Entrando para ganhar | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Copa 2010

Quarta-feira, 21/7/2010
Entrando para ganhar
Celso A. Uequed Pitol

+ de 3500 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Quando perguntaram a Sebastião Lazaroni como a seleção brasileira iria se portar durante a Copa de 90, a resposta veio rápido: "Não vamos jogar bonito, para divertir os europeus. Vamos jogar para ganhar". Pela primeira vez na história, a seleção brasileira aderia ao esquema 3-5-2, oficialmente descoberto pelos dinamarqueses no início daquela década mas usado na prática desde que o futebol existe. Parecia simples, mas funcionava com precisão de metrônomo: os três zagueiros fixos cuidavam, com vantagem, dos dois atacantes adversários; o meio-campo, composto por três volantes com muito pulmão, espírito de luta e organização tática, destruíam as jogadas inimigas no nascedouro. Nos dois lados do campo, os alas substituíam os velhos laterais e eram responsáveis pelas jogadas de ataque da equipe, levando a bola pelos flancos até o campo inimigo onde dois centroavantes e um ou outro meio-campista esperavam os cruzamentos.

Eficiência na destruição, velocidade no contra-ataque. Era o esquema dos vencedores. Os argentinos, os italianos, os alemães e todos aqueles que venciam jogavam assim. Os brasileiros não ― e perdiam. Nosso 4-4-2 sem muita rigidez, com meias avançados, volantes que saíam para o jogo e pouca combatividade, era presa fácil para essa verdadeira máquina de ganhar títulos. Não era nenhuma novidade. Tratava-se da boa e velha retranca, devidamente polida e adaptada para a discussão futebolística mais elevada, onde poderia mostrar-se de forma a não fazer os entendidos torcerem o nariz. Um esquema cínico, simples, quase antidesportivo, mas que funcionava. Quem queria entrar para ganhar jogaria dessa forma.

É importante contextualizarmos as palavras de Lazaroni. No final dos anos 80, o futebol brasileiro vivia uma crise identitária tão grave quanto a crise econômica que assolava o país. A Seleção vinha de duas Copas onde uma talentosíssima geração de jogadores havia fracassado jogando um futebol encantador. Em 1982, perdemos para a Itália, da maneira que todos sabem. Em 1986, para a França, nos pênaltis. Na primeira, dizia-se, faltou-nos organização na defesa. Na segunda, dizia-se, faltou frieza, compenetração, competência: nossos dois maiores craques ― Zico e Sócrates ― erraram suas cobranças, um no tempo normal, outro na disputa pós-jogo. Nos dois casos, para seleções européias. Nos dois casos, para não-favoritos. Nos dois casos, para seleções que tinham, ou aparentavam ter, aquilo que nós, por uma série de razões, aparentávamos não ter: organização e frieza. Nossos malabarismos com a bola, nossos jogadores-artistas, nossa mentalidade naturalmente ofensiva, nosso jogo, enfim, divertido, era impiedosamente massacrado quando enfrentava a sério equipes européias que jogavam a sério. Pela primeira vez, nós, brasileiros, nos víamos como aprendizes em matéria futebolística. Era necessário mudar. Era necessário ser como eles: do ponto de vista tático, organizados e sistemáticos; do ponto de vista psicológico, compenetrados e frios quando necessário. Ao fim de tudo, vencedores.

A mudança de esquema de jogo cuidava do aspecto tático. No campo psicológico, a frase de Lazaroni trazia uma carta de intenções sobre a nova mentalidade que deveria impulsionar os jogadores brasileiros: não jogar para divertir os outros. Estávamos cansados de receber sorrisos de superioridade de quem nos vencia e, ante o nosso choro de perdedores crônicos, dizia: "que agradáveis são esses brasileiros!". Estávamos cansados da condescendência, dos consolos, do lamentar irônico, dos tapinhas nas costas. Não queríamos mais ser agradáveis, simpáticos, sorridentes, bobos da corte do futebol. A alegria do futebol brasileiro era um chavão que repetíamos sem compreender o significado profundo que encerrava. A tal alegria era nada menos do que a irresponsabilidade, a incapacidade de organizar-se, o riso no momento errado, a piada fora de hora, a incompetência, a derrota. Não queríamos ser alegres e divertir os outros com a nossa alegria. Queríamos ser detestados, odiados, temidos e não amados, seguindo a clássica lição de Maquiavel. O velho homem cordial de Sérgio Buarque precisava ser combatido dentro de campo como se fosse ele o nosso verdadeiro inimigo, e não a seleção adversária. Era isso o que Lazaroni queria para a seleção brasileira, para o Brasil e para os brasileiros. Era um novo momento, e este momento merecia um nome para defini-lo, algo marcante, que deixasse uma ideia para as gerações futuras do que foi aquela experiência. Lazaroni tinha um: a Era Dunga. O recado era claro: Dunga era o meio-campista aplicado, marcador, bom no lançamento, fraco na condução de bola e péssimo em termos de carisma. Era o símbolo do que deveríamos ser no futuro.

Todos sabem como isso acabou. O Brasil jogou a Copa de 1990 de maneira sistemática, ordenada e rígida. Venceu os três primeiros jogos pelo placar mínimo. Nas oitavas de final, jogou contra a Argentina e perdeu, também pelo placar mínimo. Jogou para ganhar, não divertiu ninguém, não arrancou sorrisos, condescendência, tapinha nas costas, nada disso. Não arrancou sequer lamentos. Era como se a seleção brasileira não tivesse participado do torneio. Saímos da maneira como entramos: sem título e sem alegria. Ao menos, um dos objetivos foi cumprido.

Naquele mesmo ano de 1990, o recém-empossado presidente Collor começava a dar corpo ao conjunto de medidas que, com a promessa de alavancar a economia, acabaria por conduzi-la à ruína. O título de "caçador de marajás" conduzia uma candidatura que prometia transformar o destrambelhado Brasil da virada da década na potência que os militares, vinte anos antes, prometiam que iria se tornar. Afinado com a tendência mundial da época, Collor vinha com uma agenda liberal que incluía abrir o fechado mercado brasileiro ao estrangeiro e privatizar empresas públicas. Era cercado de nomes respeitáveis, como Zico, José Guilherme Merquior ― que, dizem, escreveu parte de seu discurso de posse ―, José Lutzenberger, José Goldemberg e muitos outros. Para a economia, tinha, à maneira do personagem de Maurício de Sousa, um plano infalível. Um plano proporcional ao ego de seu criador, reconhecidamente inflado. Era preciso dar-lhe um nome. Como Lazaroni, o presidente recém-eleito pensou em algo marcante, que deixasse uma ideia para as gerações futuras do que foi aquela experiência: o Plano Collor.

Isso também todos sabem como acabou. Os dois homens com promessas mirabolantes ― Collor e Lazaroni ― deixaram a torcida e o eleitorado (o que são, em termos anímicos, praticamente a mesma coisa) na mesma situação. A autoestima do país, naturalmente já um tanto baixa e abalada pelos fracassos no futebol, ficou positivamente destruída. A Era Dunga e o Plano Collor naufragaram de braços dados. O Brasil, mais uma vez, perdia.

Muito se passou desde então. O Brasil ganhou e perdeu várias vezes, recebeu o influxo de novas ideias, aceitou novos paradigmas, trilhou novos rumos sem, no entanto, trilhá-los sob um nome marcante ou um slogan que deixasse na memória de todos a suposta grandiosidade daquele momento. Caminhou sem lenço e sem documento. Perdeu e ganhou assim, como se costuma perder e ganhar.

Veio, por fim, o fracasso da Copa de 2006. Movido a festa, jogadores acima do peso e da idade desejável, badalação midiática e descuido, o Brasil voltava a perder. Acendeu-nos o alerta. Foi chamado Dunga ― sim, o mesmo que deu nome à seleção de Lazaroni, que era combativo, lutador e pouco carismático, o símbolo de uma era de fracassos. E era isso que, supunha-se, precisava a seleção brasileira. Alguém combativo, lutador e pouco carismático, capaz de pôr aquele bando de Macunaímas tardios nos eixos e conquistar o hexa. A Era Dunga retornaria? Não exatamente.

Após levantar a taça em 1994 e mandar um recado bem direto a todos os seus críticos, o jogador já estava reabilitado perante a crítica e o público e passou a ser visto como um exemplo de liderança. E um líder precisa comandar em direção à vitória. Dunga estava ali, também, para jogar para ganhar. O esquema de jogo da seleção brasileira, simples, básico e direto como as respostas do treinador nas coletivas, seria, na teoria, desmontado por qualquer treinador experiente. Jogo tão somente de contra-ataque, explorando a velocidade do excelente lateral-direito, de um meia-atacante especialista em arrancadas verticais e o faro de gol de um centroavante mortal quando sozinho na área, a Seleção Brasileira assemelhava-se a uma velha máquina de pinball, com os jogadores de defesa (na prática, sete: os quatro defensores, mais o trio de volantes) funcionando como palhetas enquanto Kaká e Maicon funcionavam como os lançadores. Essa seleção conseguiu em 2010 a proeza de ser ainda mais detestada pela crítica do que a de 1990. Se aquela ainda trazia um Romário em ascensão, um Renato Gaúcho, um Tita, um Bismarck, nenhum, rigorosamente nenhum jogador dos 22 convocados de Dunga se notabilizava pela criatividade, a qual até atrapalharia a mecânica de jogo (termo que, aqui, ganha contornos quase literais) da máquina verde e amarela. Um meia cadenciador, driblador, criativo ― alegre? ― diminuiria a precisão quase metronômica das jogadas brasileiras. Precisão que falhou quando mais precisou-se dela.

O que aconteceu com a seleção, mais uma vez, todos sabemos. E Dunga foi execrado pela crítica e apoiado pela população. Mais de 70% dos brasileiros estavam com ele quando o Brasil foi eliminado e muitos, ainda hoje, o veem como perseguido pela mídia. O Brasil o entende ― porque o Brasil de 2010 é, em boa parte, igual à Seleção que ele formou. O Brasil de 2010 não é alegre e não deseja sê-lo. O Brasil de 2010 quer-se inserido no mundo globalizado não como espectador ou receptor, mas como agente direto, que media conflitos, que dá exemplos, que é co-artífice deste mesmo mundo, pícaro da sociedade racional, dessacralizada, burocratizada e tudo o mais que um senhor alemão chamado Max Weber já apontava há um século. O Brasil de 2010 comete acintes ambientais com a desculpa de que não se pode impedir o progresso, ao melhor estilo, vejam só, de George W. Bush. O Brasil de 2010 crê, como Celso Amorim, que apoiar ditadores é justificável pelo argumento de que "negócios são negócios" e que pregação moralista não leva a nada.

O Brasil de 2010 referenda esta postura, com aprovação semelhante ― não por coincidência ― à do Dunga pré-eliminação. O Brasil de 2010 não quer mais o homem cordial, afinal, uma de suas características basilares, tal como as descreveu Sérgio Buarque, é a confusão entre os domínios público e privado, entre o mundo dos negócios e o mundo das relações afetivas, ligada à dificuldade em aceitar um distanciamento racional entre a vida econômica e o emocional-afetivo, consubstanciada na conhecida observação dos comerciantes holandeses do século XVII ― um dos exemplos mais acabados de agentes econômicos racionais ― de que, no Brasil, era impossível fazer negócios com um brasileiro sem ser antes amigo dele. Isto já não existe. Negócios são negócios e, no jogo, como nos negócios, entra-se para ganhar e não para fazer bonito. Lazaroni já não precisa dizer para não divertirmos os europeus: só o fazemos por dinheiro. O Brasil de hoje é o Brasil de Dunga, de Lazaroni e de outros,dentro e fora do futebol. A questão que fica é: quantas vezes mais precisaremos perder entrando para ganhar à maneira dos outros, para podermos, finalmente, admitir ― ou descobrir, ou redescobrir ― que podemos ganhar, como tantas vezes já ganhamos, sendo apenas nós mesmos?


Celso A. Uequed Pitol
São Paulo, 21/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Você sabe quem escreveu seu show preferido? de Fabio Gomes
02. Tapa na cara de Ana Elisa Ribeiro
03. Sidney Lumet, invisível de Vicente Escudero
04. Meus melhores discos de 2009 de Rafael Rodrigues
05. Palácio dos sabores 2/5 de Elisa Andrade Buzzo


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
02. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
03. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005
04. Um olhar sobre Múcio Teixeira - 12/2/2019
05. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração - 29/5/2018


Mais Especial Copa 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIVA MAIS - VENÇA E PREVINA A DEPRESSÃO
IZAIAS CLARO
SOLIDUM
(2012)
R$ 8,90



ADVERTÊNCIAS ESPIRITUAIS - O CONSELHO PLANETÁRIO
FRANCISCO EDERALDO KORNALEWSKI
MADRAS
(2000)
R$ 12,89



LINGUAGEM LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO
HEITOR MEGALE & MARILENA MATSUOKA
FTD
R$ 10,00



A 600º CELSIUS
STANLEY WILLIAMS / FEN MONTAIGNE
OBJETIVA
(2002)
R$ 11,00



VICENTE FERRER: LA REVOLUCION SILENCIOSA
ALBERTO OLIVERAS
PLANETA
(2000)
R$ 52,28



NEANDERTAL
JOHN DARNTON
PRESENÇA
(1996)
R$ 27,50



A VOLTA AO MUNDO EM 80 DIAS - OS GRANDES CLÁSSICOS DA LITERATURA
JULIO VERNE
NOVO HORIZONTE
(1983)
R$ 10,00



O TELEJORNAL E O SERVIÇO PÚBLICO
FELIZBELA LOPES
MINERVA
(1999)
R$ 39,08



O GARANHÃO - 11ª EDIÇÃO
HAROLD ROBBINS
RECORD
(1971)
R$ 7,00



DO MEU AO TEU CORAÇÃO
PE. PAULO H. MOURA
ED. LOYOLA
R$ 5,00





busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês