Paulo Francis não morreu | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A memória vegetal
>>> VergonhaBrasil
>>> Juditha Triumphans, de António Vivaldi
>>> A trilogia Qatsi
>>> A pata da gazela transviada
>>> dinosonic
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> E assim se passaram dez anos...
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> Sermão ao cadáver de Amy
Mais Recentes
>>> Livro Mulheres Dos Anos Dourados de Carla Bassanezi Pinsky pela Contexto (2014)
>>> Liveo Eclipse - Série Crespúslo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> 100 Camisas Que Contam As Historias De Todas As Copas de Marcelo Duarte pela Panda Books (2024)
>>> Speakout Advanced 2nd Edition Students' Book With Dvd-rom And Myenglishlab Access Code Pack de Antonia Clare, Jj Wilson pela Pearson Education (2018)
>>> Traits Writing Student Handbook Grade 4 de Ruth Culham pela Ruth (2024)
>>> Livro Do Queijo de Juliet Harbutt (org. ) pela Globo (2010)
>>> Scooby Doo And The Weird Water Park (scooby-doo 8x8) de Jesse Leon Mccann pela Scholastic Paperbacks (2000)
>>> Spider-man 2: Hurry Up, Spider-man! de Kate Egan pela Festival (2004)
>>> Spider-man 3: Meet The Heroes And Villains (i Can Read: Level 2) de Harry Lime pela Harper Trophy (2024)
>>> Bakugan: Finding Drago de Tracey West pela Scholastic Inc. (2009)
>>> Medicina Integrativa: A Cura Pelo Equilibrio de Lima pela Mg (2024)
>>> Bem-vindo, Doutor: A Construção De Uma Carreira Baseada Em Credibilidade E Confiança de Renato Gregorio pela 62608 (2024)
>>> Problemas Atuais De Bioética de Leocir Pessini pela Edições Loyola (2020)
>>> À Meia Noite Levarei Sua Alma - O Estranho Mundo do Zé do Caixão de Laudo pela Nova Sampa (1995)
>>> Inglês Em Medicina de Vários Autores pela Manole (2024)
>>> Firestone de Roberto, Firestone Tire And Rubber Company Bascchera pela Dezembro Editorial (2024)
>>> Guia Josimar Melo 2004 de Josimar Melo pela Dba Dória Books And Art (2024)
>>> O Que Todo Médico Deve Saber Sobre Impostos, Taxas E Contribuições de Fábio K. Ejchel pela Edgard Blücher (2009)
>>> Compass American Guides: California Wine Country, 5th Edition (full-color Travel Guide) de John Doerper, Constance Jones, Sharron Wood Fodor's pela Compass America Guides (2007)
>>> Professoras Na Cozinha. Pra Você Que Não Tem Tempo Nem Muita Experiencia de Laura De Souza Chaui pela Senac (2024)
>>> The Penguin Good Australian Wine Guide 2007 de Huon Hooke pela Penguin Books Australia (2007)
>>> Guia Ilustrado Zahar: Azeite - Eyewitness Companio de Charles Quest-ritson pela Jorge Zahar (2011)
>>> Vinho Sem Segredos de Patricio Tapia pela Planeta (2024)
>>> Sentidos Do Vinho, Os de Kramer pela Conrad (2024)
>>> Buyer's Guide To New Zealand Wines 2007 de Michael Cooper pela Michael (2024)
COLUNAS >>> Especial 10 anos sem Francis

Quarta-feira, 7/3/2007
Paulo Francis não morreu
Tais Laporta
+ de 5000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O que Paulo Francis diria de sua própria morte? Diria, com um mau humor visceral, que "nem a morte acaba com a vida de Paulo Francis". E, mais uma vez, seria amado ou odiado por isso. A prova de sua imortalidade está aí: faz dez anos que o jornalista partiu sem dizer adeus e precisamos explicar a arte de viver sem ele. Serão décadas de jornalismo órfão. Aquela expressão teatral e ironia debochada não vão se repetir.

Isso porque ele morreu no auge da carreira, numa década morna, como um dos mais cultos e polêmicos jornalistas do país. Nem teve tempo de se entregar à costumeira decadência do fim da vida jornalística, como fizeram Joseph Mitchell e Truman Capote - que terminaram num misterioso vazio intelectual. Ao contrário, um dia antes de morrer, Francis gravava para a TV Globo uma análise freudiana das razões que levam o homem a cometer o estupro.

Nem conseguiu desmentir que sua inteligência afiada atravessou o século XXI. "Azar o meu", zombaria de si mesmo, se soubesse que o veneno de suas linhas resiste mau-copiado no jornalismo atual, todos os dias. "Não vou mudar de idéia", afirmaria com teimosia, se soubesse que, dez anos após sua morte, muita gente ainda não digeriu a crítica azeda contra aquele filme tão doce, aquela cantora tão afinada - ou aquele autor tão sensível. O argumento mais recorrente para desmoralizar Francis é o de que atuou mais como um personagem do que como jornalista.

Emprestou ao profissional da notícia um semblante cênico inconfundível, de fato. Mas, por trás da teatralidade das câmeras, não escondia o repertório cultural de um autêntico profissional da imprensa. Se caía na crítica rasa, ninguém pode dizer, por outro lado, que não possuía embasamento teórico. Seja por admiração ou ressentimento, em muita veia crítica circula, até hoje, um sangue ácido como o de Paulo Francis. Mas ao saber que ainda cultiva imitadores, provavelmente criticaria, com sua expressão teatral mais autêntica, "a falta de fosfato e identidade do pobre brasileiro, que o máximo que consegue é admirar um jornalista de meia-tigela, ainda que culto - e se gabar por isso".

Mas por trás da máscara ressentida que Francis usava diante das câmaras, escondia-se um homem doce, companheiro e extremamente solidário, como revelou seu círculo de amigos nos últimos anos. Só depois de sua morte descobriu-se que ajudava colegas de trabalho endividados - atitude que preservava como um segredo de Estado. Nem por isso é possível dizer que Francis não mostrava sua verdadeira personalidade. Mesmo tendo construído um personagem televisivo e escolhido um pseudônimo - encurtou o verdadeiro nome, Franz Paul Trannin da Matta Heilborn - Francis nunca deixou de dizer o que pensava, bem ou mal, de quem quer que fosse. Doa a quem doer.

E, por isso, conquistou uma popularidade invejável, não menor que sua coleção de inimigos. Opinava sem receio de qualquer ditadura do senso comum. Se protegia das bombas verbais com granadas de improviso. Era capaz de ficar "sozinho ao lado da verdade", como lembrou um de seus colegas de profissão, o jornalista Wagner Carelli. Mas nem por isso foi um jornalista meramente panfletário, embora certas vezes, na emoção, trocasse o argumento pela opinião esvaziada. Na maior parte de sua produção intelectual, aliava convicções pessoais a uma profunda bagagem cultural e humanística. Sabia disso e fazia questão de mostrar seu repertório: "Desafio quem não encontre, em qualquer trabalho meu, por mais banal o tema, uma crítica política e ética", disse certa vez. O desafio está lançado há mais de dez anos. Quem vai encarar uma das maiores expressões do jornalismo não-convencional brasileiro?

Apesar de ser visto, por muitos, como autoridade em termos de sagacidade, graça, ironia e repertório, Francis via a si mesmo como um simples e reles mortal. Assim se definiu em uma entrevista à revista Status:

"Sou um homem bem casado, um tranqüilo habitante, que passa a maior parte do tempo escrevendo. Isso me cansa, mas me agrada. Sou profundamente deprimido, a doença do século, sei, mas nem por isso deixa de ser chato. Se não escrevendo, em suma, produzindo, só me sinto à vontade no mundo, temporariamente (...). Sofro de accidie, para usar a palavra bacana, um senso inerradicável de solidão, futilidade e desespero. A culpa não é de ninguém, pelo contrário, nem sei como retribuir o amor dos poucos, porém certos, que gostam de mim. O problema é meu. Eu tenho um hábito, talvez produto do orgulho típico dos deprimidos, de que experimento, em microcosmo, o espírito da época".

Sobre o empenho profissional, Francis não escondia o rigor com que se policiava: "Sempre que escrevo, dou tudo o que tenho. Nunca escrevi uma linha mal cuidada na minha vida, de que eu tivesse consciência. E respeito todo trabalho profissional bem feito, não importa o tema. Jornalismo, claro, como tudo, exige o máximo de liberdade. Sem esta, a vida nunca será plena para ninguém, opressores ou oprimidos. Nem por isso confunda minha depressão, que é espiritual, com desânimo".

Bom ou ruim, a verdade é que nunca se viu nada parecido no jornalismo brasileiro. E nenhum futuro jornalista poderia aprender (ou desaprender) tanto com a escola Paulo Francis, que ensinava a combinação perfeita entre bagagem pessoal, inteligência e improvisação - deixando de lado suas imperfeições, que só não existem na publicidade e nos deuses gregos.

É um desafio saudável ao jornalismo de hoje, e a qualquer um, tentar alcançar a memória, a articulação e o nível intelectual que Francis possuía e usava como ingredientes em uma simples notícia. E fazia, assim, um prato saboroso de informações. Tudo o que se disse sobre Paulo Francis não vai mensurar o que ele realmente representa. Um vasto legado jornalístico. Mas sua voz, inconfundível, fala melhor que nós: "E, se sou alguma coisa, sou um cético".


Tais Laporta
São Paulo, 7/3/2007

Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


Mais Especial 10 anos sem Francis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/3/2007
01h38min
O seu texto traduz um Paulo Francis mais humano, cotidiano, com seu desespero com e pela vida. A depressão nele é reflexo de seu ceticismo em relação à própria existência, à descrença no mundo e à sua extrema sensibilidade e inteligência, embora a sua sensibilidade não fosse tão visível a olhos menos atentos. Enfim, gostei do seu texto, me trouxe uma certa melancolia e doçura pela figura desse homem. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
9/3/2007
10h39min
A sua marca no jornalismo é vista de forma copiosa por vários dos seus discípulos. Paulo foi uma comediante antes de ser um crítico. Suas apimentadas reportagens sempre conduziam a opiniões contrárias dos seus adversários. Merece o lugar em que está.
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor e Orgasmo
Alexander Lowen
Summus
(1988)



Deuses Desterrados
J. J. Van Der Leeuw
Enciclopédica Internacional
(1936)



A Revolução Mexicana
Héctor Alimonda
Atica
(1995)



Grande Sertão: Veredas
João Guimarães Rosa
Nova Fronteira
(2010)



Vencendo Limites 344
Marcelo Bulk
Brahma Kumaris
(2008)



Livro Religião O Amor Venceu
Zibia Gasparetto
Vida



Livro Literatura Estrangeira Noites de Tormenta
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2008)



Globalização, Democracia e Ordem Internacional: Ensaios Sobre Teo
Sebastião C. Velasco e Cruz
Unesp
(2004)



De Mão em Mão
Guto Lins
Ftd
(2012)



100 Jogos Cooperativos
Christine Fortin
Ground
(2011)





busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês