O Paciente Steve, de Sam Lipsyte | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
75201 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sombras Persas (V)
>>> Há um corpo estendido no chão
>>> A Viagem de Klimt
>>> Fazendo Amigos e Influenciando Pessoas
>>> A internet não é nada
>>> Hellbox
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> One Click, a História da Amazon, de Richard L. Brandt
>>> Anos Incríveis
>>> Sarau Libertário em BH
Mais Recentes
>>> Liderança & Supervisão #14 (Suplemento) de Vários pela Quantum (2005)
>>> Livreto Michaelis - Guia Prático da Nova Ortografia de Douglas Tufano pela Melhoramentos (2008)
>>> Mulher Brasileira Em Primeiro Lugar de Ludenbergue Góes pela Ediouro (2007)
>>> O que a Bíblia realmente ensina? de Watch Tower Bible Society Of Pennsylvania pela Watch Tower Bible (2013)
>>> Branca de Neve e o Caçador de Lily Blake pela Novo Conceito (2012)
>>> Matéria dos Sonhos de Johannes Mario Simmel pela Círculo do Livro (1988)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ática (1992)
>>> Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda pela Companhia das Letras (1999)
>>> Para Sempre de Alyson Noël pela Intrínseca (2009)
>>> Como Se Dar Bem Com as Pessoas de M. K. Rustomji pela Summus (1975)
>>> As Mentiras que os Homens Contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> Raiva e Paciência - Ensaios Sobre Literatura Política e Colonialismo de Hans Magnus Enzensberger pela Paz e Terra (1985)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Arqueiro (2012)
>>> Comunicar Para Liderar de Leny Kyrillos e Mílton Jung pela Contexto (2016)
>>> O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brontë pela Círculo do Livro (1994)
>>> O Essencial no Amor: as diferentes faces da experiência amorosa de Catherine Bensaid e Jean-Yves Leloup pela Vozes (2006)
>>> Deus Castiga? de Helena Craveiro pela Petit (1998)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia Roza pela Record (2001)
>>> O Silêncio dos Amantes de Lya Luft pela Record (2008)
>>> História Viva de um Ideal - uma Orquestra uma Família uma Profissão de Hélio Brandão pela Do Autor (1996)
>>> Álbum de Família de Danielle Steel pela Record (1998)
>>> Tragédia o Mal de Todos os Tempos Como Suavizar a Voz Nesses Conflitos de Glorinha Beuttenmüller pela Instituto Montenegro Raman (2009)
>>> Educação corporativa fundamentos e praticas de Ana Paula Freitas Mundim/ Eleonora Jorge Ricardo pela Qualitymark (2004)
>>> Fontes para a educação infantil de Alex Criado pela Cortez (2003)
>>> Uma Mulher Inacabada de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/9/2004
O Paciente Steve, de Sam Lipsyte
Ricardo de Mattos

+ de 5000 Acessos

"Nunca acontece de a literatura e o espírito de raciocínio se tornarem o patrimônio de toda uma nação sem que imediatamente se faça notar, na filosofia e nas belas-artes, o que se observa nos governos populares, nos quais não há puerilidade ou fantasia que não apareçam e não encontrem seguidores" (Marquês de Vauvenargues, Reflexões e Máximas, CCLXXI)

O Paciente Steve, escrito pelo nova-iorquino Sam Lipsyke, é mais um livro de crítica à superficial e consumista sociedade contemporânea. Não é uma obra grandiosa e talvez nem tenha vida muito longa. Contudo, além de rechear algumas horas com hilaridade histriônica, pode-se afirmar ser ele o que Fúria, de Salman Rushdie, poderia ter sido se fosse bem escrito.

Steve é um publicitário divorciado de 37 anos, pai da adolescente Fiona e autor de slogans famosos. Duas linhas definem-no e mesmo assim, no livro inteiro, ele é o único melhor apresentado. É o único a não deixar impressão de que escapou algum dado sobre sua personalidade. Se era intenção do autor prestigiar o vago, ele foi bem sucedido, pois os outros são obscuros, incertos, mal definidos. Ainda que variável o grau de indefinição, começa aqui a crítica a uma sociedade na qual se imagina conhecer as pessoas a partir de algumas poucas características exteriores, outras interiores mal inferidas e muitos dados fornecidos por terceiros de idoneidade questionável. Predomina o critério do "ouvi dizer", sempre aliado ao sigilo da fonte: Quem disse? É simplesmente incompreensível como as pessoas continuam com tanta superficialidade no conhecer e julgar as demais. Não percebem que isso apenas dissemina a desconfiança e aumenta a solidão, uma iguaria refinada que poucos têm paladar apurado o suficiente para apreciar.

O azar de Steve consistiu em cair sob os cuidados de dois charlatões ansiosos por notoriedade. Após alguns exames de rotina, os médicos - referidos no início somente como Mecânico e Filósofo - anunciaram a presença de certa doença desconhecida. Steve, pontificaram, um dia morrerá. Não se sabe quando, mas morrerá. Se um evidente embuste receber uma camada de seriedade e se tratado com o devido escândalo pela mídia, suas chances de adquirir credibilidade aumentam. Os dois requisitos são presentes no texto de Lipsyte. Primeiro o da seriedade: a doença é nomeada e descrita, bem como a imprensa solenemente convocada para uma entrevista coletiva. A "Síndrome Goldfarb-Blackstone Preparatória para a Extinção" - ou simplesmente PREXIS - caracteriza-se por ainda não possuir "causa identificável, o que não atenua sua fatalidade inquestionável. (...) Mas aqui está o complicador: ele vai morrer sem nenhuma razão conhecida. Talvez não hoje, talvez não amanhã, mas algum dia, irrevogavelmente. Ele pode não mostrar nenhum sinal disso ainda, mas mostrará, podem ter certeza". O segundo requisito, o do agitamento, tem lugar quando os médicos apresentam Steve como o único doente na cidade em estado terminal da PREXIS e permitem que repórteres mercenários divulguem as poucas e confusas informações.

"Doente em estado terminal" é uma expressão causadora de pânico. N'este mundo repleto de doenças gravíssimas, salta aos olhos a insensatez em se divulgar sem maior cuidado tal informação. Tanta irresponsabilidade, que em poucos anos a cidade foi assaltada por uma epidemia de PREXIS. Se o campo for fértil, a estupidez pode ter longo alcance e disseminar-se velozmente. Todo o calvário do personagem seria evitado se houvesse a honestidade inicial dos profissionais em dizê-lo apenas entediado. Aliás, já seria suficiente, pois o tédio é algo destrutivo. Na antiguidade mencionava-se o taedium vitae como resultado da existência ociosa e sem propósitos. É tarde quando, na entrevista coletiva, uma repórter conclui: "O senhor quer dizer que esse homem na verdade vai morrer de tédio?".

Condenado à morte pela Medicina, agonizando sem saber direito do que, Steve entrega-se àqueles que podem ser seus últimos prazeres. Alcançados todos os limites do seu cartão de crédito, gastas todas as suas reservas financeiras e abandonado por sua seguradora após realizar montes de exames, decide dar atenção ao folheto recebido de alguém, uma propaganda do "Centro de Recuperação e Redenção Leigas". Trata-se d'uma antiga simulação de acampamento de guerra para executivos, transformada em fossa para os dejetos humanos da sociedade. "Drogados, bêbados, malucos, doentes terminais, melancólicos, paranóicos, onanistas crônicos, estupradores de porcos, maus poetas, etc.: este é seu lar". A mistificação é explícita, e mesmo o personagem não sendo nenhum gênio consegue logo perceber que, ou as pessoas estão desesperadas e aceitam qualquer alternativa, ou a decadência é tal que não percebem o ridículo em que se envolvem. Não tendo nada mais a fazer ou perder, decide demorar-se para ver até onde segue toda a asneira. Isso, sim, é tédio e ausência de propósito. Os diretores são insanos de passado trevoso, atiçados em seus desvarios pelos "pacientes" reunidos. O louco progride em sua demência quando encontra adeptos. Atualmente, anda pelo Brasil um cretino dizendo-se a reencarnação de Jesus Cristo. Usa trajes semelhantes aos quais Êle é representado na iconografia. A patologia é protegida e mantida por seguidores trajados à judaica. Parece haver um ponto no Desespero em que o Homem perde sua lucidez e torna-se presa fácil de todo tipo de enganação. Um instante no desvario leva-o a agarrar-se à primeira coisa que surge com alguma promessa de alívio.

Não é ileso que Steve foge do Centro de Recuperação. Segundo o poeta e crítico francês Boileau-Despréaux (1.636/1.711), um estúpido encontra sempre outro mais estúpido que o admira. Após passar um período de recuperação na casa da ex-mulher, descobre que seu antigo cativeiro obteve um programa na televisão custeado pela venda de produtos via Internet e com audiência garantida pela interatividade do público. Os internos transformaram-se em produtores e diretores e novos espécimes foram acrescidos. Hoje, toda infâmia é comercializada. Este tema específico do reality-show macabro recebeu também um tratamento muito bom na novela A Exposição das Rosas, do húngaro István Örkény (1.912/1.979).

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 23/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mulheres fantásticas e futuristas de Carla Ceres
02. Uma de nós de Marilia Mota Silva
03. Primórdios da exploração do tabuleiro de Carla Ceres
04. De volta da Flip 2013 de Eugenia Zerbini
05. De olho em você de Marilia Mota Silva


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Patrulha Canina - os Filhotes Salvam a Colheita 3 Livros
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2018)



Para Não Dizer Adeus
Lya Luft
Record
(2005)



Vade Mecum Saraiva Oab e Concursos
Saraiva
Saraiva
(2013)



A Princesa Apaixonada
Meg Cabot
Record
(2009)



A Personagem de Ficção - 13ª Edição
Antonio Candido & Anatol Rosenfeld & Décio ..
Perspectiva
(2014)



Feijoada
Sonia Rosa
Pallas
(2009)



Primeira Lição de Urbanismo - 1ª Edição - 2ª Reimpressão
Bernardo Secchi
Perspectiva
(2015)



Além do Bem e do Mal - 3ª Edição - Coleção Textos Filosóficos
Friedrich Nietzsche
Vozes
(2012)



Tudo É Possível
Lidia Maria Riba
Vergara & Riba
(1996)



O Pequeno Filosofo
Gabriel Chalita
Globinho Globo
(2011)





busca | avançada
75201 visitas/dia
2,4 milhões/mês