Liberdade! | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Publicar em papel? Pra quê?
>>> Impressões
>>> A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
>>> Desorientação vocacional
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
Mais Recentes
>>> Golem e o Gênio: uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela DarkSide (2015)
>>> Os Chakras: e os Campos de Energia Humanos de Shafica Karagulla, M.D. e Dora Van Gelder Kunz pela Pensamento (1991)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai Lama pela Sextante (2000)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2003)
>>> Minecraft Fortaleza Medieval de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mohang pela Abril (2017)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mohang pela Abril (2021)
>>> Salomé de Oscar Wilde pela Principis (2021)
>>> O Mercador de Veneza de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> Do Contrato Social de Jean - Jacques Rousseau pela Principis (2021)
>>> Kilmeny do Pomar de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2021)
>>> A Mamãe é Rock de Ana Cardoso pela Principis (2019)
>>> Nos Bastidores Trinta Anos Escrava, Quatro Anos na Casa Branca de Elizabeth Keckley pela Principis (2021)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas pela Principis (2021)
>>> Romeu e Julieta de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> O Condenado de Camilo Castelo Branco pela Principis (2021)
>>> The secret Agent de Joseph Conrad pela Collins Classics (2012)
>>> Vandrad, o Viking a Contenda e o Feitiço de Joseph Storer Clouston pela Principis (2021)
>>> Helena de Machado de Assis pela Principis (2021)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Poliana de Eleanor H. Porter pela Tricaju (2021)
>>> Cause of death de Patricia Cornwell pela Warner Books (1997)
>>> Um Inimigo do Povo de Henrik Ibsen pela Principis (2021)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Corgi Books (2004)
>>> Little Woman de Luisa May Alcott pela Signet Classics (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/5/2012
Liberdade!
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3000 Acessos


foto: Sissy Eiko

A primeira daquele pelotão de sentinelas espreita timidamente a Rua da Glória, a cabecinha branca pendida em eterna reverência oriental. Pois é ali, a partir daquela luminária vermelha, que começa a Liberdade? Talvez sim, talvez não, mas depois do ônibus contornar a Praça João Mendes e deixar para trás o Largo Sete de Abril é lá, numa esquina precisa, que eu vislumbro esse início em cor diversificado, essa separação simbólica do Centro Velho e do bairro da Liberdade, representado pelas luminárias, ainda acesas num amanhecer outonal.

Que sensação de pertencer a uma São Paulo retirada no tempo, de desalento e luz mortiça é caminhar na calada da noite por suas ruas, as luminárias redondas dispostas em um enxame luminescente, em suas ladeiras suaves, iridescendo os sorrisos na Rua dos Estudantes, na Galvão Bueno ou na Thomaz Gonzaga, quando as pessoas saem de seus cursos, de seus jantares amigáveis ou encontros, como seres voadores dispersando-se, encontrando seu caminho diante de tantas combinações possíveis. Como que caminhamos à claridade de um céu noturno e profundo num distanciamento encantado: é esta cidade a de hoje ou a de ontem? Ruas de paralelepípedos estridulando, Álvares de Azevedo poetizando a lua, tantos caminhos de passagens já feitos e refeitos, e então mentalmente nos beliscamos para acordarmos desse mundo e cairmos dentro dele mesmo, embora em diversa arquitetura.

Passeei pouquíssimas vezes pela Liberdade nas décadas de 1980 e 90. Meu coração infantil se surpreendeu com a paisagem e logo compreendeu que aquele era um local diferente, na época talvez mais Japão do que Brasil, e que, ao mesmo tempo em que ele me pertencia e eu podia tão rápido chegar perto dele, eu não dizia respeito àquele mundo distanciado de mim: um peixe fora d'água. Havia uma grande multidão de pedestres e, dentro dela, muitos rostos orientais, rostos sem expressão e rápidos, bancas de jornais com títulos ininteligíveis e papel colorido. No final das contas aquele era um lugar passageiro, onde a mãe resolvia algumas coisas e eu podia comprar bonitos papéis importados para dobraduras.

Agora, estando todos os dias na Liberdade, eu tive de fazer uma aproximação real nos arredores. Quando pela manhã saímos esplendorosos pela porta do McDonald's com um croissant de presunto e queijo e atravessamos a Avenida da Liberdade − alheios à imagem cinematográfica da abertura de Nine to Five (1981) em que poderíamos ser inseridos −, somos qualquer um, um estudante, um assalariado, um advogado, e assim, cheios de leitura e labor, nos juntamos ao cardume que oscila na estação São Joaquim do metrô.

No início da noite, hordas de estudantes invadem suas calçadas e os ambulantes os aguardam, mudos e expectantes. Uma senhorinha e suas bugigangas ao rumor do vento. Discreta súplica é a do vendedor de relógios falsificados, tão negro quanto a noite. Um chinês bem-apessoado vende de aventais brancos a roupinhas de cachorro, estendidas como tapetes de pele rara. Os bolivianos e seus cachecóis de tecidinho, e os hippies, com brincos, colares e esculturas de madeira. Mas o sucesso fica mesmo por conta das banquinhas de tapioca, pastel, frutas, churrasco, batata palito frita na hora, milho, sanduíche natural... é a festa da comida de rua, que na hora do almoço contempla açaí e gelinho para as crianças na saída da escola.

Um bairro residencial, mas ao mesmo tempo com jeito de comércio popular, comércio ambulante e oriental, centros hospitalares e uma chusma de estudantes de todos os graus. Sem contar os restaurantes e as placas que nos deixam como analfabetos em nossa própria pátria, e as igrejas, os templos budistas. Da bela Igreja Santa Cruz dos Enforcados e seu fogaréu de velas acesas nos vêm a lembrança de almas sentenciadas. Em meados do século XIX, palco de aplicação da pena de morte por enforcamento na cidade, o antigo Largo da Forca se intitula com singeleza Praça da Liberdade. Embrenha-se pelas ruas e lá estão, do período pós-escravatura, esplêndidos casarões, casebres, já convertidos em repúblicas, cortiços, moradias improvisadas. Nada é muito habitável na Liberdade, há entulho, lixo aberto e revirado, mas algo persiste e, de alguma forma, se transforma em local de moradia ou trabalho.

Os bairros, então, se ligam, e de repente uma área de transição invisível nos leva de um a outro. De qual substância é feita essa área limítrofe, embutida como que ocasionalmente entre os prédios, os mendigos, os bares? E da sucessão de erros e acertos desse lugar de pontos tão díspares na história - liberdade e morte -, tão opostos em sua essência que acabam se encontrando para um dar ao outro o sentido de sua existência, encontramo-nos com nada mais do que ele mesmo em comum e sua capacidade de aproximar mundos. Os números dos logradouros bem sabem onde começa e termina um subdistrito; os modos do povo delineiam o bairro por sensação e apego − um cheiro de tempura, uma vela acesa, um passeio proibido. E cá estamos nós, como que momentaneamente enclausurados nesse dia a dia de Liberdade!


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 24/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
02. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
03. A melhor Flip de Marta Barcellos
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
05. Sarkozy e o privilégio de ser francês de Celso A. Uequed Pitol


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2012
01. Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian - 1/3/2012
02. O lilás da avenida sou eu - 13/9/2012
03. Perdidos em Perdizes - 28/6/2012
04. Ode ao outono - 12/4/2012
05. O crime da torta de morango - 18/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




El Conflicto Social y los Gobiernos del Maximato
Lorenzo Meyer
El Colegio de Mexico
(1978)



Passatempo Direito Administrativo
João Antônio da Costa Lagranha
Rideel
(2016)



O Livro da Terra e dos Povos
Childcrafts
World Book
(1997)



O Sentido e a Máscara - Teatro - Coleção Debates
Gerd A. Bornheim
Perspectiva
(1975)



A Arte de Ouvir o Coração
Jan Philipp Sendker
Paralela
(2013)



A Ideologia
Ari Herculano de Souza
Do Brasil
(1989)



O Guarani - Ed. Paulus
José de Alencar
Paulus
(2005)



O Pensamento Vivo de Chaplin
José Geraldo Simões
Martin Claret
(1984)



Jesus e Jesus na Arte 4 Volumes
Vários Autores
Jbig
(1983)



Amor e Amizade
Jane Austen Whit Stillman
Gutenberg
(2016)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês