O Enriquecer é Glorioso! | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Instituto Vox realiza debate aberto sobre o livro O Discurso da Estupidez'
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> 101 Segredos de Medicina Natural de Peron Autret pela Europa America (1975)
>>> 10 Anos Con Mafalda de Quino pela Lumen (1973)
>>> Globo Rural--Ele faz a terra dar de tudo de Editora globo pela Globo (1989)
>>> Lady gaga de Brandon hurst pela Madras (2010)
>>> Orientaçoes curriculares para o ensino medio--1--linguagens,codigos e tecnologias. de Mec pela Mec
>>> Vida silvestre:o estreito limiar entre preservaçao e destruiçao. de Coordenadora angela maria branco pela Dupligrafica (2007)
>>> Grandes imperios e civilizaçoes--frança--volumes:1 e 2. de Delprado pela Delprado
>>> Cerrado e pantanal--areas e açoes prioritarias para conservaçao da biodiversidade. de Ministerio do meio ambiente pela Mma (2007)
>>> Contabilidade - Escola de Administração Fazendária - ESAF de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2014)
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/7/2014
O Enriquecer é Glorioso!
Marilia Mota Silva

+ de 2700 Acessos

Passando pela Dutra, na altura de Taubaté, o taxista fez um gesto largo na direção das terras à margem da rodovia e disse: "Os chineses compraram tudo isso aí. Diz que vão fazer uma cidade inteira".

Não sei se a informação tem fundamento, mas é evidente que a presença chinesa se espraia pelo mundo com uma fluidez irresistível.

Eles são um bilhão e 370 milhões, mesmo depois de décadas de controle da natalidade, que permitia apenas um filho por casal. Só esse quebradinho, 370 milhões, dá um Brasil e meio, quase dois. É um quinto da população do mundo que, para o bem e para o mal, abraça o capitalismo e o consumo, com a sofreguidão de quem passou décadas sob um regime de frugalidade imposta.

A China hoje tem interesses no mundo inteiro: Detém valores astronômicos em títulos do tesouro americano, o que faz deles mais parceiros que credores. É de seu interesse que os títulos não se depreciem. Investe na África, constrói estradas, pontes, hospitais, obras de infraestrutura. Tem estreitas ligações com a Rússia. Ocupam o Tibet, disputam com o Japão a soberania sobre pequenas ilhas.

Não por acaso, nos Estados Unidos, muitas escolas públicas oferecem aulas de mandarim, desde o jardim-de-infância. As crianças se familiarizam com ideogramas, festejam o ano novo em fevereiro, dançam com sombrinhas e quimonos, constroem dragões e lanternas de papel. Mais do que o idioma, eles aprendem sobre a cultura, valores e tradições chinesas.

Foi-se o tempo da China isolada; foi-se o tempo em que os imigrantes chineses se agrupavam em chinatowns nas grandes cidades do mundo e resumiam sua presença a restaurantes e lavanderias.

Quem quiser ter uma ideia bem fundamentada da trajetória chinesa, passado, presente e desafios do futuro, a leitura de Os Chineses (Editora Contexto, 2009), da jornalista Cláudia Trevisan, atende com louvor. Em 320 páginas a autora nos apresenta um painel amplo e detalhado da história do povo chinês, seus valores e crenças, a influência milenar de Confúcio em sua concepção do mundo; descreve suas dinastias, a burocracia dos mandarins, fala do tumultuado século XX, de Mao Tsé-Tung e da Revolução Cultural, até os dias de hoje, em que a China pratica essa combinação inusitada de governo comunista com economia de mercado; de capitalismo sem democracia.

É jornalismo, história, reflexão, em um texto ágil, vivo e colorido, que se lê direto, como um bom romance. Copio três parágrafos, como exemplos:

"Mas talvez o mais extraordinário seja o fato de que os chineses não se parecem em nada com a imagem que nós temos de uma suposta placidez, silêncio e contenção orientais. Eles são tão ou mais ruidosos que os brasileiros, manifestam sua curiosidade sem restrições, adoram dançar e cantar, são extremamente gregários, tem paixão pelo jogo e devoção pela boa comida. Até os funerais são barulhentos, com música e fotos de artifício para espantar os maus espíritos. A vida no país não ocorre entre quatro paredes, mas ao ar livre. Praças, calçadas, os hutons estão sempre cheios de pessoas que se reúnem para conversar, cantar, jogar, dançar, fazer ginástica, praticar tai-chi-chuan, caminhar e manter vivas algumas das antigas tradições do país como as danças do leque e da espada."

"O hábito de comer com palitos de madeira os kwazi é outro que gera um pequeno desastre ecológico. Os 1,3 bilhão de chineses utiliza a cada ano 45 bilhões de pares de kwazi descartáveis. Para produzi-los, derrubam-se 25 milhões de árvores - quantidade equivalente ao total plantado pela ONG norte-americana American Forest desde 1990 nos Estados Unidos e no restante do mundo".

"Os chineses que hoje consideram o enriquecer glorioso corriam o risco de morrer ou serem enviados a campos de trabalho forçado se mostrassem qualquer gesto de sofisticação pequeno-burguesa durante a revolução Cultural"... "Hoje, substituíram a ideologia comunista pela consumista e os novos emergentes trocaram a vida de privações pela exibição irrestrita da riqueza."

Em 1978, onze anos antes da queda do Muro de Berlim, a China abriu-se para o mundo, dando início a uma fase de crescimento formidável. Hoje há dezenas de bilionários na China, com forte presença no mercado de luxo internacional, de jatos particulares às grandes marcas como Cartier, Rolex, Ferrari ou Louis Vuitton. E seu número aumenta a cada ano. "O enriquecer é glorioso, mas é preciso deixar que algumas pessoas enriqueçam antes das outras", slogan criado por Deng Xiaoping, tornou-se o mantra dessa transformação chinesa.

Não se pode viver todas as vidas; temos que nos valer do que experiência dos outros nos ensina: Depois de décadas de empobrecimento e repressão violenta de todas as liberdades, a China se viu na contingência de abandonar seus ideais de igualdade e materialismo impostos pelo Estado. O povo retornou com gana a suas tradições e crenças religiosas. O amor ao jogo, ao luxo, a competição, as superstições, todos os seus vícios e virtudes ressurgiram vivos, inexpugnáveis a décadas de "Revolução Cultural".

Com a adesão chinesa, o capitalismo se globalizou. E suas falhas e limites tornaram-se evidentes. Em termos globais o que vemos nos assombra: concentração extrema da riqueza, desperdício, indiferença, guerras, pobreza, exploração predatória de pessoas e recursos do planeta. "Quando a maré sobe, levanta todos os barcos", dizia Kennedy. "Primeiro é preciso deixar o bolo crescer pra depois distribuí-lo", dizia um czar da economia brasileira, em tempos de "milagre". Os fatos não confirmam essas crenças.

E isso nos remete a outro livro, O Capital no Século 21, do economista francês Thomas Piketty. O autor e sua equipe de economistas analisam o capitalismo, com objetividade, ignorando a bitola mental direita/esquerda.

"Os mercados não tem mecanismos de auto-correção", diz o economista, "sem controle, um pequeno número de capitalistas vai ser dono de praticamente tudo, com consequências sociais potencialmente assustadoras". Isso é evidente, mas parece que o óbvio também precisa ser declarado.

"Com a globalizaçao o capital está fora do controle de qualquer país, inclusive dos Estados Unidos. Se um país impuser restrições ao capital, ele se move rapidamente para outros paradeiros".

O caminho seria um capitalismo sob rédeas, diz Piketty. Deixado por conta própria, sua lógica interna, ao invés da igualdade, promoveria o inverso, ameaçando inclusive a democracia.

Esse controle só funcionará ser for feito em nível mundial. Todas as nações teriam que se comprometer; não poderia haver paraíso fiscal, contas secretas, esses mecanismos que tanto interessam a uns poucos que acumulam fortunas e patrimônios gigantescos.

Uma utopia, e também uma direção. Com os chineses no barco, o capitalismo em expansão, com todos os males do consumismo supérfluo e da produção predadora, que ignora o custo ambiental e humano, estudos e propostas como os de Piketty se tornam mais relevantes.


Marilia Mota Silva
Washington, 30/7/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entre livros e Moleskines de Marta Barcellos
02. Porque ela pode, de Bridie Clark de Rafael Rodrigues
03. Surf em cima do muro de André Pires


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ECONOMIA E MERCADOS - INTRODUÇÃO À ECONOMIA E AO MARKETING
SÉRGIO GUIMARÃES
ÁTICA
(1991)
R$ 15,00



LÓGICA APLICADA À ADVOCACIA - TÉCNICA DE PERSUASÃO - 9420
EDMUNDO DANTÈS NASCIMENTO
SARAIVA
(1981)
R$ 11,00



RETRATO EM BRANCO E NEGRO
LILIA MORITZ SCHWARCZ
COMPANHIA DAS LETRAS
(2010)
R$ 75,00



GUIA VISUAL BRASIL
FOLHA DE S. PAULO
FOLHA
R$ 26,00



OLIVEIRA MARTINS A HISTÓRIA COMO TRAGÉDIA
CARMO SALAZAR PONTE
IMPRENSA NACIONAL
(1998)
R$ 33,49



ACCUEILLIR LA MORT: QUESTIONS ET REPONSES SUR LA MORT ET LES MOUR
ELISABETH KÜBLER-ROSS
EDITIONS DU ROCHER
(1998)
R$ 42,82



LOUIS XIV
HUBERT MÉTHIVIER
PUF
(1950)
R$ 31,28



VILA DOS CONFINS - VOLUME 7
MÁRIO PALMÉRIO
TRÊS
(1974)
R$ 7,56



SEDUÇÃO. UMA ESTRADA DE MÃO DUPLA
EDUARDO NUNES
NOVO SECULO
(2000)
R$ 6,90



O MONGE DO ANDAR DE BAIXO
TIM FARRINGTON
BEST SELLER
(2007)
R$ 8,00





busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês