A pandemia de Albert Camus | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida de aspirante a escritor
>>> Cesar Huesca
>>> 24 de Maio #digestivo10anos
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> 22 de Maio #digestivo10anos
>>> Intravenosa
>>> A primeira batalha do resto da guerra
>>> Metal for babies, o disco
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Sidney Lumet, invisível
Mais Recentes
>>> Três autos da alma da barca do inferno de Gil Vicente pela Folha
>>> Clara dos Anjos e outras histórias de Lima Barreto pela Folha
>>> O cortiço de Alusío Azevedo pela O globo
>>> Sonetos de Bocage pela Folha
>>> As pupilas do senhor reitor de Julio Dinis pela Folha
>>> Amor e Perdição de Camilo Castelo Branco pela O globo
>>> O noviço de Martins Pena pela Folha
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Folha
>>> O Leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Companhia Das Letras (2017)
>>> The Host de Stephenie Meyer pela Litle (2009)
>>> Uns e Outros de Helena Terra e Luiz Ruffalo pela Dublinense (2017)
>>> A mulher que escreveu a Bíblia de Moacyer Scilar pela Folha (2012)
>>> Pegasus e o fogo do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Tempo de Geografia de Axé Silva e Jurandyr Ross pela Brasil (2019)
>>> Pegasus e a batalha pelo olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Pegasus e as origens do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2014)
>>> Pégasus e os novos olímpicos de Kate Ohearn pela Leya (2013)
>>> Harry Potter e a Criança Amaldiçoada de J.K. Rowling pela Rocco (2016)
>>> Elite da tropa de Luiz Eduardo Soares, Andre Batista, Rodrigo Pimentel pela Objetiva (2006)
>>> Missão Silverfin de Charlie Higson pela Galera (2006)
>>> O Retrato de Charlie Lovett pela Novo Conceito (2013)
>>> História Telares 7º de Cláudio Vicentino e José Bruno Vicentino pela Atica (2019)
>>> Eu de Ricky Martin pela Planeta (2010)
>>> Geografia Telares 7º ano de J.W.Vesentini e Vânia Vlach pela Atica (2019)
>>> Vida e Proeza de Aléxis Zorbas de Nikos Kazantzákis pela Tag (2021)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/4/2020
A pandemia de Albert Camus
Wellington Machado

+ de 1000 Acessos


Colagem de papel sobre cartão

E deu-se a peste. Oran, Argélia, abril de 1940. O médico Bernard Rieux se depara com um rato morto, com a boca ensanguentada, no corredor de sua residência. Havia outro rato morto na rua; outros na vizinhança. E nos mercados, praças. Os ratos rodopiavam, rodopiavam, vomitavam sangue e caíam no chão, esganiçavam e morriam. Eram as pulgas as infectantes. Cada vez mais ratos morriam; dezenas de ratos morriam; centenas e milhares de ratos morriam. Oito mil ratos foram recolhidos com pás e tratores num só dia. Eram as pulgas. Pulgas que infectavam além de ratos, humanos; adultos e crianças; mães, pais e avós. E eram agora vários corpos humanos infectados. Bubões (bubônica) explodiam nas coxas e nos gânglios dos humanos. Eram bolhas vermelhas. Ínguas.

Seria isso uma alegoria?

E a morte se proliferou em Oran, que fora sitiada pela prefeitura para que a peste não se alastrasse. Rieux se deparava com doentes, depois com agonizantes, depois com cadáveres. Os hotéis se transformaram em abrigos para pacientes em quarentena. Ruas vazias, ratos, pulgas. O estádio de futebol se tornou um grande hospital. Houve falta de soro para os pacientes. Vômitos de sangue, febre, ganidos. E mais cadáveres. Eram os ratos, as pulgas.

Seria isso uma metáfora?

Corpos humanos começaram a ser empilhados nos hospitais, funerárias, cemitérios. Faltavam covas para tantos corpos. Eram enterrados com cal. Houve cremação em massa. Coveiros contraíam a peste também. Prisioneiros eram usados para enterrar cadáveres. Pacientes ficaram loucos. Tentavam se suicidar. Quase não havia mais ratos. Eram as pulgas.

Seria isso o absurdo?

Deus existe? Padre Peneloux, um jesuíta, atribuía a peste ao castigo dos deuses. Uma provação. Que os humanos passassem pela peste com resiliência. Deus existe? Mas havia solidariedade, vários voluntários ajudaram o dr. Rieux. Deus existe? Voluntários não dormiam. Voluntários tinham febre. Voluntários tinham Bubões. Eram as pulgas. Deus existe?

Seria o apocalipse?

A peste tirava a todos o poder do amor e até mesmo da amizade. Porque o amor exige um pouco de futuro e para nós só havia instante”, dizia um doente.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 8/4/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ourivesaria fantasista: Saramago nas alturas de Renato Alessandro dos Santos
02. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
03. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
04. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
05. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
02. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
04. As pedras de Estevão Azevedo - 10/10/2018
05. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas - Livro de Bolso
Dale Carnegie
Nacional
(2016)



Quero Ver Você Me Obrigar!
Bill Ohanlon
Gente
(2004)



100 Dúvidas de Carreira para Executivos de Finanças
José Cláudio Securato / Luiz Roberto Calado
Saint Paul
(2009)



O Esqueleto Atrás da Porta
Stella Carr
Moderna
(2003)



História Maravilhosa de Masaniello
Rui de Altamira
Arco
(1944)



Perdas e Ganhos
Lya Luft
Record
(2003)



Dúvidas Internas Sobre a Dívida Externa
Homero Higino de Souza
Liney



A Ciência por Dentro
Newton Freire Maia
Vozes
(2000)



Madrugada Suja
Miguel Sousa Tavares
Companhia das Letras
(2013)



El Quinto En Discordia
Robertson Davies
Libros del Asteroide
(2009)





busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês