Liberdade! | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Atmosphere
Mais Recentes
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
>>> Trajetória do Silêncio de Maria do Céu Formiga de Oliveira pela Massao Ohno-Roswitha Kempf (1986)
>>> Zezinho, o Dono da Porquinha Preta de Jair Vitória pela Ática (1992)
>>> Aconselhamento Psicológico de Ruth Scheeffer pela Atlas (1981)
>>> Razão e Revolução de Herbert Marcuse pela Paz e Terra (1978)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Círculo do livro (1987)
>>> Somos Todos Inocentes de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (1997)
>>> Luzia-Homem de Domingos Olímpio pela Escala (1980)
>>> Vida e Obra de Anália Franco de Maria Cândida Silveira Barros pela Copidart (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/5/2012
Liberdade!
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2700 Acessos


foto: Sissy Eiko

A primeira daquele pelotão de sentinelas espreita timidamente a Rua da Glória, a cabecinha branca pendida em eterna reverência oriental. Pois é ali, a partir daquela luminária vermelha, que começa a Liberdade? Talvez sim, talvez não, mas depois do ônibus contornar a Praça João Mendes e deixar para trás o Largo Sete de Abril é lá, numa esquina precisa, que eu vislumbro esse início em cor diversificado, essa separação simbólica do Centro Velho e do bairro da Liberdade, representado pelas luminárias, ainda acesas num amanhecer outonal.

Que sensação de pertencer a uma São Paulo retirada no tempo, de desalento e luz mortiça é caminhar na calada da noite por suas ruas, as luminárias redondas dispostas em um enxame luminescente, em suas ladeiras suaves, iridescendo os sorrisos na Rua dos Estudantes, na Galvão Bueno ou na Thomaz Gonzaga, quando as pessoas saem de seus cursos, de seus jantares amigáveis ou encontros, como seres voadores dispersando-se, encontrando seu caminho diante de tantas combinações possíveis. Como que caminhamos à claridade de um céu noturno e profundo num distanciamento encantado: é esta cidade a de hoje ou a de ontem? Ruas de paralelepípedos estridulando, Álvares de Azevedo poetizando a lua, tantos caminhos de passagens já feitos e refeitos, e então mentalmente nos beliscamos para acordarmos desse mundo e cairmos dentro dele mesmo, embora em diversa arquitetura.

Passeei pouquíssimas vezes pela Liberdade nas décadas de 1980 e 90. Meu coração infantil se surpreendeu com a paisagem e logo compreendeu que aquele era um local diferente, na época talvez mais Japão do que Brasil, e que, ao mesmo tempo em que ele me pertencia e eu podia tão rápido chegar perto dele, eu não dizia respeito àquele mundo distanciado de mim: um peixe fora d'água. Havia uma grande multidão de pedestres e, dentro dela, muitos rostos orientais, rostos sem expressão e rápidos, bancas de jornais com títulos ininteligíveis e papel colorido. No final das contas aquele era um lugar passageiro, onde a mãe resolvia algumas coisas e eu podia comprar bonitos papéis importados para dobraduras.

Agora, estando todos os dias na Liberdade, eu tive de fazer uma aproximação real nos arredores. Quando pela manhã saímos esplendorosos pela porta do McDonald's com um croissant de presunto e queijo e atravessamos a Avenida da Liberdade − alheios à imagem cinematográfica da abertura de Nine to Five (1981) em que poderíamos ser inseridos −, somos qualquer um, um estudante, um assalariado, um advogado, e assim, cheios de leitura e labor, nos juntamos ao cardume que oscila na estação São Joaquim do metrô.

No início da noite, hordas de estudantes invadem suas calçadas e os ambulantes os aguardam, mudos e expectantes. Uma senhorinha e suas bugigangas ao rumor do vento. Discreta súplica é a do vendedor de relógios falsificados, tão negro quanto a noite. Um chinês bem-apessoado vende de aventais brancos a roupinhas de cachorro, estendidas como tapetes de pele rara. Os bolivianos e seus cachecóis de tecidinho, e os hippies, com brincos, colares e esculturas de madeira. Mas o sucesso fica mesmo por conta das banquinhas de tapioca, pastel, frutas, churrasco, batata palito frita na hora, milho, sanduíche natural... é a festa da comida de rua, que na hora do almoço contempla açaí e gelinho para as crianças na saída da escola.

Um bairro residencial, mas ao mesmo tempo com jeito de comércio popular, comércio ambulante e oriental, centros hospitalares e uma chusma de estudantes de todos os graus. Sem contar os restaurantes e as placas que nos deixam como analfabetos em nossa própria pátria, e as igrejas, os templos budistas. Da bela Igreja Santa Cruz dos Enforcados e seu fogaréu de velas acesas nos vêm a lembrança de almas sentenciadas. Em meados do século XIX, palco de aplicação da pena de morte por enforcamento na cidade, o antigo Largo da Forca se intitula com singeleza Praça da Liberdade. Embrenha-se pelas ruas e lá estão, do período pós-escravatura, esplêndidos casarões, casebres, já convertidos em repúblicas, cortiços, moradias improvisadas. Nada é muito habitável na Liberdade, há entulho, lixo aberto e revirado, mas algo persiste e, de alguma forma, se transforma em local de moradia ou trabalho.

Os bairros, então, se ligam, e de repente uma área de transição invisível nos leva de um a outro. De qual substância é feita essa área limítrofe, embutida como que ocasionalmente entre os prédios, os mendigos, os bares? E da sucessão de erros e acertos desse lugar de pontos tão díspares na história - liberdade e morte -, tão opostos em sua essência que acabam se encontrando para um dar ao outro o sentido de sua existência, encontramo-nos com nada mais do que ele mesmo em comum e sua capacidade de aproximar mundos. Os números dos logradouros bem sabem onde começa e termina um subdistrito; os modos do povo delineiam o bairro por sensação e apego − um cheiro de tempura, uma vela acesa, um passeio proibido. E cá estamos nós, como que momentaneamente enclausurados nesse dia a dia de Liberdade!


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 24/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
04. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
05. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2012
01. Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian - 1/3/2012
02. Perdidos em Perdizes - 28/6/2012
03. O lilás da avenida sou eu - 13/9/2012
04. Ode ao outono - 12/4/2012
05. O crime da torta de morango - 18/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ORDEM
HUGH HOWEY
INTRÍNSECA
(2015)
R$ 21,00



CATEGORIAS CONCEITUAIS DA SUBJETIVIDADE
FABIO THÁ
ANNABLUME
(2007)
R$ 18,00



A EQUAÇAO DOS SONHOS
GISELE CHABOUDEZ
CIA DE FREUD
(2000)
R$ 15,00



AJUDE SEU FILHO A CONVERSAR COM VOCÊ - TEORIA E CLÍNICA FONOAUDIOLÓGICA E PSICOMOTORA
HELENA MARINHO
REVINTER
(2012)
R$ 24,90



ENCONTRO COM OS DEUSES
JAIME GUEDES
MANDÁLIA
(1978)
R$ 10,00



A QUEDA PARA O ALTO - HERZER (LITERATURA BRASILEIRA - MEMÓRIAS)
HERZER
VOZES
(1987)
R$ 7,00



PALAVRAS DE UM PROFESSOR
SAN TIAGO DANTAS
FORENSE
(2001)
R$ 130,00



VARIANDO O CARDÁPIO VOL. 1
VÁRIOS AUTORES
NESTLÉ
(1991)
R$ 15,00



INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DA FILOSOFIA VOL. 1 DOS PRÉ-SOCRÁTICOS
MARILENA CHAUI
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 60,00



MASTERS OF CINEMA: ALFRED HITCHCOCK
ALFRED HITCHCOCK; BILL KROHN
PHAIDON PRESS
(1972)
R$ 30,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês