Guimarães Rosa em Buenos Aires | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 28/9/2010
Guimarães Rosa em Buenos Aires
Wellington Machado

+ de 5300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Diego é atendente e vendedor de livros. Trabalha na livraria El Ateneo, em Buenos Aires, considerada uma das mais belas livrarias do mundo. Ele aparenta ter uns 25 anos e tem cara de universitário. Assim como os outros vendedores da loja, veste camisa branca, gravata, calça social e sapato preto ― para manter o estilo clássico do ambiente e, claro, não negar a elegância portenha . É educado e prestativo. Fala baixo e mostra-se sempre interessado em um bom papo quando o assunto é literatura. Nota-se que ele tem um certo prazer naquilo que faz. Nada muito difícil, aos olhos de quem vê, diante da exuberância da El Ateneo (experimente, leitor, buscar imagens na internet do interior da livraria), do jazz tocando baixinho no ambiente e do aroma de café que vem da cafeteria ao fundo.

No último mês de junho, fizemos (eu e minha esposa) uma "viagem-mochila" a Buenos Aires. Conseguimos um hotel barato e umas passagens promocionais, o que nos permitiu ficar dez dias na cidade. Seguimos a primeira regra do turista "garimpeiro": abandonar o city-tour. É claro que os pontos turísticos mais badalados foram visitados (não há como ir a Nova York e não subir no Empire State), mas dedicamos o devido tempo a cada um, de acordo com a importância do lugar. É claro que o show de tango, exclusivamente turístico, "brega-hollywoodiano", foi abandonado. Na verdade foi substituído por uma bela apresentação de rua, com direito a bandaneon e violão primorosamente executados. De graça!

Muito além de conhecer o trivial, propus-me a elaborar um roteiro cultural; queria fazer uma pesquisa de campo em artes, saber como a cidade vive culturalmente, pegar em livros, conhecer livrarias etc. A "pedra fundamental" das andanças (regra dois: andar a pé) pela capital foi o poema "As ruas", de Jorge Luis Borges, publicado em Fervor de Buenos Aires: "As ruas de Buenos Aires/ já são minhas entranhas./ Não as ávidas ruas,/ incômodas de turba e de agitação,/ mas as ruas entediadas do bairro,/ quase invisíveis de tão habituais".

Turismo é "experiência tátil", digamos assim, na minha concepção. A melhor forma de conhecer uma cidade, suas ruas, o povo, a cultura, é "viver a cidade" ― e não apenas "passar" pela cidade, incólume. Sentir seus sabores, seus aromas; perceber seus sons. Ser o mais nativo possível. Abandonar sua cultura (a do viajante), pelo menos naqueles dias, e se entranhar na cultura alheia. Para fazer isso, só andando o máximo possível ― a pé. Quando não for possível, de metrô ou ônibus, onde se tem contato direto com as pessoas. Conhecer a cultura argentina implica em ser o mais argentino possível. Andar pelas "entranhas", como pregava Borges; conhecer o undergound. Em Buenos Aires eu quis ser Borges em seus labirintos. E há uma maneira prática de ser Borges, ou de ser Cortázar, ou Roberto Arlt: os lugares por onde eles passaram estão em um pequeno guia (Buenos Aires Literária) distribuído nos postos de informações espalhados pela cidade. Fiz o caminho de Jorge Luis, pois eu queria ser Borges.

Estive com o Diego; e ele me surpreendeu. O vendedor entende de literatura! Sinceramente, não estou acostumado com atendentes que conhecem de livros aqui no Brasil ― sei que há exceções. Conversei com ele sobre literatura argentina e brasileira. Não escondo que carrego um certo "orgulho patriótico", qual seja, o de querer saber o que o estrageiro pensa do Brasil. Um Narciso sem reflexo, diria. Perguntei, então, quais os autores brasileiros ele já tinha lido. Diego conhece Clarice Lispector, Graciliano Ramos, Machado de Assis e Guimarães Rosa. Ao saber que eu, em Belo Horizonte, estava a 70 quilômetros de Cordisburgo (terra de Guimarães Rosa), Diego se alvoroçou: "Sertão? Guimarães Rosa? Você é o Rosa!", decretou. Diego me chamou de Rosa de forma bem-humorada. Uma homenagem.

Mas eu não queria ser Rosa; queria ser Borges. E parti pelas entranhas de Buenos Aires, no meu mapeamento cultural da cidade. Passei pela Praça Cortázar. (Curioso é que a Praça Cortázar fica no bairro onde Borges morava, em Palermo). Caminhei pela rua Jorge Luis Borges, com seus jardins, paralelepípedos; lojas aconchegantes vendendo artigos sofisticados; livrarias charmosas, onde eu pedia aos vendedores auxílio para pronunciar o nome completo do escritor. Sim, pronunciar "Jorge Luis Borges", arranhando a garganta como os argentinos fazem com habilidade, é uma tortura para mim. Mas em Palermo foi onde eu mais me senti Borges. Por um momento imaginei a angústia do escritor, no final da vida, ao não poder enxergar o que eu podia ver.

Várias iniciativas literárias pululam na cidade. No Malba (Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires) estava programada uma palestra com o escritor Ricardo Piglia, denominada "Nuevas tesis sobre el cuento". No mesmo museu, uma ideia bem interessante: "El libro del mês". A cada mês, o museu escolhe um clássico da literatura e convida um intelectual para falar sobre o livro. No mês de junho, a obra escolhida foi Anna Karenina, de Tolstoi. Está lá no Malba também, para quem não sabe, o nosso maior símbolo modernista: o Abaporu, de Tarsila do Amaral. Quando o vi, confesso que a minha face Borges cedeu ao orgulhoso Rosa.

Continuando a caminhada pela cidade, regada a muito café para espantar o frio cortante, fui ver de perto obras de Rodin, Kandinsky, Picasso, Monet, Renoir, Cézanne, Munch, Miró e Van Gogh no Museo Nacional de Bellas Artes, um dos maiores acervos da América Latina. Em arquitetura, não há como não se surpreender com a exuberância dos teatros Colón e Cervantes. Aliás, a arquitetura de Buenos Aires surpreende muito, mas muito mais do que se espera encontrar.

Estatísticas apontam Buenos Aires como a cidade das livrarias. A Corrientes é considerada a avenida com a maior concentração de livrarias e sebos. Impressionou-me, ao percorrer as estantes, o valor que o argentino dá à memória cultural. São vários livros de história que são expostos na entrada, nas vitrines e nas mesas de centro, concorrendo com os lançamentos em ficção. Interessante também como eles fazem questão de manter acesas as chamas dos seus escritores consagrados. Há várias reedições de Borges, Cortázar, Sábato, Tomás Eloy Martínez, em vários formatos. Ricardo Piglia pareceu-me ser ainda o melhor escritor vivo. Dos escritores estrangeiros, há uma avalanche de Paul Auster, Saramago e Bolaño. Mas estão lá também os globalizados crepúsculos e vampiros.

Notei que há uma valorização do jornal impresso, apesar da tendência mundial de acabar com eles. Tive a sensação de que o jeito argentino de preservar a sua arquitetura e sua memória contamina, de forma indireta, a preservação de outras tradições. Os jornais nos cafés e metrôs é um hábito arraigado. E isso vale para as revistas também. Não sei como conseguem manter uma revista, só para exemplificar, como a dedicada ao cinema El Amante ― Cine, uma revista densa, repleta de artigos e ensaios sobre a sétima arte. Talvez seja o reflexo do sucesso argentino no cinema nos últimos anos.

Mas o que surpreendeu "o Rosa" foi o Diego falar sobre literatura brasileira. Sobre Clarice Lispector, disse que já tinha lido vários livros da escritora e que a achava "feminina e introspectiva", que sua literatura tinha "muito de psicológico". Peguei na estante uma edição d'O Alienista, de Machado de Assis, e disse-lhe que se tratava de uma obra-prima, que o escritor era um orgulho para os brasileiros. Ele concordou e afirmou que gostara muito do livro. O vendedor trouxe-me uma edição do Grande Sertão: Veredas. Disse que o considerava um livro difícil, que já tinha lido até a metade, depois tantara ler novamente, mas desistiu da empreitada. Mas falou tudo isso de uma forma bem respeitosa.

Mas a minha surpresa maior foi quando começamos a falar sobre cinema. Pedi a ele para citar alguns filmes brasileiros que o marcaram. Ele tascou de pronto: Tropa de Elite e Central do Brasil. Citou Glauber Rocha e, pasmem, disse que adorou o Vidas Secas(!), do Nelson Pereira dos Santos. Esqueci de perguntar sobre como ele chegou a este filme ou o que o motivou a assisti-lo.

A brincadeira com "o Rosa" foi sadia. Assim como vários críticos, o argentino também compara ― ou faz um paralelo ― entre Borges e o Guimarães Rosa. Particularmente, acho que são literaturas diametralmente distintas. Vejo o Borges como um escritor eclético, principalmente no manejo do espaço e tempo, nas várias formas de narrar que experimentou. Já o Guimarães Rosa é mais centrado no sertão (que na verdade é o mundo) e, em matéria de linguagem, fez uma revolução. Mas ambos são universais e igualmente grandes. Só acho que são escritores díspares, infinitamente distantes. Tão distantes como eu queria ser Borges ― e não Rosa ― naqueles dias.

Nota do Editor
Wellington Machado de Carvalho mantém o blog Esquinas Lúdicas.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 28/9/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
02. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
03. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
04. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
05. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2010
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. Guimarães Rosa em Buenos Aires - 28/9/2010
05. A sombra de Saramago - 3/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/9/2010
21h53min
Todo autor tem na sua ficção ou intuição um pouco da sua existência, da sua arte de beber, do viver, do namorar, de imitar a arte escrita quase que intensamente. Só assim conhece com certeza o que vai escrever, tanto no sentir, no chorar, no ater com a arte literária.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
4/10/2010
11h07min
Meus parabéns pelo fiel retrato do seu interior e por encontrar nele Buenos Aires. Estive lá em janeiro deste ano com minha esposa e percorri os mesmos caminhos que você. Senti sua viagem como se fosse a minha. Te convido a entrar no meu blog de viagens e dar uma olhada sobre os textos que produzi em BsAs. Abração.
[Leia outros Comentários de Vinícius Antunes da ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




WARREN HAYNES GUIDE TO SLIDE GUITAR + CD
WARREN HAYNES E MIKE LEVINE
HAL LEONARD
R$ 90,00



O ESPARGO
MÁRIO F. BENTO RIPADO
PRESENÇA
(1986)
R$ 15,00



O NARIZ DO MORTO
ANTONIO CARLOS VILLAÇA
ROCCO
(1975)
R$ 6,90



MESTRES DA LITERATURA CONTEMPORANEA 100 VOLUMES ALTAYA
VARIOS
ALTAYA
R$ 1.400,00



NOIVA ATÉ SEXTA - COLEÇÃO NOIVAS DA SEMANA
SANDRA MARTHA DOLINSKY
VERUS
(2017)
R$ 25,00



A FANTÁSTICA VOLTA AO MUNDO
ZECA CAMARGO
GLOBO
(2004)
R$ 10,00



LICEU DE ARTES E OFÍCIOS DE SÃO PAULO - MISSÃO EXCELÊNCIA
VÁRIOS AUTORES
MARCA DAGUA
(2000)
R$ 20,00



GUIA VEJA DE MEDICINA E SAÚDE - VOL. 6
AUTORES DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 22,00



MOTIVADO PARA VENCER 2
D DCARTIO
LIO
(2008)
R$ 14,00



A ILHA DO TESOURO - ADAPTADO
ROBERT LOUIS STEVENSON
GIRASSOL
(2012)
R$ 13,90





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês