O Enriquecer é Glorioso! | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
>>> Bruno Zolotar ensina como fortalecer a marca e ampliar vendas no mundo editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Virtual cai na real
>>> Literatura universal do Sul
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> André Bazin e a crítica como militância
>>> Em Cena: Um Casal Admirável
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O elogio da narrativa
Mais Recentes
>>> Nintendo world--43--super mario world de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--46--the legend of zelda de Conrad pela Conrad
>>> A Jangada de Pedra de José Saramago pela Record/Altaya
>>> Nintendo world--18--mario party 2 de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--42--bem-vindo! sonic de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--55--zelda--the wind waker de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--17--as melhores 2000 dicas,truques e codigos de Conrad pela Conrad
>>> Traficante de Nieve de Arthur Maling pela Emece (1973)
>>> A Garota Que Eu Quero de Markus Zusak pela Intrínseca (2013)
>>> Febre de Megan Abbott pela Intrínseca (2015)
>>> Aluna do telhado de Clotilde do carmo dias pela Everest (1977)
>>> Dicionario biografico de ruas de atibaia--volume 1. de Pea pela Pea
>>> As viagens da nuvem mixirica de Angella lemos pela St5
>>> Na Rota do Perigo de Marcos Rey pela Ática (1991)
>>> Salada russa--salada tropical e mais 100 receitas de saladas de Ediouro pela Ediouro
>>> Ética e Cidadania de Carla Rodrigues e Herbert de Souza pela Moderna (1994)
>>> Pode Servir o Vinho de Cynthia Freeman pela Record (1980)
>>> Céu, inferno e além: o pós-morte na história das religiões de Deuzair José da Silva e Eduardo Gusmão de Quadros pela Brazil Publishing (2020)
>>> Pompa e circunstância de Gerson Donato pela Brazil Publishing (2020)
>>> A ressignificação do Direito a partir da pandemia do novo Coronavírus de Denilson Mascarenhas Gusmão, Luciano Souto Dias, Mírian Célia Gonçalves de Almeida e Teodolina Batista da Silva Cândido Vitório pela Brazil Publishing (2020)
>>> Testes de raciocinio de Horacio de paula pela Discubra (1971)
>>> Planejamento Participativo nas aulas de Educação Física Escolar: significados existentes nesta proposta de Peterson Amaro da Silva e Neide de Aquino Noffs pela Brazil Publishing (2020)
>>> Os segredos da boa culinaria rural de Senar pela Senar
>>> O polvo & outras historias de Varios pela Ases
>>> Menino de engenho de Jose lins do rego pela Jose olympio (1993)
>>> Nintendo world--25--2 anos--fomos ao japao e trouxemos todas as informaçoes sobre os dois novos consoles de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--12--shadow man de Conrad pela Conrad
>>> Xbox--87--xbox one de Europa pela Europa
>>> Xbox--113--call of duty de Europa pela Europa
>>> Xbox--103--the witcher rild hunt 3 de Europa pela Europa
>>> Xbox--109--74 jogos matadores de Europa pela Europa
>>> Xbox--104--tomb raider de Europa pela Europa
>>> Xbox--107--star wars--battlefront de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--80--assassins creed iv:black flag de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--76--devil may cry de Europa pela Europa
>>> Xbox--96--battlefield hardline de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--82--titanfall de Europa pela Europa
>>> Playstation--21--tudo sobre a loirinha sensual de Europa pela Europa
>>> Playstation--194--assassi creed:unity de Europa pela Europa (2014)
>>> Xbox--106--mortal kombat x de Europa pela Europa
>>> Xbox--111--quantum break de Europa pela Europa
>>> A quinta raça de Trigueirinho pela Pensamento
>>> A sabedoria interior de Irving oyle/susan jean pela Cultrix/pensamento
>>> Os sonhos de Quevedo pela Escala
>>> Tempo de retiro e tempo de vigilia de Trigueirinho pela Pensamento
>>> Erich von daniken em julgamento--polemica e discussao em todo o mundo--os deuses habtitaram a terra? de Melhoramentos pela Melhoramentos
>>> Projeçoes da consciencia de Waldo vieira pela Ak (1981)
>>> Ide e evangelizai os batizados de Jose h. prado flores pela Loyola
>>> Voce e aquilo que pensa de Jose sometti pela Cidade nova
>>> Guia pratico do zodiaco chines de Melanie claire pela Pensamento
COLUNAS

Quarta-feira, 30/7/2014
O Enriquecer é Glorioso!
Marilia Mota Silva

+ de 2700 Acessos

Passando pela Dutra, na altura de Taubaté, o taxista fez um gesto largo na direção das terras à margem da rodovia e disse: "Os chineses compraram tudo isso aí. Diz que vão fazer uma cidade inteira".

Não sei se a informação tem fundamento, mas é evidente que a presença chinesa se espraia pelo mundo com uma fluidez irresistível.

Eles são um bilhão e 370 milhões, mesmo depois de décadas de controle da natalidade, que permitia apenas um filho por casal. Só esse quebradinho, 370 milhões, dá um Brasil e meio, quase dois. É um quinto da população do mundo que, para o bem e para o mal, abraça o capitalismo e o consumo, com a sofreguidão de quem passou décadas sob um regime de frugalidade imposta.

A China hoje tem interesses no mundo inteiro: Detém valores astronômicos em títulos do tesouro americano, o que faz deles mais parceiros que credores. É de seu interesse que os títulos não se depreciem. Investe na África, constrói estradas, pontes, hospitais, obras de infraestrutura. Tem estreitas ligações com a Rússia. Ocupam o Tibet, disputam com o Japão a soberania sobre pequenas ilhas.

Não por acaso, nos Estados Unidos, muitas escolas públicas oferecem aulas de mandarim, desde o jardim-de-infância. As crianças se familiarizam com ideogramas, festejam o ano novo em fevereiro, dançam com sombrinhas e quimonos, constroem dragões e lanternas de papel. Mais do que o idioma, eles aprendem sobre a cultura, valores e tradições chinesas.

Foi-se o tempo da China isolada; foi-se o tempo em que os imigrantes chineses se agrupavam em chinatowns nas grandes cidades do mundo e resumiam sua presença a restaurantes e lavanderias.

Quem quiser ter uma ideia bem fundamentada da trajetória chinesa, passado, presente e desafios do futuro, a leitura de Os Chineses (Editora Contexto, 2009), da jornalista Cláudia Trevisan, atende com louvor. Em 320 páginas a autora nos apresenta um painel amplo e detalhado da história do povo chinês, seus valores e crenças, a influência milenar de Confúcio em sua concepção do mundo; descreve suas dinastias, a burocracia dos mandarins, fala do tumultuado século XX, de Mao Tsé-Tung e da Revolução Cultural, até os dias de hoje, em que a China pratica essa combinação inusitada de governo comunista com economia de mercado; de capitalismo sem democracia.

É jornalismo, história, reflexão, em um texto ágil, vivo e colorido, que se lê direto, como um bom romance. Copio três parágrafos, como exemplos:

"Mas talvez o mais extraordinário seja o fato de que os chineses não se parecem em nada com a imagem que nós temos de uma suposta placidez, silêncio e contenção orientais. Eles são tão ou mais ruidosos que os brasileiros, manifestam sua curiosidade sem restrições, adoram dançar e cantar, são extremamente gregários, tem paixão pelo jogo e devoção pela boa comida. Até os funerais são barulhentos, com música e fotos de artifício para espantar os maus espíritos. A vida no país não ocorre entre quatro paredes, mas ao ar livre. Praças, calçadas, os hutons estão sempre cheios de pessoas que se reúnem para conversar, cantar, jogar, dançar, fazer ginástica, praticar tai-chi-chuan, caminhar e manter vivas algumas das antigas tradições do país como as danças do leque e da espada."

"O hábito de comer com palitos de madeira os kwazi é outro que gera um pequeno desastre ecológico. Os 1,3 bilhão de chineses utiliza a cada ano 45 bilhões de pares de kwazi descartáveis. Para produzi-los, derrubam-se 25 milhões de árvores - quantidade equivalente ao total plantado pela ONG norte-americana American Forest desde 1990 nos Estados Unidos e no restante do mundo".

"Os chineses que hoje consideram o enriquecer glorioso corriam o risco de morrer ou serem enviados a campos de trabalho forçado se mostrassem qualquer gesto de sofisticação pequeno-burguesa durante a revolução Cultural"... "Hoje, substituíram a ideologia comunista pela consumista e os novos emergentes trocaram a vida de privações pela exibição irrestrita da riqueza."

Em 1978, onze anos antes da queda do Muro de Berlim, a China abriu-se para o mundo, dando início a uma fase de crescimento formidável. Hoje há dezenas de bilionários na China, com forte presença no mercado de luxo internacional, de jatos particulares às grandes marcas como Cartier, Rolex, Ferrari ou Louis Vuitton. E seu número aumenta a cada ano. "O enriquecer é glorioso, mas é preciso deixar que algumas pessoas enriqueçam antes das outras", slogan criado por Deng Xiaoping, tornou-se o mantra dessa transformação chinesa.

Não se pode viver todas as vidas; temos que nos valer do que experiência dos outros nos ensina: Depois de décadas de empobrecimento e repressão violenta de todas as liberdades, a China se viu na contingência de abandonar seus ideais de igualdade e materialismo impostos pelo Estado. O povo retornou com gana a suas tradições e crenças religiosas. O amor ao jogo, ao luxo, a competição, as superstições, todos os seus vícios e virtudes ressurgiram vivos, inexpugnáveis a décadas de "Revolução Cultural".

Com a adesão chinesa, o capitalismo se globalizou. E suas falhas e limites tornaram-se evidentes. Em termos globais o que vemos nos assombra: concentração extrema da riqueza, desperdício, indiferença, guerras, pobreza, exploração predatória de pessoas e recursos do planeta. "Quando a maré sobe, levanta todos os barcos", dizia Kennedy. "Primeiro é preciso deixar o bolo crescer pra depois distribuí-lo", dizia um czar da economia brasileira, em tempos de "milagre". Os fatos não confirmam essas crenças.

E isso nos remete a outro livro, O Capital no Século 21, do economista francês Thomas Piketty. O autor e sua equipe de economistas analisam o capitalismo, com objetividade, ignorando a bitola mental direita/esquerda.

"Os mercados não tem mecanismos de auto-correção", diz o economista, "sem controle, um pequeno número de capitalistas vai ser dono de praticamente tudo, com consequências sociais potencialmente assustadoras". Isso é evidente, mas parece que o óbvio também precisa ser declarado.

"Com a globalizaçao o capital está fora do controle de qualquer país, inclusive dos Estados Unidos. Se um país impuser restrições ao capital, ele se move rapidamente para outros paradeiros".

O caminho seria um capitalismo sob rédeas, diz Piketty. Deixado por conta própria, sua lógica interna, ao invés da igualdade, promoveria o inverso, ameaçando inclusive a democracia.

Esse controle só funcionará ser for feito em nível mundial. Todas as nações teriam que se comprometer; não poderia haver paraíso fiscal, contas secretas, esses mecanismos que tanto interessam a uns poucos que acumulam fortunas e patrimônios gigantescos.

Uma utopia, e também uma direção. Com os chineses no barco, o capitalismo em expansão, com todos os males do consumismo supérfluo e da produção predadora, que ignora o custo ambiental e humano, estudos e propostas como os de Piketty se tornam mais relevantes.


Marilia Mota Silva
Washington, 30/7/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
02. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
03. A futebolização da política de Luís Fernando Amâncio
04. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
05. Fazer conta de cabeça e a calculadora de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CRISE DAS IDÉIAS / O CORPO / INTERPRETAÇÃO DO ANALISTA
ANGÉLICA -PSICANÁLISE & CIA
TAURUS
R$ 9,00



IRMANDADE DA ADAGA NEGRA, VOL. 10 - AMANTE RENASCIDO - 1ª EDIÇÃO
J. R. WARD
DIGERATI
(2012)
R$ 40,95



UM AMOR TÃO RARO
KATHLEEN E. WOODIWISS
RECORD
(1994)
R$ 160,00



OFELIA E AS DELICIAS DA COZINHA LIGHT
OFÉLIA RAMOS ANUNCIATO
MELHORAMENTOS
(1992)
R$ 6,90



O PROFESSOR DE ZURIQUE
M. B. TAMASSÍA
LAKE
(1991)
R$ 10,86



SUBSOLO INFINITO
NELSON DE OLIVERIRA
COMPANHIA DA LETRAS
(2000)
R$ 15,83



PROGRAMMING MICROSOFT® ASP.NET 2.0 CORE REFERENCE DEVELOPER
DINO ESPOSITO
MICROSOFT PRESS
(2005)
R$ 97,00



AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS DO MUNDO
ANTHONY BURGESS
RECORD
(1982)
R$ 12,00



SELETA EM PROSA E VERSO
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1987)
R$ 6,90



TERRA DA MORTE
JACK ADRIAN
NOVA CULTURAL
(1988)
R$ 5,00





busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês