A verdade entre o professor e o rascunho | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 13/8/2009
A verdade entre o professor e o rascunho
Vicente Escudero

+ de 2500 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Sansão, discípulo aplicado, aguardando instruções

Cursos de criação literária são pequenos grupos de leitores que se unem para recriar um ambiente de discussão, em que os alunos tentam se equiparar ao professores já publicados, ou servem de instrumento de desenvolvimento da escrita, das técnicas de criação ficcional?

Possível redigir uma resposta convincente? A febre da criação dos cursos surgiu a partir do fim da Segunda Guerra Mundial, nos Estados Unidos, e espalhou-se pelo mundo afora, até mesmo em países com pouca tradição literária como as Filipinas e a Coréia do Sul. Baseados em currículos que buscam atrair os aspirantes a escritores pela criatividade, seja através de workshops ou cursos regulares com bacharelado, garantidores de que o aprimoramento técnico não significará a homogeneização da escrita, prometem formar escritores prontos para o beligerante mercado editorial. Na busca pelo aluno, os cursos incorporam os valores contrários ao academicismo da cadeira dura da faculdade e das pequenas jornadas pelo quadro negro: em vez de a arte ser desenvolvida do lado de fora dos portões das universidades, jovens escritores são chamados para agregar seus valores à técnica, numa conjunção entre o abstrato e o concreto, com a intervenção do professor, verdadeiro mediador e pastor dessa espécie desgarrada conhecida como autodidata. A fórmula é simples, complicado é garantir que a maçã cairá da árvore.

A exigência de padrões em nosso tempo de relações massificadas, contadas na casa dos seis dígitos, pode ter chegado ao ilimitado universo literário. Diante de modelos e ideias pré-concebidas, a sensível interpretação dos fatos cotidianos, aliada à literatura volumosa sobre as técnicas da escrita ficcional parece não atrair o escritor preguiçoso, disposto a gastar (e muito) com aulas que valeriam algumas compras num sebo, além de lápis, borracha e papel. E a leitura constante dos clássicos, principalmente dos escritores que se transformaram em modelos de criação, como Henry James e Dostoiévski. Não é óbvio?

E o sebo não precisa ser em outro país. Descrever aquilo que é ordinário, os acontecimentos do cotidiano, transformar a realidade em ficção deveria ser o primeiro exercício do aspirante a escritor; o segundo, reescrever a história, sem mudar a verdade, de todas as formas diferentes que conseguir. Se o mundo exterior não é interessante e as diferentes personalidades não forem captadas, desnecessária a técnica. A literatura está mais presente na praça, onde Tolstói escrevia enquanto observava os rostos das pessoas, do que na discussão sobre a autenticidade e confiabilidade do narrador em Memórias póstumas de Brás Cubas. John Gardner, autor de A arte da ficção, tem um entendimento interessante do que seria um curso de criação literária adequado. No prefácio do livro, em determinado momento, ele traça a diferença fundamental entre o escritor e o professor, uma verdadeira barreira que jamais deve ser cruzada para garantir a qualidade do curso:

"Os verdadeiros artistas, por mais que nos mostrem uma expressão sorridente, são pessoas obsessivas, acossadas ― se por algum tipo de mania ou alguma visão nobre e elevada, não é coisa que nos diga respeito no momento. Qualquer pessoa que tenha trabalhado como artista e como professor poderá dizer, penso eu, que age de maneira muito diversa nesses dois campos. Ninguém é mais cuidadoso, mais escrupulosamente honesto, mais devotado à sua visão pessoal do ideal do que um bom professor tentando escrever um livro sobre Gilgamesh. Redigirá até altas horas da noite, deixará de ir a festas, sentirá pontadas de culpa por passar tão pouco tempo com a família. Não obstante, seu trabalho não se compara ao de um artista, assim como o trabalho de um perito-contador de primeira linha não se compara com o de um atleta disputando um campeonato. O professor utiliza aquelas faculdades da mente mais acessíveis a todo mundo. Tem, por todos os lados, apoios, controles, dispositivos de segurança, regras de procedimento que o guiam e garantem. É um homem seguro de onde pisa e do lugar que ocupa no mundo. Ele condiz com caminhos ensolarados, pavilhões de prestigiosas universidades, dessas que têm as fachadas cobertas de hera. Com o artista não é assim. Nenhum estudo crítico, por brilhante que seja, tem a vitalidade de batalha psicológica que faz parte do clima de um romance. As qualidades que distinguem um verdadeiro artista ― quase as mesmas que fazem um verdadeiro atleta ― tornam imperativo que o aprendiz de escritor jamais seja impedido de trabalhar tão a sério quanto deseja. Nos cursos universitários, fazemos exercícios, teses, questionários, exames finais, que não se destinam a publicação. Podemos seguir um curso sobre Dostoiévski ou Poe da mesma forma como comparecemos a um coquetel relativamente animado, beliscando salgadinhos e fragmentos de conversação ― quando bons ― suportando o que é tedioso, e indo embora para casa quando for chegada a hora. A Arte, naqueles momentos em que ela se parece mais com Arte ― quando nos sentimos mais vivos, mais ativos, mais triunfantes ― assemelha-se menos a um coquetel do que a um tanque cheio de tubarões. Tudo é definitivo, e não apenas um exercício. (Robert Frost disse: 'Eu nunca escrevo exercícios, mas às vezes faço poemas malogrados e a esses então chamo de exercícios.') Um curso de criação literária deve ser como escrever de verdade. Tudo que se faz tem de ser, pelo menos, potencialmente, utilizável, publicável, definitivo. 'Uma vontade poderosa' ― disse Henry James ―, 'só isso se exige!'. Não se deve desencorajar ou minar essa vontade.

A autenticidade da literatura depende dos limites impostos pelo seu próprio autor, e a utilização de fórmulas prontas, dentro de um ambiente em que se reproduz apenas a técnica, sem contato com a realidade, pode levar a criação a se transformar numa réplica, e o autor numa espécie de máquina criadora de rascunhos mal-acabados, que são rasgados por uma máquina mais poderosa, o professor, detentora dos códigos secretos para classificação e determinação do papel de maior valor. O pagamento pela mordida na mão do provedor parece ser o maior prazer proporcionado por essa "máquina de fast-food", comparação feita pelo crítico e romancista inglês Malcolm Bradbury: "Como o hambúrguer ― um híbrido vulgar que, conhecida a sua origem, ninguém jamais o comeria".

Contudo, Bradbury, professor de Ian McEwan, criou o primeiro mestrado de escrita criativa na Inglaterra, em 1970, talvez pela convicção de que a escrita possa ser aprimorada depois do talento do escritor ter sido descoberto e colocado à prova. Num primeiro momento, a criação literária é incumbência exclusiva do escritor. Depois de testado e aprovado pela crítica, leitores ou pela teimosa perseverança de assistir ao lixo se encher de papéis, o escritor pode tentar aprender algo diferente desenvolvendo uma tese que será usada, provavelmente, para criação de outra tese e de outros professores de criação literária. O aluno na conclusão do mestrado pode desenvolver um método, analisar um romance, mas o resultado não será nada parecido com o de George Orwell quando escreveu Lutando na Espanha, enquanto tratava de assegurar a veracidade do título.

Só que a experiência solitária não produz nada literário; apenas, na melhor hipótese, jornalístico ou panfletário. O método de criação, mapa mais íntimo jamais descoberto de qualquer escritor, é um labirinto repleto de caminhos alternativos que só podem ser percorridos com os instrumentos de pesquisa corretos, com a bússola regulada, sempre apontando para o norte. A leitura constante dos clássicos e o exercício contínuo da escrita são terrenos a serem percorridos pela alma do escritor, ser abstrato que habita só os crédulos e dá movimento ao que é vivo. Se Cícero disse que um aposento sem livros é um corpo sem alma, o escritor com uma grande biblioteca em busca de uma fórmula talvez seja o aluno do curso de criação literária: ainda que tudo esteja pronto para ser descoberto, ele prefere preencher seu vazio com as palavras dos outros.


Vicente Escudero
São Paulo, 13/8/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
03. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
04. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
05. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2009
01. Amor aos pedaços - 7/5/2009
02. E a lei cedeu diante dos costumes - 11/6/2009
03. O naufrágio é do escritor - 12/3/2009
04. 2008, o ano de Chigurh - 2/1/2009
05. Amantes, tranquila inconsciência - 8/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/8/2009
19h38min
Que tema de difícil discussão! Em poucas palavras: do meu ponto de vista, um escritor deve ser um bom observador do mundo; possuir imaginação fértil e ler, isto é, enamorar-se, empreender-se, aprimorar-se, sempre! na arte de ler. abs do Sílvio Medeiros. Campinas, é inverno de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
16/8/2009
19h46min
Ops, escapou, eu me esqueci! O autêntico escritor deve possuir pleno domínio da linguagem: literatura é laboratório da linguagem!
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês