A sombra de Saramago | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nuvem Negra*
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
Mais Recentes
>>> A Vida Secreta dos Profissionais Durante e Depois do Expediente de Suely Cândido e Outros pela Ser Mais (2012)
>>> As 100 Melhores Ideias para Terminar o Dia Com a Sensação de Missão... de Richard Templar pela Saraiva (2011)
>>> A Verdade é Insuportável: Ensaio sobre a Hipocrisia de Andrei Venturini Martins pela Filocalia (2019)
>>> O Pus Dei de Giorgio Agamben pela Boitempo (2013)
>>> Fisioterapia: História, Reflexões e Perspectivas de Marcus Vinícius Gava pela Metodista (2004)
>>> Memorias de uma Menina Católica de Mary McCarthy pela Companhia das Letras (1987)
>>> Quimica Geral - Volume 1 de Alceu Totti Silveira pela Do Autor (2014)
>>> Livro - Brasil: Terra e Gente (1871) - Coleção o Brasil Visto por Estrangeiros de Oscar Canstatt pela Senado Federal (2002)
>>> A Escola e o Conhecimento - Fundamentos Epistemológicos e Políticos de Mario Sergio Cortella pela Cortez (2008)
>>> O Assassinato do Casal de Velhos de Rodrigues Corrêa pela Mercado Aberto (1995)
>>> O Evangelho Perdido: Como o Mundo Veio a Conhecer a Versão de Judas... de Herbert Krosney pela National Geographic (2006)
>>> Econometria de Wonnacott/Wonnacott pela Livros técnicos e científicos
>>> Historias da Biblia para a familia - Gênesis o Principio de Anne de Graaf pela Abril Coleções (2010)
>>> Spining de Tillie Walden pela Veneta (2019)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos
>>> Código de Processo Civil de Legislação Brasileira pela Saraiva (2005)
>>> Livro - Prazeres e Riscos de Martba Medeiros e outros pela L&pm (2001)
>>> Livro - Homossexualidade: uma História de Colin Spencer pela Record (1995)
>>> Revista Brasileira de Análise Transacional de Vários pela Parma (2003)
>>> Manual de Socorro de Emergência de Raimundo Rodrigues Santos; Marcelo Dominguez Canetti; Célio Ribeiro Júnior; Fernando Suarez Alvarez pela Atheneu (2000)
>>> Esta Noite a Liberdade de Dominique Lapierre/ Larry Collins pela Difel (1976)
>>> Era Uma Vez Um Sonho de J.D.Vance pela LeYa (2017)
>>> Livro de bolso - Além do Azul do Céu de Nora Roberts pela Harlequin (2011)
>>> Curso Completo do Novo Processo Civil de Rodolfo Kronemberg Hartmann pela Impetus (2016)
>>> 25 Anos Perdido no Lobby de Claudio Maksoud pela Markbook (2003)
COLUNAS

Terça-feira, 3/8/2010
A sombra de Saramago
Wellington Machado

+ de 7100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não vou falar dos romances históricos da primeira fase da obra de José Saramago (1922-2010). Os críticos já os incensaram devidamente. Vou me ater aos livros chamados ideológicos do escritor ― prefiro chamá-los de romances ensaísticos. Aliás, essa coisa de ideologização geralmente não dá uma boa história. Vários escritores que tentaram se envolver com política ― ou com governantes ― tiveram suas imagens arranhadas. Não são bons de escolha. Só pra citar de memória, não foram boas as incursões políticas de Sartre, Gabriel García Márquez, Céline, Günter Grass, Heidegger, Brecht, Ezra Pound e José Saramago.

Esquerdistas e direitistas à parte, o interessante é que o valor das obras desses escritores não decai, principalmente quando elas são usadas para ilustrar teses ou teorias, nos mais diversos campos do saber ― filosofia, sociologia, psicologia etc. George Orwell, por exemplo, ganhou notoriedade com sua obra 1984, onde o personagem-símbolo do livro, o Grande Irmão ― uma criação do governo totalitário para amedrontar e intimidar a população ―, monitorava as pessoas 24 horas por dia, através de uma espécie de TV, chamada "Teletela". Os olhos ameaçadores do Grande Irmão, espalhados por todos os locais públicos e privados, serviram de base, nos últimos anos, para a criação de programetes de TV, onde a grande massa de telespectadores fazem as funções do ditador.

A obra-prima de Orwell também é incansavelmente citada quando se analisa a nossa perda de privacidade, principalmente pós-11 de setembro. Haja vista a quantidade de câmeras espalhadas pelas cidades, nos elevadores, portarias, lugares públicos e privados. Vivemos uma espécie de totalitarismo consentido, nos moldes do 1984.

No romance Fahrenheit 451, de Ray Bradbury ― brilhantemente filmado por François Truffaut ―, o governo tenta extinguir os livros. Os bombeiros não apagam incêndios, mas incineram livros. Quem tivesse livros em casa era visto como um conspirador. A obra de Bradbury é constantemente lembrado quando se quer abordar a manipulação intelectual das massas ou os efeitos deletérios dos programas bobos de televisão.

A fase ensaística do escritor José Saramago oferece também, a meu ver, uma série de possibilidades ilustrativas, alegorias e metáforas contemporâneas, que, assim como Orwell, Bradbury ou Aldous Huxley, servem muito para pensar o mundo e a época em que estamos inseridos. Após a obra-prima O Evangelho segundo Jesus Cristo, que interrompeu a fase histórica de Saramago, surge em 1995 o Ensaio sobre a cegueira. Considero esta, juntamente com A Caverna (2000), os ápices da literatura alegórica do escritor. Mas as outras não são desprezíveis.

A obra Ensaio sobre a cegueira abre um precedente para inúmeras interpretações metafóricas. É uma obra aberta a especulações, tais como os motivos que levaram o escrivão Bartleby (de Herman Melville) a dizer "prefiro não fazer", toda vez que recebia uma ordem na repartição onde trabalhava. A cegueira branca que acomete a população daquela cidade imaginada por Saramago tanto pode ser a falta de um horizonte, um chão firme para as pessoas nesse mosaico de possibilidades ― ou impossibilidades ― que se nos apresenta a contemporaneidade, como pode ser também uma metáfora de um governo ditatorial que dizima brancamente sua população.

Mas cabe também um outro enfoque. A obra pode ser analisada a partir da convivência daquelas pessoas dentro daquele galpão, onde são aprisionadas. A falta de alguém para organizar o ambiente faz com que cada um aja como bem entender, defendendo seus interesses individuais. O que seria de uma sociedade sem governo e sem leis? Ensaio sobre a cegueira é uma retratação fiel do "homem que é o lobo do homem", de Thomas Hobbes: pessoas brigando, matando-se por comida, estupro etc. O livro mostra as consequências de uma sociedade sem leis e um Estado omisso.

Já em Todos os nomes (1987) ― um livro até meio esquecido pela crítica ―, vemos um tal sr. José trabalhando numa espécie de cartório ― a Conservatória Geral do Registro Civil. Trata-se de um sujeito íntegro, de hábitos simples, que mora em um cubículo (inspiração do comunista Saramago?). Cansado da rotina burocrática pesada, da exploração de sua mão de obra e do chefe autoritário ― que o repreende ferozmente pela barba por fazer ―, ele decide se rebelar e usar os registros dos nomes para alterar a biografia das pessoas, fazer um exercício de ficção. A própria estrutura intricada, labiríntica da Conservatória pode ser vista como uma metáfora das dificuldades que encontramos para lidar com nossos dilemas internos. A atitude do sr. José, imoral, reflete sobre os limites éticos ante a repressão.

O oleiro Cipriano é um senhor de 74 anos, personagem principal do livro A Caverna. Sua vida psicológica e material vai à bancarrota quando vê seus vasos de barro, fruto do trabalho de suas mãos, serem substituídos por vasos de plástico, vendidos em larga escala no grande Centro ― uma construção enorme, como os shopping centers. Na segunda metade do romance, Cipriano vai conhecer o Centro, ver o que há lá de tão extraordinário. Depara-se com uma multidão de consumidores encantados com aquele lugar, onde poderiam fazer suas compras com facilidade e até mesmo morar lá dentro. O título do livro é uma analogia ao mito de Platão, onde as pessoas são cegas ― ou ofuscadas ― à sua condição de prisioneiras. A caverna é o Centro, e as pessoas que estão lá dentro são cegas em relação ao consumo.

A Caverna oferece-nos um arsenal de caminhos para reflexão. No primeiro momento, dá-se a desumanização do homem ― ou a perda da sua liberdade ―, quando Cipriano passa a não manipular mais a natureza (o barro) com as próprias mãos. Ele é uma vítima do avanço tecnológico, da produção em larga escala. A questão do consumismo exacerbado, motor do capitalismo, é retratada quando Cipriano entra no grande Centro e vê aquela multidão indo às compras.

Saramago era um observador crítico contemporâneo. Atento aos acontecimentos. Em 1996, houve uma celeuma no meio científico com a notícia da clonagem da simpática ovelha Dolly. Foram inúmeros os intelectuais que associaram o feito a um perigo para a humanidade. Houve um temor generalizado de se concretizar a manipulação genética para produzir uma sociedade em castas, como os "Ípsilons" (menos evoluídos) e os "Alfas" (muito evoluídos) de Admirável Mundo Novo, ficção científica de Aldous Huxley. Saramago digeriu isso tudo e lançou, em 2002, O homem duplicado. No livro, Tertuliano Máximo é um professor de história que, ao assistir a um filme em VHS, se surpreende ao ver um clone seu em cena. Tertuliano trava uma batalha hercúlea à procura do seu duplo, permeado pela angústia, pelos dilemas e os perigos de se ter um semelhante à solta.

Inúmeras obras ou autores são desenterrados para afirmar ou ilustrar a condição social ou humana. As sombras de Orwell (totalitarismo), Huxley (clonagem) ou Bradbury (manipulação cultural de massas) sempre estão presentes nas análises sobre o avanço tecnológico e seus efeitos na sociedade ou no indivíduo. Na mesma linha de raciocínio ― cada um a seu estilo ―, Saramago deixou, em seus romances, uma miríade de opções para a reflexão sobre as relações de poder dos Estados, sobre os dilemas morais, o consumismo, a perda de liberdade, a manipulação genética. O Saramago ensaísta será incluído no panteão de escritores sobre cujas obras muito vai-se falar.

A opção pelo comunismo sempre prejudicou a análise das obras do escritor. A direita nunca o engoliu. Vai daí a exaltação à sua primeira fase, histórica, e uma certa má vontade em relação aos seus romances com tom ensaístico. Saramago era um humanista. E ser humanista é condição anterior (a priori) a ser de centro, direita ou esquerda.

Em 1997, a Nasa enviou a Marte o Sojourner ― um pequeno carro-robô que custou milhões de dólares ― para analisar o solo daquele planeta. Perguntado sobre o que achava do feito, Saramago foi lacônico: "não consigo entender como o ser humano consegue gastar milhões e milhões de dólares para enviar a Marte uma geringonça, enquanto há ainda gente morrendo de fome aqui na Terra". Afora as discussões anacrônicas sobre direita e esquerda, voltando ao básico do básico do ser humano, não é que a sombra desse português nos faz pensar?


Wellington Machado
Belo Horizonte, 3/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O retalho, de Philippe Lançon de Wellington Machado
02. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
04. Ruy Proença: poesia em zona de confronto de Jardel Dias Cavalcanti
05. A maldade humana de Gian Danton


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2010
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. A sombra de Saramago - 3/8/2010
05. Guimarães Rosa em Buenos Aires - 28/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2010
15h10min
Mais um esplêndido artigo sobre Saramago, assim os houvesse em Portugal. Ainda bem que a língua/linguagem nos une. Tenho passado, com alegria, os seus escritos aos meus amigos e também aos inimigos, para eles se roerem de inveja, hoje vou remeter mais este, para os gostam, mas sobretudo para os que não gostam, de Saramago. Obrigada por mim e por todos os que gostam de Saramago.
[Leia outros Comentários de Madalena Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Mudança - Romance
Andrea Canobbio
Mandarim
(1998)



Deu no Jornal
Moacyr Scliar
Edelbra
(2009)



As Mulheres, O Poder e a Família
Eni de Mesquita Samara
marco zero
(1989)



Sabedoria Todo Dia
Lourival Lopes
Otimismo
(2007)



A Emergência da Criança Divina
Rick Phillips
pensamento
(1990)



As Duas Vidas de Martinha
Agostinho Stacciarini
Paulo de Tarso
(2002)



Eco Empreendedor - Oportunidades de Negocios Decorrentes da Revol
Steven J. Bennett
Makron
(1992)



Teoria e Prática de Crédito Rural
Felipe Meira Aguiar
Herba
(1977)



Descobertas e Refutações: A Lógica do Método Psicanalítico
Jorge L. Ahumada
imago
(1999)



Livro - the Rough Guide to the Usa
Samantha Cook / J D Dickey
Rough Guides
(2011)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês