Paulo Francis não morreu | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
>>> Fábio Porchat no Comedia em Pé
Mais Recentes
>>> A Senhora do Jogi de Sidney Sheldon pela Record (2010)
>>> A Palavra Perdida de Lino de Albergaria pela Atual (1991)
>>> O Desafio Amazonico de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1989)
>>> Alguém Para Amar a Vida Inteira de Roniwalter Jatobá pela Positivo (2015)
>>> O Céu está caindo de Sidney Sheldon pela Record (2000)
>>> Alquimistas e Quimicos de Vanin Jose Atilio pela Moderna (1994)
>>> Trafico de Anjos de Luiz Puntel pela Atica (1992)
>>> O Plano Perfeito de Sidney Sheldon pela Record (2012)
>>> As Aventuras do Marujo Verde de Glaucia Lemos pela Atual (1990)
>>> Posso Te Dar Meu Coração? de Ganymedes José pela Moderna (1989)
>>> O Segredo do ídolo de Barro de Elisabeth Loibl pela Melhoramentos (1987)
>>> O Elefante Assassino de Pedro Bandeira pela Atual (1987)
>>> Lover in the rough de Elizabeth Lowell pela Avon books (1994)
>>> O Passado Esteve Aqui de Stella Carr pela Moderna (1988)
>>> O Guarani - de José de Alencar pela Reddiel (1997)
>>> A Maldição da Fabrica de José Americo de Lima pela Atual (1989)
>>> Vinda Com a Neve de Odette de Barros Mott pela Moderna (1982)
>>> Qual é a Minha de Marcia Leite pela Scipione (1990)
>>> Um Cadáver Ouve Rádio de Marcos Rey pela Atica (1984)
>>> O Caso da Ilha de Odette de Barros Mott pela Atual (1987)
>>> Literatura Comentada de Mário Quintana pela Abril Educação (1982)
>>> Literatura Comentada de José Lins do Rego pela Abril Educação (1982)
>>> Literatura Comentada de Graciliano Ramos pela Abril Educação (1981)
>>> Literatura Comentada de Camilo Castelo Branco pela Abril Educação (1980)
>>> Literatura Comentada de Antonio Callado pela Abril Educação (1982)
COLUNAS >>> Especial 10 anos sem Francis

Quarta-feira, 7/3/2007
Paulo Francis não morreu
Tais Laporta

+ de 4100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O que Paulo Francis diria de sua própria morte? Diria, com um mau humor visceral, que "nem a morte acaba com a vida de Paulo Francis". E, mais uma vez, seria amado ou odiado por isso. A prova de sua imortalidade está aí: faz dez anos que o jornalista partiu sem dizer adeus e precisamos explicar a arte de viver sem ele. Serão décadas de jornalismo órfão. Aquela expressão teatral e ironia debochada não vão se repetir.

Isso porque ele morreu no auge da carreira, numa década morna, como um dos mais cultos e polêmicos jornalistas do país. Nem teve tempo de se entregar à costumeira decadência do fim da vida jornalística, como fizeram Joseph Mitchell e Truman Capote - que terminaram num misterioso vazio intelectual. Ao contrário, um dia antes de morrer, Francis gravava para a TV Globo uma análise freudiana das razões que levam o homem a cometer o estupro.

Nem conseguiu desmentir que sua inteligência afiada atravessou o século XXI. "Azar o meu", zombaria de si mesmo, se soubesse que o veneno de suas linhas resiste mau-copiado no jornalismo atual, todos os dias. "Não vou mudar de idéia", afirmaria com teimosia, se soubesse que, dez anos após sua morte, muita gente ainda não digeriu a crítica azeda contra aquele filme tão doce, aquela cantora tão afinada - ou aquele autor tão sensível. O argumento mais recorrente para desmoralizar Francis é o de que atuou mais como um personagem do que como jornalista.

Emprestou ao profissional da notícia um semblante cênico inconfundível, de fato. Mas, por trás da teatralidade das câmeras, não escondia o repertório cultural de um autêntico profissional da imprensa. Se caía na crítica rasa, ninguém pode dizer, por outro lado, que não possuía embasamento teórico. Seja por admiração ou ressentimento, em muita veia crítica circula, até hoje, um sangue ácido como o de Paulo Francis. Mas ao saber que ainda cultiva imitadores, provavelmente criticaria, com sua expressão teatral mais autêntica, "a falta de fosfato e identidade do pobre brasileiro, que o máximo que consegue é admirar um jornalista de meia-tigela, ainda que culto - e se gabar por isso".

Mas por trás da máscara ressentida que Francis usava diante das câmaras, escondia-se um homem doce, companheiro e extremamente solidário, como revelou seu círculo de amigos nos últimos anos. Só depois de sua morte descobriu-se que ajudava colegas de trabalho endividados - atitude que preservava como um segredo de Estado. Nem por isso é possível dizer que Francis não mostrava sua verdadeira personalidade. Mesmo tendo construído um personagem televisivo e escolhido um pseudônimo - encurtou o verdadeiro nome, Franz Paul Trannin da Matta Heilborn - Francis nunca deixou de dizer o que pensava, bem ou mal, de quem quer que fosse. Doa a quem doer.

E, por isso, conquistou uma popularidade invejável, não menor que sua coleção de inimigos. Opinava sem receio de qualquer ditadura do senso comum. Se protegia das bombas verbais com granadas de improviso. Era capaz de ficar "sozinho ao lado da verdade", como lembrou um de seus colegas de profissão, o jornalista Wagner Carelli. Mas nem por isso foi um jornalista meramente panfletário, embora certas vezes, na emoção, trocasse o argumento pela opinião esvaziada. Na maior parte de sua produção intelectual, aliava convicções pessoais a uma profunda bagagem cultural e humanística. Sabia disso e fazia questão de mostrar seu repertório: "Desafio quem não encontre, em qualquer trabalho meu, por mais banal o tema, uma crítica política e ética", disse certa vez. O desafio está lançado há mais de dez anos. Quem vai encarar uma das maiores expressões do jornalismo não-convencional brasileiro?

Apesar de ser visto, por muitos, como autoridade em termos de sagacidade, graça, ironia e repertório, Francis via a si mesmo como um simples e reles mortal. Assim se definiu em uma entrevista à revista Status:

"Sou um homem bem casado, um tranqüilo habitante, que passa a maior parte do tempo escrevendo. Isso me cansa, mas me agrada. Sou profundamente deprimido, a doença do século, sei, mas nem por isso deixa de ser chato. Se não escrevendo, em suma, produzindo, só me sinto à vontade no mundo, temporariamente (...). Sofro de accidie, para usar a palavra bacana, um senso inerradicável de solidão, futilidade e desespero. A culpa não é de ninguém, pelo contrário, nem sei como retribuir o amor dos poucos, porém certos, que gostam de mim. O problema é meu. Eu tenho um hábito, talvez produto do orgulho típico dos deprimidos, de que experimento, em microcosmo, o espírito da época".

Sobre o empenho profissional, Francis não escondia o rigor com que se policiava: "Sempre que escrevo, dou tudo o que tenho. Nunca escrevi uma linha mal cuidada na minha vida, de que eu tivesse consciência. E respeito todo trabalho profissional bem feito, não importa o tema. Jornalismo, claro, como tudo, exige o máximo de liberdade. Sem esta, a vida nunca será plena para ninguém, opressores ou oprimidos. Nem por isso confunda minha depressão, que é espiritual, com desânimo".

Bom ou ruim, a verdade é que nunca se viu nada parecido no jornalismo brasileiro. E nenhum futuro jornalista poderia aprender (ou desaprender) tanto com a escola Paulo Francis, que ensinava a combinação perfeita entre bagagem pessoal, inteligência e improvisação - deixando de lado suas imperfeições, que só não existem na publicidade e nos deuses gregos.

É um desafio saudável ao jornalismo de hoje, e a qualquer um, tentar alcançar a memória, a articulação e o nível intelectual que Francis possuía e usava como ingredientes em uma simples notícia. E fazia, assim, um prato saboroso de informações. Tudo o que se disse sobre Paulo Francis não vai mensurar o que ele realmente representa. Um vasto legado jornalístico. Mas sua voz, inconfundível, fala melhor que nós: "E, se sou alguma coisa, sou um cético".


Tais Laporta
São Paulo, 7/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Era uma vez um inverno de Elisa Andrade Buzzo
02. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
03. Para que serve a poesia? de Ana Elisa Ribeiro
04. O problema da Petrobras são vários de Julio Daio Borges
05. Computadores, iPads e colheres de pau de Ana Elisa Ribeiro


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


Mais Especial 10 anos sem Francis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/3/2007
01h38min
O seu texto traduz um Paulo Francis mais humano, cotidiano, com seu desespero com e pela vida. A depressão nele é reflexo de seu ceticismo em relação à própria existência, à descrença no mundo e à sua extrema sensibilidade e inteligência, embora a sua sensibilidade não fosse tão visível a olhos menos atentos. Enfim, gostei do seu texto, me trouxe uma certa melancolia e doçura pela figura desse homem. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
9/3/2007
10h39min
A sua marca no jornalismo é vista de forma copiosa por vários dos seus discípulos. Paulo foi uma comediante antes de ser um crítico. Suas apimentadas reportagens sempre conduziam a opiniões contrárias dos seus adversários. Merece o lugar em que está.
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mudança Radical - do Islã para o Senhor Jesus
Samir Mustafa
Getsêmani
(2012)



Plenitude Visionária - Autografado
Márcio Catundo Gomes
Companhia das Musas
(2007)



Regra Constituições Diretório da Ordem dos Mínimos
Cura Generalicia da Ordem de Roma (1986)
Delegação Geral do Brasil (sp)
(1995)



Fascinação do Amor
Condessa Dorsay
Empresa
(1938)



Billy the Kid - História de um Bandido
Pat Garrett
L&pm
(1985)



Cantinho do Caminhoneiro
Sandra Casadei
Edicon
(1997)



Seus Problemas Acabaram! Casseta e Planeta
Objetiva
Objetiva
(2004)



Os Guerreiros do Tempo - 8a edição - Coleção Veredas
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1996)



Mundo da Lua e Miscelanea
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1950)



Teoria da Legitimidade do Direito e do Estado
Antonio Carlos de Almeida Diniz
Landy
(2006)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês