Paulo Francis não morreu | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial 10 anos sem Francis

Quarta-feira, 7/3/2007
Paulo Francis não morreu
Tais Laporta

+ de 3700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O que Paulo Francis diria de sua própria morte? Diria, com um mau humor visceral, que "nem a morte acaba com a vida de Paulo Francis". E, mais uma vez, seria amado ou odiado por isso. A prova de sua imortalidade está aí: faz dez anos que o jornalista partiu sem dizer adeus e precisamos explicar a arte de viver sem ele. Serão décadas de jornalismo órfão. Aquela expressão teatral e ironia debochada não vão se repetir.

Isso porque ele morreu no auge da carreira, numa década morna, como um dos mais cultos e polêmicos jornalistas do país. Nem teve tempo de se entregar à costumeira decadência do fim da vida jornalística, como fizeram Joseph Mitchell e Truman Capote - que terminaram num misterioso vazio intelectual. Ao contrário, um dia antes de morrer, Francis gravava para a TV Globo uma análise freudiana das razões que levam o homem a cometer o estupro.

Nem conseguiu desmentir que sua inteligência afiada atravessou o século XXI. "Azar o meu", zombaria de si mesmo, se soubesse que o veneno de suas linhas resiste mau-copiado no jornalismo atual, todos os dias. "Não vou mudar de idéia", afirmaria com teimosia, se soubesse que, dez anos após sua morte, muita gente ainda não digeriu a crítica azeda contra aquele filme tão doce, aquela cantora tão afinada - ou aquele autor tão sensível. O argumento mais recorrente para desmoralizar Francis é o de que atuou mais como um personagem do que como jornalista.

Emprestou ao profissional da notícia um semblante cênico inconfundível, de fato. Mas, por trás da teatralidade das câmeras, não escondia o repertório cultural de um autêntico profissional da imprensa. Se caía na crítica rasa, ninguém pode dizer, por outro lado, que não possuía embasamento teórico. Seja por admiração ou ressentimento, em muita veia crítica circula, até hoje, um sangue ácido como o de Paulo Francis. Mas ao saber que ainda cultiva imitadores, provavelmente criticaria, com sua expressão teatral mais autêntica, "a falta de fosfato e identidade do pobre brasileiro, que o máximo que consegue é admirar um jornalista de meia-tigela, ainda que culto - e se gabar por isso".

Mas por trás da máscara ressentida que Francis usava diante das câmaras, escondia-se um homem doce, companheiro e extremamente solidário, como revelou seu círculo de amigos nos últimos anos. Só depois de sua morte descobriu-se que ajudava colegas de trabalho endividados - atitude que preservava como um segredo de Estado. Nem por isso é possível dizer que Francis não mostrava sua verdadeira personalidade. Mesmo tendo construído um personagem televisivo e escolhido um pseudônimo - encurtou o verdadeiro nome, Franz Paul Trannin da Matta Heilborn - Francis nunca deixou de dizer o que pensava, bem ou mal, de quem quer que fosse. Doa a quem doer.

E, por isso, conquistou uma popularidade invejável, não menor que sua coleção de inimigos. Opinava sem receio de qualquer ditadura do senso comum. Se protegia das bombas verbais com granadas de improviso. Era capaz de ficar "sozinho ao lado da verdade", como lembrou um de seus colegas de profissão, o jornalista Wagner Carelli. Mas nem por isso foi um jornalista meramente panfletário, embora certas vezes, na emoção, trocasse o argumento pela opinião esvaziada. Na maior parte de sua produção intelectual, aliava convicções pessoais a uma profunda bagagem cultural e humanística. Sabia disso e fazia questão de mostrar seu repertório: "Desafio quem não encontre, em qualquer trabalho meu, por mais banal o tema, uma crítica política e ética", disse certa vez. O desafio está lançado há mais de dez anos. Quem vai encarar uma das maiores expressões do jornalismo não-convencional brasileiro?

Apesar de ser visto, por muitos, como autoridade em termos de sagacidade, graça, ironia e repertório, Francis via a si mesmo como um simples e reles mortal. Assim se definiu em uma entrevista à revista Status:

"Sou um homem bem casado, um tranqüilo habitante, que passa a maior parte do tempo escrevendo. Isso me cansa, mas me agrada. Sou profundamente deprimido, a doença do século, sei, mas nem por isso deixa de ser chato. Se não escrevendo, em suma, produzindo, só me sinto à vontade no mundo, temporariamente (...). Sofro de accidie, para usar a palavra bacana, um senso inerradicável de solidão, futilidade e desespero. A culpa não é de ninguém, pelo contrário, nem sei como retribuir o amor dos poucos, porém certos, que gostam de mim. O problema é meu. Eu tenho um hábito, talvez produto do orgulho típico dos deprimidos, de que experimento, em microcosmo, o espírito da época".

Sobre o empenho profissional, Francis não escondia o rigor com que se policiava: "Sempre que escrevo, dou tudo o que tenho. Nunca escrevi uma linha mal cuidada na minha vida, de que eu tivesse consciência. E respeito todo trabalho profissional bem feito, não importa o tema. Jornalismo, claro, como tudo, exige o máximo de liberdade. Sem esta, a vida nunca será plena para ninguém, opressores ou oprimidos. Nem por isso confunda minha depressão, que é espiritual, com desânimo".

Bom ou ruim, a verdade é que nunca se viu nada parecido no jornalismo brasileiro. E nenhum futuro jornalista poderia aprender (ou desaprender) tanto com a escola Paulo Francis, que ensinava a combinação perfeita entre bagagem pessoal, inteligência e improvisação - deixando de lado suas imperfeições, que só não existem na publicidade e nos deuses gregos.

É um desafio saudável ao jornalismo de hoje, e a qualquer um, tentar alcançar a memória, a articulação e o nível intelectual que Francis possuía e usava como ingredientes em uma simples notícia. E fazia, assim, um prato saboroso de informações. Tudo o que se disse sobre Paulo Francis não vai mensurar o que ele realmente representa. Um vasto legado jornalístico. Mas sua voz, inconfundível, fala melhor que nós: "E, se sou alguma coisa, sou um cético".


Tais Laporta
São Paulo, 7/3/2007


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


Mais Especial 10 anos sem Francis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/3/2007
01h38min
O seu texto traduz um Paulo Francis mais humano, cotidiano, com seu desespero com e pela vida. A depressão nele é reflexo de seu ceticismo em relação à própria existência, à descrença no mundo e à sua extrema sensibilidade e inteligência, embora a sua sensibilidade não fosse tão visível a olhos menos atentos. Enfim, gostei do seu texto, me trouxe uma certa melancolia e doçura pela figura desse homem. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
9/3/2007
10h39min
A sua marca no jornalismo é vista de forma copiosa por vários dos seus discípulos. Paulo foi uma comediante antes de ser um crítico. Suas apimentadas reportagens sempre conduziam a opiniões contrárias dos seus adversários. Merece o lugar em que está.
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MOLEQUES DE RUA AS AVENTURAS DE JOÃO PÃO, UM MENOR ABANDONADO
ROBERTO FREIRE
MODERNA
(1997)
R$ 6,00



OS GRANDES PROFETAS
NOVA CULTURAL
NOVA CULTURAL
(1985)
R$ 16,00



NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS E A GLOBALIZAÇÃO
CELSO CLAUDIO DE HILDEBRAND E GRISI
LTR
(1999)
R$ 28,00



LADYBUG - CORES DA AVENTURA
CIRANDA CULTURAL
CIRANDA CULTURAL
(2016)
R$ 8,90



OAB: DIREITO EMPRESARIAL
ANDRÉ LUIZ SANTA CRUZ RAMOS
ED. JUSPODIVM
(2012)
R$ 29,91



ENQUANTO O DIABO COCHILA
DELCIO MONTEIRO DE LIMA
LIVRARIA FRANCISCO ALVES
(1990)
R$ 7,00



PORTUGUÊS 2 TODA A LISBOA E ARREDORES 153 FOTOGRAFIAS A CORES
XAVIER COSTA CLAVELL
ESCUDO DE ORO
(1986)
R$ 35,00



BRASIL: EM COMPASSO DE ESPERA - PEQUENOS ESCRITOS POLÍTICOS
FLORESTAN FERNANDES
UFRJ
(2011)
R$ 44,00



UMA EDUCAÇÃO PARA A LIBERDADE - TEXTOS MARGINAIS
PAULO FREIRE
FIRMEZA
(1974)
R$ 51,85



I HAVE LANDED
STEPHEN JAY GOULD
HARVARD UNIVERSITY PRESS
(2011)
R$ 160,00





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês