Game of Thrones, Brasil e Ativismo Social | Guilherme Mendes Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
41460 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Protestos

Sexta-feira, 28/6/2013
Game of Thrones, Brasil e Ativismo Social
Guilherme Mendes Pereira

+ de 4300 Acessos

No penúltimo episódio da terceira temporada de Game of Thrones, (série bem-sucedida e aclamada por legiões de fãs pelo mundo, e que repercute nas redes sociais online) ocorreu uma reviravolta insólita no enredo que chocou a muitos: a morte de alguns dos principais representantes da Casa Stark, até então personagens importantes e carismáticos, chefes políticos que conquistaram a simpatia de muitos. Ao final da última temporada a série parece ter ficado carente de heróis, indo na contramão da tendência ao que geralmente muitos de nós esperamos: desfechos felizes. Como crianças acostumadas com contos de fadas que sempre acabam bem, ou como adultos que usam o consumo, a religião e os vícios como subterfúgios para as incertezas, estamos mal acostumados. Não encaramos as inconcretudes e as complexidades de uma existência que muitas vezes foge da lógica, da emoção e das utopias imaginadas.

Muitos pensadores como Friederich Nietzsche, Martin Heidegger, François Lyotard, Michel Foucault, Jean Baudrillard, Zygmunt Bauman e inúmeros outros trouxeram a ideia de que na contemporaneidade as grandes narrativas totalizantes, os ideais de progresso e perfeição, bem como a crença no estado, na igreja, na razão ou em grandes heróis, parecem estar se desmanchando e cedendo espaço a um volátil ceticismo tecnocientífico (ou seria a um animismo cibertécnológico?), que, de certa forma, têm relativizado preceitos morais e velhas dicotomias. Michel Maffesoli fala em um retorno ao arcaico, aos ímpetos emocionais individuais e de pequenos grupos, o que vai na contramão da racionalidade centralmente e hierarquicamente institucionalizada na modernidade.

Muitos de nós não mais esperam pelas entidades mitológicas, pelos poderosos senhores do estado ou pelos sapientes sacerdotes. Agora a fascinante magia das ferramentas de sociabilização tecnológica e a possibilidade de organização social maquinalmente autorregulada é o que nos anima. Seja a agirmos solitariamente ou a mobilizarmos grupos. Nos termos de Foucault, insurgem as micropolíticas.

A catálise de muitas dessas teses filosóficas e sociológicas podem ser vislumbradas hoje pelos recantos do globo cibermediado. Seja nos embates levados adiante por grupos ciber/hackativistas como as redes Indymedia, WikiLeaks, Anonymous e LulzSec (para citar algumas), seja nas batalhas sociais travadas nos eventos da aclamada Primavera Árabe, ou seja nas manifestações de jovens estudantes nas insurgentes revoltadas que tem pululado no Brasil. Estaríamos vivenciando também o prenúncio de uma "Primavera"?

Bradando através de telas e redes virtuais, e também indo as ruas, parece que agora reavivamos a esperança de que as coisas irão mudar para melhor e de que teremos então condições para criarmos finais ideais.

Na medida em que os jogos de poder parecem tender ao desequilíbrio como constante, vozes abafadas parecem ganhar vigor e clamar por uma virada. Perder repetidamente cansa. Ainda mais quando os vencedores invictos parecem zombetear os perdedores.

Essa virada social que acontece agora no Brasil é extremamente complexa e fluída, cheia de nuances a serem compreendidas. E têm incitando o ato de questionar que parece ter caído em desuso. São uma oportunidade de levar à esfera global outras vozes além das quais estamos acostumados, e de fugir do comodismo especulatório de só reclamar.

Movimentos contraculturais trouxeram várias pequenas mudanças ao longo da história que resultaram em benefícios para muitos a longo prazo. A exemplo os movimentos feministas, os movimentos em prol dos direitos homossexuais e os movimentos ambientalistas.

Choca quando vemos nossos heróis em Game of Thrones sendo trucidados sem mais nem menos. Choca quando vemos a truculência e o desrespeito da força coercitiva do estado ceifando a liberdade e até mesmo violentando civis como nas revoltas aqui no Brasil. E choca quando civis perdem o controle e viram arruaceiros ensandecidos que saem pelas ruas destruindo coisas, a exemplo das minorias que minaram as grandes manifestações da "primavera brasileira". Choques devem incitar sua superação.

Ansiamos por finais felizes e a vitória do "bem" sobre o "mal", seja em histórias ficcionais, seja nos nossos jogos sociais do dia a dia. Muitas vezes ignorando que a factualidade é bem mais complexa do que o que nossos prismas pretendem concatenar.

"Bem" e o "mal" são conceitos morais relativos e se configuram conforme o lado que se assume. Prova maior disso é a existência (quase que simbiótica) de "corruptos" e "honestos" nos cernes de nossas sociedades. Dado que conceitos morais parecem mais funcionar como voláteis conveniências, nossas expectativas acerca de moralidade incorrem em construções discursivas coniventes a contextos e objetivos predeterminados. Como verificaram alguns estudiosos (vide Richard Hoggart, Stuart Hall, Douglas Kellner, dentre outros) a realidade é uma constante batalha pelo direito de significar, pelo direito de voz e de se impor. Um consenso entre todos é improvável, mas o respeito e a maturidade tornam-se mais do que nunca qualidades que precisam ser galgadas por todos.

Como em todo jogo é preciso haver equilíbrios e desequilíbrios. Letargia ou parada presumem a morte, a inexistência. Precisamos lançar inspirações, devaneios e transgressões que instiguem, provoquem, e acalentem embates pacíficos, movimentem valores, ideias e as pessoas. Tendemos assim a nos desenvolvermos em meio às assimetrias, mas ainda dependendo do outro e de sua diferença, que de certa forma nos completa ou ao menos nos instiga. O que parece ser crucial é não deixar a soberania de qualquer um sobrepujar a de outro. A balança precisa estar em movimento a fim de não pender para nenhum extremo em demasia.

Game of Thrones continuará sem alguns de seus heróis e o jogo dos tronos brasileiro parece que não irá cessar tão cedo. Talvez, com essas deixas ficcionais de grande sucesso e esse momento de oportunidades de viradas sociais o qual presenciamos, e que acalentam as discussões na esfera pública, possamos refletir sobre nossas vidas, sobre nossas máximas de finais felizes, vitórias e derrotas, que no fundo, a história tem nos revelado que são o que menos importa.

Nos jogos sociais os quais estamos imersos a todo instante, precisamos constantemente reavivar nossos propósitos e nossas vidas, muitas vezes banalizados e sufocados pelo força constritora das macropolíticas e das pretensas ideologias totalizantes que apregoam como utopias ideais a eterna busca pela sociedade perfeitamente regulada.

Talvez precisemos superar os finais felizes, e a nossa obsessão por ganhadores ou perdedores, por fanatismos direitistas ou esquerdistas.

Os heróis morreram. Que as batalhas continuem a insurgir e que chacoalhem os sistemas, abalem e movimentem nossas opiniões, crenças e ações (pacificamente!). Mudar é preciso. Amadurecer e aprender a respeitar as diferenças sem impor as suas verdades também é necessário. E o desconforto das incertezas movediças, da inexistência de finais felizes, pode nos incitar a isso.


Guilherme Mendes Pereira
São Paulo, 28/6/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
02. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
03. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
04. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
05. O que te move? de Fabio Gomes


Mais Guilherme Mendes Pereira
Mais Especial Protestos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REFORMA EMPRESARIAL DA EDUCACAO=NOVA DIREITA VELHAS IDEIAS
LUIS CARLOS DE FREITAS
EXPRESSAO POPULAR
(2019)
R$ 29,00



QUANDO TUDO VOLTA
JOHN COREY WHALEY; CAROLINA CAIRES COELHO
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 7,00



O HOMEM DA CHUVA
SUSIE MALONEY
ROCCO
(2002)
R$ 20,00



O ADVOGADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
ALBERTO ROLLO /JOÃO F. L. DE CARVALHO / ALEXANDRE L. M. ROLLO
MANOLE
(2003)
R$ 19,00



O FOLCLORE DOS ESTADOS UNIDOS
TRISTRAM COFFIN
CULTRIX
R$ 7,80



JOSÉ E JÓSEF - UMA CONVERSA SEM FIM
PEDRO CELSO UCHÔA CAVALCANTI E RUBEM CÉSAR
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 23,82



A PROFECIA -NOVO THRILLER DA SÉRIE GRAU 26
ANTHONY E. ZUIKER
RECORD
(2011)
R$ 25,00



NUNILA - A MESTIÇA MAIS BONITA DO SERTÃO BRASILEIRO
CARMO BERNARDES - 2ª EDIÇÃO
RECORD
(1984)
R$ 7,00



O REI SE INCLINA E MATA (1ª ED.) - NOVA ORTOGRAFIA
HERTA MÜLLER
GLOBO
(2013)
R$ 37,70



T. S. ELIOT E FERNANDO PESSOA: DIÁLOGOS DE NEW HAVEN
RICARDO DAUNT
LANDY
(2004)
R$ 10,98





busca | avançada
41460 visitas/dia
1,4 milhão/mês