Para você que escreve e tem mais ou menos 30 anos | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
>>> Quem Resenha as Resenhas de Som?
>>> Um Lobo nada bobo
>>> MUQUIFU
Mais Recentes
>>> A Lei de Murph e os Médicos de Arthur Bloch pela Record
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos de Rubem Fonseca pela Circulo do Livro
>>> Uma Criatura Dócil de Fiodor Dostoiésvki pela Via Lettera (2017)
>>> Confissoes de uma Banda, V. 2 de Nina Malkin; Rodrigo Abreu pela Galera Record (2008)
>>> Decamerão (capa Dura) de Giovanni Boccaccio pela Abril (1970)
>>> A Freira Sangrenta do Mosteiro de Santa Catarina de T. I. Horsley Curties (publicado Anonimamente) pela Sebo Clepsidra (2021)
>>> A Interpretação dos Sonhos - Volume 1 de Sigmund Freud pela L&pm Pocket (2020)
>>> Leniza & Elis de Ariovaldo José Vidal e Joaquim Alves de Aguiar pela Ateliê (2002)
>>> Expressionismo Alemão: Coleção Von Der Heydt Museum Wuppertal de Rejane Cintrão; Outros pela Mam / Inst. Goethe (2000)
>>> Os Presidentes - Afonso Pena de Hélio Silva pela Grupo de Comunicação Três (1983)
>>> Paisagens e Problemas do Brasil de Manuel Correia de Andrade pela Brasiliense (1973)
>>> Letture Di Religione de Giuseppe Fanciulli pela Nd Ed. (1935)
>>> Viva Como Você Quer Viver de Eduardo Shinyashiki pela Gente (2004)
>>> O Exército de um Homem Só de Moacyr Scliar pela L&pm Pocket (2019)
>>> Ética e Marketing Social de Alan R. Andreasen pela Futura (2002)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Circulo do Livro
>>> Across the Universe de Beth Revis pela Razor Bill (2012)
>>> Plastic Jesus de Poppy Z. Brite pela Conrad (2002)
>>> O Grande Gatsby de F. Scott Fitzgerald; Alice Klesck pela Folha (2003)
>>> Processo Administrativo no Ambito da Administraçao de Arnaldo Esteves Lima pela Forense Universitari (2005)
>>> Guia Passo a Passo - Vinhedos e Vinhos da França de Gallimard pela Publifolha (2005)
>>> Mitologia Lovecraftiana: a Totalidade pelo Horror de Caio Bezarias pela Sebo Clepsidra (2021)
>>> Quando foi a Última Vez Que Seu Filho Disse: Eu Te Amo de Adalgisa Giannella pela Qualitymark (2012)
>>> O Mundo de Rosinha de Myrian Apparecida B. de Carvalho pela Nativa (1999)
>>> Violência e Segurança Pública de Fabio de Sá e Silva pela Perseu Abramo (2014)
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Terça-feira, 23/5/2006
Para você que escreve e tem mais ou menos 30 anos
Marcelo Spalding

+ de 4600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Você participa de uma oficina literária, arrisca escrever e divulgar alguns contos, publica um ou dois livros individuais no seu Estado, começa a ser comentado, lido e procurado para comentar e ler, entra numa associação de escritores, conhece outros escritores, tudo isso e você tem menos de 30 anos. De repente, alguém lhe pergunta: você é um destes escritores da nova geração, a geração 2000, a geração do computador? Você, indeciso, balança a cabeça. Sim, claro que sou, afinal sou jovem e escrevo. Aí, lembra da galera que por algum motivo ganhou a fama de ser precursora da tal nova geração. E recua, balança a cabeça noutro sentido: não, claro que não, minha temática é outra, minha ideologia é outra, enfim, não sou como aquela turma e...

Rótulos. Simplificações. Preconceitos.

Você se arma com estas três palavras para refutar a idéia de que todo autor jovem, com mais ou menos 30 anos, precisa ser parte integrante de uma geração una e de características determinadas, quais sejam escrever sem grande preocupação estilística (mas ainda assim escrever bem), ter começado a publicar pela internet, abusar de vez em quando de palavrões e cenas de sexo (sexo pesado, de preferência), criar uma história fragmentada, preferencialmente com um narrador confuso, e, acima de tudo, ser visual, o mais visual possível se você quer um dia parar nas telas da televisão.

* * *

Não é de hoje a briga entre escritores e periodizações literárias. Machado de Assis não via futuro no realismo, Monteiro Lobato era inimigo declarado dos modernistas, o pai do minimalismo norte-americano que gerou a micronarrativa, Raymond Carver, detestava o adjetivo minimalista, Lya Luft não admite que chamem seu Perdas e Ganhos de auto-ajuda e assim por diante. O fato é que os escritores precisam simplesmente escrever, não cabe a eles escolher de que forma desejam ser lembrados, entendidos e citados, muito menos se devem ou não ser citados. Isso fica a cargo do...

E aí temos o primeiro traço característico da Geração 2000: não são mais os críticos, os escritores tarimbados, os concursos literários nem mesmo os editores que decidem quem merece destaque, é a mídia. Pierre Bourdieu, em uma conferência transformada em livro, Sobre a Televisão, já alertava que a mídia tinha o poder de destacar personalidades dentro de qualquer campo ainda que a personalidade destacada não fosse referência para os especialistas no assunto. Um exemplo? Quem é hoje o melhor médico do Brasil? Pergunte para qualquer pessoa na rua, naturalmente pessoas que não entendam de medicina, e aposto que dirão ser Dráuzio Varela. Mas será que ele mesmo se considera o melhor médico do Brasil? Provavelmente não, no máximo pode se considerar o melhor em sua especialidade. Assim como Roberto Justus não teria autoridade para dar megapalestras não tivesse se transformado em um showman. Idem o Beto Carrero.

Particularmente, desconfio de qualquer rótulo e vou além: quando falamos de contemporaneidade, definir rótulos e tendências é criminoso. Se admitirmos que exista uma Geração 2000 de escritores, uma geração de novos escritores "saídos da internet e sem papas na língua", estamos negando a possibilidade de um suposto jovem escritor negro publicar um romance sobre a discriminação racial na polícia. Ou, no mínimo, estaremos incentivando a que todos os alunos de oficinas e dos cursos de letras, todos aqueles que ainda compram livros e sonham um dia serem editados pela Companhia das Letras, escrevam como os seus novos ídolos bastante badalados. O que seria um erro, o que a literatura menos precisa é de mais do mesmo.

* * *

Sempre conto que, quando estava no colégio, pensava ser o melhor escritor do mundo. Um pouco por entender quase nada do que fosse bem escrever e muito por não conhecer nada dos contemporâneos. Pensava estarem todos os gênios já mortos, e eu ali dando sopa. Claro que saindo da ilusão burguesa de um colégio particular deparei-me com centenas de jovens como eu, muito mais talentosos, escrevendo e tentando espaço no mercado editorial. Vi que meu conterrâneo Daniel Galera, junto com alguns amigos, entre eles Daniel Pelizzari, chamava a atenção, ganhava capas do nosso famigerado caderno cultural local, vez que outra aparecia na televisão. Tempos depois vi nascer uma estrela instantânea, Letícia Wierzchowski, capaz de levar o Rio Grande do Sul de volta para a Rede Globo. Um ou dois anos mais tarde uma outra escritora, essa eu já conhecia pessoalmente, dava entrevistas no Jô Soares e aparecia na lista dos mais vendidos, Claudia Tajes (e me permitam arriscar alguns nomes, anotem e me cobrem um dia: Cristina Gomes, Ítalo Ogliari e Monique Revillion).

Aos poucos, entendi que a lógica do mercado é essa mesma: rotular, escolher um ou dois ícones do momento e trabalhar incessantemente com eles. Mas o que ainda me surpreende é a pressa, a pressa que temos em achar o novo Pelé em qualquer jogador franzino ou de encontrar um Prêmio Nobel em qualquer jovem barbudo dando os primeiros passos no tortuoso caminho das letras.

* * *

Volto para cima do muro. Daqui a gente observa melhor o movimento das coisas, das gentes. Daqui entendo que muito mais do que definirmos se existe uma literatura própria dos anos 2000, dos novos autores, devíamos pensar por que tanta gente tem publicado tantos livros. Por que tantos jovens têm publicado tantos livros? Estaremos diante de um boom da literatura brasileira, mais ou menos como nos profícuos anos 70, ainda que em novas bases e calcada em novos valores? Ou estaremos apenas reproduzindo e alimentando a indústria cultural televisiva e hoje também digital?

Daqui de cima do muro a gente só faz perguntas, não arrisca respostas. Mas também daqui se consegue constatar uma lógica: você lembra quando alguns lamentavam que o cânone era composto apenas por homens brancos da classe média? E lembra a tristeza com que se constatou algo parecido nos autores de conto dos anos 70? Pois bem, hoje parece que ninguém mais se preocupa com isso. Porque não são mais apenas homens, são homens e mulheres. Mas ninguém mais se preocupa que permaneçam sendo os brancos de classe média (média?) os "escolhidos" do momento.

Talvez porque os que lêem também são apenas estes. Talvez porque as temáticas também não lembrem destes. Talvez porque estejamos com pressa demais para detalhes sociais.

O fato é que mal conseguimos entender e estudar o romance suburbano de Bonassi e Paulo Lins, mal conseguimos aceitar a micronarrativa de Rufatto e Wolff como literárias e já tentamos identificar um novo estilo, uma nova geração, inclusive escolhendo vozes para representá-la em nome de não sei o quê.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 23/5/2006


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/5/2006
15h13min
Se a geração 60/70 de escritores teve a ditadura militar e a bandeira comunista, essa geração que está batendo à nossa porta pede por uma Terceira Guerra. Só lhes restou a queda da "esquerda" (eles se deram conta de que Lula não é Fidel, ainda bem que não!), e tem de se contentar com a internet... Pelo menos, não cheira a álcool. Sinceramente, Ayron de Melo, mais um autor "marginal".
[Leia outros Comentários de ayron de melo]
18/6/2006
03h14min
Querido Marcelo, teria um espacinho aí em cima do muro para que eu pudesse te fazer companhia?
[Leia outros Comentários de Maira Knop]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Robin Hood - Bookworms Starters
John Escott
Oxford University Press
(2001)



Livro - Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter
Mário de Andrade
Itatiaia
(1997)



O Círculo
Dave Eggers
Companhia Das Letras
(2017)



O Primeiro Quadrante
Bartyra Soares; Everaldo M. Veras; Jose N.
Assessoria Editorial do Nordes



The Lost Gate
Orson Scott Card
Tor Books
(2010)



Um Visitante do Futuro
Odete de Godoy
Scor Tecci
(2012)



Look
Thassia Naves
Arte Ensaio
(2014)



Conecte Matemática 2 - 1ª Ed.
Gelson Iezzi
Saraiva
(2011)



Guia Prático da Saúde Familiar
Dr. James F. Fries / Dr. Donald M. Vickery
Alegro
(2005)



Cabul no Inverno
Ann Jones
Novo Conceito
(2011)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês