A sombra de Saramago | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
59670 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 3/8/2010
A sombra de Saramago
Wellington Machado

+ de 5300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não vou falar dos romances históricos da primeira fase da obra de José Saramago (1922-2010). Os críticos já os incensaram devidamente. Vou me ater aos livros chamados ideológicos do escritor ― prefiro chamá-los de romances ensaísticos. Aliás, essa coisa de ideologização geralmente não dá uma boa história. Vários escritores que tentaram se envolver com política ― ou com governantes ― tiveram suas imagens arranhadas. Não são bons de escolha. Só pra citar de memória, não foram boas as incursões políticas de Sartre, Gabriel García Márquez, Céline, Günter Grass, Heidegger, Brecht, Ezra Pound e José Saramago.

Esquerdistas e direitistas à parte, o interessante é que o valor das obras desses escritores não decai, principalmente quando elas são usadas para ilustrar teses ou teorias, nos mais diversos campos do saber ― filosofia, sociologia, psicologia etc. George Orwell, por exemplo, ganhou notoriedade com sua obra 1984, onde o personagem-símbolo do livro, o Grande Irmão ― uma criação do governo totalitário para amedrontar e intimidar a população ―, monitorava as pessoas 24 horas por dia, através de uma espécie de TV, chamada "Teletela". Os olhos ameaçadores do Grande Irmão, espalhados por todos os locais públicos e privados, serviram de base, nos últimos anos, para a criação de programetes de TV, onde a grande massa de telespectadores fazem as funções do ditador.

A obra-prima de Orwell também é incansavelmente citada quando se analisa a nossa perda de privacidade, principalmente pós-11 de setembro. Haja vista a quantidade de câmeras espalhadas pelas cidades, nos elevadores, portarias, lugares públicos e privados. Vivemos uma espécie de totalitarismo consentido, nos moldes do 1984.

No romance Fahrenheit 451, de Ray Bradbury ― brilhantemente filmado por François Truffaut ―, o governo tenta extinguir os livros. Os bombeiros não apagam incêndios, mas incineram livros. Quem tivesse livros em casa era visto como um conspirador. A obra de Bradbury é constantemente lembrado quando se quer abordar a manipulação intelectual das massas ou os efeitos deletérios dos programas bobos de televisão.

A fase ensaística do escritor José Saramago oferece também, a meu ver, uma série de possibilidades ilustrativas, alegorias e metáforas contemporâneas, que, assim como Orwell, Bradbury ou Aldous Huxley, servem muito para pensar o mundo e a época em que estamos inseridos. Após a obra-prima O Evangelho segundo Jesus Cristo, que interrompeu a fase histórica de Saramago, surge em 1995 o Ensaio sobre a cegueira. Considero esta, juntamente com A Caverna (2000), os ápices da literatura alegórica do escritor. Mas as outras não são desprezíveis.

A obra Ensaio sobre a cegueira abre um precedente para inúmeras interpretações metafóricas. É uma obra aberta a especulações, tais como os motivos que levaram o escrivão Bartleby (de Herman Melville) a dizer "prefiro não fazer", toda vez que recebia uma ordem na repartição onde trabalhava. A cegueira branca que acomete a população daquela cidade imaginada por Saramago tanto pode ser a falta de um horizonte, um chão firme para as pessoas nesse mosaico de possibilidades ― ou impossibilidades ― que se nos apresenta a contemporaneidade, como pode ser também uma metáfora de um governo ditatorial que dizima brancamente sua população.

Mas cabe também um outro enfoque. A obra pode ser analisada a partir da convivência daquelas pessoas dentro daquele galpão, onde são aprisionadas. A falta de alguém para organizar o ambiente faz com que cada um aja como bem entender, defendendo seus interesses individuais. O que seria de uma sociedade sem governo e sem leis? Ensaio sobre a cegueira é uma retratação fiel do "homem que é o lobo do homem", de Thomas Hobbes: pessoas brigando, matando-se por comida, estupro etc. O livro mostra as consequências de uma sociedade sem leis e um Estado omisso.

Já em Todos os nomes (1987) ― um livro até meio esquecido pela crítica ―, vemos um tal sr. José trabalhando numa espécie de cartório ― a Conservatória Geral do Registro Civil. Trata-se de um sujeito íntegro, de hábitos simples, que mora em um cubículo (inspiração do comunista Saramago?). Cansado da rotina burocrática pesada, da exploração de sua mão de obra e do chefe autoritário ― que o repreende ferozmente pela barba por fazer ―, ele decide se rebelar e usar os registros dos nomes para alterar a biografia das pessoas, fazer um exercício de ficção. A própria estrutura intricada, labiríntica da Conservatória pode ser vista como uma metáfora das dificuldades que encontramos para lidar com nossos dilemas internos. A atitude do sr. José, imoral, reflete sobre os limites éticos ante a repressão.

O oleiro Cipriano é um senhor de 74 anos, personagem principal do livro A Caverna. Sua vida psicológica e material vai à bancarrota quando vê seus vasos de barro, fruto do trabalho de suas mãos, serem substituídos por vasos de plástico, vendidos em larga escala no grande Centro ― uma construção enorme, como os shopping centers. Na segunda metade do romance, Cipriano vai conhecer o Centro, ver o que há lá de tão extraordinário. Depara-se com uma multidão de consumidores encantados com aquele lugar, onde poderiam fazer suas compras com facilidade e até mesmo morar lá dentro. O título do livro é uma analogia ao mito de Platão, onde as pessoas são cegas ― ou ofuscadas ― à sua condição de prisioneiras. A caverna é o Centro, e as pessoas que estão lá dentro são cegas em relação ao consumo.

A Caverna oferece-nos um arsenal de caminhos para reflexão. No primeiro momento, dá-se a desumanização do homem ― ou a perda da sua liberdade ―, quando Cipriano passa a não manipular mais a natureza (o barro) com as próprias mãos. Ele é uma vítima do avanço tecnológico, da produção em larga escala. A questão do consumismo exacerbado, motor do capitalismo, é retratada quando Cipriano entra no grande Centro e vê aquela multidão indo às compras.

Saramago era um observador crítico contemporâneo. Atento aos acontecimentos. Em 1996, houve uma celeuma no meio científico com a notícia da clonagem da simpática ovelha Dolly. Foram inúmeros os intelectuais que associaram o feito a um perigo para a humanidade. Houve um temor generalizado de se concretizar a manipulação genética para produzir uma sociedade em castas, como os "Ípsilons" (menos evoluídos) e os "Alfas" (muito evoluídos) de Admirável Mundo Novo, ficção científica de Aldous Huxley. Saramago digeriu isso tudo e lançou, em 2002, O homem duplicado. No livro, Tertuliano Máximo é um professor de história que, ao assistir a um filme em VHS, se surpreende ao ver um clone seu em cena. Tertuliano trava uma batalha hercúlea à procura do seu duplo, permeado pela angústia, pelos dilemas e os perigos de se ter um semelhante à solta.

Inúmeras obras ou autores são desenterrados para afirmar ou ilustrar a condição social ou humana. As sombras de Orwell (totalitarismo), Huxley (clonagem) ou Bradbury (manipulação cultural de massas) sempre estão presentes nas análises sobre o avanço tecnológico e seus efeitos na sociedade ou no indivíduo. Na mesma linha de raciocínio ― cada um a seu estilo ―, Saramago deixou, em seus romances, uma miríade de opções para a reflexão sobre as relações de poder dos Estados, sobre os dilemas morais, o consumismo, a perda de liberdade, a manipulação genética. O Saramago ensaísta será incluído no panteão de escritores sobre cujas obras muito vai-se falar.

A opção pelo comunismo sempre prejudicou a análise das obras do escritor. A direita nunca o engoliu. Vai daí a exaltação à sua primeira fase, histórica, e uma certa má vontade em relação aos seus romances com tom ensaístico. Saramago era um humanista. E ser humanista é condição anterior (a priori) a ser de centro, direita ou esquerda.

Em 1997, a Nasa enviou a Marte o Sojourner ― um pequeno carro-robô que custou milhões de dólares ― para analisar o solo daquele planeta. Perguntado sobre o que achava do feito, Saramago foi lacônico: "não consigo entender como o ser humano consegue gastar milhões e milhões de dólares para enviar a Marte uma geringonça, enquanto há ainda gente morrendo de fome aqui na Terra". Afora as discussões anacrônicas sobre direita e esquerda, voltando ao básico do básico do ser humano, não é que a sombra desse português nos faz pensar?


Wellington Machado
Belo Horizonte, 3/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes
02. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo
03. Primavera ao ar livre de Elisa Andrade Buzzo
04. Solitária cidadã do mundo de Elisa Andrade Buzzo
05. O medo como tática em disputa eleitoral de Humberto Pereira da Silva


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2010
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. Guimarães Rosa em Buenos Aires - 28/9/2010
05. A sombra de Saramago - 3/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2010
15h10min
Mais um esplêndido artigo sobre Saramago, assim os houvesse em Portugal. Ainda bem que a língua/linguagem nos une. Tenho passado, com alegria, os seus escritos aos meus amigos e também aos inimigos, para eles se roerem de inveja, hoje vou remeter mais este, para os gostam, mas sobretudo para os que não gostam, de Saramago. Obrigada por mim e por todos os que gostam de Saramago.
[Leia outros Comentários de Madalena Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




APENAS UM DIA
GAYLE FORMAN
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 14,00



UM COMPROMISSO COM A ESPERANCA
GLAUCO CARNEIRO
EXPRESSAO E CULTURA
(2000)
R$ 6,90



O VÔO DE SEXTA FEIRA
MARTIM W. BROCK
RECORD
(2008)
R$ 7,90



RECENT ADVANCES IN PLASTIC SURGERY II
IAN T JACKSON
CHURCHILL LIVINGSTONE
(1981)
R$ 22,18



PATOLOGIA E TERAPÊUTICA DAS DOENÇAS INSTERNAS, EDIÇÃO BRASILEIRA, D...
STRUMPELL CAPROGLIONE GERMANO G. THOMSEN
CIENTÍFICA
(1946)
R$ 84,97



O CASAMENTO
NELSON RODRIGES
ELDORADO
(1968)
R$ 9,98



GLÓRIA PARTIDA AO MEIO
PAULO MARTINS
7LETRAS
(2009)
R$ 12,90



AULA DE DESENHO DE PLANTAS PARA CONSTRUÇÕES 5
INSTITUTO UNIVERSAL BRASILEIRO
INSTITUTO UNIVERSAL BRASILEIRO
R$ 20,00



VIDA NOVA - 2ª ED.
DIAMANTINO COELHO FERNANDES
FREITAS BASTOS
(1971)
R$ 15,99



DICIONÁRIO PORTUGUÊS/INGLÊS E INGLÊS/PORTUGUÊS
COLLINS
SICILIANO
(1987)
R$ 20,00
+ frete grátis





busca | avançada
59670 visitas/dia
1,8 milhão/mês