O nosso patriarca e o deles | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Talvez...
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Mais Recentes
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Fotoleitura de Paul R. Scheele pela Summus (1995)
>>> O Rosto Materno de Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (2012)
>>> História Resumida da Civilização Clássica - Grécia/Roma de Michael Grant pela Jorge Zahar (1994)
>>> Cães de Guerra de Frederick Forsyth pela Record (1974)
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 15/1/2013
O nosso patriarca e o deles
Celso A. Uequed Pitol

+ de 2400 Acessos

Os EUA são um país de múltiplas faces. Ao contrário do que sua imagem estereotipada pode passar, convivem no interior da sociedade americana desde os esquerdistas mais ferrenhos até os conservadores mais empedernidos, todos participando intensamente do debate público e promovendo leituras e releituras contínuas de fatos, pontos de vista e personalidades. Disto não escapam nem os grandes mitos da história americana, como John Kennedy, Ronald Reagan, Franklin Roosevelt e Abraham Lincoln, fustigados por ataques periódicos e sujeitos a altos e baixos conforme as tendências dominantes.

Neste país tão variado, há, entretanto, uma unanimidade, que todo americano, de direita ou de esquerda, liberal ou conservador, cristão ou agnóstico, negro ou branco, admira sinceramente e pelas mais diversas razões: a figura de Thomas Jefferson. É o mais proeminente dos Founding Fathers americanos, o maior presidente que o país já teve, um grande humanista do século XVIII, mestre inspirador da democracia americana e, acima de tudo isso, um exemplo de ser humano para todos os seus compatriotas. Os esquerdistas o leem como um precursor da social-democracia, preocupado que era com a distribuição equitativa de renda e com o fim das classes sociais. Os direitistas vêem nele um conservador que guiava sua vida por valores atemporais e, segundo algumas leituras, mesmo religiosos. O jornalista I.F. Stone, socialista convicto, dizia que inspirava-se mais em Jefferson do que em Karl Marx, e quando John Kennedy recebeu uma comissão de quarenta e nove vencedores do Prêmio Nobel na Casa Branca, quis fazer um elogio aos visitantes e declarou que aquela era a maior reunião de talento e conhecimento que já se havia reunido na Casa Branca - exceto quando Thomas Jefferson jantava ali sozinho.

A reverência parece exagerada, mas é bem justa. Os EUA devem mesmo muito a Jefferson. A ideia de república federada, absolutamente inovadora para a época, é criação sua. A noção do "American exceptionalism" também é dele. Seu horror à sociedade dividida por classes, típica da Europa de então, gerou um senso de igualitarismo quase feroz até hoje entranhado na sociedade americana e que muitos visitantes europeus confundiam - e ainda confundem - com plebeísmo mediocrizante. Por outro lado, Jefferson defendeu ardorosamente os princípios da liberdade individual e da livre-associação, duas das maiores marcas dos EUA desde sempre, como forma de equilibrar a balança e impedir que a democracia americana degenerasse em demagogia, como previu Aristóteles.

Por tudo isso, Thomas Jefferson não é somente um grande personagem histórico para os americanos: é um personagem atual e dos debates atuais. Quando alguém critica a proibição ao uso das armas de fogo (tema candente hoje) ele é lembrado por dizer que a razão mais forte para portar armas é ter, em último caso, possibilidade de defender-se contra a tirania governamental. Quando um grupo nazista resolve fazer uma manifestação nas ruas de Washington, o advogado lembra da sua defesa apaixonada da liberdade de opinião. Invocar seu nome numa discussão é um poderoso argumento de autoridade, algo como um católico citar Tomás de Aquino ou um comunista citar Marx num discussão entre pares - e os pares são, neste caso, todos os americanos.

A tudo isto nós, brasileiros, observamos com aquela velha mistura de admiração e inveja que aparece ao compararmos o Brasil aos EUA. E a comparação é inevitável: trata-se de um país gigantesco, multiétnico, culturalmente variado, cheio de recursos naturais e, acima de tudo, jovem, vigoroso e contente consigo mesmo, como nós gostaríamos que o nosso fosse. Quando assistimos aos filmes que se passam na Califórnia, no Alabama, na Lousianna, no Mississipi, na Virginia, no Tennessee, no Texas ou na Flórida vemos cenas que poderiam perfeitamente ser filmadas aqui. As ruas, porém, são mais limpas, os carros parecem mais novos, e sempre que algum nome ligado à fundação da república americana é citado - e não apenas Jefferson - faz-se respeitoso silêncio. O Brasil toma os americanos como exemplo em muita coisa, mas não neste ponto: não lemos o que os equivalentes brasileiros do passado escreveram, não imitamos suas atitudes, não tomamos suas palavras em consideração. Não os consideramos dignos de serem lembrados.

Não é por outra razão que muitos brasileiros, mesmo os mais cultos, desconhecem um homem como José Bonifácio de Andrada e Silva. Conhecem, claro, de nome. Com certeza há ruas em várias cidades homenageando ao Patriarca da Independência e muitos sabem da importância de sua figura para a História do Brasil. Nada além disso. Se José Bonifácio fosse lido por aqui, poderíamos, seguindo a nossa tradição de nos comparar com os EUA, chamá-lo de nosso Thomas Jefferson. Não creio que suas obras completas tenham sido publicadas alguma vez no Brasil e, se foram, estão esquecidas. Pode-se dizer, sem medo de errar, que José Bonifácio não representou praticamente nada para o debate público brasileiro de hoje. Será muito mais fácil encontrar algum admirador de Jefferson entre os nossos so called conservadores.

Alguém dirá: e daí? De quê nos valeria a leitura das obras de um provável pseudo-pensador bacharelesco do Brasil antigo? Sim, pois os homens próximos a José Bonifácio eram pouco mais do que isso - quando não eram exatamente isso - e foram, com toda a justiça, esquecidos. A questão é que José Bonifácio não era um deles. Além de cientista brilhante - era membro da Academia de Ciências de Coimbra e publicou trabalhos sobre botânica e geologia - foi um escritor prolífico de tratados e ensaios sobre temas que, vistos hoje, causam espanto pela sua atualidade. Foi quase contemporâneo de Thomas Jefferson, mas não há mostras claras de que se tenha inspirado nele para alguma coisa. Não poderia esperar, talvez, que os brasileiros acabariam por tomar Jefferson como modelo - e modelo naquilo que Bonifácio tinha muito mais a mostrar.

Difícil de acreditar? Vejamos, então. No seu ensaio "A Escravidão e a Formação Nacional", José Bonifácio diz o seguinte:

"É preciso que cessem de uma vez os roubos, incendios e guerra que fomentamos entre os selvagens da Africa. É preciso que não venham mais a nossos portos milhares e milhares de negros, que morriam abafados no porão dos nossos navios"

Até aqui, Bonifácio é louvável como defensor dos direitos do homem num país escravocrata. Um homem corajoso e valoroso, como tantos outros em sua época. Porém, é no trecho a seguir que encontramos alguém que vai além disso - um visionário destacado de seu tempo e precursor de ideias que, no Brasil, só seriam admitidas na década de 30 do século XX:

"É tempo que vamos acabando até os últimos vestígios da escravidão entre nós, para que venhamos a formar uma nação homogênea, sem o que nunca seremos verdadeiramente livres, respeitáveis e felizes... cuidemos, pois, desde já em combinar sabiamente tantos elementos discordes e contrários, e em amalgamar tantos metais diversos, para que saia um todo homogêneo e compacto"

Temos aí nada menos do que um defensor da mestiçagem racial, numa época em que raça era um fator importante de diferenciação em todo o mundo. O negro, no Brasil, devia amalgamar-se ao branco, para produzir uma etnia nova, diferente e tipicamente brasileira. Como bom cientista que era, José Bonifácio decerto sabia que a mestiçagem, ao contrário do que pensava grande parte dos pensadores europeus de sua época, não era degenerativa. E, como brasileiro vivendo em Portugal, sabia que a própria ex-metrópole tinha uma população fortemente miscigenada com negros escravos e árabes. Não era, portanto, nada de tão novo na história da humanidade, e menos ainda no universo cultural do qual o Brasil fazia (e faz) parte..

O anglo-saxão Jefferson provavelmente não tinha notícia disto e tratou o problema da escravidão negra em seu país desta forma:

"As duas raças - brancos e negros - ..... não podem viver sobre o mesmo governo. Natureza, hábitos, opiniões criaram uma linha indelével de distinção entre elas".

De acordo com o historiador Stephen Ambrose, "Jefferson, como todos os donos de escravo e outros momentos da sociedade americana branca, via os negros como inferiores, infantis, pouco confiáveis e, é claro, como propriedade. Jefferson, um gênio da política, não conseguiu ver maneira dos negros americanos viverem em sociedade como homens livres". A solução que ele apresentava era expulsá-los do país, como os espanhóis fizeram aos mouros.

E Jefferson foi além:

"O amalgamento entre brancos e negros produz uma degradação na qual nenhum amante do seu país e nem amante da excelência do caráter humano pode consentir inocentemente."

Assim pontificou o mestre e assim procederam seus diletos e esforçados alunos. De suas palavras saiu uma sociedade profundamente dividida pela raça, na qual até a década de 60 um negro não podia dividir um banco de ônibus com um branco e nem entrar nas universidades mantidas pelo Estado.

Neste momento, em que a contínua separação entre negros e brancos por muros institucionais, levada a cabo sem pudor e sem reservas pelo atual governo a partir da importação malfeita de ideias e políticas públicas que pouco têm a ver com a formação cultural brasileira, é de se perguntar se não falta justamente àqueles mais afeitos à "defesa do interesse nacional" quando o assunto é economia - o único assunto em que a palavra "nacional" parece ter algum valor para eles - um pouco mais de sentimento de brasilidade e de ligação com a própria cultura. Ou, vendo as coisas por outro lado, talvez pudessem imitar os americanos neste ponto em particular: o da veneração pelo seu patriarca. Que, aliás, merece muito mais atenção do que o deles.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 15/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os pontos de um crochê de Pilar Fazito
02. Cócegas na língua de Pilar Fazito
03. Sabe-tudo dá plantão em boteco paulistano de Ana Elisa Ribeiro
04. Recordações da casa dos mortos de Luiz Rebinski Junior
05. Filmes maduros e filmes imaturos de Marcelo Miranda


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2013
01. O tempo de Arturo Pérez-Reverte - 5/11/2013
02. De Siegfried a São Jorge - 4/6/2013
03. Os burocratas e a literatura - 5/2/2013
04. A Vigésima-Quinta Hora, de Virgil Gheorgiu - 5/3/2013
05. O Direito mediocrizado - 26/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MATEMÁTICA FINANCEIRA
JOSÉ DUTRA VIEIRA SOBRINHO
ATLAS
(1982)
R$ 5,50



OS 500
MATTHEW QUIRK
PARALELA
(2013)
R$ 22,00



AIRBRUSHING FOR FINE & COMMERCIAL ARTISTS
ROBERT PASACHAL
VRN
(1982)
R$ 30,00



DEUS: TESE, ANTÍTESE, SÍNTESE
PAULO RESENDE
SAGA
(1969)
R$ 25,82



INVOCAÇÃO - TRILOGIA DARKEST POWERS
KELLEY ARMSTRONG
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 10,00



CONFISSÕES DE UM COMEDOR DE ÓPIO
THOMAS DE QUINCEY
L&PM POCKET
(2002)
R$ 12,00



COMENTÁRIOS AO NOVO CÓDIGO CIVIL - VOL. XIV ART. 966 A 1195
ARNOLDO WALD
FORENSE
(2005)
R$ 200,00



SEGMENTAÇÃO OPÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O MERCADO BRASILEIRO
RAIMAR RICHERS / CECÍLIA PIMENTA LIMA
NOBEL
(1991)
R$ 13,00



UM MILHÃO N°39 BATMAN PLANETA PRISÃO!
DC COMICS
ABRIL 50 ANOS
R$ 20,00



O OUTRO DESAFIO
JULIO LOBOS
DO AUTOR
(1987)
R$ 27,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês