Armandinho, o subversivo, versus o Cabeça de Melão | Lisandro Gaertner | Digestivo Cultural

busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
Últimos Posts
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Banana Republic
>>> Em terra de cego, quem tem olho é Pelé
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Stan Lee - o reinventor dos super-heróis
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
Mais Recentes
>>> Exel 2010 - Avançado de Richard Martelli e Maria Silvia Mendonça Barros pela Senac São Paulo (2013)
>>> Brasil--pais do presente--socialismo cristao brasileiro. de Augusto ariston e jesus chediak. pela Pi (2001)
>>> Shopping centers de Mario cerveira filho pela Saraiva (1999)
>>> Divina comédia (Com Ilustrações de Sandro Boticelli) de Dante Alighieri pela Ateliê/Unicamp (2011)
>>> Dinâmica da Contra-revolução na Europa: 1870-1956 de Arno J. Mayer pela Paz e Terra (1977)
>>> Dialectic For Beginners de Carlos Cirne Lima pela Edipucrs (1997)
>>> Democracia, agência e estado: Teoria com intenção comparativa de Guillermo Alberto O. Donnell pela Paz e Terra (2010)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoievski pela 34 (2005)
>>> Conservadorismos, Fascismos e Fundamentalismos: Análises Conjunturais de Ronaldo Almeida e Rodrigo Toniol (Orgs.) pela Unicamp (2018)
>>> Condomínio do Diabo de Alba Zaluar pela Ufrj (1996)
>>> Combate nas Trevas de Jacob Gorender pela Ática (1998)
>>> Coisas da Cosa Nostra: A Máfia Siciliana Vista Por Seu Pior Inimigo de Giovanni Falcone; Marcelle Padovani pela Rocco (2012)
>>> Cidade Aberta de Teju Cole pela Cia. das Letras (2012)
>>> Carta Aberta Aos Gurus Da Economia Que Nos Julgam Imbecis de Bernard Maris pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Abismo de Kurt Falkenburger pela Clube do Livro (1980)
>>> Anchieta: A restauração de um Santuário de Org. Carol de Abreu pela Ministério da Cultura - IPHAN (1998)
>>> Cimarron de Edna Ferber pela Abril Cultural (1983)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Círculo do Livro (1986)
>>> Le Grand Meaulnes de Alin-Fournier pela Livre de Poche (1983)
>>> Harry Potter e o Cálice de Fogo de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J. K. Rowling pela Rocco (1999)
>>> O Amor Não Term Hora de Cynthia Freeman pela Record (1986)
>>> De Olho em Zumbi dos Palmares - Histórias, símbolos e memória social de Flávio dos Santos Gomes pela Claro Enigma (2011)
>>> Nei Lopes - Retratos do Brasil Negro de Oswaldo Faustino pela Selo Negro (2019)
>>> Cisne de Leonardo de Kren Essex pela Suma (2006)
>>> Diga Espelho Meu de Stanley Ellin pela Record (1972)
>>> Pecar e perdoar: Deus e o Homem na História de Leandro Karnal pela Harper Collins (2014)
>>> Dinastia de Robert S. Elegant pela Círculo do Livro (1977)
>>> The Wicca Handbook de Eileen Holland pela Samuel Weiser (2000)
>>> O Guerrilherio de Baker Street de B. Sweet-Escott pela Bloch (1965)
>>> A Filha do Milionário de Dorothy Eden pela Nova Cultural (1987)
>>> The Wicca Bible - The definitive guide to Magic and The Craft de Ann-Marie Gallagher pela Sterling Publishing - New York (2005)
>>> "Batman: Vigilantes de Gotham - N° 28: Viver e Morrer em Gotham City... de Vários pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 41: Gotham City: Contagem Regressiva para o Fim...! de Dennis Oneil: Argumento pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 26: Mulher Gato Ano Dois de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 23: Batman - Procedimento Padrão de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> As Grandes Correntes da Mística Judaica de Gershom Scholem pela Perspectiva (1972)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 19: Justiça Cega! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 16: Azrael - Anjo Em Guerra! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N°13: Batman Contra o Anjo Vingador de São Dumas! de Dennis Oneil: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham (N. 10): Retorno de Alfred: A Conspiração Inglesa de Alan Grant: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Os Quatro Elementos e os Caminhos da Energia de Karen Hamaker-Zondag pela Nova Fronteira (1989)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 3 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 2 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Gênios da Pintura Nº 12: Van Eyck/ A Maior Coleção de Arte do Mundo de Pietro Maria Bardi: Supervisão pela Abril (1967)
>>> Hellraiser - The Dark Watch n° 1 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2014)
>>> Magia Das Flores - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Bosque Encantado - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Devorados de Cirilo S. Lemos, Erick Santos Cardoso, Marcio R. Gotland pela Draco (2017)
>>> Marvel Heroes: Hulk #4 (Os Heróis Mais Poderosos da Marvel) de Vários pela Salvat (2015)
COLUNAS >>> Especial 1964-2004

Sexta-feira, 23/4/2004
Armandinho, o subversivo, versus o Cabeça de Melão
Lisandro Gaertner

+ de 5000 Acessos

Toda vez que os pais de Armandinho brigavam era a mesma coisa. Batendo papo no café da manhã, um deles tocava num assunto que desagradava ao outro e pimba. As farpas começavam a voar pra todo lado e, finalmente, "pelo bem do Armandinho", quem iniciou a discussão falava: "Deixa pra lá, não vamos discutir".

Dessa vez foi diferente. Fernando, o pai de Armandinho, como quem não quer nada, comentou à mesa do café:

- Marlene, arruma o Armandinho que hoje eu vou levar ele numa solenidade.

Marlene se espantou:

- Solenidade? Que solenidade?
- Ora, hoje é o aniversário do Colégio Militar e o Figueiredo vem para a festa.
- Como é? Você vai levar o meu filho para babar o ovo dos milicos?
- Marlene, não fala assim na frente do Armandinho.

Marlene olhou para o seu filho, tirou a expressão de indignação da cara, sorriu forçado, passou a mão na cabeça do garoto e disse:

- Filho, vai para o seu quarto que eu quero conversar com o seu pai.

Armandinho, do alto dos seus cinco anos, suspirou como se estivesse cansado da vida, pulou da cadeira, foi para o seu quarto e fechou a porta. Quando começou a ouvir novamente a discussão, colou a orelha na porta para não perder nenhum detalhe. Afinal, sua mãe lhe pediu para ir para o quarto e não para não ouvir a discussão.

- Ô, Marlene, essa tua mania de subversiva já tá cansando - disse Fernando.
- Tá cansando? O que tá cansando é essa sua mania de babar o ovo da revolução. Você esqueceu que estamos em 1982? A anistia já começou, meu querido. Desde de 79 a anistia já começou.
- Infelizmente...
- Como é?
- Nada, Marlene, deixa pra lá. Olha, eu vou levar o meu filho para a solenidade e pronto.
- Vai? Por quê?
- Ora, porque eu sou ex-aluno do Colégio Militar e quero rever os meus amigos.
- Você quer é ficar batendo continência e enaltecendo essa ditadura de merda.
- Como eu vou bater continência? Eu nem sou militar.
- Mas queria. É, a tua reprovação no teste de admissão nas Agulhas Negras não te dá sossego mesmo...

Fernando, sentindo o peso da verdade, suspirou e ficou quieto por alguns momentos. Sem saída, ele resolveu jogar pesado:

- Marlene, se lembra que semana passada você levou o Armandinho para um comício?
- Levei, sim. Levei ele para o comício do Brizola.
- Ai, por favor, não fala esse nome aqui em casa.
- Que nome? Brizola? Por que eu não posso falar BRI-ZO-LA? Hein?
- Marlene, não vamos piorar a discussão. Você levou o Armandinho pro tal comício e eu não disse nada. Disse?
- Não. Não disse - Marlene lamentou.
- Então, por favor, não cria caso e vai arrumar o menino.

Armandinho tirou a orelha da porta segundos antes de sua mãe abrí-la. Marlene entrou no quarto, e, procurando uma roupa o armário do filho, só de provocação, perguntou para Fernando:

- Olha, o uniforme verde oliva dele tá lavando, será que ele pode ir de bermuda?

* * *

Armandinho e seu pai pegaram o metrô. "Mais uma excelente obra do governo militar, meu filho", Fernando repetiu pela milésima vez. Saltaram na estação São Francisco Xavier e foram caminhando até o Colégio Militar. Na porta, um grupo de manifestantes, contidos pela PE, gritavam pedindo por eleições diretas, agora para presidente. Fernando, no automático, tampou os ouvidos do filho e entrou no colégio.

Lá dentro, eles cumprimentaram alguns conhecidos de Fernando, se acomodaram numa das estruturas metálicas que serviam de arquibancadas, e se preparam para assistir à parada. Nisso, apareceu o presidente.

- Olha o presidente, meu filho.

Armandinho, esticando o pescoço, tentou ver ao vivo o homem que sua mãe odiava tanto, mas não conseguiu.

- Viu o Figueiredo, filho? - Fernando perguntou.
- Vi, papai - Armandinho mentiu.

A solenidade começou e Armandinho assistiu com atenção todos aqueles cavalos, soldados e máquinas de guerra passando. A todo momento, Fernando o chamava para dar uma explicação ou fazer uma pergunta. "Esse é tal carro de guerra, viu?, essa é tal divisão, olha só os cavalos!, o carneirinho mascote do colégio não é bonitinho?, quando você crescer, vai estudar aqui, não é, filho?". Cansado de tanto falatório, Armandinho balançava a cabeça para tudo.

A parada acabou e um militar, amigo de seu pai, se aproximou:

- Oi, Fernando. Você por aqui?

- Pois, é. Vim trazer o garoto para ver a solenidade.
- Fez bem. Fez bem. Vim aqui te fazer um convite
- Qual?
- Você quer conhecer o presidente?

Os olhos de Fernando brilharam. Essa era para ele uma oportunidade de ouro. Que outra chance ele teria de levar o seu filho para conhecer um dos líderes do governo militar no Brasil? É óbvio que ele concordou.

Escoltados pelo amigo, eles entraram numa pequena fila e em poucos minutos estavam cara a cara com o presidente.

- Senhor presidente, muito prazer - Fernando se adiantou. - Meu nome é Fernando, eu sou ex-aluno do colégio, como o senhor, e fico muito feliz em conhecê-lo. Ah, esse é meu filho, Armando.

O presidente passou a mão na cabeça do menino.

- Armando, não é? - o presidente perguntou para confirmar. - Menino bonito. Quer ser militar?
- Esperemos que sim - Fernando respondeu pelo filho. - Esperemos que sim.
- Então, Armando - o presidente se virou para o garoto -, você tomou café da manhã hoje?
- Tomei - Armandinho respondeu estranhando a pergunta.
- E o que você gosta de tomar no café da manhã?
- Sei lá. Um monte de coisas.
- Vamos ver... melão. Você gosta de melão?

Armandinho ficou pensativo por um momento. Melão? Melão? Ele odiava melão. Mas, antes de responder a pergunta, ele olhou para o seu pai. Seus olhos estavam brilhando. Por alguma razão que lhe escapava no momento, seu pai estava feliz de lhe apresentar àquele homem. Pensou em mentir, mas lembrou da sua mãe e dos papos que tinham sobre a censura e sobre como era importante a gente dizer o que pensa. Assim, respondeu:

- Eu odeio melão.

O presidente riu e insistiu:

- Mas por que você não gosta de melão? É uma fruta tão boa. Eu adoro melão.
- Ah, é? - Armandinho emendou sem pensar. - Vai ver é por isso que você tem cabeça de melão.
- Como? - o presidente e seu pai se espantaram.
- É isso aí. Você tem cabeça de melão. Cabeça de melão, cabeça de melão, cabeça de melão - Armandinho cantarolou.

* * *

Depois de cinqüenta milhões de "desculpe", "me perdoe", "eu não sei de onde ele tirou isso", Fernando e Armandinho saíram do colégio militar. Fernando, envergonhado, não falou nem olhou para o filho por todo o trajeto de volta.

Ao chegarem em casa, Marlene os recebeu irônica:

- Ué, Fernando? Já está de volta? Não tinha milico o suficiente para você ficar bajulando?
- Bajulando? - Fernando se enfureceu. - Bajulando? Você não sabe o que o SEU filho fez.
- O quê?
- Ele chamou o presidente de cabeça de melão. Vê se pode. Cabeça de melão.

Marlene caiu na gargalhada. Fernando olhou para ela com raiva e, desmoralizado, saiu de casa batendo a porta. Marlene limpou os olhos, já estava chorando de tanto rir, e chamou o filho. Armandinho se aproximou meio envergonhado, abraçou a mãe e perguntou:

- O papai tá zangado comigo?
- Tá não, querido. Tá não. O lance dele é comigo. Fica tranqüilo.

Marlene afastou se um pouco de Armandinho. Olhou para ele cheia de orgulho, pegou-o pelos braços, tascou-lhe um beijo da bochecha e o abraçou mais uma vez, repetindo:

- Subversivozinho lindo da mamãe. Subversivozinho lindo da mamãe.

Pronto. Como não podia deixar de ser, em pleno fim de ditadura, nascia ali mais um revolucionário filhinho de mamãe.


Lisandro Gaertner
Rio de Janeiro, 23/4/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
02. Um Furto de Ricardo de Mattos
03. Meu querido aeroporto #sqn de Ana Elisa Ribeiro
04. Lola de Elisa Andrade Buzzo
05. Miguel de Unamuno e Portugal de Celso A. Uequed Pitol


Mais Lisandro Gaertner
Mais Acessadas de Lisandro Gaertner
01. E Viva a Abolição – a peça - 1/6/2006
02. Cuidado: Texto de Humor - 28/7/2006
03. A História das Notas de Rodapé - 3/1/2002
04. Orkut: fim de caso - 10/2/2006
05. Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:> - 23/4/2008


Mais Especial 1964-2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PROBLEMA DO MAL NO ANTIGAMENTO TESTAMENTO
LUIZ SAYÃO
HAGNOS
(2016)
R$ 30,00



WATCH YOUR DREAMS
ANN REE COLTON
ARC PUBLISHING COMPANY
(1992)
R$ 30,00



ANTI-SEMITISMO, INTEGRALISMO, NEO-NAZISMO
WERNER NEHAB (COM DEDICATÓRIA DO AUTOR)
FREITAS BASTOS
(1988)
R$ 30,28



A SETE LEIS ESPIRITUAIS DO SUCESSO
DEEPAK CHOPRA
BEST SELLER
(2018)
R$ 15,00



JANGO (6641)
SILVIO TENDLER
L&PM
(1984)
R$ 12,00



MINHA VIDA DE GOLEIRO - COL. MEMÓRIA E HISTÓRIA
LUIZ SCHWARCZ; MARIA EUGENIA
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2008)
R$ 10,00



PSIUU...
GERDA BRENTANI
ATICA
(1998)
R$ 4,17



O DEMÔNIO E A SRTA. PRYM
PAULO COELHO
OBJETIVA
(2000)
R$ 10,00



O CIRCO DO AMANHÃ
LILIA MORITZ SCHWARCZ
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2014)
R$ 32,90



POBRE MENINA RICA
BARBARA HUTTON E C. DAVID HEYMANN
FRANCISCO ALVES
(1988)
R$ 15,17





busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês