Sabe-tudo dá plantão em boteco paulistano | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Comum como uma tela perfeita
>>> Revista Meio Digital
>>> Do jornalismo como performance
>>> A Nova Revista da Cultura
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Os prédios mais feios de SP
>>> Fup, de Jim Dodge
>>> Harry Potter e eu
Mais Recentes
>>> Coleção História Mundial da Arte - Vol 4-Do Barroco ao Romantismo de Upjohn,Mahler,Wingert pela Editora Difel SA
>>> Coleção História Mundial da Arte - Vol 3- O Renascimento de Upjohn,Mahler,Wingert pela Editora Difel SA
>>> Coleção História Mundial da Arte - Vol 1- Da Pré História à Grécia Antiga de Upjohn,Mahler,Wingert pela Editora Difel SA
>>> HISTÓRIA E TÉCNICA DOS TAPETES DE ARRAIOLOS de Fernando Baptista de Oliveira pela Fundação Calouste Goulbenkian (1991)
>>> História da Pintura Moderna de Herbert Read pela Zahar Editores
>>> Amar se Aprende Amando de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1986)
>>> ENCICLOPÉDIA DE AGULHAS E LINHAS - VOL 2 de JUDY BRITTAIN pela Circulo do Livro S A (1979)
>>> Anjos á mesa de Debbie Macomber pela Novo conceito (2013)
>>> DIMENSÕES OCULTAS de DAN DYCKMAN pela ROCCO (1995)
>>> 3º Grau de James Patterson; Andrew Gross pela Rocco (2010)
>>> DESENHO E SUA TÉCNICA de JOÃO MEDEIROS pela PARMA (1980)
>>> DESENHO E ANATOMIA de VICTOR PERARD pela EDIOURO
>>> CULTURA de ALVORADA pela ALVORADA (1979)
>>> CÓMO DIBUJAR EN PERSPECTIVA de JOSÉ M. PARRAMÓN pela PARRAMÓN (1982)
>>> O Menino e o Bruxo - Infanto Juvenil de Moacyr Scliar pela Atica (2007)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Van Gogh de Editora Três pela Três (1973)
>>> Favela HIgh - Tech de Marco Lacerda pela Scritta (1994)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Sisley de Editora Três pela Três (1973)
>>> Menino Drummoond - Infanto Juvenil de Carlos Drummond de Andrade pela Cia das Letras (2012)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Seurat de Editora Três pela Três (1973)
>>> Cade o Super Heroi ? - Infanto Juvenil de Walcyr Carrasco pela Moderna (2012)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Renoir de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Redon de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Redon de Editora Três pela Três (1973)
>>> And the Mountains - Em Ingles - Literatura de Kahaled Hosseini pela riverhead Books (2013)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Pissarro de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Pissarro de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Monet de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Manet de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Lautrec de Editora Três pela Três (1973)
>>> Contos Peculiares - Literatura Estrangeira de Ranson Riggs pela Intrinseca (2016)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Gaugin de Editora Três pela Três (1973)
>>> A Lei Universal da Atração - Psicologia de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Degas de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Cézanne de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Van Gogh de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Rachel O Mundo Por Escrito -Infanto Juvenil de Tercia Montenegro pela Democrito Rocha (2016)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Toulouse-Lautrec de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Tiepolo de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Ticiano de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Renoir de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Rembrandt de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Rafael de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Piero de la Francesca de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Sonetos de Luís de Camões pela Livraria Tavares Martins (1959)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Picasso de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Mondrian de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Miró de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Michelangelo de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Mantegna de Editora Abril pela Abril (1977)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/7/2008
Sabe-tudo dá plantão em boteco paulistano
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Um verdadeiro ataque de focas. "Foca", no jargão dos jornalistas, é aquele iniciante que ainda tem bastante o que aprender. E dependendo da missão, põe-se um foca na roda, que é para não gastar jornalistas mais experientes. Não sei nada sobre jornalistas e muito menos sobre o que eles aprendem, mas sei que a escrita é uma de suas ferramentas de trabalho. Mais do que ela, a linguagem. Ou deveria ser.

Há quem não acredite que pessoas jovens possam fazer um bom trabalho. Sempre há o que aprender, mesmo quando se é velho e experimentado. Na profissão ou na vida, se não há mais o que fazer, o negócio é morrer. Enquanto não for, a idéia geral é a de que as coisas estão sempre em movimento. Mesmo quando não parece. E em tempos de novas mídias e novos letramentos, o que mais há é gente nova que sabe o que gente mais velha não sabe. Isso não quer dizer que aquele saiba mais do que este, nem vice-versa, nem nada. Quer dizer apenas que as pessoas dominam aspectos diferentes dos saberes e que, independentemente da idade que sustentem, podem aprender umas com as outras. Quem tem filho sabe bem do que estou falando. Se não sabe, precisa saber.

Entre os jornalistas acontece algo que sempre me deixou intrigada. E não tem a ver com saber operar blogs ou não saber nada sobre tecnologias. Isso pouco importa para mim. Interessa mais saber do que o cara é capaz.

Quando dei aula para cursos de Comunicação, ficava impressionada com garotos de 19 anos que sabiam tirar proveito de tudo o que acontecia dentro e fora da universidade. Nas aulas de Oficina de Texto, demonstravam bastante perícia com o objeto que os levaria à profissão. Mas havia, em contraponto, aqueles meninos e meninas que não tinham a menor idéia do que faziam ali, trancafiados naquela sala por horas e horas, tentando conectar o mundo lá fora com o que liam e ouviam. Não era difícil saber quem estava motivado e quem não estava, quem havia escolhido a profissão e quem não sabia sequer o que era escolher.

Alguns daqueles meninos me deixavam curiosa e intrigada. O que estuda um jornalista? Lendo os Parâmetros Curriculares Nacionais para os cursos de Comunicação Social (com habilitação em Jornalismo), descobri uma série de diretrizes que deveriam guiar não apenas os cursos, mas os alunos que porventura quisessem ser jornalistas. Ouvi muito comentário engraçado, muita insinuação de que o jornalista é um cara que sabe pouquíssimo sobre tudo e precisa aprender a fazer parecer que sabe muito sobre alguma coisa. Infinitas discussões sobre o caso das "reservas de mercado", especialmente em Belo Horizonte, onde é obrigatório ter diploma de jornalista para atuar em um jornal (exceto se se tem o rótulo de cronista ou coisa que o valha).

Casei-me com um jornalista que acha que o jornalismo morreu e tem um blog sobre temas ligados à comunicação. Hoje, dou aulas só para engenheiros em formação, futuros profissionais que me parecem bastante sérios no que fazem, ao menos na instituição em que estão. Prefiro mil vezes dar aulas "fora" da minha área do que dentro dela. E ainda fico intrigada com algumas coisas.

Faz pouco, fui a São Paulo para o lançamento de meu livreto de poemas. Muitos amigos, ex-amigos, conhecidos e desconhecidos na mesa, ao meu lado, comendo os mesmos tomates secos. Um deles, imediatamente ao meu lado, é jornalista famoso, desses jovens arrogantes e conhecidos. O máximo para ele era ser carioca e morar em São Paulo. Além do assunto infrutífero (e levado a sério por muitos e infindáveis minutos) sobre se o Rio é mais cosmopolita do que São Paulo e as defesas insustentáveis e absolutamente imbecis sobre sotaques (sendo que o carioquês, claro, é o "correto"), algo me impressionou muito. O moço, sem fazer muito esforço, se arvorava por qualquer assunto que quicasse na mesa, mesmo sem saber quase nada de profundo sobre o objeto do discurso. Parava a bola e não deixava mais ninguém chutar. Vez ou outra, impunha-se dando "carteiradas" com o nome do jornalão em que trabalha (e assina isto e aquilo), outras tantas vezes falava mais alto, só mais alto, para que outros se abafassem atrás do vozeirão. Impressionante como sabia tudo de tudo, quase nada de tudo, com direito até a citações bibliográficas. Mais às tantas da noite, um blogueiro gaúcho juntou-se ao carioca sabichão e passaram os dois a discutir onde entrava o Sul nessa ciranda de cosmopolitismo.

Bem-formado, provavelmente por uma boa escola de Comunicação, experiente (o tanto que os trinta e poucos anos permitem), funcionário de um jornalão dos maiores do país, afirmativo e eloqüente. Bastante impressionante que ainda não se tenha tornado professor, que é o que muitos fazem quando dão o que tinham que dar no mercadão. Nome pra lá, nome pra cá, se dizia morador de Higienópolis, onde não via pobre, nas palavras higiênicas dele. Assinava colunas de política e dizia que o jornalismo de São Paulo não é subserviente a nada, como são outros mercados no país. Meu Deus, até eu que sou de nada, inexperiente e burrinha de tudo, de mãe e pai, sei que neste país não existe imprensa livre, dessas que falam o que deve ser falado. Quem disse isso a ele, meu Deus? Será que vai agüentar o baque?

Tanta gente boa que não pode escrever porque não tem diploma ajustado. Tem de médico, de analista de sistemas, de psicólogo, sabe escrever como poucos, mas está à deriva num blog pouco acessado. À deriva sim, nesta barca biruta que é a internet. O professor Sírio Possenti é que está certo, num texto cético sobre o hipertexto: nossa capacidade de seleção e processamento continua a mesma (cognitivamente), ainda que nos tenham presentado com tanto brinquedo veloz. E há quem pense que processa melhor do que os demais a pouca informação que tem. Jornalista arrogante deveria ser discrepância, mas tem hora que parece redundância. Uma lástima e um desgosto ouvir tanto despropósito naquela mesa de bar. E se eu ao menos tomasse cerveja, talvez a noite parecesse engraçada. Dureza foi ouvir tanta abobrinha completamente sóbria.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 18/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A melhor Flip de Marta Barcellos
02. Assange: efeitos da internet em nosso cotidiano de Humberto Pereira da Silva
03. Sobre os Finais de Franco Fanti
04. Essa São Paulo que ri, essa São Paulo que chora de Elisa Andrade Buzzo
05. O turista motorista de Adriana Baggio


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/7/2008
01h46min
Bastante pertinente o seu artigo. Acredito que haja muita gente com esse perfil no Brasil, com uma certa necessidade de aparecer, de querer mostrar que sabe mais, que e' melhor do que os outros. Numa sociedade onde faltam oportunidades, muitos acabam incorporando o tipo "metido a besta" para poder se sobressair e "esmagar a concorrencia". O problema e' que nao conseguem largar disso. Alguem precisa avisar a esse tipo que ele nao esta' o tempo todo num processo seletivo, numa dinamica de grupo. Ou talvez ele tenha nascido assim mesmo e ai' a cura e' realmente bem dificil. De qualquer modo, do jeito que as coisas caminham para o Jornalismo tradicional, talvez o Doutor Sabichao do seu artigo esteja com os dias contados...
[Leia outros Comentários de Marcio Souza]
20/7/2008
23h40min
Concordo com você, Ana Elisa. Eu, como jornalista de formação, atesto que existem alguns profissionais da área que exageram na manifestação do próprio conhecimento. Além disso, um sujeito preocupado em dizer que a cidade em que vive é cosmopolita pode estar certo em sua avaliação e a cidade a qual se refere pode ter deveras tal qualidade, mas, com certeza, indivíduo que assim se pronuncia irá provar seu provincianismo. Um "homem do mundo" tem pouca inclinação a olhar para o próprio umbigo, uma vez que possui a característica intrínseca de todo o cosmopolita de ser pessoa voltada para fora, de ter sempre um olhar para o outro, pelo natural anseio de querer conhecer a si mesmo. Por cultivar o gosto de ser morador do planeta, aborrece-se em se sentir filho de um só lugar, de uma só cultura e de uma única expressão pessoal, porque encontrar a identidade não é ser reconhecido, mas reconhecer-se.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
26/7/2008
09h57min
Ana Elisa, falar alto é próprio dos surdos ou dos que pretendem fazer-se notar, quando a auréola da mediocridade rebrilha sobre suas cabeças. Não foi diferente com esta "coisa", produzida pela teimosia de freqüentar uma faculdade, no caso, de jornalismo. Um requisito especial para o jornalismo, o talento, não se consegue na graduação, pós, mestrado ou doutorado... Nasce com o indivíduo. Ainda não inventaram um seletor para idenficar quem tem algum ou nenhum dom. Uma pena, pois somos ludibriados pelas máquinas de produzir profissionais disto e daquilo, sem qualquer pudor. Assim o "jornalista" carioca que, pelos menos teve a ventura de ir morar em Sampa, vai delirando em sua "febre intelectual", verberando sandices e "filando a bóia" em coquetéis e cerimônias. Fazer o que, né? Aprendi que: Razão se dá a trouxa. Quando e se encontrar outro desses, insista que ele está certo. E veja que irá embora rapidinho, sem mais incomodar a ninguém.
[Leia outros Comentários de R Almeida]
26/7/2008
13h03min
Olá, Ana Elisa! Pois é... O tipo sabe-tudo, mais do que saber alguma coisa, sabe como ninguém se tornar detestável... E sempre temos que agüentar um e outro desse tipo por aí. Haja paciência...
[Leia outros Comentários de Liz]
27/7/2008
00h46min
Oi, Ana, muito legal o teu texto. Desfrutei um monte! :)
[Leia outros Comentários de Jose Alfredo ]
27/7/2008
17h19min
Sabe-tudo arrogante parece ser um mal de profissionais de comunicação em geral. Pelo menos, a sua descrição serviria direitinho para os publicitários. Sei lá, vai ver é o acesso à quantidade de informação, ou fato de produzir informação, que suba à cabeça dessas pessoas (eu, incluída, porque também faço parte do time). É por isso que, quando vou ensinar redação publicitária, por exemplo, é complicado convencer esses meninos que eles têm o que aprender, que exige algum esforço e que o curso não é só festa. Assim como você, tive experiências acadêmicas muito melhores com cursos que não da minha área. Em Administração, por exemplo, encontrei alunos mais sérios, mais focados e mais comprometidos com o que se dispuseram a estudar na faculdade.
[Leia outros Comentários de Adriana]
27/7/2008
21h51min
Ana (com perdão pela intimidade), sou jornalista, leitor e metido a escritor. "Sem mais chorumelas", só queria perguntar: afinal, e seu livreto de poemas? (Aproveito para informar-lhe que se fosse tão burra assim como se descreveu, não teria escrito crônica tão boa.)
[Leia outros Comentários de Bruno Mourão ]
31/7/2008
09h46min
Ana, como sempre você escreve bem o que pensamos e sentimos. Tenho para mim que esse "sabe-tudo" não sabe nada. Meus professores mais sábios eram também os mais humildes. Uma variação disso: uma amiga me dizia que as pessoas que "precisam" mostrar que são ricas é porque não o são. Quem é rico de verdade, em geral prefere ser mais discreto e essa amiga citava os dizeres de sua avó: "cofrinho vazio, com poucas moedas é que faz barulho".
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
31/7/2008
17h15min
Oi, Ana. Tive uma professora [nos EUA, pra vc ver como esse tipo infeliz é internacional] que cunhou um termo pra descrever esse tipo de gente: "urban provincials", esse cara que acha que falar do calçamento de Ipanema ou da Oscar Freire é ser cosmopolita. Susan Sontag escreveu um texto muito legal sobre Machado de Assis que ela encerra com um comentário certeiro: o moderno, o universal e o cosmopolita são geralmente termos autoconglaturatórios, feitos para que um infeliz sinta-se superior com relação aos outros. Olha, contra a ignorância existe remédio, agora, contra a imbecilidade... Abs, Paulo
[Leia outros Comentários de paulo moreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NO JARDIM DAS COISAS
HUGO HIRIART
GERAÇÃO EDITORIAL
(1994)
R$ 10,00



FILOSOFIA : ENSINO MÉDIO, VOLUME ÚNICO
MARILENA CHAUI
ÁTICA
(2005)
R$ 10,00



DIREITO E JUSTIÇA - VOLUME 30 - ANO XXVI - 2004/2
VÁRIOS AUTORES
EDIPUCRS
(2004)
R$ 10,00



DICIONÁRIO OXFORD ESCOLAR - PARA ESTUDANTES BRASILEIROS DE INGLÊS
OXFORD UNIVERSITY
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2009)
R$ 10,00



FISICA CINEMÁTICA TERMOLOGIA ELETRODINÂMICA ELETROMAGNETISMO LIVRO 1
EDUARDO FIGUEIREDO - COLEÇÃO OBJETIVO LIVRO 1
CERED
R$ 10,00



MENINOS NÃO ENTRAM
MICHELLE ADAMS
MUNDOCRISTÃO
(2010)
R$ 10,00



O CASO DO OLHO DE VIDRO
ERLE STANLEY GARDNER
CIRCULO DO LIVRO
R$ 10,00



ENERGIA SOLAR UTILIZAÇÃO E EMPREGOS PRÁTICOS
EMILIO COMETTA
HEMUS
R$ 10,00



O DEUS DE TODA PROVISÃO
ELIENAI CABRAL
CPAD
(2016)
R$ 10,00



LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE PORTO SEGURO - BAHIA - 3700
CAMARA MUNICIPAL DE PORTO SEGURO
BUREAU
(1990)
R$ 10,00





busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês