O Enriquecer é Glorioso! | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carma & darma
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> Ensaio autobiográfico, de Jorge Luis Borges
>>> O código dos gênios
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Para você estar passando adiante
>>> Blogs roubam audiência
>>> O enigma da 21ª letra
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
Mais Recentes
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Saudável aos 100 Anos de John Robbins pela Fontanar (2009)
>>> Chico Buarque Letra e Música - 2 Volumes de Chico Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1989)
>>> Songbook Caetano Veloso - Vol. 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Songbook Bossa Nova - Vol. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Médio Dicionário Aurélio de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira pela Nova Fronteira (1980)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1982)
>>> Dolce Casa - Manuale Di Sopravvivenza Domestica de Grazia Dominici pela La Spiga (1984)
>>> Meu Mundo Caiu. a Bossa e a Fossa de Maysa. a Bossa e a Fossa de Maysa de Eduardo Logullo pela Novo Século (2007)
>>> Haroldo Costa de Vários Autores pela Rio (2003)
>>> Cancioneiro Popular Português e Brasileiro de Nuno Ctharino Cardoso pela Portugal-brasil Ltda (1921)
>>> Retratos - Dadá Cardoso de Dada Cardoso pela Avatar (1999)
>>> A Informação no Rádio de Gisela Swetlana Ortriwano pela Summus Editorial (1985)
>>> Yes, nos Temos Bananas - História e Receitas de Heloisa de Freitas Valle; Márcia Masca pela Senac São Paulo (2003)
>>> Manual de Modelismo de Albert Jackson; David Day pela Hermann Blume (1981)
>>> Madeira-mamoré. Patrimônio da Humanidade de Hércules Góes pela Ecoturismo (2005)
>>> Uma História de Agendas de João Rothschild pela Ernesto Rothschild (1990)
>>> Estética. La Cuestion del Arte de Elena Oliveras pela Aemecé (2007)
>>> Conheça o Pantanal de Nicia Wendel de Magalhães pela Terragraph (1992)
>>> Corpo de Baile de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1956)
>>> Línguas de Fogo. Ensaio Sobre Clarice Lispector de Claire Varin pela Limiar (2002)
>>> Pedagogia Diferemciada : das Intenções à Ação de Philippe Perrenoud pela Artmed (2000)
>>> Um General na Biblioteca de Italo Calvino pela Companhia das Letras (2007)
>>> Linéia no Jardim de Monet de Christina Bjork; Llena Anderson pela Salamandra (1992)
>>> Fausto de Goethe pela Itatiaia (1997)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/7/2014
O Enriquecer é Glorioso!
Marilia Mota Silva

+ de 3000 Acessos

Passando pela Dutra, na altura de Taubaté, o taxista fez um gesto largo na direção das terras à margem da rodovia e disse: "Os chineses compraram tudo isso aí. Diz que vão fazer uma cidade inteira".

Não sei se a informação tem fundamento, mas é evidente que a presença chinesa se espraia pelo mundo com uma fluidez irresistível.

Eles são um bilhão e 370 milhões, mesmo depois de décadas de controle da natalidade, que permitia apenas um filho por casal. Só esse quebradinho, 370 milhões, dá um Brasil e meio, quase dois. É um quinto da população do mundo que, para o bem e para o mal, abraça o capitalismo e o consumo, com a sofreguidão de quem passou décadas sob um regime de frugalidade imposta.

A China hoje tem interesses no mundo inteiro: Detém valores astronômicos em títulos do tesouro americano, o que faz deles mais parceiros que credores. É de seu interesse que os títulos não se depreciem. Investe na África, constrói estradas, pontes, hospitais, obras de infraestrutura. Tem estreitas ligações com a Rússia. Ocupam o Tibet, disputam com o Japão a soberania sobre pequenas ilhas.

Não por acaso, nos Estados Unidos, muitas escolas públicas oferecem aulas de mandarim, desde o jardim-de-infância. As crianças se familiarizam com ideogramas, festejam o ano novo em fevereiro, dançam com sombrinhas e quimonos, constroem dragões e lanternas de papel. Mais do que o idioma, eles aprendem sobre a cultura, valores e tradições chinesas.

Foi-se o tempo da China isolada; foi-se o tempo em que os imigrantes chineses se agrupavam em chinatowns nas grandes cidades do mundo e resumiam sua presença a restaurantes e lavanderias.

Quem quiser ter uma ideia bem fundamentada da trajetória chinesa, passado, presente e desafios do futuro, a leitura de Os Chineses (Editora Contexto, 2009), da jornalista Cláudia Trevisan, atende com louvor. Em 320 páginas a autora nos apresenta um painel amplo e detalhado da história do povo chinês, seus valores e crenças, a influência milenar de Confúcio em sua concepção do mundo; descreve suas dinastias, a burocracia dos mandarins, fala do tumultuado século XX, de Mao Tsé-Tung e da Revolução Cultural, até os dias de hoje, em que a China pratica essa combinação inusitada de governo comunista com economia de mercado; de capitalismo sem democracia.

É jornalismo, história, reflexão, em um texto ágil, vivo e colorido, que se lê direto, como um bom romance. Copio três parágrafos, como exemplos:

"Mas talvez o mais extraordinário seja o fato de que os chineses não se parecem em nada com a imagem que nós temos de uma suposta placidez, silêncio e contenção orientais. Eles são tão ou mais ruidosos que os brasileiros, manifestam sua curiosidade sem restrições, adoram dançar e cantar, são extremamente gregários, tem paixão pelo jogo e devoção pela boa comida. Até os funerais são barulhentos, com música e fotos de artifício para espantar os maus espíritos. A vida no país não ocorre entre quatro paredes, mas ao ar livre. Praças, calçadas, os hutons estão sempre cheios de pessoas que se reúnem para conversar, cantar, jogar, dançar, fazer ginástica, praticar tai-chi-chuan, caminhar e manter vivas algumas das antigas tradições do país como as danças do leque e da espada."

"O hábito de comer com palitos de madeira os kwazi é outro que gera um pequeno desastre ecológico. Os 1,3 bilhão de chineses utiliza a cada ano 45 bilhões de pares de kwazi descartáveis. Para produzi-los, derrubam-se 25 milhões de árvores - quantidade equivalente ao total plantado pela ONG norte-americana American Forest desde 1990 nos Estados Unidos e no restante do mundo".

"Os chineses que hoje consideram o enriquecer glorioso corriam o risco de morrer ou serem enviados a campos de trabalho forçado se mostrassem qualquer gesto de sofisticação pequeno-burguesa durante a revolução Cultural"... "Hoje, substituíram a ideologia comunista pela consumista e os novos emergentes trocaram a vida de privações pela exibição irrestrita da riqueza."

Em 1978, onze anos antes da queda do Muro de Berlim, a China abriu-se para o mundo, dando início a uma fase de crescimento formidável. Hoje há dezenas de bilionários na China, com forte presença no mercado de luxo internacional, de jatos particulares às grandes marcas como Cartier, Rolex, Ferrari ou Louis Vuitton. E seu número aumenta a cada ano. "O enriquecer é glorioso, mas é preciso deixar que algumas pessoas enriqueçam antes das outras", slogan criado por Deng Xiaoping, tornou-se o mantra dessa transformação chinesa.

Não se pode viver todas as vidas; temos que nos valer do que experiência dos outros nos ensina: Depois de décadas de empobrecimento e repressão violenta de todas as liberdades, a China se viu na contingência de abandonar seus ideais de igualdade e materialismo impostos pelo Estado. O povo retornou com gana a suas tradições e crenças religiosas. O amor ao jogo, ao luxo, a competição, as superstições, todos os seus vícios e virtudes ressurgiram vivos, inexpugnáveis a décadas de "Revolução Cultural".

Com a adesão chinesa, o capitalismo se globalizou. E suas falhas e limites tornaram-se evidentes. Em termos globais o que vemos nos assombra: concentração extrema da riqueza, desperdício, indiferença, guerras, pobreza, exploração predatória de pessoas e recursos do planeta. "Quando a maré sobe, levanta todos os barcos", dizia Kennedy. "Primeiro é preciso deixar o bolo crescer pra depois distribuí-lo", dizia um czar da economia brasileira, em tempos de "milagre". Os fatos não confirmam essas crenças.

E isso nos remete a outro livro, O Capital no Século 21, do economista francês Thomas Piketty. O autor e sua equipe de economistas analisam o capitalismo, com objetividade, ignorando a bitola mental direita/esquerda.

"Os mercados não tem mecanismos de auto-correção", diz o economista, "sem controle, um pequeno número de capitalistas vai ser dono de praticamente tudo, com consequências sociais potencialmente assustadoras". Isso é evidente, mas parece que o óbvio também precisa ser declarado.

"Com a globalizaçao o capital está fora do controle de qualquer país, inclusive dos Estados Unidos. Se um país impuser restrições ao capital, ele se move rapidamente para outros paradeiros".

O caminho seria um capitalismo sob rédeas, diz Piketty. Deixado por conta própria, sua lógica interna, ao invés da igualdade, promoveria o inverso, ameaçando inclusive a democracia.

Esse controle só funcionará ser for feito em nível mundial. Todas as nações teriam que se comprometer; não poderia haver paraíso fiscal, contas secretas, esses mecanismos que tanto interessam a uns poucos que acumulam fortunas e patrimônios gigantescos.

Uma utopia, e também uma direção. Com os chineses no barco, o capitalismo em expansão, com todos os males do consumismo supérfluo e da produção predadora, que ignora o custo ambiental e humano, estudos e propostas como os de Piketty se tornam mais relevantes.


Marilia Mota Silva
Washington, 30/7/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pomba gíria de Ana Elisa Ribeiro
02. A utopia das paredes de vidro de Carla Ceres
03. O Marceneiro e o Poeta de Yuri Vieira
04. Big Brother da Palmada de Daniel Bushatsky
05. Jornalismo literário no SindJor de Tais Laporta


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Vinte Anos da Constituição Federal
Camila Paula de Barros Gomes e Outros
Boreal
(2008)



A Margem Dum Soneto / o Resto é Perfume
Florbela Espanca
7 Letras
(2008)



Cantare Estórias
José Alaercio Zamuner
Pêiarte
(2011)



Comunicação - Discursos, Práticas e Tendências
Antonio Barros e Outros
Rideel
(2001)



Informação a um Desconhecido
Rejane Machado
Litteris (rj)
(2000)



O Incrível Roubo da Loteca - 11ª Edição
Stella Carr
Moderna
(1994)



Aquarella do Brasil: Ensaios Políticos e Econômicos Sobre o Gover
Maria da Conceição Tavares
Rio Fundo
(1990)



La Supremacia de Dios
Ilon Lawson
Talleres
(1988)



Magistratura do Trabalho: Sentenças de Concursos Resolvidas
Otavio Calvet (2ª Edição)
Elsevier
(2005)



Maternidade e Paternidade - Volume Dois
Maria Tereza P. Maldonado
Vozes (petrópolis Rj)
(1989)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês