Numeração de CDs: resta-nos a socialização da arte | Waldemar Pavan | Digestivo Cultural

busca | avançada
38289 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 29/10/2002
Numeração de CDs: resta-nos a socialização da arte
Waldemar Pavan

+ de 2300 Acessos

Terminou no dia 25 de outubro, o prazo para que a opinião pública sugerisse procedimentos ao segundo texto de projeto de decreto que visa regulamentar a numeração de CDs.

O que é mais inusitado é a exigência da numeração de CDs para efeito de controle de exemplares produzidos, comercializados e devolvidos; ou seja: desde quando é preciso numerar ou codificar por barras para se realizar o inventário fisico e relatórios do desenvolvimento comercial de um produto?

Neste meio de campo, artistas e representantes de gravadoras embolaram-se todos. Do lado do artista, o desconhecimento dos processos de controle empresarial; do outro, os representantes da indústria do disco, alegando com razão, que, além de totalmente ineficiente, o método de controle via numeração encareceria o preço final do CD ao consumidor.

Afinal, o que querem os artistas? Muito simples e coerente: querem acesso aos relatórios de vendas e estoques de suas obras - tal qual o correntista que recebe o extrato individualizado de sua movimentação bancária.

Ao correntista do banco não interessa saber se as notas ali depositadas terão identica numeração de depósito no momento do resgate: interessa saber apenas se o estoque de grana em sua conta corrente está exato e disponível.

Todas as indústrias do mundo controlam e relatam fisicamente seus estoques, desprezando a numeração de peças sugerida pela classe artistica brasileira. Se numerar implicasse em alguma viabilidade, facilidade ou diminuição de custos, certamente o controle por numeração já teria sido adotado por todas as empresas.

Em alguns segmentos industriais, tais como o de medicamentos e de alimentos, o controle de lote é apenas para efeito externo: caso algum lote apresente alguma variação de padrão, a numeração serve para localizar a entrada do componente inadequado; jamais a numeração de controle de lote serviu, nesses casos, para realizar-se o inventário fisico de estoques decorrente da contagem.

As gravadoras, também a exemplo de qualquer indústria do mundo, já possuem toda a contabilidade de vendas e estoques individualizados. No caso por artista/CD, o que deveria ser regulamentado por lei seria o fornecimento periódico aos mesmos de extratos individualizados e padronizados sobre a sua movimentação de vendas.

Descartada a proposta inicial de numeração, não imagino por que cargas d'água chegou-se a conclusão que o controle realizado por código de barras, no posto de venda ao consumidor, resolveria o problema.

O controle de vendas sugerido por código de barras é, sem dúvida, uma benesse da tecnologia; no entanto, sua viabilização na loja de CDs já é uma outra conversa que envolve compra de equipamento, software, implantação, treinamento de pessoal e adequação ao novo procedimento. Tudo isso tem custo bastante elevado ao lojista que trabalha com pequena margem de lucratividade; não traz e não agrega valor algum a atividade-fim do lojista, e menos ainda ao consumidor (muito pelo contrário).

Hoje, as pequenas lojas de CD disputam o mercado com os piratas e grandes magazines. Obrigar-lhes a todas essas despesas decorrentes da necessidade dos artistas controlarem as vendas de suas obras é uma grande sacanagem com o lojista, que deverá amortizar o custo do investimento na carcaça do consumidor e, por tabela, grande sacanagem com o consumidor também.

Como o lojista amortizará este custo? Diluindo parcialmente o investimento em equipamentos e serviços em cada CD vendido ao consumidor final.

Ou seja: haverá o custo já alegado pela indústria em relação ao processo de codificação por barras, mais o custo das aquisições de produtos e serviços referentes ao controle por código de barras a ser efetuado por lojistas (processos de saída já inócuos) - só vocacionados a encarecer o preço final do CD ao consumidor.

Pergunto mais uma vez: por que atribuir desnecessariamente esses custos ao consumidor se todos esses controles de inventário de estoques e vendas já existem obrigatóriamente na gravadora, na fábrica de CDs e na fábrica de encartes?

A gravadora abre uma ordem de produção numerada (própria ou através de terceiros); a fabricação de CDs e encartes que encerra também está emitindo nota fiscal numerada - cada uma com uma ou mais entradas, que serão somadas no estoque de venda da gravadora/artista/titulo.

A cada venda ao atacado, é emitida uma nota fiscal numerada que abate a quantidade vendida do estoque da gravadora; e cada devolução é somada como entrada no estoque, via nota fiscal de devolução (também numerada). Todos esses procedimentos são de origem fiscal, portanto obrigatórios, numerados mecânicamente e passíveis de serem consistidos.

Da ordem de produção à nota fiscal de devolução, são essas as numerações e respectivas quantidades que norteiam os trabalhos das fiscalizações estaduais e federal - o que indica que deve haver exatidão nestes números.

Um resumo individualizado e periódico em forma de relatório, sobre as movimentações de estoques, vendas e devoluções, atenderia satisfatóriamente à demanda por informações da classe musical e representaria custo zero à indústria, ao lojista e ao consumidor de CDs.

Caso houvesse dúvida sobre a legitimidade dos números o fornecimento de um relatório detalhado, ao invés de um resumido, resolver-se-ia por completo esta questão.

Gravadoras e artistas já atormentaram por demais a opinião pública e o consumidor com essa inadequada ladainha. Bom-senso e respeito ao dinheiro do consumidor não engordam e não fazem mal a ninguém. Basta de procedimentos cartoriais (já não bastassem os da praxe, agora temos também que sermos coniventes e pagar pelo procedimento cartorial de verificação inventarial da classe artistico-musical?).

Calma aí com o andor, gente: artistas e gravadoras tem mais é que se unir para tentar desesperadamente reduzir o preço ao consumidor de seus produtos musicais que estão demasiadamente caros. Preços maiores induzirão o consumidor ao camelô e à compra cooperativada; ou seja: reune-se os amigos, dividem-se o custos de aquisição, reprodução e cópias de encartes e todo mundo fica feliz pelo CD baratinho e menos pobre em cooperativar seus CDs (socialização da arte, conforme pregava a cartilha do programa cultural de um dos candidatos à presidência, que tal? Eu achei liiindo esse negócio de socializar a arte).

Prest'tenção.


Waldemar Pavan
São Paulo, 29/10/2002


Mais Waldemar Pavan
Mais Acessadas de Waldemar Pavan em 2002
01. Música Folclórica: Bahia Singular e Plural - 17/9/2002
02. A Música de Moisés Santana e João Suplicy - 3/9/2002
03. (Re)masterizados e (Re)mixados - 9/8/2002
04. Ecos Musicais - 30/7/2002
05. Duas cantoras independentes - 11/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DECEPTION POINT
DAN BROWN
LIVRO DE POCHE
(2001)
R$ 11,00



A FORMAÇÃO DO MUNDO MODERNO - A CONSTRUÇÃO DO OCIDENTE SÉCS. 16 A 18
FRANCISCO FALCON; ANTONIO EDMILSON RODRIGUES
CAMPUS
(2006)
R$ 149,90



BÃO - BA - LA - LÃO E OUTRAS PARLENDAS
SILVIO ROMERO
SCIPIONE
(2007)
R$ 18,00



EM NOME DO MAL
JAMES OSWALD
RECORD
(2014)
R$ 15,00



DESEJO QUE MINHA MÃE NUNCA DIGA NÃO
ELIZABETH DEN JÚLIO
ÍCONE
(2002)
R$ 4,99



HOTEL GRABEN
JOSÉ VIALE MOUTINHO
ULMEIRO
(1998)
R$ 22,22



CREPUSCULO DOS IDOLOS OU COMO SE FILOSOFA COM O MARTELO
FRIEDRICH NIETZSCHE
VOZES
(2014)
R$ 34,95



LIBERDADE DE EXPRESSÃO E DIREITO PENAL NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREIT
TADEU ANTONIO DIX SILVA
IBCCRIM
(2000)
R$ 10,00



SOBRE EROS
IMACULADA KANGUSSU
SCRIPTUM
(2007)
R$ 18,90



O ASSÉDIO MORAL NAS RELAÇÕES DE EMPREGO 9508
CANDY FLORENCIO THOME
L T R
(2008)
R$ 21,00





busca | avançada
38289 visitas/dia
1,4 milhão/mês