arquitetônica de sua obra. Bach construiu ali mesmo, no vão da nave do Mosteiro, uma catedral sonora, mais bela e mais sublime que tudo que vi e ouvi naquela noite. Ele fez tudo ter sentido; em suma, senti a presença de Deus. E isso não é pouco para um agnóstico.
De volta ao mundo mundano, os aplausos despertam-me para a consciência de minha existência terrena. Nada mais adequado então que o belga César Franck, típico representante do Romantismo do fim do século XIX; melodias tristes, belas e arrastadas, como uma daquelas belas burguesas de chapéu, empertigadas, metidas num espartilho apertado sob um vestido cheio de rendas e detalhes, caminhando longamente por um trottoir com seu poodle a tira-colo. Acho bonito, mas sempre fico com um gostinho de que já datou, como quando ouço sua sonata para violino e piano, que muitos julgam ter inspirado a sonata de Vinteuil, no Em Busca do Tempo Perdido. Na sequência, algo que há muito esperava ouvir ao vivo: a Toccata opus 208, de Amaral Vieira, composta em 1986 e que há vários anos me acompanha, no CD e no coração. É uma obra importantíssima, dotada de uma beleza que não julgava mais possível nos compositores de nossos tempos, além de um formato um tanto tradicional, conservador, se é que posso assim dizer. Há nela no entanto um inegável frescor, uma brisa ali de algo novo contida pela moldura antiquada de sua estrutura. Os melhores compositores, os melhores artistas são assim, conseguem se superar diante das dificuldades oferecidas pela disciplina e pela austeridade do formato a que ele é obrigado a se submeter. É por isso que até hoje não aceito muito bem coisas como o verso livre ou "instalações".
Mas o sr. Rose desta vez desapontou; sua execução da Toccata deixou muito, mas muito a desejar. Começou lento demais, afundando o andamento inicial, que é alegre e "pra cima", upbeat, passando uma sensação de exaltação, de regozijo; em vez disso, reinava o desânimo. No adagio do meio, aconteceu o contrário; o sr. Rose atropelou com fúria a melodia linda que começava, passando por ela como um caminhão desgovernado. Esta melodia, que sempre me leva às lágrimas na versão que tenho em CD, mal pôde ser ouvida por quem estava lá; logo já havia terminado, dando lugar ao último andamento, mais acelerado, onde finalmente Mr Rose conseguiu acertar. Mas já era tarde demais. Perdi a empolgação com as obras que se seguiram, pois, por não as conhecer, não saberia dizer se o organista estava executando-as a contento. De todo jeito, não gostei do que ouvi. Eram mais trechos de obras de compositores europeus do fim do século XIX-início do XX; de Josef Gabriel Rheinberger, de Liechtenstein (grande homenageado nesta edição do Festival, todos os músicos executarão alguma obra dele) a Fuga de sua Sonata n.3 op.88, e do francês Louis Vierne o Adagio e o Final da Sinfonia n.3 opus 28. Vale como menção honrosa este Final da última obra, que sobressaiu-se sobremaneira do resto.
No final, apesar dos pesares, a impressão que saí foi muito boa; é sempre bom poder ouvir compositores que mantenham nossa esperança na sobrevivência da música erudita, como Amaral Vieira, e melhor ainda poder ouvir Bach. Haverão ainda seis concertos, todas as terças-feiras. Os organistas, todos americanos, já que a edição deste ano foi batizada pelo nome auto-explicativo de "Festival Norte-Americano". Nestes tristes tempos em que padres gravam discos, realizam serviços acompanhados pelo som de um violão e rezam missas não mais no latim da Vulgata e sim num português dos mais vulgares, é reconfortante saber que ainda se pode entrar numa igreja e entrar em comunhão com Deus, mesmo que seja pelo órgão celestial de um músico talentoso e pelas notas etéreas e eternas de Bach, em vez da ladainha lenta e desconjuntada de um desses padrecos de passeata.


Rafael Azevedo
São Paulo, 2/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As 16 Datas que Mudaram o Mundo de Nanda Rovere


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. A Má Semente - 19/2/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/11/2001
09h45min
Li o Alcorão. Nada no texto revelado por Maomé justifica ataques terroristas. Maomé reverencia Jesus como profeta que conclamou seus discípulos a seguirem Alá. Os judeus, por sua vez, crêem no Antigo Testamento. Para as três crenças tudo foi criado por um ser misericordioso que jamais ordenou: "Matai-vos uns aos outros". Estariam muçulmanos, judeus e cristãos usando o nome de Deus em vão? Na verdade, detentores de poder ou aspirantes atribuem a Deus causas exclusivamente humanas. Essa é a lógica do fanatismo religioso que prospera em terreno fértil das misérias econômica e cultural.
[Leia outros Comentários de Anselmo de Souza]
1/11/2001
10h29min
Concordo plenamente com tudo o que você disse, Anselmo. Mas estou tentando entender até agora o que o seu comentário tem a ver com o meu texto...
[Leia outros Comentários de Rafael Azevedo]
1/11/2001
10h39min
Caro Rafael, Imagine se, em vez de despejar bombas sobre o Afeganistão, os helicópteros de Bush fizessem ecoar músicas de Bach. Até Bin Laden se emocionaria. Ao mesmo tempo, seu texto, ilustrado com símbolos da paz cairiam suavemente, espalhados por supersônicos. Quem sabe os Taleban não se coverteriam a novas formas de lutar contra a opressão.
[Leia outros Comentários de Anselmo de Souza]
1/11/2001
10h52min
Caro Anselmo, pessoas como bin Laden e os Taliban são completamente imunes à música de Bach, assim como a maior parte da população mundial. Simplesmente lhes entra por um ouvido e sai pelo outro.
[Leia outros Comentários de Rafael Azevedo]
3/11/2001
5. ;-)
08h46min
Para deixar os maniqueistas ainda mais confusos, concordo plenamente com o Rafael e com o Taleban juntos: Bach é para poucos, simplesmente entra por um ouvido e sai por outro.
[Leia outros Comentários de Yara Mitsuishi]
5/11/2001
16h13min
Rafael,teu texto está ótimo. Ouvir Bach é maravilhoso!
[Leia outros Comentários de Maria Alice Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BOSS LADY
OMAR TYREE
SIMON E SCHUSTER PAPERBACKS
(2005)
R$ 20,00



A ARTE DE SEPARAR-SE
EDOARDO GIUSTI
NOVA FRONTEIRA
(1987)
R$ 5,00



A FUSÃO DO FEMININO
CHRIS GRISCOM
SICILIANO
(1991)
R$ 5,00



REVISTA MEU PRÓPRIO NEGÓCIO. DESPERDÍCIO. EDIÇÃO 50
VÁRIOS
ONLINE
R$ 13,90



DIOSAS Y PLEBEYAS - COL. VERDAD O CONSECUENCIA
CATHY HOPKINS
V E R
(2003)
R$ 9,87



VARIETÉS ET FANTAISIES SEXUELLES - JOISES ET PLAISIRS
ANNE DALÉS
ANNE DALÉS
R$ 15,00



O GUIA OFICIAL DO CLUB PENGUIN VOL 1
KATHERINE NOLL
MELHORAMENTO
(2010)
R$ 4,32



AS AVENTURAS DO CAPITÃO CUECA
DAV PILKEY
COSACNAIF
(2019)
R$ 22,00



UMA CASA DE BONECAS
HENRIK IBSEN
MOINHOS
(2017)
R$ 42,00



VIOLETAS NA JANELA (VERSÃO POCKET)
VERA LÚCIA MARINZECK DE CARVALHO
PETIT/HARPER COLLINS
(2013)
R$ 22,99





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês