Poder, sexo e fé na história dos vendilhões | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
37059 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 15/8/2006
Poder, sexo e fé na história dos vendilhões
Marcelo Spalding

+ de 7600 Acessos

Política, religião e mulher não se discute: ainda bem que Scliar nunca deve ter ouvido esta frase.

Em Vendilhões do Templo (Companhia das Letras, 2006, 296 págs.), as personagens não apenas discutem como suas vidas são movidas pela política, pela religião ou pelas mulheres. Quando não o são é porque a personagem deixou-se levar pela ganância, pelas moedas sujas que Cristo já condenara no episódio do vendilhão do templo.

Aliás, uma resenha séria sobre esta obra necessariamente começaria reproduzindo os versículo 12 e 13 do capítulo 21 do evangelho de Mateus: "e entrou Jesus no Templo de Deus, e expulsou todos os que vendiam e compravam no Templo, e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombos. E disse-lhes: 'Está escrito: a minha casa é casa de oração, mas vós fizestes dela um covil de ladrões'". É a partir deste episódio bíblico que Scliar conduz a narrativa. A primeira parte é uma narração em terceira pessoa com o foco no vendilhão do Templo molestado por Cristo na Jerusalém do ano 33 d.C. Aqui não apenas o vendilhão é humanizado e suas virtudes (a superação, o amor aos filhos) postas ao lado de seus pecados (a ganância, a ganância, a ganância) como também Cristo é mais um grande homem como o de Saramago (em Evangelho Segundo Jesus Cristo, 1991) do que o bíblico filho de Deus.

Mas a obra vai além, e o salto de mil e tantos anos que o narrador faz da primeira para a segunda parte é proporcional ao salto que faz um escritor experiente, seguro e consagrado como Scliar, não se limitando a recontar uma história bíblica e sim resgatando-a para falar dos conflitos contemporâneos. Nesta segunda parte somos levados a uma fictícia redução indígena no Sul do Brasil, no ano de 1635, para onde é enviado um jovem jesuíta. Lá ele deve substituir o padre mais experiente, mas este morre antes mesmo que o jovem aprenda a falar guarani. Sem querer antecipar o desfecho desta parte, vale apenas mencionar que um suspeito andarilho chegará no local de forma misteriosa e será o intérprete entre índios e jesuíta.

Esta segunda parte retoma alguns elementos da história bíblica, primeiro demonstrando de que forma a palavra do Mestre, perseguida pelos romanos e calada na cruz, se espalhou até chegar a menor das reduções indígenas no sul de um outro continente num outro século. E com que distorções, naturalmente. Também está aí a ganância do vendilhão, ainda que os vendilhões de então já não vendam pombos, mas índios. Como o protagonista da primeira parte, o desta vive mais de dúvidas do que certezas, aliás uma frase que o autor retoma nos momentos capitais do livro. Mas ainda que retomando elementos anteriores, esta parte da história funciona por si só e, mais que isso, vale a leitura da obra. Quem leu O Continente, de Erico Veríssimo, aqui lembrará do capítulo "A fonte", em que ele narra um episódio na mais famosa das colônias indígenas, a de São Miguel das Missões. Mas a abordagem de Scliar é outra, o conflito é bem mais sutil e o desfecho, sublime.

Terceira parte, novo salto no tempo, desta vez para o ano de 1997 na mesma redução indígena, hoje cidade (fictícia) de São Nicolau do Oeste. Aqui o narrador é um jornalista sem dinheiro, separado, trabalhando como funcionário da prefeitura e bastante melancólico. A história começa com uma ligação do amigo Félix - espécie de reencarnação do vendilhão do Templo ou do andarilho misterioso - um patife, nas palavras do próprio narrador. Ele quer um favor do jornalista, uma intervenção na prefeitura, mas a simples lembrança de Félix faz com que o narrador volte no tempo, mais precisamente ao final de um ano letivo em que Félix organiza uma peça de teatro sobre o episódio do Vendilhão do Templo (sim, aqui era só um, nenhum colega aceitou ser vendilhão a não ser Matias).

Na terceira parte abundam personagens, todos complexos e com conflitos próprios. À ideologia religiosa, digamos assim, soma-se a ideologia política, pois Félix representa um herdeiro com mentalidade liberal (queria transformar a casa que herda em Mc Donald's), enquanto o novo prefeito e o chefe do narrador são eminentemente de esquerda (e querem tombar a casa que Félix herda para fazer um Centro Cultural). Há também um professor de História que se torna camelô, uma grande fodedora que ronda a prefeitura, um padre que dá aulas de Matemática, um menino esquizofrênico, todos girando em torno no narrador-protagonista. E a esta altura ficamos sabendo que as duas histórias anteriores são fruto de uns manuscritos deste jornalista mais ou menos frustrado, mais ou menos fracassado, emocionalmente falido e ideologicamente vazio.

Esta última carta que Scliar tira da manga, este último nó que o autor dá para ligar as três partes acaba também o absolvendo de eventuais críticas ideológicas (das feministas, dos cristãos, dos marxistas ou dos liberais), pois como se disse o livro trata de política, religião e mulher, três temas explosivos. Poderia se dizer que ainda mais explosivos nas mãos de um judeu, homem, branco, médico, gaúcho, mas neste sentido Scliar é magistral, deixa sua ideologia transparecer bem menos que a de um Saramago, por exemplo, e bem menos que a do próprio Scliar de Um Exército de um homem só (1973).

Este distanciamento maduro não impede que na obra estejam representados conflitos bastante latentes, e aqui nos damos a liberdade de reproduzir apenas um trecho (da primeira parte) em que se nota o olhar dos anos dois mil para a história dos anos trinta e três.

"Só que duvidava dessa possibilidade. Duvidava que o homem fosse capaz de fazer milagres. Por uma simples razão: se estava a seu alcance realizar tais prodígios, por que continuava pobre, usando vestes comuns, andando no meio da multidão? Por que não produzia, do nada, ouro, palácios, manjares, mulheres? Ou será que mulheres não lhe interessavam?" (pág. 86)

Como se percebe neste pequeno trecho, o narrador não se furta de tocar em feridas ainda abertas como a mercantilização até mesmo das ideologias ou a falta de sentido e de respostas para a vida da classe média (a classe que é produto da histórica atividade dos vendilhões, opa, dos comerciantes), afinal o narrador, o nosso jornalista emocionalmente falido e ideologicamente vazio, não deixa de ser um produto destes dois mil anos de História. Como nós.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 15/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tipo que faz promessa de Ana Elisa Ribeiro
02. Fui assaltado de Julio Daio Borges


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA ÚLTIMA RELIGIÓN DIVINA ISLAM
DR MURAT KAYA
ERKAM
(2009)
R$ 15,00



NA TOCA DO MISTÉRIO
SONIA RAMOS
NOVO SECULO
(2008)
R$ 30,00



THE RED BALLOON - STAGE 1
EDUARDO AMOS E OUTROS
MODERNA
(1991)
R$ 9,78



CE QUE JE SAIS DE VERA CANDIDA
VÉRONIQUE OLVADÉ
LOLIVIER
(2009)
R$ 35,82



A LENDA DO CAVALEIRO SEM CABEÇA E RIP VAN WINKLE
WASHINGTON IRVING
ILUMINURAS
(2011)
R$ 10,99



DELTORA QUEST: AS DUNAS
EMILY RODDA
BEST SELLER
(2008)
R$ 20,00



POVOS DE TIMOR POVO DE TIMOR VIDA ALIANÇA MORTE TRI - LINGUE
HUGUES DE VARINE
FUNDAÇÃO ORIENTE
(1992)
R$ 78,16



ESCÂNDALO
SHUSAKU ENDO
ROCCO
(1988)
R$ 30,00



A FORÇA DA SOBREVIVÊNCIA - 1ª EDIÇÃO
FAUSTO MARIONI AUTOGRAFADO
EDICON
(1986)
R$ 9,00



A ÚLTIMA ESPERANÇA
FRANK G. SLAUGHTER
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 7,00





busca | avançada
37059 visitas/dia
1,4 milhão/mês