O Paciente Steve, de Sam Lipsyte | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/9/2004
O Paciente Steve, de Sam Lipsyte
Ricardo de Mattos

+ de 4400 Acessos

"Nunca acontece de a literatura e o espírito de raciocínio se tornarem o patrimônio de toda uma nação sem que imediatamente se faça notar, na filosofia e nas belas-artes, o que se observa nos governos populares, nos quais não há puerilidade ou fantasia que não apareçam e não encontrem seguidores" (Marquês de Vauvenargues, Reflexões e Máximas, CCLXXI)

O Paciente Steve, escrito pelo nova-iorquino Sam Lipsyke, é mais um livro de crítica à superficial e consumista sociedade contemporânea. Não é uma obra grandiosa e talvez nem tenha vida muito longa. Contudo, além de rechear algumas horas com hilaridade histriônica, pode-se afirmar ser ele o que Fúria, de Salman Rushdie, poderia ter sido se fosse bem escrito.

Steve é um publicitário divorciado de 37 anos, pai da adolescente Fiona e autor de slogans famosos. Duas linhas definem-no e mesmo assim, no livro inteiro, ele é o único melhor apresentado. É o único a não deixar impressão de que escapou algum dado sobre sua personalidade. Se era intenção do autor prestigiar o vago, ele foi bem sucedido, pois os outros são obscuros, incertos, mal definidos. Ainda que variável o grau de indefinição, começa aqui a crítica a uma sociedade na qual se imagina conhecer as pessoas a partir de algumas poucas características exteriores, outras interiores mal inferidas e muitos dados fornecidos por terceiros de idoneidade questionável. Predomina o critério do "ouvi dizer", sempre aliado ao sigilo da fonte: Quem disse? É simplesmente incompreensível como as pessoas continuam com tanta superficialidade no conhecer e julgar as demais. Não percebem que isso apenas dissemina a desconfiança e aumenta a solidão, uma iguaria refinada que poucos têm paladar apurado o suficiente para apreciar.

O azar de Steve consistiu em cair sob os cuidados de dois charlatões ansiosos por notoriedade. Após alguns exames de rotina, os médicos - referidos no início somente como Mecânico e Filósofo - anunciaram a presença de certa doença desconhecida. Steve, pontificaram, um dia morrerá. Não se sabe quando, mas morrerá. Se um evidente embuste receber uma camada de seriedade e se tratado com o devido escândalo pela mídia, suas chances de adquirir credibilidade aumentam. Os dois requisitos são presentes no texto de Lipsyte. Primeiro o da seriedade: a doença é nomeada e descrita, bem como a imprensa solenemente convocada para uma entrevista coletiva. A "Síndrome Goldfarb-Blackstone Preparatória para a Extinção" - ou simplesmente PREXIS - caracteriza-se por ainda não possuir "causa identificável, o que não atenua sua fatalidade inquestionável. (...) Mas aqui está o complicador: ele vai morrer sem nenhuma razão conhecida. Talvez não hoje, talvez não amanhã, mas algum dia, irrevogavelmente. Ele pode não mostrar nenhum sinal disso ainda, mas mostrará, podem ter certeza". O segundo requisito, o do agitamento, tem lugar quando os médicos apresentam Steve como o único doente na cidade em estado terminal da PREXIS e permitem que repórteres mercenários divulguem as poucas e confusas informações.

"Doente em estado terminal" é uma expressão causadora de pânico. N'este mundo repleto de doenças gravíssimas, salta aos olhos a insensatez em se divulgar sem maior cuidado tal informação. Tanta irresponsabilidade, que em poucos anos a cidade foi assaltada por uma epidemia de PREXIS. Se o campo for fértil, a estupidez pode ter longo alcance e disseminar-se velozmente. Todo o calvário do personagem seria evitado se houvesse a honestidade inicial dos profissionais em dizê-lo apenas entediado. Aliás, já seria suficiente, pois o tédio é algo destrutivo. Na antiguidade mencionava-se o taedium vitae como resultado da existência ociosa e sem propósitos. É tarde quando, na entrevista coletiva, uma repórter conclui: "O senhor quer dizer que esse homem na verdade vai morrer de tédio?".

Condenado à morte pela Medicina, agonizando sem saber direito do que, Steve entrega-se àqueles que podem ser seus últimos prazeres. Alcançados todos os limites do seu cartão de crédito, gastas todas as suas reservas financeiras e abandonado por sua seguradora após realizar montes de exames, decide dar atenção ao folheto recebido de alguém, uma propaganda do "Centro de Recuperação e Redenção Leigas". Trata-se d'uma antiga simulação de acampamento de guerra para executivos, transformada em fossa para os dejetos humanos da sociedade. "Drogados, bêbados, malucos, doentes terminais, melancólicos, paranóicos, onanistas crônicos, estupradores de porcos, maus poetas, etc.: este é seu lar". A mistificação é explícita, e mesmo o personagem não sendo nenhum gênio consegue logo perceber que, ou as pessoas estão desesperadas e aceitam qualquer alternativa, ou a decadência é tal que não percebem o ridículo em que se envolvem. Não tendo nada mais a fazer ou perder, decide demorar-se para ver até onde segue toda a asneira. Isso, sim, é tédio e ausência de propósito. Os diretores são insanos de passado trevoso, atiçados em seus desvarios pelos "pacientes" reunidos. O louco progride em sua demência quando encontra adeptos. Atualmente, anda pelo Brasil um cretino dizendo-se a reencarnação de Jesus Cristo. Usa trajes semelhantes aos quais Êle é representado na iconografia. A patologia é protegida e mantida por seguidores trajados à judaica. Parece haver um ponto no Desespero em que o Homem perde sua lucidez e torna-se presa fácil de todo tipo de enganação. Um instante no desvario leva-o a agarrar-se à primeira coisa que surge com alguma promessa de alívio.

Não é ileso que Steve foge do Centro de Recuperação. Segundo o poeta e crítico francês Boileau-Despréaux (1.636/1.711), um estúpido encontra sempre outro mais estúpido que o admira. Após passar um período de recuperação na casa da ex-mulher, descobre que seu antigo cativeiro obteve um programa na televisão custeado pela venda de produtos via Internet e com audiência garantida pela interatividade do público. Os internos transformaram-se em produtores e diretores e novos espécimes foram acrescidos. Hoje, toda infâmia é comercializada. Este tema específico do reality-show macabro recebeu também um tratamento muito bom na novela A Exposição das Rosas, do húngaro István Örkény (1.912/1.979).

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 23/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
02. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
03. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
04. Virando as Latas: o atleta brasileiro e o esporte de Heloisa Pait
05. Buenos Aires: guia de viagem de Gian Danton


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. O Livro Impresso e O Livro Virtual - 26/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEPHARIALS NEW DICTIONARY OF ASTROLOGY
SEPHARIAL
FOULSHAM
(1963)
R$ 19,82



GUIA DE BOLSO CIDADES HISTÓRICAS DE MINAS
MINISTÉRIO DO TURISMO
MINISTÉRIO DO TURISMO
R$ 5,00



HISTÓRIA DA GRÉCIA
M. ROSTOVTZEFF
ZAHAR EDITORES
(1973)
R$ 20,00



CONEXÃO BVLGARI
FAY WELDON
RECORD
(2005)
R$ 14,00



DESCOBRINDO A HISTÓRIA DA ARTE
GRAÇA PROENÇA
ATICA
(2005)
R$ 60,00



FOI ELA (E) QUE COMEÇOU
TONI BRANDÃO
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 4,00



NA SALA COM DANUZA
DANUZA LEAO
SICILIANO
(1992)
R$ 7,00



AS MULHERES É QUE MANDAM... E É BOM QUE SEJA ASSIM
ROGÉRIO LACAZ-RUIZ
LAWBOOK
(2008)
R$ 4,50



PSICOLOGIA GERAL
LANNOY DORIN
ED. DO BRASIL
(1978)
R$ 5,00



VODU FENÔMENOS PSIQUICOS DA JAMAICA
JOSEPH WILLIAMS
MADRAS
(2004)
R$ 30,81





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês