Gênios do pau-de-arara e saudosistas da violência | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
COLUNAS >>> Especial 1964-2004

Quarta-feira, 28/4/2004
Gênios do pau-de-arara e saudosistas da violência
Paulo Polzonoff Jr

+ de 5400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Outro dia li alguém dizendo que o golpe de 1964 foi nosso Holocausto. Um exagero que me envergonha profundamente pela burrice nele contida. Não que não seja uma ferida, mas daí a comparar este evento com o que gerou seis milhões de mortos é um longo e estéril caminho. A História do Brasil tem muitos outros eventos importantes (Canudos, Guerra do Paraguai, séculos de escravidão), mais sangrentos, mais violentos e, sobretudo, muito mais determinantes para uma análise da situação atual do País.

Ora, mas por que, então, nos detemos tanto no golpe de 1964? Primeiro porque foi um evento que teve ampla cobertura da imprensa numa época em que a informação começou a chegar em grande quantidade ao maior número de pessoas possível. E também porque o golpe demarcou territórios ideológicos em plena Guerra Fria. O que vemos, lemos e ouvimos sobre 1964 é menos pela importância do evento em si (afinal, o golpe não derramou uma gota de sangue sequer) e mais pela repercussão.

Curioso é perceber que a dicotomia ainda permanece. Esquerda e direita, no Brasil, continuam se digladiando numa guerra caduca. No caso, a herança de 1964 criou dois grupos: o dos gênios-do-pau-de-arara e o dos saudosistas da violência (ou marias-sentinelas, se preferirem).

Há muito tempo venho dizendo que há pessoas que têm de creditar a carreira e a fama aos militares que derrubaram João Goulart. São os chamados gênios-do-pau-de-arara - com todo o respeito. A maioria, aliás, sequer foi torturada. Como em todas as faces da história, o suplício de verdade coube aos peixes menores. Os outros apenas levaram a fama de resistentes. Os gênios-do-pau-de-arara são o cancro da cultura nacional. E eu não acredito na cura.

Não que não tenham sofrido. Uma vez conversei com um amigo meu, jornalista, que nunca usou o fato de ser de esquerda como muleta para o sucesso que, aliás, não surgiu para ele ainda. E o relato que ele fez do medo me impressionou bastante. O jornalista em questão nunca foi preso, jamais foi torturado e tampouco se envolveu em guerrilha urbana. Mesmo assim sentia medo.

Trata-se de violência psicológica e a violência psicológica é, claro, um tipo cruel de violência. Mas penso que também é violência usar da lembrança e, pior, da suposição desta violência para legitimar a manutenção de um discurso artístico conservador.

A cada vez que escuto alguém dizer que o livro ou a música ou a peça é boa porque, afinal, eu lutei contra os militares, eu fui da resistência, eu lutei pela democracia, etc., sinto calafrios. Porque prevejo, com um índice de acerto que beira os 100%, que ali há mediocridade em estado puro.

Os gênios-do-pau-de-arara infestam nossa literatura, nossos cinema, nossa dramaturgia e nossa música. E o pior é que há sempre alguém para dizer que o golpe de 1964 foi nosso Holocausto e, assim, conferir uma dimensão trágica que o evento simplesmente não teve. Foi, no máximo, um arranhão, dos tantos que a história da América Latina já viu. Mas não tem nada a ver com fratura exposta, não, senhor. Ademais, é sempre uma boa desculpa para vender livros, músicas e bilhetes para filmes capengas.

O golpe não é, nem de longe, nosso Holocausto. Mas, por outro lado, denuncia nossa necessidade de ter algo semelhante. É mais um sintoma de nosso complexo de inferioridade - como se isso fosse possível.

Por outro lado, o que se vê surgir nos 40 anos do golpe de 1964 são os saudosistas da violência. Trata-se de gente nova, que nasceu já durante a abertura, entre 1976 e 1986. Cresceram, portanto, num país em recessão permanente, conviveram com um sem-número de trocas de moedas e viram o país mergulhar, nos últimos anos, num verdadeiro caos instalado em nome da democracia. É gente órfã de autoridade, sebastianistas em último grau, que sentem uma saudade danada da farda que mandava e desmandava sem ter de dar satisfação.

Eu tinha tudo para ser um destes saudosistas. Porque cresci num ambiente que exaltava as conquistas dos militares: a baixa inflação, o pleno emprego, o crescimento milagrosos e até as conquistas do futebol. Tudo isso em contraposição à baderna de agora, quando os subversivos de antanho alcançaram o poder. Mas não sou. Até porque odeio dicotomias.

O que mais me assusta é notar que os gênios-do-pau-de-arara estão envelhecendo e morrendo junto com seus exageros de falso heroísmo, enquanto os saudosistas da violência estão aumentando e rejuvenescendo, sob as ordens de um homem que em tudo é semelhante ao camarada Mao ou ao camarada Stálin - ainda que negue isso terminantemente, sob a batina de um padre qualquer. O nome do diabo eu não o transcrevo, até porque a ausência é uma de suas principais características.

Interessante é notar que ambos são lados de uma mesma moeda, porque ambos são canibais de um evento histórico supervalorizado. Os gênios-do-pau-de-arara estão até hoje à procura de um herói que jamais existiu; mais do que isso, vasculham a tal da alma nacional em busca de algo que legitime a resistência daquela época, pela qual pereceram (ou dizer ter perecido). Já os saudosistas são menininhos mimados à procura de algo que dê sentido às suas vidas cheias de luxo e conforto. E que explique para eles o caos que não compreendem e têm preguiça de consertar.

Ambos os grupos apontam para os militares, só que em direções opostas. Ambos sugam o golpe de 1964, os primeiros como expiação para seus pecados, os demais como esperança para seus anseios. E é no meio desta batalha que surgem besteiras de todos os tipos. Como a do senhor doutor Qualquer Coisa que disse que 1964 era nosso Holocausto.

Entre a caça aos heróis inexistentes ou aos salvadores de quepe, prefiro a simplicidade do queijo coalho na praia e, sobretudo, a sabedoria de compreender que tudo isso não passará de uma nota de rodapé num futuro livro de história. Superdimensionar os acontecimentos e conferir a uma geração status de mártir ou messias é próprio de ególatras.

E, sinceramente, a existência dos ególatras (gente banal com potencial para genocidas) é a única semelhança que consigo ver entre a maluquice de 1964, os gênios-do-pau-de-arara e os saudosistas da violência.

Nota do Editor
Paulo Polzonoff Jr. assina hoje o blog O Polzonoff.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 28/4/2004


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável - 15/8/2003
03. Quem sou eu? - 8/12/1977
04. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
05. Está Consumado - 14/4/2001


Mais Especial 1964-2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2004
16h10min
Enfim, o grito que estava preso na minha gargata! Eu já não aguento mais tanta gente em nome desse golpe, exaltar salvadores, profetas metaforizantes e falsos heróis. Parabéns pelo discernimento e coragem de falar o que muita gente precisa ouvir e saber. Quem sabe, assim atingiremos o civilizado estado de maturidade.
[Leia outros Comentários de Mirthes]
3/5/2004
20h54min
Somos um país engessado. Engessados pelo passado, pelos 30 anos de ditadura que não acabam nunca, dada a insistência da também ditatorial esquerda em lembrar sempre. Lembrar pra quê? Engessados pelo futuro, nesse porvir que nunca vem por que nada fazemos no tempo que mais importa: O PRESENTE. Basta de 1964! Basta de o País do Futuro!
[Leia outros Comentários de Getúlio Maia]
3/8/2004
10h27min
Suas ideias sao a expressao viva de um povo que esta saturado de tanta historia magoada, que nao traz melhorias para ninguem, a nao ser a propria elite que as cria em beneficio proprio. Precisamos é de atitude, inteligência e valorizaçao do ser humano. Temos liberdade escolher nossos governantes, mas que infortunio, quando chegam no poder, tornam-se incapazes de colocar a maquina publica em favor do povo e para disfarçar sujeitam a sociedade a andar mascarada. Assim transformam-nos em palhaços num espetaculo de horrores, fome, desemprego, descaso, violencia, ausencia de educaçao, cultura, saude, enfim, falta tudo, só nao falta os visionarios que se ocupam de desviar nossa atencao, levando-nos a acreditar que ja foi pior. Superamos a ditadura militar. A quem ela atingiu? Basta de falacias. Parabens pelo artigo e pela coragem.
[Leia outros Comentários de Helena de Ávila]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONSOLIDADORES DE TURISMO: SERVIÇOS E DISTRIBUIÇÃO
CÉLIA MARIA DOS SANTOS EDMIR KUAZAQUI
THONSON
(2004)
R$ 10,00



A CRÔNICA ESCANDALOSA DO AMOR
PIERRE DE BOURDEILLE

R$ 25,00



FABIANO DE CRISTO
ROQUE JACINTHO (2ª EDIÇÃO)
LUZ NO LAR
(1987)
R$ 25,00



A UNIFICAÇÃO DA EUROPA
VAMIREH CHACON
SCIPIONE
(1992)
R$ 7,00



LA DOCTRINE CORPORATIVE 8294
MAURICE BOUVIER-AJAM
DU RECUEIL SIREY
(1937)
R$ 70,00



UM CERTO DIA DE MARÇO
LUCILIA JUNQUEIRA DE ALMEIDA PRADO
PIONEIRA
(1979)
R$ 12,00



TRIP PARA MULHERES ANO 03 2007
MARCELO SERRADO
TRIP
(2003)
R$ 30,00



INTERESSE PÚBLICO ESPECIAL: LICITAÇÃO E OS TRIBUNAIS DE CONTAS
CONS. HELIO SAUL MILESKI (APRESENTAÇÃO)
NOTADEZ (SAPUCAIA DO SUL)
(2001)
R$ 19,28



NOSSAS CRIANÇAS VOLUME 2
VÁRIOS AUTORES
ABRIL CULTURAL
R$ 5,00



FILA, A
BASMA ABDEL AZIZ
ROCCO
(2018)
R$ 31,84





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês